Grupo Globo

Grupo de mídia brasileiro
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Global Media Group.

Grupo Globo[1][13] é o maior conglomerado de mídia e comunicação do Brasil e da América Latina, que tem as seguintes empresas subsidiárias: Globo (que desde janeiro de 2020, com o projeto "Uma Só Globo" unificou as empresas TV Globo,[4][14] Globosat e Globo.com); Editora Globo, Sistema Globo de Rádio e Globo Ventures, além de ser mantenedor da Fundação Roberto Marinho. Em 2016, o Grupo Globo foi citado entre os maiores proprietários de mídia do mundo, de acordo com o ranking produzido pela consultoria Zenith Optimedia, sendo a única empresa brasileira da lista. A principal empresa do Grupo Globo é a Globo, que detém a maior emissora de televisão do país e a segunda maior do mundo.[15][16][17][18][19][20][21]

Grupo Globo[1]
Razão social Organizações Globo Participações S.A.[2]
Globo Comunicação e Participações S.A.[1]
Empresa de capital fechado
Slogan O ambiente onde todos se encontram
Atividade Conglomerado de mídia
Gênero Sociedade anônima
Fundação 25 de julho de 1925 (96 anos)
Fundador(es) Irineu Marinho
Sede Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Área(s) servida(s) Brasil e Mundo
Proprietário(s) Família Marinho
Presidente João Roberto Marinho
Vice-presidente
  • Paulo Tonet Camargo[3]
Produtos
Subsidiárias
Acionistas
Valor de mercado Aumento R$ 15,897 bilhões (2019)[5]
Ativos Aumento R$ 23,421 bilhões (2019)[5]
Receita Baixa R$ 14,090 bilhões (2019)[5]
Lucro BaixaR$ 752 milhões (2019)[5]
LAJIR Baixa R$ 1,079 bilhão (2019)[5]
Faturamento Aumento R$ 14,090 bilhões (2019)
Website oficial grupoglobo.globo.com

Entre 2011 e 2017, o Grupo Globo figurou na pesquisa Top Thirty Global Media Owners, realizada pela Zenith Optimedia com base nas receitas publicitárias do ano, o Grupo Globo apareceu na posição 17 dentre os maiores grupos de mídia do mundo; que lista as '30 empresas mais influentes do mundo na área de mídia, atrás de empresas como Google (1º lugar), News Corp (3º lugar) e The Walt Disney Company (4º lugar). Em seguida, esteve presente na lista das "30 empresas mais influentes do mundo na área de mídia", sendo o único latino-americano entre os 20 maiores. O levantamento apontou também que o conglomerado era maior do que grupos de mídia conhecidos internacionalmente, como Microsoft (21º lugar) e Yahoo! (18º lugar).[22][23][24]

História

Século XX

A primeira iniciativa da holding foi o jornal A Noite, fundado e dirigido por Irineu Marinho em 1911, no Rio de Janeiro, então capital do Brasil.[25] Em 1925, com o sucesso do vespertino, Irineu decide fundar um segundo jornal chamado O Globo que, após sua morte repentina, passa a ter Eurycles de Matos, amigo pessoal de Irineu, como diretor-redator-chefe. Com o falecimento de Eurycles, em 1931, o filho de Irineu, Roberto Marinho, assume o jornal.[7]

Em 1944, ocorreu a inauguração da Rádio Globo, também no Rio de Janeiro, mas foi com a inauguração da TV Globo (transmitida a partir de 1965) a partir da obtenção da concessão do canal 4 do Rio de Janeiro, que a empresa se tornou líder no segmento de mídia e expandiu negócios como com a portuguesa SIC, em 2010.[17][26][27][28][29]

Nos anos seguintes, o Grupo Globo fundou a gravadora Som Livre (1969), a Fundação Roberto Marinho (1977), a programadora de canais Globosat (1991), o portal Globo.com (2000) e o G1 (2006).[30]

