Dina Sfat

actriz brasileira
Dina Sfat
Dina Sfat em Selva de pedra (1972)
Nome completo Dina Kutner de Souza
Nascimento 28 de outubro de 1938
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileira
Morte 20 de março de 1989 (50 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Atividade 1966-1988
Cônjuge Paulo José (1963-1981)
Filho(s) Bel Kutner
Ana Kutner

Dina Kutner de Sousa, mais conhecida como Dina Sfat, (São Paulo, 28 de outubro de 1938 — Rio de Janeiro, 20 de março de 1989) foi uma atriz brasileira. Estreou no cinema em 1966 no filme O Corpo Ardente. No entanto, a consagração veio em Três Histórias de Amor, eleita 'revelação feminina' no Festival de Cinema de Cabo Frio. Além disso, destacou-se no longa Os Deuses e os Mortos, garantindo o prêmio de 'Melhor Atriz' no Festival de Brasília, algo que voltaria a se repetir pela sua atuação em O Homem do Pau-brasil, mas pela categoria de 'Melhor Atriz Coadjuvante'. Na obra A Culpa, Sfat foi eleita 'Melhor Atriz' pelo Prêmio Air France.

Sfat chegou na televisão em 1966 na telenovela Ciúme, na Rede Tupi. No entanto, sua primeira consagração veio na década de 1970, sendo eleita 'Melhor Atriz' três vezes pelo Troféu Imprensa (Chica Martins em Fogo sobre Terra, Risoleta em Saramandaia e Paloma Gurgel em Os Gigantes), além de duas indicações a mesma premiação (Helô em Assim na Terra como no Céu e Zarolha em Gabriela). Além disso, também foi eleita 'Melhor Atriz' pelo Prêmio APCA no papel de Fernanda em Selva de Pedra.

BiografiaEditar

Filha de judeus poloneses,[1] Dina sempre quis ser artista. Estreou nos palcos em 1962 em um pequeno papel no espetáculo Antígone América, dirigida por Antonio Abujamra.[2] Daí pulou para o teatro amador e foi parar no Teatro de Arena, onde estreou profissionalmente vivendo a personagem Manuela de Os Fuzis da Senhora Carrar de Bertolt Brecht.[3] Foi nessa época que adotou o sobrenome Sfat, em homenagem à terra natal de sua mãe.[4]

Participou de espetáculos importantes na década de 1960 em São Paulo e conquistou o Prêmio Governador do Estado de atriz revelação por seu desempenho em Arena Conta Zumbi em 1965, um musical de Gianfrancesco Guarnieri e Augusto Boal.[5][6] Foi para o Rio de Janeiro e estreou nos palcos de um teatro na peça O Rei da Cidade.[7]

Carreira na televisãoEditar

 
Dina Sfat fez par romântico com Francisco Cuoco na telenovela Assim na Terra como no Céu (1970).

Iniciou sua trajetória em 1966 na telenovela Ciúme, na Rede Tupi, ao interpretar Maria Luísa; assim como, também atuou com o mesmo nome em O Amor Tem Cara de Mulher.[8][9] No ano seguinte, deu vida as personagens Helen e Patrícia em A Intrusa, além de viver Laura em Os Fantoches, na TV Excelsior; concluindo a década em 1969 como Isabel em Acorrentados, na TV Rio.[10][11][12]

No início da década de 1970, foi para a Rede Globo viver Helô na telenovela Assim na Terra como no Céu (sendo indicada ao Troféu Imprensa como 'Melhor Atriz'), no qual fez par romântico com o ator Francisco Cuoco; assim como, foi Adriana em Verão Vermelho, respectivamente.[13][14][15] Em 1971, viveu Wanda Vidal em O Homem Que Deve Morrer e, no mesmo período, participou do programa Caso Especial no episódio "A Pérola".[16][17] No ano seguinte, deu vida a Fernanda em Selva de Pedra, papel que lhe garantiu o Prêmio APCA como 'Melhor Atriz'.[18][19] Entre 1973 a 1974, esteve na pele de Isabel em Os Ossos do Barão; participou novamente do Caso Especial no episódio "As Praias Desertas", além de atuar como Chica Martins (Débora) em Fogo sobre Terra, sendo eleita 'Melhor Atriz' pela primeira vez do Troféu Imprensa.[17][20][21][22]

