Abrir menu principal

Os Deuses e os Mortos

filme de 1970 dirigido por Ruy Guerra
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2009). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Os deuses e os mortos
 Brasil
1970 •  cor •  97 min 
Direção Ruy Guerra
Roteiro Ruy Guerra
Flávio Império
Elenco Othon Bastos
Norma Bengell
Monsueto
Ítala Nandi
Milton Nascimento
Dina Sfat
Nelson Xavier
Género drama
Idioma português

Os deuses e os mortos é um filme brasileiro de 1970 dirigido por Ruy Guerra.

É considerado um filme do Cinema Novo. Foi indicado ao Urso de Ouro em Berlin e premiado em sete categorias no Festival de Cinema de Brasília, incluindo melhor filme, direção, ator (Othon Bastos), atriz (Dina Sfat), cenografia (Marcos Weinstock), fotografia (Lufti) e trilha sonora (Milton Nascimento[1].

Índice

EnredoEditar

O filme é uma batalha entre um Homem (Othon Bastos) e um império e o império é o grande vencedor. Passado no Sul da Bahia, nos anos 1930, é a história de um aventureiro sem nome, sete vezes baleado, que se intromete na luta entre dois clãs de grandes coronéis pela posse da terra do cacau. O Homem vem disposto a acirrar a luta e a tomar conta de tudo. É uma luta sem vencedores, um banho de sangue que também lhe custa a vida.

ElencoEditar

Prêmios e indicaçõesEditar

O filme ganhou o principal prêmio do VI Festival de Cinema de Brasília, o Candango como melhor filme, levando também o de melhor diretor para Ruy Guerra, melhor ator para Othon Bastos, melhor atriz para Dina Sfat e melhor fotografia para Dib Lufti.[carece de fontes?]

Referências