Século XXI

Mudança de nome

Em 25 de agosto de 2014, a empresa divulgou que passaria a adotar como nome "Grupo Globo", antes "Organizações Globo", marca usada desde a inauguração do jornal O Globo em 1925.[31] Segundo Roberto Irineu Marinho, "Essa mudança é resultado da nossa visão de futuro e atuação nos anos recentes. Queremos incentivar e promover cada vez mais a colaboração entre nossas empresas, o alinhamento de objetivos e a busca de resultados comuns. O esforço conjunto será cada vez mais importante para entender expectativas do público e atendê-las.[32] No dia 10 de setembro, foi re-lançado o documento "Essência Globo" contendo a visão, missão e valores do Grupo. Sua primeira versão havia sido publicada no ano 2000.[29][32][33]

Reestruturação acionária

Em 24 de setembro de 2018, o Grupo Globo anunciou o projeto Uma Só Globo onde, em três anos, as operações de suas subsidiárias TV Globo, Globoplay, Globosat, Globo.com, Som Livre e DGCorp seriam integradas em uma única empresa,[34] sob a razão social Globo Comunicações e Participações S.A. e a marca Globo. As empresas-irmãs Editora Globo, Infoglobo, Sistema Globo de Rádio e Fundação Roberto Marinho não foram contempladas para o projeto e continuam operando independentemente. O processo de reestruturação foi feito com a consultoria da Accenture.[35] Com esse movimento, a Globo tem como objetivo corte de despesas fixas em alinhamento com seu lucro líquido, além de ganhar mais dinamismo e se preparar para enfrentar a concorrência das novas plataformas de mídia que surgem, e que como tendência mundial, estão cada vez mais concentradas.[36]

Em 8 de novembro de 2019, foi anunciado a centralização de algumas empresas do Grupo Globo, que se juntaram em uma nova empresa, apenas de nome Globo. A mudança, que aconteceu em 1º de janeiro de 2020, também operou mudanças em toda a direção do grupo, com remanejamento e promoção de nomes.[37] Em 4 de janeiro de 2021, é anunciada oficialmente a marca da nova Globo, como resultado da união da TV aberta, TV por assinatura, streaming e plataformas digitais. O projeto gráfico foi realizado por uma equipe multidisciplinar e teve como ponto de partida a opinião do público. Ele ilustra os valores da empresa compostos por brasilidade, proximidade, diversidade, senso de comunidade, liberdade e criatividade. A arquitetura da nova marca traz o uso de letras em caixa baixa para representar a proximidade com o público. As cores vibrantes refletem a natureza, e a tipografia arredondada foi idealizada para trazer a ideia de círculo e movimento.[38]

Um dos principais pontos da reestruturação é que ela passaria a se tornar uma empresa mediatech, visionando um futuro mais direcionado aos âmbitos digital e tecnológico. Nóbrega argumentou: "Nossos canais lineares falam com mais de 100 milhões de pessoas todos os dias no Brasil, o que demonstra a enorme relevância da televisão como a conhecemos, mas o conceito do que é televisão está se ampliando com rapidez".[39] No dia 7 de abril de 2021, é anunciado um acordo de 7 anos com a plataforma Google Cloud. A parceria contempla a migração de 100% dos dados de seus data centers próprios para a nuvem da gigante tecnológica americana, assim como os seus conteúdos, produtos e serviços digitais da nova empresa; e abre possibilidades para a utilização de Inteligência Artificial e machine learning, incluindo no desenvolvimento de soluções e no processo de inovação da Globo.[40]

Ainda sob o processo de reestruturação da nova empresa, em 18 de novembro de 2020, o presidente Jorge Nóbrega anunciou que pretendia vender a gravadora Som Livre. Ainda no mesmo dia, colocou-se a marca em processo de valuation, para disponibilizá-la ao mercado.[41] A distribuidora global Believe foi uma das interessadas na aquisição, porém, em 1º de abril de 2021, foi anunciado que a gravadora foi adquirida pela Sony Music, em uma transação de estimadamente 255 milhões de dólares. Nóbrega afirmou na aquisição: "Nós queríamos assegurar que esse acordo preservasse tudo que a Som Livre representa para os brasileiros".[42][43]

Estrutura corporativa

 
João Roberto Marinho, atual presidente do Grupo Globo

O Grupo Globo possui em seu alto escalão os seguintes nomes:[44]

