Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o filme brasileiro. Para outros significados, veja O Pagador de Promessas (desambiguação).
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O Pagador de Promessas
Cartaz do filme, destacando o ator Leonardo Villar.
 Brasil
1962 •  p&b •  118 min 
Direção Anselmo Duarte
Roteiro Anselmo Duarte
Elenco Leonardo Villar
Glória Menezes
Dionísio Azevedo
Norma Bengell
Geraldo Del Rey
Género drama
Música Gabriel Migliori
Idioma português

O Pagador de Promessas é um filme de drama brasileiro do ano de 1962 escrito e dirigido por Anselmo Duarte.[1] É até hoje o único filme brasileiro e sul-americano a conquistar a Palma de Ouro do Festival de Cannes, na França, um dos mais importantes prêmios cinematográficos do mundo.[2][3] A película é baseada na peça teatral homônima do dramaturgo Dias Gomes.[1] Em novembro de 2015 o filme entrou na lista feita pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos.[4]

Índice

EnredoEditar

Década de 60. Zé do Burro é um homem humilde que enfrenta a intransigência da Igreja ao tentar cumprir a promessa feita em um terreiro de Candomblé de carregar uma pesada cruz de madeira por um longo percurso.

Zé do Burro é o dono de um pequeno pedaço de terra no interior da Bahia. Seu melhor amigo é um burro chamado Nicolau. Quando este adoece e não se consegue fazer nada para que o animal melhore, ele faz uma promessa a uma Mãe de Santo do Candomblé: se seu burro se recuperar, promete dividir sua terra igualmente entre os mais pobres e carregará uma cruz desde sua terra até a Igreja de Santa Bárbara em Salvador, onde a oferecerá ao padre local. Assim que seu burro se recupera, Zé dá início à sua jornada.

O filme se inicia com Zé, seguido fielmente pela esposa Rosa, chegando à catedral de madrugada. O padre local, que representa a autoridade da religião oficial, recusa receber a cruz de Zé após ouvir dele a razão pela qual a carregou e as circunstâncias "pagãs" em que a promessa foi feita, impossibilitando o cumprimento da mesma. Todos em Salvador tentam se aproveitar do inocente e ingênuo Zé. Os praticantes de candomblé querem usá-lo como líder contra a discriminação[5] que sofrem da Igreja Católica, os jornais sensacionalistas transformam sua promessa de dar a terra aos pobres em grito pela reforma agrária. Zé insiste em entrar na Igreja e recebe apoio da população pobre, que acredita que ele tem o direito de pagar sua promessa, criando, assim, uma situação de conflito com o padre. A polícia é chamada para prevenir a entrada de Zé na Igreja, e ele acaba morto em um confronto violento entre policiais e manifestantes a seu favor. Na última cena do filme, os manifestantes colocam o corpo morto de Zé em cima da cruz e entram à força na catedral.

ElencoEditar

BastidoresEditar

Inicialmente, Glória Menezes interpretaria Marli, e Maria Helena Dias seria a protagonista, Rosa. Porém Maria Helena pegou pneumonia e foi substituída por Glória, que deixou o papel de Marli para Norma Bengell.[6]

Principais prêmios e indicaçõesEditar

  A Wikipédia tem o
Oscar 1963 (EUA)
Festival de Cannes 1962 (França)
Festival de Cartagena 1962 (Colômbia)
  • Vencedor do Prêmio Especial do Júri.
San Francisco International Film Festival 1962 (EUA)
  • Vencedor (Prêmio Golden Gate) nas categorias:

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b O Pagador de Promessas - resumo, contexto, análise, personagens por Globo Educação
  2. «Cannes: All the Palme d'Or Winners, Ranked» (em inglês). The Hollywood Reporter. 5 de outubro de 2016. Consultado em 14 de abril de 2017 
  3. «Todas as Palmes d'or». Festival de Cannes. Consultado em 9 de janeiro de 2015 
  4. André Dib (27 de novembro de 2015). «Abraccine organiza ranking dos 100 melhores filmes brasileiros». Abraccine. abraccine.org. Consultado em 26 de outubro de 2016 
  5. Preconceito e intolerância religiosa no filme O Pagador de Promessas Arquivado em 3 de março de 2009, no Wayback Machine. por Espaço Acadêmico
  6. Perrone, Marcelo; Franzosi, Vanessa (23 de maio de 2012). «Leonardo Villar e Glória Menezes falam sobre experiência de ganhar a Palma de Ouro com "O Pagador de Promessas"». Zero Hora. Consultado em 20 de outubro de 2015 

Ligações externasEditar