Abrir menu principal

Life (filme de 1999)

filme de 1999 dirigido por Ted Demme
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Life
É a Vida (PRT)
Até que a Fuga os Separe (BRA)
 Estados Unidos
1999 •  cor •  109 min 
Direção Ted Demme
Produção Brian Grazer
Eddie Murphy
Roteiro Robert Ramsey
Matthew Stone
História Eddie Murphy
Narração Tone Man
Elenco Eddie Murphy
Martin Lawrence
Obba Babatundé
Ned Beatty
Bernie Mac
Nick Cassavetes
Miguel A. Núñez Jr.
Anthony Anderson
Bokeem Woodbine
Género comédia dramática
Música R. Kelly
Wyclef Jean
Companhia(s) produtora(s) Imagine Entertainment
Distribuição Universal Pictures
Lançamento Estados Unidos 16 de abril de 1999
Reino Unido 27 de agosto de 1999
Singapura 2 de setembro de 1999
Brasil 11 de fevereiro de 2000
Portugal 29 de fevereiro de 2000
Idioma inglês
Orçamento US$ 80 milhões
Receita US$75,576,029
Página no IMDb (em inglês)

Life (Até que a Fuga os Separe BRA ou É a Vida PRT) é um filme americano de comédia dramática de 1999, lançado pela Universal Pictures e estrelado por Eddie Murphy e Martin Lawrence. É o segundo filme em que Murphy e Lawrence atuam juntos; o primeiro foi Boomerang, de 1992.

O filme retrata a história de vida de dois nova-iorquinos, de nome Ray Gibson (Murphy) e Claude Banks (Lawrence), da juventude até a velhice de ambos. Ray é um trambiqueiro espertalhão que vive de pequenos golpes, já Claude é um banqueiro honesto, porém, muitas vezes egoísta e ambicioso. Em 1932, os dois se conhecem e se tornam amigos, sendo obrigados a contrabandiar bebida ilegal para quitar uma dívida, e acabando presos, acusados injustamente de homicídio. Na prisão perpétua, são mandados para um campo de trabalho forçado, convivem com diversos outros presos (dos quais muitos se tornam seus amigos) e ao longo de 65 anos, se envolvem em muitas confusões, tentando fugir do local, se livrarem das acusações e serem livres, alcançando a liberdade. Com personalidades e pensamentos diferentes, Ray e Claude vivem brigando e implicando um com o outro, mas estão condenados a passarem o resto da vida juntos "até que a fuga os separe".

SinopseEditar

Um preso idoso chamado Willie Long (Obba Babatundé) comparece ao enterro de dois amigos que recentemente morreram em um incêndio da enfermaria de uma prisão do Mississippi. Ele começa a contar, aos dois jovens prisioneiros que estão cavando os túmulos, a história de vida de seus amigos.

Em 1932, Ray Gibson (Eddie Murphy) e Claude Banks (Martin Lawrence) são dois nova-iorquinos de mundos totalmente diferentes. Ray é um trambiqueiro e ladrão de pequenos golpes, enquanto Claude é um homem honesto, mas muitas vezes egoísta e ganancioso, que apenas foi aceito para trabalhar como caixa de banco em First Federal de Manhattan. Ambos estão em um clube chamado Spanky's, quando Ray escolhe Claude como sua marca para o Poker. Ambos acabam nas más graças do dono do clube, Spanky Johnson, (Rick James) e Ray organiza para si mesmo e Claude fazerem algum contrabando para quitar sua dívida, indo para o sul, a fim de comprar um carro no Mississipi. Antes que eles possam voltar para Nova York, um homem chamado Winston Hancock (Clarence Williams III), que roubou Ray em um jogo de cartas, é assassinado pelo xerife da cidade, Warren Pike (Ned Vaughn), que enquadra Ray e Claude pelo assassinato. Pouco tempo depois, eles vão a julgamento, e são condenados à vida.