Conselho de administração

Subsidiárias

Globo

Empresa de mídia e comunicação, fundada em 1 de janeiro de 2021, a partir da fusão das operações das empresas Rede Globo, Globosat, Globo.com, Som Livre e DGCorp, que antes operavam de forma independente uma da outra.[45][46][34] Atualmente, a empresa possui as seguintes divisões

TV Globo
 Ver artigo principal: TV Globo
 
Logotipo da TV Globo

Inaugurada em 1965, possui cinco emissoras próprias (TV Globo Rio de Janeiro, TV Globo São Paulo, TV Globo Brasília, TV Globo Minas e TV Globo Nordeste), 119 emissoras afiliadas e é a maior rede de televisão aberta do Brasil em número total de emissoras próprias e afiliadas, em faturamento e em números de audiência. A emissora também distribui o conteúdo aberto para 118 países, através do serviço por assinatura Globo Internacional. Sua sede administrativa se localiza no bairro do Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio de Janeiro, além de contar com um complexo de estúdios chamado Estúdios Globo, na Zona Oeste da capital fluminense. Já o departamento comercial da empresa se localiza no Edifício Jornalista Roberto Marinho, no bairro de Vila Cordeiro, na Zona Sul da capital paulista.[32][47][48][49][50]

É assistida por mais de 200 milhões de pessoas diariamente, sejam elas no Brasil ou no exterior.[51][52] É a segunda maior rede de televisão comercial do mundo, atrás apenas da norte-americana American Broadcasting Company (ABC),[53] sendo que alcança 98,60% do território brasileiro, cobrindo 5 490 municípios e cerca de 99,55% do total da população brasileira.[51]

Canal Futura
 Ver artigo principal: Canal Futura

Canal de TV educacional, produzido pela Fundação Roberto Marinho em parceria com a Rede Globo e outras empresas a partir de 1997. Seu sinal, programado pelo Grupo Globo, pode ser captado em todo o Brasil através de canais de operadoras de TV por assinatura e de antenas parabólicas digitais, além de ter como parceiras TVs abertas que retransmitem sua programação em algumas localidades do país.[54][8][29][55][56]

O Futura foi criado para levar a toda a população brasileira, em especial às camadas populares, conhecimento que possa ser aplicado ao cotidiano, propondo e gerando transformações para uma melhor inserção no mercado de trabalho, na vida familiar, escolar e social.[57]

Globo Filmes
 
Logotipo da Globo Filmes
 Ver artigo principal: Globo Filmes

Coprodutora de cinema, criada em 1998 como braço cinematográfico da TV Globo. A divisão atua em parceria com outras produtoras independentes nacionais e distribuidoras nacionais e internacionais.[58] Os lançamentos da empresa costumam contar com o apoio de divulgação do Grupo Globo, que envolve veículos de todos os tipos como jornais, rádios, revistas, televisão e internet, que se torna um diferenciador para a disputa de mercado por parte daqueles filmes coproduzidos ou apoiados pela Globo Filmes.[59]

Canais Globo
 Ver artigo principal: Canais Globo (empresa)
 
Logo da empresa Canais Globo

Lançada em 2020 como Canais Globo, foi considerada a maior produtora de conteúdo destinado a TV por assinatura da América Latina. Possui mais de 32 canais próprios e de parceiros, e contava com produtos em outras plataformas, distribuídos para mais de 18 milhões de telespectadores. Em 2020, a empresa ainda se chamava Globosat, mais tarde a marca se integrou à empresa Globo e passou a se chamar "Canais Globo.[60] São 20,8 milhões de telespectadores distribuídos por mais de 6,1 milhões de domicílios-assinantes. É a programadora de maior alcance médio diário: 7,5 milhões de telespectadores diferentes.[61]

