Lapa (bairro do Rio de Janeiro)

bairro do Rio de Janeiro
Lapa
  Bairro do Brasil  
O Aqueduto da Carioca, popularmente conhecido como Arcos da Lapa.
O Aqueduto da Carioca, popularmente conhecido como Arcos da Lapa.
Localização
Lapa.svg
Distrito Centro e Centro Histórico
História
Criado em 17 de maio de 2012[1]
Características geográficas
Área total 40,00 ha (em 2003)
 • IDH 0,894
Outras informações
Limites Centro, Glória, Santa Teresa[2]
Subprefeitura Centro e Centro Histórico
Fonte: Não disponível

A Lapa é um tradicional bairro da Zona Central do município do Rio de Janeiro, no Brasil. Possui uma grande variedade de bares, restaurantes, boates e pubs temáticos, que atendem a todos os gostos ao longo de suas treze ruas. Sendo conhecido como o berço da boemia carioca, na atual efervescência do bairro, quinze novos estabelecimentos foram abertos apenas em 2009. Também é famosa pela arquitetura, a começar pelo Aqueduto da Carioca, sua principal referência e cartão-postal, que foi construído para funcionar como aqueduto nos tempos do Brasil Colonial e que, desde 1896, serve como via para o bonde que liga o Centro ao bairro de Santa Teresa.

Até 1986, era um dos cinco sub-bairros do Centro, sendo, nesse ano, emancipado por razões culturais. O bairro nasce no final da Zona Sul, quando a Rua da Glória torna-se a Rua da Lapa. Também faz limite com o bairro de Santa Teresa e com o sub-bairro de Fátima, no Centro.

Bondes circulando sobre os Arcos da Lapa, 1955. Arquivo Nacional.

HistóriaEditar

 
Vista aérea do bairro, destacando os Arcos da Lapa e Catedral Metropolitana de São Sebastião

O Aqueduto da CariocaEditar

 Ver artigo principal: Aqueduto da Carioca

O Aqueduto da Carioca é considerado a obra arquitetônica de maior importância do Rio Antigo e um dos principais símbolos da cidade. A imponente construção em estilo neoclássico tem 17,8 metros de altura, 270 metros de extensão e 42 arcos que ligam o bairro de Santa Teresa ao Morro de Santo Antônio. O Aqueduto da Carioca foi construído em 1723, no período do Brasil Colonial e tinha, como objetivo, conduzir a água do Rio Carioca da altura do Morro do Desterro, atual bairro de Santa Teresa, para o Morro de Santo Antônio. A obra ajudaria a resolver o problema da falta de água na cidade. Problema este que já era antigo. Os estudos para trazer as águas do Rio Carioca para a cidade começaram nos primeiros anos do século XVII, mas as obras de instalação de canos de água no Rio de Janeiro só tiveram início um século depois.

A Vila Rui BarbosaEditar

A Vila Rui Barbosa foi um conjunto habitacional que ocupava todo o quarteirão hoje localizado entre a Rua do Senado, a Rua dos Inválidos, a Avenida Henrique Valadares e a Travessa Dídimo. Começou a ser construída em 1890, e foi inaugurada em 1901; todavia as obras de construção da vila prosseguiram até 1912. A vila possuía 145 casas para famílias e 324 cômodos para solteiros. Conta-se que, nos andares para solteiros, exigia-se que uma família morasse na extremidade de cada corredor, a fim de manter a decência. Embora inicialmente construída com a finalidade de ser uma vila operária, acabou por servir de habitação à classe média carioca da época. Várias figuras ilustres moraram na vila, em diferentes épocas, como Heitor Villa-Lobos, Dalva de Oliveira, Herivelto Martins, Mário Lago e Silvio Santos. Após ter sido demolida na década de 70, o terreno ficou desocupado até a construção do Centro Empresarial Senado no local, atualmente alugado à empresa Petrobras.[3]

Moradores FamososEditar

  • Madame Satã chegou na Lapa em 1907, vindo de Pernambuco. Morou inicialmente na Rua Moraes e Vale, nº 27.[7]
  • Manuel Bandeira morou na Rua Morais e Vale, nº 57, de 16 de março 1933 a 25 de março de 1942.[9]
  • Silvio Santos morou durante a infância e adolescência na Lapa. Quando nasceu, em 1930, a sua família morava na Travessa Bemtevi, que ficava entra a Avenida Henrique Valadares e a Rua do Senado, na Vila Rui Barbosa. Mais tarde, mudou-se com a família para a Rua Gomes Freire. Silvio Santos costumava frequentar os cinemas da Cinelândia. Entrava muitas vezes sem pagar, fazendo uso de diversas artimanhas a fim de driblar a segurança dos cinemas. Os cinemas preferidos de Silvio eram o Capitólio, o Rex, o Odeon e o Vitória. Quando adolescente, Silvio Santos conta ainda que, vez em quando, ganhava dinheiro apostando em jogos de sinuca nos bares da Lapa, onde entrava escondido, por ser menor de idade. Conhecia muito bem a competência de cada um dos jogadores habituais e aproveitava-se dos apostadores esporádicos. Fez o primário na escola Celestino da Silva, na Rua do Lavradio.[10]
  • Mário Lago morou na Vila Rui Barbosa, para onde mudou-se enquanto ainda menino.[3]
  • Ziraldo mudou-se de sua cidade natal Caratinga, no interior de Minas Gerais, para a Lapa, aos 15 anos, a fim de completar os seus estudos no Rio de Janeiro.[11] Veio morar no apartamento de sua avó,[11] que ficava na Rua Joaquim Silva, no trecho próximo à esquina com a Rua Conde de Lages.[12] Mais tarde, Ziraldo escreveu Viagem de volta: Lapa, uma matéria para o jornal O Pasquim, onde recorda algumas de suas memórias da adolescência vivida no bairro.[13]

