Abrir menu principal

Wikipédia β

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico

(Redirecionado de OCDE)
Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico
OCDE - OECD
Logótipo da OCDE.
Fundação 30 de setembro de 1961 (56 anos)
Tipo Organização internacional
Sede Paris,  França
Membros
Línguas oficiais Inglês - Francês
Secretário-geral México José Ángel Gurría
Sítio oficial www.oecd.org

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (português europeu) ou Econômico (português brasileiro) (OCDE)[1] é uma organização internacional de 37 países que aceitam os princípios da democracia representativa e da economia de mercado, que procura fornecer uma plataforma para comparar políticas económicas, solucionar problemas comuns e coordenar políticas domésticas e internacionais. A maioria dos membros da OCDE é composta por economias com um elevado PIB per capita e Índice de Desenvolvimento Humano e são considerados países desenvolvidos.[2]

Teve origem em 1948 como a Organização para a Cooperação Económica (OECE), (em inglês - Organization for Economic Cooperation and Development - OECD), liderada por Robert Marjolin da França, para ajudar a gerir o Plano Marshall para a reconstrução da Europa após a Segunda Guerra Mundial. Posteriormente, a sua filiação foi estendida a estados não-europeus. Em 1961, a Convenção sobre a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico reformou a OECE e deu lugar à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico.

A sede da OCDE é localizada no Château de la Muette em Paris, França.

Índice

HistóriaEditar

A OCDE foi criada em 30 de Setembro de 1961, sucedendo à Organização para a Cooperação Económica Europeia, criada em 16 de Abril de 1948. Também é chamada de "Grupo dos Ricos", porque os 35 países participantes produzem juntos mais da metade de toda a riqueza do mundo.

O Secretário-Geral é, desde 1 de Junho de 2006, o mexicano José Ángel Gurría Treviño.

ObjetivosEditar

  • apoiar um crescimento económico duradouro;
  • desenvolver o emprego;
  • aumentar o nível de vida;
  • manter a estabilidade financeira;
  • ajudar os outros países a desenvolverem as suas economias;
  • contribuir para o crescimento do comércio mundial.

A OCDE também partilha os seus conhecimentos e troca de ideias com mais de 100 outros países e economias, desde o Brasil, China, Rússia e África do Sul até os países menos desenvolvidos da África.

Países membrosEditar

Existem presentemente 36 membros da OCDE.[3] Destes 36, México e Turquia (marcados com *) são descritos como economias de renda média alta do Banco Mundial. Os restantes membros, são descritos como economias de renda alta.[4][5]

Membros fundadores da OCDE (1961):

Admitidos na OCDE posteriormente:

Admitidos com a reforma da OCDE (1961):

Admitidos na OCDE posteriormente:

A Comissão Europeia participa nos trabalhos da OCDE, ao lado dos Estados Membros da UE.[6]

Países que assinaram o acordo de adesão mas ainda não são membrosEditar

  • Colômbia: assinou o acordo de adesão em 30 de maio de 2018.[7]

Países em negociações de adesãoEditar

  • Costa Rica: em maio de 2013, a OCDE declarou sua intenção de abrir negociações de adesão com a Costa Rica em 2015. Em 9 de abril de 2015, a OCDE decidiu abrir negociações de adesão com a Costa Rica.

Países cujas negociações de adesão estão suspensasEditar

  • Rússia: em maio de 2007, a OCDE decidiu abrir negociações de adesão com a Rússia. Em março de 2014, a OCDE suspendeu as negociações de adesão em resposta ao papel da Rússia na crise de Crimeia de 2014.

Relações com não-membrosEditar

 
  Membros da OCDE
  Países candidatos à adesão
  Parceiros-chave

A Dezembro de 2012, a OCDE tem 25 estados não-membros com o estatuto de observadores ou participantes de pleno direito nas suas Comissões. Cerca de 50 não-membros participam nos grupos de trabalho, regimes ou programas. A OCDE mantém um dialogo político com o propósito de partilhar as opiniões sobre quais são as melhores práticas a seguir.

A 16 de Maio de 2007, o Conselho Ministerial da OCDE decidiu iniciar negociações de adesão do Chile, Estónia, Israel, Rússia e Eslovénia.[8][9] Nesse mesmo conselho, decidiu-se reforçar a cooperação com o Brasil, a China, a Índia, a Indonésia e a África do Sul[8], e posteriormente aceitou a adesão do Chile[10], Estónia[11], Israel[12] e Eslovénia[13].

A 30 de Maio de 2017, o governo do Brasil formalizou a solicitação de entrada na organização.[14][15]

Referências

  1. Diário do Governo n.º 174, I Série, de 28.07.1961 – Convenção relativa à Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos
  2. «About the OECD - OECD». www.oecd.org. Consultado em 8 de maio de 2017. 
  3. «List of OECD Member countries - Ratification of the Convention on the OECD». www.oecd.org. Consultado em 31 de julho de 2018. 
  4. «Country Groups. High-income OECD members». The World Bank. Consultado em 23 de janeiro de 2009. 
  5. «Country Groups. High-income economies». The World Bank. Consultado em 10 de maio de 2010. 
  6. Member Countries
  7. «OECD countries agree to invite Colombia as 37th member - OECD». www.oecd.org. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  8. a b «Chair's summary of the OECD Council at Ministerial Level, Paris, 15–16 May 2007 – Innovation: Advancing the OECD Agenda for Growth and Equity» (Nota de imprensa). OECD. 16 de maio de 2007. Consultado em 26 de julho de 2008. 
  9. http://m.jb.com.br/capa/noticias/2007/05/16/brasil-e-convidado-a-fortalecer-vinculos-com-ocde/
  10. «Chile invited to become a member of the OECD - OECD». www.oecd.org. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  11. «Estonia's accession to the OECD - OECD». www.oecd.org. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  12. «Israel's accession to the OECD - OECD». www.oecd.org. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  13. «Slovenia's accession to the OECD - OECD». www.oecd.org. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  14. «Brasil formaliza pedido de adesão à OCDE». Agência Brasil - Últimas notícias do Brasil e do mundo 
  15. Planalto, Portal. «Governo brasileiro formaliza pedido para entrar na OCDE». Palácio do Planalto. Consultado em 31 de maio de 2017. 

Ligações externasEditar