Globo.com
 Ver artigo principal: Globo.com
 
Logo do portal Globo.com

Globo.com é o portal de internet da empresa e tem uma grande biblioteca de vídeos históricos, além de fornecer parte do conteúdo atual gravado, noticiários de TV ao vivo e programas especiais, como o Big Brother Brasil. Também difundiu os jogos da Copa do Mundo FIFA de 2006 em 480i e 480p. O portal também oferece acesso aos demais produtos do conglomerado de mídia como revistas, jornais e rádio ao vivo. O domínio atraiu pelo menos 1,8 milhões de visitantes anualmente até 2008, segundo um estudo do Compete.com[62] e, atualmente, é classificado como o 104º site mais acessado no mundo, segundo o Alexa.[63]

O Grupo Globo foi a primeira empresa brasileira a obter um dos novos domínios de topo genéricos (gTLD) criados pela ICANN, órgão que regulamenta a web.[64] O Grupo Globo conseguiu a oficialização da extensão ".globo" na rede junto ao órgão.[65] Com a publicação da homologação do sufixo pela IANA em maio de 2014, o domínio ".globo" passou a fazer parte da internet.[66][67]

Globoplay
 Ver artigo principal: Globoplay
 
Logo do Globoplay

Globoplay é uma plataforma digital de streaming de vídeos sob demanda criada e desenvolvida com a ideia de Valdir Miranda o qual registrou o domínio em 2013 e enviou a ideia para o Grupo Globo, que teve o seu lançamento feito em 26 de outubro de 2015. Em 2020 consagrou a marca de 20 milhões de usuários e se tornou líder nacional de streaming.[68][69][70] Seu aplicativo está disponível desde o dia 3 de novembro de 2015 pela App Store e na Google Play.[71] Também, possui versão para a webOS, da LG.[72] A versão web pode ser acessada pelo site da empresa.[73]

Em fevereiro de 2016, seu app móvel ganhou compatibilidade com o Chromecast.[74][75][76] Estão sendo desenvolvidos aplicativos para TV's da Samsung, Philips, LG e Panasonic,[72] sendo que em abril de 2017, a TCL lançou o televisor P2 Ultra HD, cujo controle remoto possui um botão de atalho exclusivo para o aplicativo.[77] Também, foi anunciado uma versão para o Windows.[78] Em abril de 2021, a TV Globo firma parceria com a Google por 7 anos, migrando 100% do data center privado da Globo para o ambiente de nuvem da Google, a criação de uma aplicação para Android TV, a otimização de processos de produção, edição, transmissão e distribuição de conteúdos variados e a digitalização da infraestrutura de servidores voltados aos produtos digitais do canal.[79] [80][81][82]

Sistema Globo de Rádio

 Ver artigo principal: Sistema Globo de Rádio

Empresa que controla as concessões e redes de rádio do grupo. Está sediada na cidade do Rio de Janeiro, no mesmo edifício da Editora Globo.[83][84]

Grupo de Publicações Globo

Editora Globo
 Ver artigo principal: Editora Globo

Fundada em 1952, a editora publica livros e revistas. Sua sede está localizada em São Paulo, além de contar com sucursais no Rio de Janeiro e em Brasília.[86][87][88]

Edições Globo Condé Nast
 Ver artigo principal: Edições Globo Condé Nast

Joint venture formada entre a Editora Globo (70%) e a Condé Nast (30%), que funciona de forma independente, porém, diretamente ligada.[89][90]

Infoglobo
 Ver artigo principal: Infoglobo
 
Logo da Infoglobo

Empresa responsável por editar e publicar os jornais do grupo.[91][92]

Globo Ventures

Empresa de investimentos do Grupo Globo criada em 2019 para alavancar outras empresas focadas em empreendedorismo e novos negócios, como por exemplo: Alive, Arena, Bom Pra Crédito, Buser, EmCasa, Enjoei[95], Nomad, Órama[95], Stone entre outros.[96]

