Miguel Carlos de Távora, 2.º Conde de São Vicente

D. Miguel Carlos de Távora (23 de janeiro de 164114 de novembro de 1726), 2.º Conde de São Vicente pelo casamento (de jure uxoris), foi um nobre português que viveu e serviu na Corte portuguesa ao tempo dos reis D. Afonso VI, D. Pedro II e D. João V. Varão secundogénito do 2.º Conde de São João da Pesqueira, foi inicialmente destinado à carreira eclesiástica, mas abandonou os estudos para se juntar ao Exército, servindo junto com o seu irmão mais velho, o futuro 1.º Marquês de Távora na Guerra da Restauração (1640-1668).

Miguel Carlos de Távora
Nascimento 23 de janeiro de 1641
Morte 14 de novembro de 1726 (85 anos)
  [[File:|25px|border]]
Nome completo Miguel Carlos de Távora
Descendência
Casa Távoras
Religião Catolicismo romano

Um dos mais brilhantes oficiais generais portugueses do seu tempo, serviu também na Armada, onde alcançou as posições de Almirante e depois de General da Armada Real. Sob a égide de D. João V, serviu ainda na Guerra de Sucessão Espanhola (1702-1714) e foi membro de diversos Conselhos Régios entre outras posições curiais de influência.

Não tendo Casa própria devido à sua posição de varão secundogénito, contraiu matrimónio com Maria Caetana da Cunha, 2.ª Condessa de São Vicente, filha e única herdeira de João Nunes da Cunha, 1.º Conde de São Vicente. Deste casamento gerou ampla descendência para a sua Casa, em cuja linha varonil se encontra hoje a representação da Casa de Távora, por extinção dos ramos dos Marqueses de Távora e dos Condes de Alvor.

Família e InfânciaEditar

 
Armas da Família Távora

A linhagem dos Távoras, segundo Frei António Brandão na terceira parte da Monarquia Lusitana, pode ser traçada ininterruptamente por linha varonil, através de sucessivos Senhores de Távora, até D. Rozendo Hermingues, 1.º Senhor de Távora, que viveu no século X. Este D. Rozendo era um dos filhos de Alboazar Ramires, filho bastardo do rei Ramiro II de Leão. O património feudal da família Távora foi-se engrandecendo ao longo dos séculos, mas permaneceu circunscrito à província de Trás-os-Montes.[1]

D. Miguel Carlos de Távora era filho de D. António Luís de Távora, 2.º Conde de São João da Pesqueira (c.1620-1653) e da sua mulher D. Arcângela Maria de Portugal (c.1620 - ?).[2][3][4] Seu pai era um nobre transmontano, senhor de muitas vilas e lugares, mas sem expressão política, mantendo-se afastado nos seus senhorios durante o Domínio Filipino, contrastando com a posição do seu avô D. Luís Álvares de Távora (c.1590 - ?), que foi Fidalgo do Conselho dos reis D. Filipe I e D. Filipe II.[5]

Perdeu o pai com apenas 12 anos. Nascido em 1641, era 7 anos mais jovem que o seu irmão primogénito e herdeiro da Casa de Távora, D. Luís Álvares de Távora, 1.º Marquês de Távora. Destinado desde cedo à vida religiosa pela sua família, foi enviado como porcionista para o Colégio de São Pedro, em Coimbra, para poder cursar Cânones (Teologia) na Universidade. No entanto, sentindo desde cedo vocação para a carreira das Armas - influenciado, muito possivelmente, pelo ambiente social bélico da época e pelo exemplo do irmão mais velho-, abandona os estudos para ir servir junto deste último nos Exércitos de Sua Majestade no contexto da Guerra da Restauração.[6][7]

Carreira MilitarEditar

Os exemplos da predisposição guerreira dos varões da Casa de Távora para os ofícios das Armas são inúmeros ao longo dos séculos. Entre outros, poder-se-iam apontar o do seu bisavô D.Luís Álvares de Távora, 6.º Senhor do Mogadouro (? - 1578) morrera heroicamente na Batalha de Alcácer Quibir ou o dos seus tios D.Lourenço Pires de Távora, Mestre de Campo General e D.Francisco de Távora, Capitão de Infantaria morreram a combater na Flandres, na Guerra dos Trinta Anos (1618-1648).[8][9]

D. Miguel começou a sua carreira como Capitão de Cavalaria na província do Minho. Logo em 1659 (com 17 anos) é ferido na Batalha das Linhas de Elvas.[10] Foi capturado pelas forças espanholas numa refrega na fronteira do Minho a 14 de Julho de 1661, acabando por ser restituído ao reino.[11] Continuou depois a servir no exército com os postos de Mestre de Campo General, General de Artilharia e General de Batalha. Esteve presente na Batalha de Montes Claros em 1665 e dos seus feitos militares escreveu António Caetano de Sousa:

 
Representação da Batalha de Montes Claros (1665) num painel de azulejos situ no Palácio de Fronteira, Lisboa

Após o Tratado de Lisboa (1668), que pôs cobro às hostilidades na Península Ibérica, D. Miguel Carlos de Távora ingressou nas forças militares da Armada Real, onde foi Tenente-Coronel, servindo sob as ordens directas do Coronel de então, o Infante D. Pedro de Portugal, que era desde 1668 Regente do Reino.[13]