Ray e Claude são enviados para uma infame prisão chamada 'Camp 8' (atual Penitenciária do Estado do Mississippi), para realizarem trabalhos forçados. Eles passam os próximos 65 anos tentando escapar da prisão, fazendo novos amigos - Willie, Biscuit (Miguel A. Núñez Jr.), Jangle Leg (Bernie Mac), Radio (Guy Torry), Goldmouth (Michael Taliferro), Cookie (Anthony Anderson) e Pokerface (Barry Shabaka Henley) - e despistando os guardas Sargento Dillard (Nick Cassavetes) e Hoppin Bob (Brent Jennings). Claude pede ao primo advogado, Melvin, que apele contra a sua condenação, com a ajuda de sua namorada Daisy, mas isso é negado, e logo depois, Claude descobre que Daisy o trocou por Melvin. Uma noite, Claude e Ray tentam escapar da prisão, chegando até o Tallahatchie, antes de serem capturados e sentenciads a uma semana de confinamento na solitária.

12 anos depois, por volta de 1945, com idades entre 37 anos, eles conhecem um detento mudo apelidado de "Can't-Get-Right", que é um talentoso jogador de beisebol, e que provavelmente engravidou a filha do superintendente, visto que a criança nasceu multirracial. Ele chama a atenção de um olheiro das Ligas negras de beisebol que afirma que pode tirá-lo da prisão se ele começar a jogar profissionalmente. Ray e Claude, vendo uma oportunidade para a libertação, tentam convencer o homem a ajudá-los também, visto que eles ficaram amigos de Can't-Get-Right e o incentivaram a jogar melhor. Durante o horário de visitas, Biscuit confessa a Ray que vai ser solto; no entanto, ele tem medo de voltar para a casa da mãe, sendo gay, e acaba cometendo suicídio deliberadamente ao correr para a "linha de fogo", sendo baleado e morto pelo guarda Hoppin. Depois, Can't-Get-Right é liberado para jogar nos Pittsburgh Crawfords, um time de beisebol negro da Pensilvânia. Ray inventa uma nova fuga, mas Claude se recusa, chateado com o fato de que 'Can't-Get-Right' foi libertado sem eles, levando a uma discussão com Ray. Isso faz com que os dois sigam caminhos separados.

28 anos mais tarde, em 1972, Ray e Claude têm 65 anos de idade. Todos os amigos de Ray e Claude já morreram ou foram libertados por algum motivo, exceto Willie, que agora está confinado em uma cadeira de rodas. Dillard ainda dirige o acampamento, e um dia informa Ray e Claude que eles serão transferidos para viverem e trabalharem na mansão do superintendente Dexter Wilkins (Ned Beatty). Claude faz amizade com Wilkins, e é encarregado de contratar e dirigir o novo superintendente, o xerife Warren Pike (R. Lee Ermey), o homem que havia prendido Ray e Claude há quarenta anos atrás. Enquanto caça faisões, Ray enfrenta Pike, onde o xerife admite enquadrá-los sem remorso dizendo que "O Estado do Mississippi conseguiu 40 anos de mão-de-obra barata". Enquanto Claude luta para impedir que Ray se vingue, Pike tenta matá-los, mas é baleado e morto por Wilkins, que percebendo que Ray e Claude são realmente inocentes, encobre o assassinato de Pike como um acidente de caça. Ele pretende libertá-los, mas morre de ataque cardíaco antes disso.

