Abrir menu principal
Maria Beatriz do Nascimento
Conhecido(a) por Ativista pelos direitos humanos de negros e mulheres; estudiosa do protagonismo negro no meio acadêmico
Nascimento 12 de julho de 1942
Aracaju, Sergipe, Brasil
Morte 28 de janeiro de 1995 (52 anos)
Rio de Janeiro, Brasil
Residência Brasil
Nacionalidade brasileira
Alma mater Universidade Federal do Rio de Janeiro
Prêmios Mulher do Ano 1986, pelo Conselho Nacional dos Direitos da Mulher
Orientador(es) Muniz Sodré
Campo(s) História e magistério

Maria Beatriz Nascimento (Aracaju, 12 de julho de 1942Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 1995) foi uma historiadora, professora, roteirista, poeta e ativista pelos direitos humanos de negros e mulheres, nascida em Sergipe[1]. Professora influente nos estudos raciais no Brasil, sua obra caiu em esquecimento após seu assassinato em 28 de janeiro de 1995[2].

Índice

Vida pessoalEditar

Maria Beatriz nasceu em Aracaju, em 1942[1]. Seus pais eram a dona de casa Rubina Pereira do Nascimento e o pedreiro Francisco Xavier do Nascimento, que tiveram dez filhos, sendo a segunda filha mais nova. Com apenas 7 anos, migrou com a família para a cidade do Rio de Janeiro, no final de 1949, em uma viagem de barco, partindo de Salvador, instalando em Cordovil, Zona da Leopoldina[1]. Entre 1968 e 1971, cursa História na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Fez estágio em pesquisa no Arquivo Nacional, sob orientação do historiador José Honório Rodrigues e ingressa na rede estadual de ensino do Rio de Janeiro, lecionando história na escola estadual Roma, em Copacabana[3].

Em 1978, inicia pós-graduação latu sensu em História, pela Universidade Federal Fluminense, concluindo em 1981, estudando sistemas alternativos organizados exclusivamente por negros, pesquisando de quilombos às favelas modernas[4].

Movimento negroEditar

Já formada e lecionando na rede estadual, Maria Beatriz começou sua militância, participando e propondo discussões raciais[5], em especial no meio acadêmico. Ajudou a criar o Grupo de Trabalho André Rebouças, em 1974, na Universidade Federal Fluminense (UFF), e o Instituto de Pesquisa das Culturas Negras, em 1975[1][6]. Participou como conferencista de diversos encontros, conferências e simpósios[7], falando sobre seus incômodos quanto ao espaço universitário falar do negro apenas como o escravo, como se as pessoas negras tivessem participado da história apenas como mão-de-obra compulsória e sem direito à escolha[1][6][8]. Participou da Quinzena do Negro, em outubro de 1977, na Universidade de São Paulo, apresentando trabalho relacionado à questão étnico-racial, em especial dos quilombos[1]. Esteve duas vezes na África, com o intuito de conhecer parte do continente e esteve também em Angola, para conhecer os territórios dos antigos quilombos angolanos[1].

AssassinatoEditar

Em 1995, Maria Beatriz cursava mestrado em Comunicação Social[9][3], pela UFRJ e tinha aconselhado uma amiga a largar o companheiro, Antônio Jorge Amorim Viana, após várias reclamações de violência doméstica[10]. Ele deu cinco tiros em Maria Beatriz, por entender que ela interferia em sua vida privada o teria ofendido em frente a seus amigos. Antônio fugiu e acabou sendo preso em um bar pela polícia civil em 9 de fevereiro de 1995. Antônio já tinha passagem pela polícia por acusações de homicídio, tentativa de estupro e uso de drogas, pelas quais já cumpria pena de 11 anos e seis meses[9][11].

Antônio disse à polícia que o assassinato da professora se deu depois de consumo de bebida alcoólica e remédios para dor de estômago e não reagiu à prisão[3]. Em 19 de abril de 1996, Antônio foi condenado a 17 anos de prisão pela morte de Maria Beatriz. Sua namorada na época, Áurea Gurgel da Silveira, foi acusada de prestar falso testemunho e respondeu processo[11].