Em 1975, interpretou Zarolha na telenovela Gabriela (indicada como 'Melhor Atriz' no Troféu Imprensa).[23][24] No ano seguinte, deu vida a personagem Risoleta em Saramandaia – eleita pela segunda vez como 'Melhor Atriz' pelo Troféu Imprensa – e esteve, mais uma vez, em Caso Especial, no episódio "Quem Era Shirley Temple?".[17][25][26] Em 1977, atuou como Amanda em O Astro e concluiu o decênio participando pela quarta vez em Caso Especial, desta vez no episódio "O Caminho das Pedras Verdes", além de viver Paloma Gurgel em Os Gigantes, eleita 'Melhor Atriz' pela terceira vez no Troféu Imprensa.[17][27][28][29]

No início da década de 1980, fez uma participação especial na série Malu Mulher no episódio "A Trambiqueira" viveu e Paula Alencar na mninissérie Avenida Paulista.[17][30] Em 1983, interpretou Darlene na obra Eu Prometo e, no ano seguinte, deu vida a Eleuzina em Rabo de Saia.[31][32] Seu último trabalho na televisão antes de sua morte foi em 1988 na telenovela Bebê a Bordo como Laura.[33]

Carreira no cinemaEditar

 
Dina Sfat trabalhou com a atriz Joana Fomm no filme A Vida Provisória (1968).

Estreou nas telonas em 1966 no longa O Corpo Ardente interpretando Glória, assim como, foi destaque em Três Histórias de Amor como 'revelação feminina' no Festival de Cinema de Cabo Frio.[34][35] Dois anos mais tarde, esteve no elenco de Edu, Coração de Ouro; fez participação especial em Anuska, Manequim e Mulher e em A Vida Provisória como Paola, esta última, trabalhando ao lado da atriz consagrada Joana Fomm.[36][37][38] Encerrou-se a década em 1969 no filme Macunaíma, na pele de Cy.[39]

Em 1970, interpretou A Louca no filme Os Deuses e os Mortos, papel que lhe rendeu o prêmio de 'Melhor Atriz' no Festival de Brasília; no mesmo período, também fez uma aparição em Perdidos e Malditos.[40][41] No ano seguinte, participou dos longas O Barão Otelo no Barato dos Bilhões como Maria-Vai-Com-As-Outras; encarnou uma atriz em O Capitão Bandeira contra o Dr. Moura Brasil e A Culpa como Matilde, esta última personagem lhe garantiu o Prêmio Air France como 'Melhor Atriz'.[42][43][44] Entre 1972 e 1973, fez uma participação especial em Jardim de Guerra e viveu Manuela em Tati.[45][46] Sfat concluiu seus trabalhos neste decênio exercendo a função de narradora na curta-metragem Aukê e como participação especial em Mulheres de Cinema.[47][48]

No início da década de 1980, atuou nos longas Álbum de Família - Uma História Devassa e Eros, o Deus do Amor na pele de Senhorinha e Ana, respectivamente.[49][50] No ano seguinte, viveu Renata em Das Tripas Coração e Branca Clara em O Homem do Pau-brasil, este último papel lhe premiou como 'Melhor Atriz Coadjuvante' no Festival de Brasília.[51][52] Em 1984, fez participação especial como amante do presidente em Tensão no Rio, tendo seu último trabalho nas telonas enquanto viva, quatro anos mais tarde, em A Fábula da Bela Palomera como Andrea.[53][54] Por outro lado, a obra O Judeu, lançado nos cinemas em 1995, teve suas gravações iniciadas em 1988 quando Sfat ainda estava viva.[55] Como passou por múltiplas interrupções, a atriz veio a falecer sem concluir todas as cenas.[55]

Vida pessoalEditar

Foi casada por dezessete anos com Paulo José, com quem teve três filhas: Isabel ou Bel Kutner, Ana Kutner e Clara Kutner. Bel e Ana também seguiram os passos da mãe e atuaram como atrizes.[56] Posteriormente, Dina Sfat posou nua para revista Playboy no início da década de 1980; contudo, a atriz só aceitou após completar longos anos de casamento com seu ex-marido.[57]

Sfat foi diagnosticada com câncer, inicialmente no seio, em 1985, mas não deixou de trabalhar, mesmo em tratamento.[58] Já com a doença, viajou para a União Soviética e participou de um documentário sobre o país e os primeiros passos da Perestroika;[59] escreveu um livro, publicado em 1988, um pouco antes da sua morte, sobre sua vida e a luta contra o câncer, chamado Dina Sfat- Palmas prá que te Quero, junto com a jornalista Mara Caballero[carece de fontes?] e fez a novela Bebê a Bordo, seu último trabalho na televisão.[60] Seu último filme foi O Judeu, que só estreou em circuito depois da morte da atriz.[55]

Sfat morreu aos 50 anos, vítima de um câncer de mama contra o qual já lutava havia anos. Seu corpo foi sepultado no Cemitério Israelita do Caju, no Rio de Janeiro.[61]

