Nácer de Granada

Nácer, cujo nome completo era Abu Aljuiuxe Nácer ibne Maomé[1] (em árabe: أبو الجيوش نصر بن محمد; romaniz.: Abu al-Juiux Nasr ibn Muhammad), foi o quarto governante[a] do Reino Nacérida de Granada de 14 de março de 1309 até sua abdicação em 8 de fevereiro de 1314. Era filho de Maomé II e Xemece Adua. Ascendeu ao trono depois que seu irmão Maomé III foi destronado numa revolução palaciana. Na época de sua ascensão, Granada enfrentou uma guerra em três frentes contra Castela, Aragão e o Império Merínida, desencadeada pela política externa de seu antecessor. Fez as pazes com os merínidas em setembro de 1309, cedendo-lhes o porto africano de Ceuta, que já havia sido capturado, bem como Algeciras e Ronda na Europa. Granada perdeu Gibraltar para um cerco castelhano em setembro, mas defendeu com sucesso Algeciras até que foi entregue aos merínidas, que continuaram sua defesa até que o cerco foi abandonado em janeiro de 1310. Jaime II de Aragão pediu a paz depois que os defensores granadinos derrotaram o cerco aragonês de Almeria em dezembro de 1309, retirando suas forças e deixando os territórios do reino em janeiro. No tratado que se seguiu, Nácer concordou em pagar tributos e indenizações a Fernando IV de Castela e ceder algumas cidades fronteiriças em troca de sete anos de paz.

Nácer de Granada
Sultão de Granada
Reinado 14 de março de 1309 – 8 de fevereiro de 1314
Antecessor(a) Maomé III
Sucessor(a) Ismail I
Rei de Guadix (autoproclamado)
Reinado Fevereiro de 1314 – novembro de 1322
 
Nascimento 1 de novembro de 1287
  Granada
Morte 16 de novembro de 1322
  Guadix
Nome completo Abu Aljuiuxe Nácer ibne Maomé
Pai Maomé II
Mãe Xemece Adua
Religião Islão

Apesar de alcançar a paz com perdas relativamente mínimas, Nácer era impopular na corte, pois era suspeito de ser pró-cristão e acusado de dedicar tanto tempo à astronomia que negligenciou seus deveres como governante. Uma rebelião iniciada por seu cunhado Abuçaíde Faraje em 1311 foi inicialmente repelida, mas uma segunda campanha do filho de Abuçaíde, Ismail, terminou com a captura do palácio de Alhambra e a abdicação de Nácer em 8 de fevereiro de 1314 em favor de Ismail, agora Ismail I. Foi autorizado a governar a província oriental de Guadix, denominando-se "Rei de Guadix", e tentou recuperar o trono com a ajuda de Castela. Ismail derrotou as forças castelhanas na Batalha da Veiga de Granada, resultando numa trégua que encerrou seu apoio a Nácer. Nácer morreu sem deixar herdeiros em 1322.

NotasEditar

[a] ^ Além de sultão, os títulos de rei e emir (árabe: amir) também são usados em documentos oficiais e por historiadores.[2]

Referências

  1. Latham 1993, p. 1020.
  2. Rubiera Mata 2008, p. 293.

BibliografiaEditar

  • Arié, Rachel (1973). L'Espagne musulmane au temps des Nasrides (1232–1492). Paris: E. de Boccard. OCLC 3207329 
  • Boloix Gallardo, Bárbara (2016). Mujer y poder en el Reino Nazarí de Granada: Fatima bint al-Ahmar, la perla central del collar de la dinastía (siglo XIV). Anuario de Estudios Medievales. 46. Madri: Conselho Superior de Investigações Científicas. pp. 269–300. doi:10.3989/aem.2016.46.1.08 
  • Catlos, Brian A. (2018). Kingdoms of Faith: A New History of Islamic Spain. Londres: C. Hurst & Co. ISBN 978-17-8738-003-5 
  • Fernández-Puertas, Antonio; Jones, Owen (1997). The Alhambra: From the ninth century to Yūsuf I (1354). Londres: Saqi Books. ISBN 978-0863564666. OCLC 929440128 
  • Fernández-Puertas, Antonio (abril de 1997). «The Three Great Sultans of al-Dawla al-Ismā'īliyya al-Naṣriyya Who Built the Fourteenth-Century Alhambra: Ismā'īl I, Yūsuf I, Muḥammad V (713–793/1314–1391)». Londres: Imprensa da Universidade de Cambrígia em nome da Real Sociedade Asiática da Grã-Bretanha e Irlanda. Jornal da Real Sociedade Asiática [Journal of the Royal Asiatic Society]. 7 (1): 1–25. doi:10.1017/S1356186300008294 
  • Harvey, L. P. (1992). Islamic Spain, 1250 to 1500. Chicago: Imprensa da Universidade de Chicago. ISBN 978-0-226-31962-9 
  • Latham, J. D.; Fernández-Puertas, A. (1993). «Naṣrids». In: Bosworth, C. E.; van Donzel, E.; Heinrichs, W. P. & Pellat, Ch. The Encyclopaedia of Islam, New Edition, Volume VII: Mif–Naz. Leida: E. J. Brill. pp. 1020–1029. ISBN 978-90-04-09419-2 
  • O'Callaghan, Joseph F. (2011). The Gibraltar Crusade: Castile and the Battle for the Strait. Filadélfia: Imprensa da Universidade da Pensilvânia. ISBN 978-0-8122-0463-6 
  • Rubiera Mata, María Jesús (1969). «El Du l-Wizaratayn Ibn al-Hakim de Ronda». Al-Andalus. 34. Madri e Granada: Conselho Nacional Espanhol de Pesquisa. pp. 105–121 
  • Rubiera Mata, María Jesús (1975). «El Arráez Abu Sa'id Faray B. Isma'il B. Nasr, gobernador de Málaga y epónimo de la segunda dinastía Nasari de Granada». Madri: Universidade Autónoma de Madri. Boletín de la Asociación Española de Orientalistas: 127–133. ISSN 0571-3692 
  • Rubiera Mata, María Jesús (1996). «La princesa Fátima Bint Al-Ahmar, la "María de Molina" de la dinastía Nazarí de Granada». Medievalismo. Múrcia e Madri: Universidade de Múrcia e Sociedade Espanhola de Estudos Medievais. pp. 183–189. ISSN 1131-8155 
  • Vidal Castro, Francisco. «Nasr». Real Academia de História 
  • Vidal Castro, Francisco (2004). «El asesinato político en al-Andalus: la muerte violenta del emir en la dinastía nazarí». In: Fierro, María Isabel. De muerte violenta: política, religión y violencia en Al-Andalus. Madri: Editorial – CSIC Press. pp. 349–398. ISBN 978-84-00-08268-0