Ademais, residiram na Lapa: Carmem Miranda; Jorge Amado; Péricles Maranhão (autor de "O Amigo da Onça"); Lamartine Babo; Orestes Barbosa; Jorge Selarón; etc.

Emancipação em 2012Editar

 
Catedral e Arcos da Lapa

Lei N.º 5.407 de 17 de maio de 2012. Cria o bairro da Lapa, pela subdivisão do bairro de Fátima e do Centro, região administrativa. Autores: Vereadores Dr. Jairinho e Marcelo Arar Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º Fica criado o Bairro da Lapa pela subdivisão do bairro do Centro, área da AP 1 e II Região Administrativa.

Art. 2º O Bairro da Lapa terá os seguintes limites:

  • Ruas: Riachuelo, André Cavalcanti, do Rezende, Ubaldino do Amaral, do Senado, dos Inválidos, Lavradio, dos Arcos, da Lapa, da Glória, Conde de Lages, Joaquim Silva, e Evaristo da Veiga.
  • Praças: Monsenhor Francisco Pinto, Cardeal Câmara e Largo dos Pracinhas.
  • Avenidas: República do Paraguai e Mem de Sá.

Art. 3º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Dia 18 de maio de 2012. - Eduardo Paes; Prefeito do Rio de Janeiro desde 2009.

Mudanças RecentesEditar

Nos últimos tempos, o paisagismo da Lapa sofreu significativas alterações. Onde era o Largo dos Pracinhas (uma praça anexa ao Aqueduto da Carioca), hoje existe o Circo Voador. A Rua dos Arcos, que atravessa o aqueduto, era um via ocupada por edificações centenárias, entre elas a Fundição Progresso, que, hoje, é uma casa de shows.

O renascer do bairro como centro de vida noturna, na virada do século XX para o XXI, trouxe o aumento da prostituição nas ruas do bairro.[16] Outros problemas enfrentados pelo bairro atualmente são o comércio ambulante não autorizado, a sujeira, a criminalidade e a falta de preservação de alguns prédios de importância histórica.[17]

EstruturaEditar

 
Casarões da Lapa
 
Vista noturna do bairro, com o Aqueduto da Carioca ao fundo

Próximo ao bairro, concentram-se as sedes e prédios administrativos de muitas grandes empresas (Petrobras, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, Caixa Econômica Federal etc.), bem como inúmeros prédios (arranha-céus) comerciais de elevadíssimo padrão na Avenida República do Chile ("Ventura Corporate Towers", "Rio Metropolitan" etc.). Com o adensamento populacional das demais regiões da cidade, a proximidade da Zona Sul (com a qual faz fronteira pela Glória) e a intensificação do trânsito, começou também a despertar o interesse de moradores das regiões norte, sul e oeste do Rio de Janeiro, ávidos por habitar próximo ao trabalho no Centro, escapando dos congestionamentos. Por essa razão, empreendimentos residenciais lançados na primeira década do século XXI, que ofereceram ampla infraestrutura ou estrutura de apart-hotel ("Viva Lapa", "Cores da Lapa" etc.) esgotaram suas vendas em pleno lançamento, o que deixa clara a demanda reprimida por habitações de padrão elevado no bairro.

Com o andamento de obras de vulto como a da nova sede da Petrobras, Eletrobras, Centro Empresarial da Evaristo da Veiga etc., estima-se que a demanda por residências no bairro torne-se ainda maior, sobretudo por executivos que já vêm adquirindo imóveis no bairro como "pied à terre" (segundo imóvel na região onde se trabalha, para evitar grandes deslocamentos e trânsito durante dias de semana). Na tentativa de resgatar a vocação residencial da região, foi criado o movimento Eu Sou da Lapa. Inspirado na famosa campanha I love NY, que ajudou a revitalizar a cidade estadunidense que estava em decadência na década de 1970, o movimento busca resgatar o orgulho de pertencer ao bairro. Com o apoio do poder público e a adesão da maioria dos estabelecimentos comerciais da Lapa, o Eu Sou da Lapa foi espalhado pela cidade, mas com poucas conquistas efetivas na área de segurança, reinserção da população de rua e combate ao crime, antigas reclamações dos moradores aos poderes públicos.

