Abrir menu principal
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde abril de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
José Osório de Morais Borba
Nascimento 16 de Janeiro de 1900
Aliança, Pernambuco
Morte 6 de Novembro de 1960 (60 anos)
Rio de Janeiro
Serviço militar
País Brasil

José Osório de Morais Borba (Aliança, 16 de janeiro de 1900Rio de Janeiro (cidade), 6 de novembro de 1960) foi um político, jornalista e escritor brasileiro. Filho de José Jerônimo da Silva Borba e Ana de Moraes Borba, percussores da usina aliança, cujo nome inicial foi engenho aliança, na cidade de Aliança/PE.

Cursou Ciências Jurídicas e Sociais na Faculdade de Direito do Recife e se dedicou a carreira de jornalista.

Em 1933, elegeu-se deputado à Assembléia Nacional Constituinte, na legenda do Partido Social Democrático (PSD) pernambucano, e deputado federal.

Combateu o Estado Novo, ao qual satirizava nos seus artigos na Imprensa. Ligou-se à Esquerda Democrática, grupo da União Democrática Nacional (UDN) que pregava o "espírito social" da legenda, e, com o fim do Governo Vargas, candidatou-se pela ED à Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Quando a Esquerda Democrática transformou-se em Partido Socialista Brasileiro (PSB), filiou-se à agremiação e por ela concorreu, com o apoio do Partido Comunista do Brasil (PCB), em 1952, à sucessão do governador Agamenon Magalhães, falecido no exercício do mandato. Perdeu para o ex-interventor Etelvino Lins, apoiado por todos os outros partidos. 

Eleito, em 1954, suplente de deputado federal, na legenda do Movimento Popular Autonomista (MPA), ocupou uma cadeira na Câmara, por apenas dois meses, em 1957. 

Em 1959, Andrade Lima Filho escreveu o itinerário de Osório Borba: O Homem que Cuspia Maribondos.

Polemista, Osório também foi um dos que duvidavam da psicografia do médium Francisco Cândido Xavier, acusando-o de fraude literária, sobretudo em relação ao livro Parnaso de Além-Túmulo.

LivrosEditar

  • Medalhões e Medalhinhas
  • A Comédia Literária
  • Sombras no Túnel

★Tradução da obra "La Dame Aux Oeillets" - "A dama dos cravos".

Tradução de Osorio Borba - 1954. Editora Jose Olimpio - Rio de Janeiro, 1954: CRONIN, A. J. "A Dama dos Cravos". 1942. (La Dame Aux Oeillets )".