Abrir menu principal

Organizações Victor Costa

Organizações Victor Costa
Empresa de capital fechado
Atividade Mídia
Fundador(es) Victor Costa
Produtos Televisão
Rádio

As Organizações Victor Costa (OVC) foram um grupo de comunicação brasileiro.[1][2]

A OVC teve uma passagem meteórica, que deixou sua marca na história da radioteledifusão nacional.

HistóricoEditar

Na década de 1950, eram três os grupos de controladores de canais de televisão: os Diários Associados (da TV Tupi Rio de Janeiro e TV Tupi São Paulo), Emissoras Unidas (da TV Record e TV Rio) e a OVC (Organizações Victor Costa).

A trajetória deste último grupo começa antes dele. Victor Costa era diretor da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, principal emissora de rádio do país e de propriedade do Governo Federal. Ele, que começou como ponto, depois foi radioator, cresceu rapidamente no rádio (sua maior paixão). Em 1953, ele vai a São Paulo na tentativa de criar um negócio. É quando ele adquire a Rádio Excelsior de Paulo Machado de Carvalho, dono da Rádio Record, e monta a Rádio Nacional (sem vínculos com a do Rio).[3]

Adquiriu também a Rádio Cultura. E aos poucos começou a comprar diversas emissoras de rádio pelo país. Onde os outros viam a dificuldade de manter uma estação, Victor Costa enxergava oportunidades e negócios pertinentes na área. Era o grande profissional. Foi ainda em 1953 que fundou a OVC (Organizações Victor Costa), que estabeleceu uma ordem para consolidação e construção do grupo.[3]

Com seus diversos contatos, Victor Costa trouxe do Rio de Janeiro os principais nomes da Rádio Nacional. As "cantoras do rádio", orquestras, os humoristas da PRK 30, entre outros. Começou a fazer transmissões em "pool" entre as rádios.

Em 1954 começou a negociar com o deputado Ortiz Monteiro a compra da TV Paulista, canal 5. Um ano depois comprou a emissora. O canal, que estava com pouquíssimos recursos era prejudicado pela ascensão e a estrutura da TV Tupi e TV Record. Com a chegada da OVC, a TV Paulista se transformou. E criou programas de sucesso como "Teledrama Três Leões" e "Hit Parade". E com o tempo, a OVC passou a criar novas emissoras de TV, como a TV Santos, a TV Bauru (atual TV TEM Bauru) e uma emissora em Recife. A OVC chegou a obter uma concessão para ter outro canal em São Paulo, o 9, que no entanto foi vendida, antes mesmo da emissora ser inaugurada, para um grupo de empresários que mantiveram o nome escolhido pelos donos originais da concessão (TV Excelsior).

Em 22 de dezembro de 1959, faleceu Victor Costa.[3] Sua esposa e um enteado começaram a gerir os negócios da OVC. A emissora começou a ser sucateada, com o intuito de venda. E foi assim que em 1966 Roberto Marinho adquiriu toda a OVC, inclusive as rádios, criando a Rede Globo juntamente com sua emissora, a TV Globo (canal 4 do Rio de Janeiro). A TV Paulista se transformaria em TV Globo São Paulo, a Rádio Nacional em Rádio Globo São Paulo em 1977, a Rádio Excelsior 780 kHz, transformada em emissora de notícias em 1991, com o "nome fantasia" CBN.

Referências

  1. Milton Neves. «Chico Anysio». Consultado em 20 de novembro de 2013 
  2. Quem é quem no Brasil - Biografias contemporâneas (Volume 6). São Paulo: Sociedade Brasileira de Expansão Comercial Ltda. 1961. 165 páginas 
  3. a b c Virgílio, Marcos (2010). São Paulo 1946 - 1957 - Representações da cidade na música popular. São Paulo: Biblioteca 24x7. 29 páginas. ISBN 85-78931-20-3