Foi promovido a Almirante da Aramada Real, título que ostentava quando fez parte da armada liderada pelo 1.º Duque do Cadaval a Saboia em 1682. O intento da armada seria o de transportar o jovem Vítor Amadeu II de Saboia para Portugal, onde passaria a viver com a sua mulher a Princesa herdeira D.Isabel Luísa Josefa. Contudo, o Príncipe recusou-se a embarcar, dando origem ao incidente que iniciaria o eterno rol de noivados da Princesa da Beira.[14][15][16]

D. Miguel foi ainda promovido em 1698 a Capitão-General da Armada Real, cargo que ocupou até ao fim da sua vida. Durante a Guerra de Sucessão Espanhola, foi Governador das Armas da província do Alentejo. Combateu nesta guerra com muitos familiares seus e vi seu filho primogénito, D.João Alberto de Távora, 3.º Conde de São Vicente tombar em combate em 1706.[17]

Cargos curiais e ComendasEditar

 
O que resta das fortificações do Castelo de Penha Garcia, na raia beirã, do qual D. Miguel foi Alcaide

D. Miguel substitui o seu irmão mais velho, o Marquês de Távora - que faleceu em 1672 -, como membro do Conselho da Guerra de de D. Pedro II. Foi igualmente membro do Conselho de Estado de D. Pedro II e manteve-se nos dois órgãos políticos no reinado de D. João V. Foi também Presidente do Conselho Ultramarino.[18] Foi comendador de Santa Maria de Castelejo, São Romão de Herdal, São Pedro de Seixas, São Mamede de Canelas e de Santa Maria de Moreira na Ordem de Cristo e ainda da Espada de Elvas na Ordem de Santiago. Foi ainda Alcaide-Mor do Castelo de Penha Garcia da Ordem de Cristo.[19]

Casamento e DescendênciaEditar

Casou D. Miguel com D. Maria Caetana da Cunha, filha e herdeira de João Nunes da Cunha (1619-1668). Pelos direitos de sucessão de sua mulher, foi senhor das vilas de São Vicente da Beira, Gestaçô e Panóias e senhor dos morgados de Refóios e Coutadinha e por carta régia de 1672 foi confirmado, com sua mulher, como 2,º Conde de São Vicente.[20][21] Do casamento conhecem 9 filhos, dois quais 6 chegaram à maioridade:

Referências

  1. SOUSA(1755) Memorias Históricas... pg.193-194
  2. SOUSA(1755) Memorias Históricas... pg.614-615
  3. MORERI(1753) El Gran Diccionario Historico.... Tomo VIII, Volume X (TAS-Z), pg. 137
  4. SOUSA (1738) História Genealógica.... Tomo V, Liv. VI, Cap. V, pg. 223
  5. MORERI(1753) El Gran Diccionario Historico.... Tomo VIII, Volume X (TAS-Z), pg. 135-137
  6. SOUSA (1738) História Genealógica.... Tomo V, Liv. VI, Cap. V, pg. 223-224
  7. MORERI(1753) El Gran Diccionario Historico.... Tomo VIII, Volume X (TAS-Z), pg. 137
  8. SOUSA(1755) Memorias Históricas... pg.193-195
  9. MORERI(1753) El Gran Diccionario Historico.... Tomo VIII, Volume X (TAS-Z), pg. 135-137
  10. SOUSA(1755) Memorias Históricas... pg.615
  11. MORERI(1753) El Gran Diccionario Historico.... Tomo VIII, Volume X (TAS-Z), pg. 137
  12. SOUSA (1738) História Genealógica.... Tomo V, Liv. VI, Cap. V, pg. 224
  13. SOUSA(1755) Memorias Históricas... pg.615
  14. SOUSA (1738) História Genealógica.... Tomo V, Liv. VI, Cap. V, pg. 225
  15. MORERI(1753) El Gran Diccionario Historico.... Tomo VIII, Volume X (TAS-Z), pg. 137
  16. SOUSA(1755) Memorias Históricas... pg.615
  17. SOUSA(1755) Memorias Históricas... pg.615
  18. SOUSA (1738) História Genealógica.... Tomo V, Liv. VI, Cap. V, pg. 225
  19. SOUSA(1755) Memorias Históricas... pg.615-618
  20. SOUSA(1755) Memorias Históricas... pg.613-615
  21. SOUSA (1738) História Genealógica.... Tomo V, Liv. VI, Cap. V, pg. 226-227

BibliografiaEditar

  • MORÉRI, Louis, El Gran Diccionario Histórico. Paris & Lyon, 1753. Tomo VIII, Volume X (TAS-Z), pg. 135-138 (edição espanhola)
  • SOUSA, A.C., História Genealógica da Casa Real Portuguesa. Lisboa, Officina Sylviana, 1738. Tomo V, Livro VI, pg. 223-227.
  • SOUSA, A.C., Memórias Históricas e Genealógicas dos Grandes de Portugal. Lisboa, Officina Sylviana, 1755. pg. 193-196;611-615.


Precedido por
João Nunes da Cunha, 1.º Conde de São Vicente
 
2.º Conde de São Vicente
jure uxoris

16721726
Sucedido por
D.João Alberto de Távora, 3.º Conde de São Vicente
ainda em vida de seu pai, por morte da 2.ª Condessa, sua mãe