Referências

  1. a b c «Sobre o Grupo Globo» (em inglês). Globo.com. Consultado em 20 de novembro de 2020 
  2. «Quem Somos - Grupo Globo». Grupo Globo. Consultado em 27 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2021. O Grupo Globo (Organizações Globo Participações S.A) é composto pelas empresas Globo (Globo Comunicações e Participações S.A.), Editora Globo, Sistema Globo de Rádio e Globo Ventures e mantenedor da Fundação Roberto Marinho, que forma, em parceria com instituições públicas e privadas, uma rede de cooperação em prol da educação. 
  3. «Estrutura Corporativa». Grupo Globo. Consultado em 8 de Novembro de 2019. Cópia arquivada em 13 de julho de 2019 
  4. a b c d e f «Nossas Empresas». Grupo Globo. Consultado em 20 de Julho de 2019. Cópia arquivada em 13 de julho de 2019 
  5. a b c d e f g «Relações com Investidores». Grupo Globo. Consultado em 2 de abril de 2020 
  6. Edifício Jornalista Roberto Marinho é inaugurado em SP
  7. a b «"IRINEU MARINHO"». Memória Globo. Consultado em 28 de Novembro de 2016 
  8. a b «História Grupo Globo». Memória Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. Cópia arquivada em 14 de março de 2016 
  9. «Estrutura corporativa». Grupo Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. Cópia arquivada em 23 de junho de 2016 
  10. G1 (4 de abril de 2017). «Globo fecha 2016 com lucro de R$ 2 bilhões e faturamento de R$ 15,3 bilhões». G1. Consultado em 13 de Novembro de 2017 
  11. «About Globo». Investor Relations (em inglês). Globo.com. Consultado em 29 de junho de 2016 
  12. «Organizações Globo Participações S.A.» (PDF). Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro. 28 de março de 2016. Consultado em 30 de abril de 2017 [ligação inativa] 
  13. «"Organizações Globo adotam nova marca: Grupo Globo"». Grupo Globo. Consultado em 29 de Maio de 2018 
  14. «Empresas do Projeto Uma Só Globo» (em inglês). Globo.com. Consultado em 3 de janeiro de 2021 
  15. «"Áreas de Atuação do Grupo Globo"». Grupo Globo. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  16. «"Grupo Globo sobe no raking de maiores empresas de mídia do mundo"». Grupo Globo. Consultado em 28 de Novembro de 2016. Arquivado do original em 29 de setembro de 2017 
  17. a b «"Rede Globo se torna a 2ª maior emissora do mundo"». O Fuxico. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  18. «"Maior grupo de comunicação do país, Globo tem novo comando executivo"». Valor Economico. Consultado em 29 de Maio de 2018 
  19. «Globo começa 2021 com nova marca». G1. Consultado em 4 de janeiro de 2021 
  20. «Globo unifica marcas em uma mesma estrutura a partir de janeiro». Consultado em 4 de janeiro de 2021 
  21. «Responsabilidade Social». Grupo Globo. Consultado em 11 de Junho de 2018. Cópia arquivada em 10 de junho de 2018 
  22. «"Organizações Globo são o 17º maior grupo de mídia do mundo"». RD1. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  23. «"Google Expands Lead as World's Largest Media Owner"». The Wall Street Jornal. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  24. «The 30 biggest media companies in the world». "Business Insider". Consultado em 29 de Maio de 2018 
  25. «"21 de abril de 1960: o dia em que o Rio de Janeiro deixou de ser a capital federal"». Acervo O Globo. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  26. «"Sistema Globo de Rádio"». Roberto Marinho. Consultado em 29 de Novembro de 2016. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2016 
  27. «"1904 DEZEMBRO"». Rede Globo. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  28. «"Rede Globo"». Roberto Marinho. Consultado em 29 de Novembro de 2016. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2013 
  29. a b c «Lançamento de O Globo». História Grupo Globo. Consultado em 29 de Maio de 2018 
  30. «"Grupo Globo"». Grupo Globo. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  31. «"MARCA GRUPO GLOBO SUBSTITUI ORGANIZAÇÕES GLOBO"». Grupo Globo. Consultado em 29 de Novembro de 2016. Cópia arquivada em 30 de junho de 2017 
  32. a b c «"Organizações Globo viram 'Grupo Globo' para modernizar marca"». Notícias da TV. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  33. «Funcionários da Globo são surpreendidos com documento sobre 'essência' da empresa». Folha de SP. Consultado em 29 de Maio de 2018 