Outrora famosa por inspirar tipos como Madame Satã e a "Malandragem Carioca" que tanto habitaram as páginas literárias dos autores cariocas, a Lapa é, hoje, ponto de referência absoluta para os amantes da vida noturna. Uma das características marcantes do bairro é a absoluta harmonia com que convivem as mais diversas tribos urbanas. Desde os anos 1950, quando começou a ser chamada de "Montmartre Carioca", a Lapa é palco de encontro de intelectuais, artistas, políticos e, principalmente, do povo carioca, que, ali, se reúne para celebrar o samba, o forró, a música popular brasileira, o choro e, mais recentemente, a música eletrônica, o rap e o rock. Nos últimos anos, a região consolidou-se como o segundo maior destino de turistas estrangeiros na cidade, ficando atrás apenas do bairro de Copacabana.[18][19] O Passeio Público, a Escola Nacional de Música e a Igreja de Nossa Senhora do Desterro da Lapa são referências para o turista que quer ver uma boa amostra da arquitetura do Rio antigo. Para o público que prefere a música eletrônica e os shows de rock, destacam-se, dentre outros, a Fundição Progresso e o Circo Voador, reinaugurado em 2004.

Panorama do Aqueduto da Carioca.

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, Lei⠀nº 5.407, de 17 de maio de 2012. Cria o Bairro da Lapa, pela subdivisão do Bairro de Fátima e do Centro, área da AP 1, II Região Administrativa. .
  2. Bairros do Rio
  3. a b c d GERBASE, Fabíola (13 de novembro de 2012). «Futura sede da Petrobras atrai empreendimentos e revitaliza área do Rio antigo». O Globo. Consultado em 11 de maio de 2020 
  4. a b JOBIM, Caio (6 de setembro de 2008). «Patrimônio tomba casa "perdida" de Machado de Assis». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de maio de 2020 
  5. «Bens Tombados». Portal da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Consultado em 11 de maio de 2020 
  6. «Prefeitura entrega busto de Lima Barreto na Lapa». Portal da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. 12 de março de 2011. Consultado em 11 de maio de 2020 
  7. Madame Satã (1971). «Madame Satã». O Pasquim (entrevista) (nº 95 - 29/04 a 05/05/1971). Entrevista com Sérgio Cabral, Millôr Fernandes, Chico Júnior, Jaguar, Paulo Garcez, Paulo Francis, Fortuna. Sérgio Cabral, Millôr Fernandes, Chico Júnior, Jaguar, Paulo Garcez, Paulo Francis, Fortuna. Rio de Janeiro. p. 2. Consultado em 22 de maio de 2020 – via Hemeroteca Digital da Fundação Biblioteca Nacional 
  8. Castro, Ruy (1999). «João do Rio». Ela é carioca: uma enciclopédia de Ipanema 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras. p. 191. ISBN 8571649537 
  9. BEZERRA, Elvia (19 de abril de 2014). «Manuel Bandeira: a vida inteira». Blog do IMS. Consultado em 11 de maio de 2020 
  10. Silva, Arlindo (2017). A fantástica história de Silvio Santos. São Paulo: Seoman. e–book não paginado. ISBN 9788555030598 
  11. a b Lins, Guto (2019). «Kriptonita, ou... de onde veio a Supermãe». In: Vidigal, Tarcisio; Lins, Adriana. The Supermãe: Almanaque 50 anos. São Paulo: Editora Melhoramentos. ISBN 9788506087008. Consultado em 22 de maio de 2020 
  12. ZIRALDO (1971). «Viagem de volta: Lapa». O Pasquim (nº 95 - 29/04 a 05/05/1971). Rio de Janeiro. p. 8. Consultado em 22 de maio de 2020 – via Hemeroteca Digital da Fundação Biblioteca Nacional 
  13. ZIRALDO (1971). «Viagem de volta: Lapa». O Pasquim (nº 95 - 29/04 a 05/05/1971). Rio de Janeiro. pp. 8–9. Consultado em 22 de maio de 2020 – via Hemeroteca Digital da Fundação Biblioteca Nacional 
  14. Castro, Ruy (1999). «Millôr Fernandes». Ela é carioca: uma enciclopédia de Ipanema 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras. p. 255. ISBN 8571649537 
  15. FAERMAN, Marcos (5 de março de 1991). «Memórias da marginalidade na Lapa de Aguinaldo Silva» (PDF). Jornal da Tarde. p. 23. Consultado em 11 de maio de 2020 
  16. Imagem mostra tráfico de drogas na Lapa próximo a sede da polícia no Rio. Disponível em http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2012/08/imagem-mostra-trafico-de-drogas-na-lapa-proximo-sede-da-policia-no-rio.html. Acesso em 13 de setembro de 2012.
  17. Além do comércio de drogas à noite, Lapa sofre com abandono de dia. Disponível em http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2012/08/alem-do-comercio-de-drogas-noite-lapa-sofre-com-abandono-de-dia.html. Acesso em 13 de setembro de 2012.
  18. «Guia de Lapa, Rio de Janeiro - Bairros do Airbnb». Airbnb. Consultado em 2 de agosto de 2017 
  19. «Tradicional bairro boêmio do Rio, Lapa tem esgoto a céu aberto, lixo e insegurança - Notícias - Cotidiano». Cotidiano 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Lapa (bairro do Rio de Janeiro)