Abrir menu principal
Nós, Cidadãos!
Líder Mendo Castro Henriques
Fundação 23 de junho de 2015 (2015-06-23)
Sede Rua Gonçalves Crespo, 16A
1150-185, Lisboa
Ideologia Liberalismo Social
Pró-europeísmo
Espectro político Centro
Assembleia da República
0 / 230
Parlamento Europeu
0 / 21
Assembleia Legislativa dos Açores
0 / 57
Presidentes de Câmaras Municipais
1 / 308
Cores Amarelo
Página oficial
noscidadaos.pt

O Nós, Cidadãos! (NC) é um partido político português, que nasceu e se identifica como partido dos movimentos cívicos, apresentando-se como de centro no espectro convencional. O partido tem origem na reflexão política que o Instituto da Democracia Portuguesa (IDP), fundado em 2007, começou a fazer, na sequência dos protestos de 15 de Setembro de 2012, contra a taxa social única, que chamaram a atenção para a necessidade de afirmação da sociedade civil. A decisão de o criar foi tomada na sequência do 1º Encontro Informal de Movimentos Cívicos., a 13 de janeiro de 2013. Conseguiu reunir mais de 11 mil assinaturas para a sua legalização, tendo entregado cerca de 8 500 (acima das 7 500 exigidas por lei) no Tribunal Constitucional a 24 de março de 2015, com o propósito de concorrer às eleições legislativas de 2015.[1]

A sua inscrição no registo dos partidos políticos portugueses foi aceite pelo Tribunal Constitucional a 23 de junho de 2015.[2]

O presidente da Comissão Política Nacional eleito em 25 de julho de 2015 é Mendo Castro Henriques. Relaciona-se com o Partido Democrático Europeu. Foi reeleito por 90% dos votos expressos em lista única, a 25 Fevereiro 2018 no 2º Congresso de Oliveira de Frades, [3] - concelho cuja presidência o partido conquistou nas eleições autárquicas de 2017.

PrincípiosEditar

  • O bem comum e a dignidade da pessoa humana fundados nos valores da liberdade.
  • Uma governação honesta e transparente que se vincule à verdade, alicerçada nos princípios da ética, da democracia e da proximidade;
  • A responsabilização civil e criminal por gestão danosa de todos os agentes e de titulares de cargos políticos eletivos, no exercício de cargos públicos;
  • Um desenvolvimento sustentado nas suas identidades e aspirações regionais;
  • Uma equidade fiscal aplicável a pessoas e organizações;
  • Uma Segurança e uma Defesa Nacional adequadas aos nossos interesses estratégicos no quadro da UEO, da OTAN e da CPLP;
  • A não discriminação por razão de idade, raça, religião e género;
  • O bem estar económico e social e uma ética de responsabilidade social das organizações;
  • Uma gestão eficaz das oportunidades de desenvolvimento do País, ajustadas às necessidades das pessoas, das regiões e da atividade económica;
  • A igualdade de tratamento e de acesso aos cuidados de saúde e à prática de atividades desportivas como formas sustentadas de assegurar o bem-estar social e a qualidade de vida;
  • A construção de uma Sociedade do Conhecimento em que a igualdade de acesso à cultura, à educação e à ciência garantam o futuro de Portugal;
  • Uma Europa mais respeitadora da dignidade da pessoa humana e mais solidária, mantendo a promessa de que todos têm a oportunidade de uma vida melhor;
  • Um mercado livre com regulação, preservando a concorrência e os direitos dos consumidores;
  • A afirmação internacional de Portugal através de uma presença agregadora, nomeadamente nos espaços europeu, atlântico e lusófono;
  • O uso sustentável dos recursos naturais e energéticos.[4]

Eleições Legislativas 2015Editar

Nas eleições legislativas 2015, realizadas em 4 de outubro desse ano, o partido conseguiu um total de 21.439 votos, a que correspondeu a 0,40% dos votos, não conseguindo eleger qualquer deputado.[5]. Este partido, com fracas votações no território nacional, conseguiu a proeza de se classificar em 2.º lugar no círculo da Emigração fora da Europa (ganhando na China) à frente do Partido Socialista. Este partido pediu a impugnação das eleições nesse círculo eleitoral por alegadas irregularidades, mas o pedido foi rejeitado pelo Tribunal Constitucional.[6]

Eleições Autárquicas 2017Editar

Nas eleições legislativas de 2017, realizadas em 5 de outubro desse ano, o partido conseguiu um total de 12.499 votos, a que correspondeu a 0,24% do total. [7]. Elegeu 1 Presidente de Câmara, 4 vereadores, 15 membros de Assembleias Municipais e 42 Vogais de Assembleias de Freguesias. Para um partido emergente, foi um êxito [8], uma vez que mesmo partidos com assento Parlamentar não têm qualquer Presidente de Câmara

Eleições Europeias 2019Editar

Nas eleições europeias, realizadas em 26 de maio desse ano, o partido subiu para um total de 34.672 votos,a que correspondeu 1,05% do total, mas não elegeu deputado ao PE. [9]. O cabeça de lista, Paulo Morais, foi presidente da organização Transparência e Integridade em Portugal [10]. Após as eleições europeias, O Nós, Cidadãos propôs ao partido Aliança, uma coligação pré-eleitoral ao Centro [11]. mas ambos os partidos acabaram por seguir caminhos separados.

Eleições Legislativas 2019Editar

O NC concorre na generalidade dos círculos eleitorais, decorrendo ainda o processo de aprovação final das listas de candidaturas em todo o país.

Resultados EleitoraisEditar

Eleições legislativasEditar

Data Líder Cl. Votos % +/- Deputados +/- Status Notas
2015 Mendo Castro Henriques 12.º 21 439
0,40 / 100,00
0 / 230
Extra-parlamentar
2019 Mendo Castro Henriques 15.º 12 379
0,24 / 100,00
 0,16
0 / 230
  Extra-parlamentar

Eleições europeiasEditar

Data Cabeça de Lista Cl. Votos % +/- Deputados +/-
2019 Paulo de Morais 10.º 34 672
1,05 / 100,00
0 / 21

Eleições autárquicasEditar

Data Cl. Votos % +/- Presidentes CM +/- Vereadores +/- Assembleias
Municipais
+/- Assembleias de
Freguesias
+/-
2017 13.º 12 495
0,24 / 100,00
1 / 308
4 / 2 074
15 / 6 461
42 / 27 019

WeblinksEditar

Referências