Mosteiro de Santa Maria de Moreirola

Mosteiro de Santa Maria de Moreirola
Monasterio de Santa María de Moreruela
Nomes alternativos Mosteiro de Santa Maria de Moreruela
Estilo dominante românico, gótico
Fim da construção início do século XII (1162)
Proprietário inicial Ordem de Cister
Função inicial mosteiro
Função atual monumento
Religião catolicismo
Diocese Diocese de Samora
Diâmetro 730 metros
Fundador Ponç Giraldo II de Cabrera
Património
Classificação nacional Bem de Interesse Cultural
(RI-51-0001021-00000)
Geografia
País Flag of Spain.svg Espanha
Cidade Granja de Moreruela
Província Samora
Comunidade autónoma Castela e Leão
Coordenadas 41° 48' 44" N 5° 46' 37" O

O Mosteiro de Santa Maria de Moreirola[1][2] ou Moreruela (em castelhano: monasterio de Santa María de Moreruela) foi um edifício religioso que pertenceu à Ordem de Cister, e situava-se no município espanhol de Granja de Moreruela, a noroeste da província de Samora, na comunidade autónoma de Castela e Leão.[3] O mosteiro encontra-se localizado num sítio isolado das aglomerações populacionais, juntamente com a Via da Prata. É considerado um dos primeiros mosteiros cistercienses construídos na Península Ibérica.[4]

HistóriaEditar

O patrocínio inicial foi correspondido aos herdeiros de Ponç Giraldo II de Cabrera, príncipe de Samora, e teve seu auge económico até ao século XIII. O auge resultou na posse de terras adjacentes e na expansão da rede monástica através do estabelecimento de priorados. A este período áureo ocorreu uma série de séculos desde o XVI ao XVIII que foram caracterizados pela racionalização e economias dos recursos obtidos durante a Idade Média. A comunidade inicial de monges que vivia no conjunto variava entre duzentas pessoas, um número que foi reduzido de forma elevada nos séculos posteriores para trinta. É possível que tenha tido uma quantidade semelhante de diversos criados, entre carregadores, pastores, vaqueiros, jardineiros, cozinheiros, etc.

Os edifícios que compõem o mosteiro sofreram diversas reformas desde o início da Idade Média, com todos eles chegando a conviver numa pousada recente criada no final do século XVIII. A evolução e a exclaustração dos monges ocorreram em meados do século XIX, devido a uma série de leis desamortizadoras que foram criadas durante a Guerra Peninsular. Estas desamortizações sucessivas terminaram definitivamente com a atividade do convento em outubro de 1835. O rigor dos elementos e dos atos de violência causaram o seu estado ruinoso em apenas algumas décadas. O abandono fez com que o conjunto virasse uma ruína. As ruínas controladas que podem ser observadas no início do século XXI foram erguidas num período que vai dos séculos XII até ao XVIII. O mosteiro foi declarado como Monumento Histórico-Artístico a 3 de junho de 1931, através do decreto publicado pelo governo provisional da Segunda República. Apesar disso, as vendas posteriores dos terrenos circundantes incluíam alguns edifícios do mosteiro. A lei que forçou o Ministério da Cultura a iniciar as expropriações forçadas foi promulgada em 1981, tornando o conjunto protegido em 1995 numa propriedade da Junta de Castela e Leão. Foram realizadas várias intervenções parciais no final do século XX, e no início do século XXI.

Desde a publicação do frei Ángel Manrique em meados do século XVII, considera-se que o convento de Moreruela tenha sido o primeiro mosteiro cisterciense hispânico. A sua incorporação data-se de 1131. Esta crença foi sustentada até que em 1959 durante o período da obra Segunda Semana de Estudios Monásticos, o académico cisterciense começa a ter dúvidas, registando o atraso da fundação entre 1153 e 1158, e apontando o Mosteiro de Santa Maria Real de Fitero, datado de 1140.[5] Esta afirmação abriu um debate entre os académicos. O conjunto mistura os estilos arquitetónicos românico tardio, gótico e a arquitetura do século XVIII.

Referências

  1. «Porque se fala dialecto leonês em Terra de Miranda?» (PDF). Instituto Camões. Consultado em 17 de fevereiro de 2019 
  2. Costa, Paulo Jorge Sousa. «O património dos Cistercienses em Trás-os-Montes nos séculos XIII-XIV». Gabinete de História e Arqueologia de Vila Nova de Gaia, Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade. Consultado em 17 de fevereiro de 2019 
  3. Izquierdo, Hortencia Larrén (2008). Junta de Castela e Leão, ed. Moreruela — un monasterio en la historia del Císter. Col: Compilación de artículos (em espanhol) 1.ª ed. Salamanca: Gráficas Verona. ISBN 978-84-9718-513-4 
  4. Moreno, Manuel Gómez (1906). «El primer monasterio español de cistercienses: Moreruela». Boletín de la Sociedad Española de Excursiones (em espanhol). 14 (159): 97-105. ISSN 1697-6762 
  5. Cocheril, Maur (1974). «La llegada de los monjes blancos a España y la fundación del Monasterio de Sandoval». Tierras de León: Revista de la Diputación Provincial (em espanhol). 1 (19): 39-54. ISSN 0495-5773 
  Este(a) artigo sobre capela, igreja ou catedral é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.