Abrir menu principal
Leonor Teles
Nascimento 1992 (27 anos)
Vila Franca de Xira, Portugal Portugal
Nacionalidade Portugal Portugal
Ocupação Realizadora
Festival de Berlim
Urso de Ouro para Melhor Curta-Metragem (2016)
Outros prémios
Prémio Take One! no Curtas Vila do Conde (2013)

Prix International de la Scam - Festival Cinéma du Réel em Paris (2018)

IMDb: (inglês)

Leonor Diogo Vitorino Teles (Vila Franca de Xira[1], 1992) é uma realizadora portuguesa.

Índice

BiografiaEditar

Filha de pai de origem cigana, oriundo de Vila Franca de Xira[2] e de mãe não cigana, a antropóloga Lígia Vitorino. Tem dois irmãos.

Cresceu nessa terra, onde andou na escola. Licenciou-se em Realização e Cinematografia na Escola Superior de Teatro e Cinema e tem um mestrado em Audiovisual e Multimédia da Escola Superior de Comunicação Social do Instituto Politécnico de Lisboa.

O seu primeiro filme foi o documentário Rhoma Acans, de 2013, onde explorou as suas raízes ciganas, ficando a conhecer a história da sua avó e bisavó paternas. Estas viviam de forma independente dentro da comunidade cigana.

Foi a mais nova realizadora a receber um prémio de curta-metragem no Festival de Berlim, relativo à curta Balada de um Batráquio. O filme de 11 minutos retrata a tradição portuguesa de colocar sapos à porta das lojas para evitar a entrada de ciganos, No final a realizadora parte os sapos à porta das lojas, num acto de vandalismo[3].

FilmografiaEditar

  • As Coisas dos Outros (2012);
  • Estranhamento (2013);
  • Rhoma Acans (2013);
  • O Sítio Onde as Raposas Dizem Boa Noite (2014);
  • Otorrinolaringologista (2015);
  • Balada de um Batráquio (2015) - curta;
  • Verão Danado (2017);
  • Terra Franca (2018).

PrémiosEditar

  • Prémio Take One! no Curtas Vila do Conde (2013);
  • Prix International de la Scam - Festival Cinéma du Réel em Paris (2018);
  • Urso de Ouro para Melhor Curta-Metragem (2016)
  • Prémio Firebird para Melhor Curta-Metragem no Hong Kong International Film Festival (2016);
  • Melhor Curta-Metragem no Belo Horizonte International Short Film Festival (2016);
  • Prémio Cervantes para Curta Metragem Mais Inovadora no Festival Medfilm (2016);
  • Medalha Municipal Dourada de Valor Cultural (Câmara Municipal de Vila Franca de Xira) (2016);
  • Prix International de la Scam (prémio do júri) - Festival Cinéma du Réel em Paris (2018);
  • Prix de la Ville d'Amiens (2018);
  • Prémio de Melhor Longa Metragem de Ficção e Prémio D. Quixote do Júri FICC na 24.ª edição do Festival Caminhos Cinema Português.

Referências