Manuela Ramalho Eanes

primeira-dama de Portugal em 1976-1986

Maria Manuela Duarte Neto Portugal Ramalho Eanes GCIHGCCa (Almada, Almada, 29 de dezembro de 1938) é a esposa do 16.º presidente da República Portuguesa, Ramalho Eanes, tendo sido a primeira-dama de seu país entre 1976 e 1986.

Manuela Ramalho Eanes
Manuela Ramalho Eanes
Manuela Ramalho Eanes em 1983.
17.ª Primeira-dama de Portugal
Período 14 de julho de 1976
até 9 de março de 1986
Presidente António Ramalho Eanes
Antecessor(a) Estela Costa Gomes
Sucessor(a) Maria Barroso
Dados pessoais
Nome completo Maria Manuela Duarte Neto Portugal Ramalho Eanes
Nascimento 29 de dezembro de 1938 (85 anos)
Almada, Almada
Marido António Ramalho Eanes

Biografia editar

Filha de Manuel Neto Portugal (Penedono, Penela da Beira, 5 de Outubro de 1909 - 2 de Dezembro de 2000) e de sua primeira mulher (23 de Julho de 1939) Laura Duarte Neto Portugal (c. 1910 - 1 de Outubro de 1975), de quem teve mais um filho, e casado segunda vez (19 de Março de 1977) com Maria Rosa de Sousa, sem geração.

Frequentou o Liceu D. Filipa de Lencastre. Licenciada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, é a fundadora e presidente honorária do Instituto de Apoio à Criança.

Casou com António Ramalho Eanes no Palácio de Queluz, a 28 de Outubro de 1970. O casal teve dois filhos: Manuel António Neto de Portugal Ramalho Eanes, nascido a 5 de maio de 1972 (51 anos), casado e pai de Joana; e Miguel Neto de Portugal Ramalho Eanes, nascido a 20 de outubro de 1977 (46 anos), casado em Julho de 2006 com Sílvia Romeiro, com dois filhos António e Madalena.

Em 1971 foi diretora da Pousada de Raparigas e participou no programa "Um Dia Com..." da RTP onde comentou as atividades desenvolvidas pela Pousada e pela Colónia Balnear Infantil de Albufeira, pertencentes ao Instituto de Obras Sociais (I.O.S)[1].

Desde 1976 até 1986 acompanhou o seu marido enquanto Primeira-Dama. Deslocou-se a vários países (por exemplo aos Estados Unidos da América e Bélgica) para discutir vários assuntos importantes da atualidade (drogas, abusos sexuais, entre outros). Manuela Eanes inaugurou também uma nova forma de estar das Primeiras-Damas, que até então tinham tido um papel apagado, virtualmente apagadas da vida pública e participação social efectiva.

É do conhecimento geral de que «boicotou» a presença de Snu Abecassis, companheira do primeiro-ministro, em diversos actos oficiais por não concordar com a situação conjugal de Sá Carneiro.

Em 1983, ainda em Belém, ajudou a criar o Instituto de Apoio à Criança, uma iniciativa anterior à aprovação da convenção dos Direitos da Criança pelas Nações Unidas.

É madrinha do Navio Patrulha Oceânica (NPO) Viana do Castelo.

A 23 de Maio de 1997, foi agraciada com o grau de Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique. A 20 de novembro de 2023, foi agraciada com o grau de Grã-Cruz da Ordem de Camões.[2]

Condecorações[3][2] editar

Referências

  1. Eanes, Manuela (16 de agosto de 1971). «Um Dia Com... Manuela Ramalho Eanes». Um Dia Com (entrevista). Lisboa: RTP. Consultado em 10 de março de 2017 
  2. a b «Entidades Nacionais Agraciadas com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Maria Manuela Neto Portugal Ramalho Eanes". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 19 de janeiro de 2024 
  3. «Entidades Nacionais Agraciadas com Ordens Estrangeiras». Resultado da busca de "Maria Manuela Neto Portugal Ramalho Eanes". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 19 de janeiro de 2024 

Ligações externas editar

Fontes editar