Em 1997, já nos dias atuais, Ray e Claude são agora idosos, com 90 anos, passando a viverem na enfermaria da prisão. Claude conta pra Ray de mais um plano que ele tem em mente, mas Ray parece ter aceitado o seu destino de morrer na prisão. Naquela noite, a enfermaria pega fogo, e aparentemente os dois amigos são consumidos pelas chamas. Willie conclui a história descrevendo o plano de Claude: Ele e Ray roubariam dois corpos do necrotério, iniciariam um incêndio, plantariam os corpos e depois se esconderiam nos caminhões de bombeiros, partindo com eles pela manhã. Quando os trabalhadores perguntam por que o plano não funcionou, Willie diz para eles: "Nunca disse que não funcionou". Os prisioneiros começam a perceber que os corpos que enterraram não são os de Ray e Claude, que escaparam de volta a Nova York, e são vistos pela última vez assistindo a um jogo dos New York Yankees. O filme termina revelando que os dois amigos passaram os últimos anos de sua vida bem, morando no Harlem.

ElencoEditar

Trilha sonoraEditar

Life
Trilha sonora de Vários artistas
Lançamento 16 de março de 1999
Gravação Junho de 1998 - Janeiro de 1999
Gênero(s) Hip hop, R&B
Duração 63:14
Idioma(s) Inglês
Gravadora(s) Rock Land
Interscope Records
Produção R. Kelly, DJ Quik, Wyclef Jean, Jerry Duplessis, Rodney Jerkins
Singles de 'Life'
  1. "Life"
    Lançamento: 26 de janeiro de 1999
  2. "Fortunate"
    Lançamento: 3 de março de 1999
  3. "New Day"
    Lançamento: 14 de setembro de 1999
  4. "It's Gonna Rain"
    Lançamento: 1999
  5. "What Would You Do?"
    Lançamento: 25 de fevereiro de 2001
  1. "25 to Life"- 4:03 (Xzibit, Ja Rule, Juvenile, Nature & Reptile)
  2. "It's Like Everyday"- 4:26 (DJ Quik featuring R. Kelly and Maus Berg)
  3. "Stimulate Me"- 4:13 (Destiny's Child featuring Mocha) (produção de Jermaine Dupree)
  4. "Fortunate"- 4:59 (Maxwell)
  5. "Lovin' You" (The Remix)- 3:57 (Sparkle)
  6. "Every Which Way"- 4:05 (Talent featuring Vegas Cats)
  7. "It's Gonna Rain"- 4:02 (Kelly Price)
  8. "Discovery"- 4:19 (Brian McKnight)
  9. "Follow the Wind"- 4:28 (Trisha Yearwood)
  10. "Why Should I Believe You?"- 4:09 (Mýa)
  11. "What Would You Do?"- 3:32 (City High)
  12. "What Goes Around"- 4:27 (Khadejia featuring Marie Antoinette)
  13. "Speechless"- 4:52 (The Isley Brothers)
  14. "Life"- 3:43 (K-Ci & JoJo)
  15. "New Day"- 3:59 (Wyclef Jean featuring Kenny G)

RecepçãoEditar

BilheteriaEditar

Life foi lançado em 13 de abril de 1999 na América do Norte. O filme arrecadou $ 73.345.029 em todo o mundo contra um orçamento de US $ 80 milhões, tornando-se uma decepção financeira.[1]

CríticaEditar

O filme recebeu comentários mistos com críticas positivas e atualmente tem uma classificação de 50% no Rotten Tomatoes. O consenso crítico do site diz: "O humor divertido, se não excessivo, de uma dupla de quadrinhos sólida fornece muitos risos".[2]

LocaçõesEditar

Apesar do filme se passar em Jackson, no Mississipi, Life foi filmado na Califórnia; locais da filmagem incluíram as cidades de Brentwood, Locke, Los Angeles, Downey e Sacramento. Cenas do filme também foram filmadas na Rockwell International da Califórnia.[3]

Prêmios e indicaçõesEditar

Referências

  1. «Life (1999) - Box Office Mojo». boxofficemojo.com. Consultado em 20 de abril de 2016 
  2. «Life». www.rottentomatoes.com. 16 de abril de 1999. Consultado em 20 de abril de 2016 
  3. «University Press of Mississippi». Wikipedia, the free encyclopedia (em inglês) 

Ligações externasEditar