Maria Beatriz tinha 52 anos e foi sepultada no Cemitério São João Batista, com a presença da família, amigos e militantes do movimento negro. Divorciada, ela deixou uma filha[9].

TrabalhosEditar

O trabalho de maior reconhecimento de Maria Beatriz é o filme e documentário Ôri (1989), de sua autoria e narração, dirigido pela socióloga e cineasta Raquel Gerber. Ele documenta a trajetória dos movimentos negros no Brasil entre 1977 e 1988, sendo o quilombo a ideia central e em parte a trajetória da própria Maria Beatriz[1]. Abordou temas como corporeidade do negro, a perda da imagem que atingia africanas e africanos escravizados e seus descendentes em diáspora e a situação das mulheres negras no Brasil, analisando sua condição social inferior devida ao amálgama de heranças escravistas com mecanismos racistas[1][5][8].

Trabalhos importantes publicados em revistas e periódicos:

  • "Por uma história do homem negro", Revista de Cultura Vozes. 68(1), pp. 41-45, 1974.
  • "Negro e racismo", Revista de Cultura Vozes. 68 (7), pp. 65-68, Petrópolis, 1974
  • "A mulher negra no mercado de trabalho", Jornal Última Hora, Rio de Janeiro, domingo, 25 de julho de 1976.
  • "Nossa democracia racial", Revista IstoÉ. 23/11/1977, pp. 48-49
  • "Kilombo e memória comunitária: um estudo de caso", Estudos Afro-Asiáticos 6-7. Rio de Janeiro, CEAA/UCAM, pp. 259-265. 1982.
  • "O conceito de quilombo e a resistência cultural negra", Afrodiáspora Nos. 6-7, pp. 41-49. 1985.
  • "Daquilo que se chama cultura", Jornal IDE. No. 12. Sociedade Brasileira de Psicanálise – São Paulo. Dezembro, 1986, p. 8.
  • "O quilombo do Jabaquara". Revista de Cultura, Vozes (maio-junho).
  • "A mulher negra e o amor", Jornal Maioria Falante, Nº 17, Fev – março, 1990, p. 3.

Referências

  1. a b c d e f g h i Imprensa Oficial do Estado de São Paulo (ed.). «Eu Sou Atlântica» (PDF). Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Consultado em 22 de julho de 2017 
  2. Humberto Júnior (ed.). «VOCÊ SABE QUEM FOI MARIA BEATRIZ NASCIMENTO?». Expressão Sergipana. Consultado em 22 de julho de 2017 
  3. a b c Folha de São Paulo (ed.). «Acusado de matar professora é preso no Rio». Folha de São Paulo. Consultado em 22 de julho de 2017 
  4. Black Women of Brazil (ed.). «Maria Beatriz Nascimento (1942-1995): Intellectual militant of the Movimento Negro, poet and historian of quilombos, Brazil's runaway slave societies». Black Women of Brazil. Consultado em 22 de julho de 2017. Arquivado do original em 26 de setembro de 2017 
  5. a b Alex Ratts (ed.). «A trajetória intelectual ativista de Beatriz Nascimento». Instituto Geledés. Consultado em 22 de julho de 2017 
  6. a b Mulher 500 Anos (ed.). «Maria Beatriz Nascimento (1942-1995)». Mulher 500 Anos. Consultado em 22 de julho de 2017. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2014 
  7. Acorda Cultura (ed.). «MARIA BEATRIZ DO NASCIMENTO (1942 – 1995)». Acorda Cultura. Consultado em 22 de julho de 2017 
  8. a b Stephanie Ribeiro (ed.). «15 ARTISTAS NEGRAS QUE VOCÊ PRECISA CONHECER». Confeitaria. Consultado em 22 de julho de 2017 
  9. a b c Folha de São Paulo (ed.). «Professora pode ter sido morta por racismo». Folha de São Paulo. Consultado em 22 de julho de 2017 
  10. Hortensia Hernandez (ed.). «Maria Beatriz do Nascimento activista por los derechos humanos». Heroinas.net. Consultado em 22 de julho de 2017 
  11. a b Folha de São Paulo (ed.). «Assassino de historiadora pega 17 anos». Folha de São Paulo. Consultado em 22 de julho de 2017