  34. a b Cynthia Malta (8 de novembro de 2019). «Grupo Globo terá nova estrutura a partir de janeiro de 2020». Valor Econômico. Consultado em 28 de abril de 2021 
  35. João Luiz Rosa (8 de novembro de 2019). «Reformulada, Globo avança na direção de se tornar 'media tech'». Valor Econômico. Consultado em 28 de abril de 2021 
  36. «O que está por trás da megafusão da Globo?». G1. Globo. 17 de novembro de 2019. Consultado em 17 de janeiro de 2021 
  37. «Grupo Globo terá nova estrutura a partir de janeiro de 2020». Valor Econômico. Consultado em 10 de novembro de 2019 
  38. «Globo começa 2021 com nova marca». G1. Consultado em 4 de janeiro de 2021 
  39. «Globo acelera projeto para ser mediatech». Tela Viva. 20 de setembro de 2020. Consultado em 10 de abril de 2021 
  40. «Globo anuncia parceria estratégica de co-inovação e migração para nuvem com Google Cloud». Globo.com. Consultado em 10 de abril de 2021 
  41. «Globo anuncia venda da gravadora Som Livre». Metrópoles. Consultado em 17 de janeiro de 2021 
  42. «Som Livre é vendida pela Globo para a Sony Music Entertainment». Globo.com. Consultado em 2 de abril de 2021 
  43. «Por que a Globo se desfez da Som Livre em um negócio de R$ 1,4 bilhão». Uol. Consultado em 2 de abril de 2021 
  44. «"CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO"». Grupo Globo. Consultado em 29 de Novembro de 2016. Cópia arquivada em 23 de junho de 2016 
  45. «Globo começa 2021 com nova marca». G1. Consultado em 4 de janeiro de 2021 
  46. «Globo unifica marcas em uma mesma estrutura a partir de janeiro». Consultado em 4 de janeiro de 2021 
  47. «"TV GLOBO"». Grupo Globo. Consultado em 29 de Novembro de 2016. Arquivado do original em 3 de outubro de 2015 
  48. «"Globo e Record sobem, mas SBT cresce mais e mantém vice no PNT"». Na Telinha. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  49. «"Globo e Record sobem, mas SBT cresce mais e mantém vice no PNT"». Negócios Globo. Consultado em 29 de Novembro de 2016. Arquivado do original em 30 de setembro de 2015 
  50. «"Nova regra de peso atribuído às programações das redes de TV aberta Globo, Record, SBT e Band"» (PDF). ECAD. Consultado em 29 de Novembro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 30 de junho de 2016 
  51. a b «Negócios Globo». Grupo Globo. Consultado em 21 de julho de 2015. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2015 
  52. «Estagiar». Grupo Globo. Consultado em 19 de novembro de 2007 [ligação inativa]
  53. «Rede Globo se torna a 2ª maior emissora do mundo». OFuxico. Consultado em 12 de maio de 2012. Cópia arquivada em 14 de maio de 2012 
  54. «Identidade Brasil». Academia Brasileira de Letras. 12 de março de 2018. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  55. «"2002: News Corporation assume o controle da SKY no Brasil"». TV Magazine. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  56. «"O Início"». Roberto Marinho. Consultado em 29 de Novembro de 2016. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2016 
  57. RIO, por HDTV. «Futura deixa TV Aberta e se torna canal pago». infoTV.RJ | Notícias da TV Digital e Rádio no Rio de Janeiro. Consultado em 29 de janeiro de 2019 
  58. «Quem Somos». Globo Filmes. Consultado em 18 de junho de 2016 
  59. GATTI, André Piero. Distribuição e Exibição na Indústria Cinematográfica Brasileira (1993-2003). 357 f. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.
  60. «Globosat Play vira Canais Globo e mantém streaming de TV paga». Tecnoblog. 16 de setembro de 2020. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  61. Armindo Ferreira. «Globosat cria nova função e anuncia mudanças na diretoria do GNT». Comunicavale. Consultado em 6 de novembro de 2011 
  62. «Globo attracts almost 2 m visitors online yearly». Consultado em 5 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 10 de novembro de 2013 
  63. «globo.com - Detalhes de tráfego no Alexa». Consultado em 5 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2020 
  64. «"Globo é primeira a conseguir domínio personalizado no Brasil"». Exame. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  65. «"Globo ganha autorização para usar domínio próprio na internet, o '.globo'"». G1. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  66. «"Delegation Record for .GLOBO"». IANA. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  67. «"Rede Globo consegue registro do domínio personalizado ".GLOBO""». Canal Tech. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  68. «Globoplay: a programação da Globo ao vivo ao alcance de um 'play; saiba». Globo.com. Consultado em 30 de outubro de 2015 
  69. «A estratégia do Globoplay para brigar com Netflix e Disney». Grupo Abril. Consultado em 21 de maio de 2020 
  70. «Globoplay já tem 20 milhões de usuários e é líder nacional de streaming». Canal Tech. Consultado em 11 de dezembro de 2020 
  71. Paulo Higa (26 de outubro de 2015). «Globo Play: streaming ao vivo (e grátis) da TV Globo». Tecnoblog. Consultado em 30 de outubro de 2015 
  72. a b «Globo Play é lançado nas Smart TVs da marca LG». G1. Globo.com. 30 de dezembro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  73. «Globo Play leva TV aberta para PCs, tablets e smartphones». Experiências Digitais. Revista Época. 27 de outubro de 2014. Consultado em 30 de outubro de 2015 
  74. «Globo Play chega em TVs comuns via Chromecast nesta segunda». NaTelinha. Universo Online, NE10. 16 de fevereiro de 2016. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  75. Vera Magalhães (14 de fevereiro de 2016). «Globo Play chega às TVs comuns via Chromecast». Radar On-line. Veja. Consultado em 28 de maio de 2016 
  76. Elson de Souza (20 de dezembro de 2015). «Globo Play e Globosat Play: apps permitem assistir TV online». TechTudo. Globo.com. Consultado em 28 de maio de 2016 
  77. «TCL lança smart TV 4K com botão exclusivo Globo Play». Tela Viva. 5 de abril de 2017. Consultado em 11 de junho de 2017 
  78. «No Android e iOS, app Globo Play também chegará ao Windows 10». TudoCelular. 13 de novembro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  79. «Globo fecha parceria de 7 anos com a Google Cloud» 
  80. «Globo anuncia parceria estratégica de inovação conjunta e migração para nuvem com Google Cloud». O Globo. 2021 
  81. «Globo fecha acordo com o Google com objetivo de se tornar uma mediatech». Poder 360 
  82. «Globo anuncia parceria estratégica de co-inovação e migração para nuvem com Google Cloud». Rede Globo 
  83. «"SISTEMA GLOBO DE RÁDIO"». Grupo Globo. Consultado em 29 de Novembro de 2016. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2016 
  84. «"Institucional Sistema Globo de Rádio"». Globo.com. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  85. «"Sistema Globo de Rádio lança canal de áudio em TV por assinatura"». PropMark. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  86. «"Sobre nós"». Editora Globo. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  87. «"Editora Globo"». Grupo Globo. Consultado em 29 de Novembro de 2016. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2016 
  88. «"Publicações"». Assine Globo. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  89. «"Editora Globo fecha parceria com Condé Nast, da revista "Vogue""». Folha. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  90. «"Editora Globo fecha parceria com Condé Nast, da revista "Vogue""». Exame. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  91. «"Sobre a Infoglobo"». Infoglobo. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  92. «"Nossos Produtos"». Infoglobo. Consultado em 29 de Novembro de 2016 
  93. «Jornal "Valor Econômico" completa 15 anos neste sábado». Mercado. Folha de S.Paulo. 2 de maio de 2015. Consultado em 18 de junho de 2016 
  94. «Grupo Globo compra participação do Grupo Folha no 'Valor Econômico'». O Globo. 13 de setembro de 2016. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  95. a b «Sem perder o DNA, Globo busca ser uma 'media tech'». Nota Alta ESPM. Consultado em 2 de maio de 2019 
  96. «GloboVentures». globoventures.globo.com. Consultado em 29 de junho de 2021 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Categoria no Commons
  Categoria no Wikinotícias
  Base de dados no Wikidata