CarreiraEditar

TelevisãoEditar

Ano Título Personagem Emissora
1966 Ciúme Maria Luísa Carvalho Salgueiro Rede Tupi
O Amor Tem Cara de Mulher Maria Luísa Munhoz Guimarães
1967 A Intrusa Helen Garcia (Patrícia Borges)
Os Fantoches Laura Cardoso Silvestre Rede Excelsior
1969 Os Acorrentados Isabel Trancoso Cunha RecordTV
1970 Assim na Terra como no Céu Heloísa Ferreira de Assis (Helô) Rede Globo
Verão Vermelho Adriana Dias Lemos
1971 O Homem que Deve Morrer Vanda Vidal
Caso Especial Juana de Jesus (Eps: "A Pérola")
1972 Selva de Pedra Fernanda Arruda Campos
1973 Os Ossos do Barão Isabel Camargo Perante Rendon Pompeo e Taques
Caso Especial Vírginia Furtado (Eps: "As Praias Desertas")
1974 Fogo Sobre Terra Francisca Peixoto Martins (Chica Martins/Anréia)
1975 Gabriela Risoleta Galvão das Onças (Zarolha)
1976 Saramandaia Risoleta Camargo
Caso Especial Shirley Temple Black (Eps: "Quem Era Shirley Temple?")
1977 O Astro Amanda Mello Assumpção
1978 Caso Especial Camila Gouveia (Eps: "O Caminho das Pedras Verdes")
1979 Os Gigantes Paloma Gurgel
1980 Malu Mulher Esmeralda Perón (Eps: "A Trambiqueira")
1982 Caso Verdade Julian Taylor (Eps: "Filhos da Esperança")
Avenida Paulista Paula Alencar
1983 Eu Prometo Darlene Neiva Ribeiro Cantomaia
1984 Rabo-de-Saia Eleusina Pacheco Abreu
1988 Bebê a Bordo Laura Guedes Nóbrega

CinemaEditar

Ano Título Personagem
1966 O Corpo Ardente Glória[62]
Três Histórias de Amor Maria
1968 Edu, Coração de Ouro Jovem[63]
Anuska, Manequim e Mulher Jovem
A Vida Provisória Paola
1969 Macunaíma Cy
1970 Os Deuses e os Mortos A Louca [64]
Perdidos e Malditos Aparição
1971 O Barão Otelo no Barato dos Bilhões Maria-Vai-Com-As-Outras
O Capitão Bandeira contra o Doutor Moura Brazil Atriz
A Culpa Matilde
1972 Jardim de Guerra Mulher
1973 Tati Manuela
1977 Aukê Narradora
1978 Mulheres de Cinema Ela Mesma
1981 Álbum de Família - Uma História Devassa Senhorinha
Eros, o Deus do Amor Ana
1982 Das Tripas Coração Renata [65]
O Homem do Pau-Brasil Branca Clara[66]
1984 Tensão no Rio Amante do Presidente
1988 A Bela Palomera Andrea
1995 O Judeu Lourença Coutinho (lançado postumamente)

Prêmios e indicaçõesEditar

Troféu ImprensaEditar

Ano Categoria Indicação Resultado Ref
1971 Melhor Atriz Dina Sfat (Assim na Terra como no Céu) Indicado [14]
1975 Melhor Atriz Dina Sfat (Fogo sobre Terra) Venceu [22]
1976 Melhor Atriz Dina Sfat (Gabriela) Indicado [24]
1977 Melhor Atriz Dina Sfat (Saramandaia) Venceu [26]
1981 Melhor Atriz Dina Sfat (Os Gigantes) Venceu [29]

Troféu APCAEditar

Ano Categoria Indicação Resultado Ref
1973 Melhor Atriz de Televisão Dina Sfat (Selva de Pedra) Venceu [19]

Festival de BrasíliaEditar

Ano Categoria Indicação Resultado Ref
1970 Melhor Atriz Dina Sfat (Os Deuses e os Mortos) Venceu [40]
1981 Melhor Atriz Coadjuvante Dina Sfat (O Homem do Pau-brasil) Venceu [52]

Prêmio Air FranceEditar

Ano Categoria Indicação Resultado Ref
1972 Melhor Atriz Dina Sfat (A Culpa) Venceu [44]
Precedida por:
-
Troféu APCA de Melhor Atriz de Televisão
por Selva de Pedra

1973
Sucedida por:
Eva Wilma
por Mulheres de Areia
&
Lélia Abramo
por Uma Rosa com Amor
Precedida por:
Tereza Raquel
por A Volta do Filho Pródigo
Troféu APCA de Melhor Atriz Coadjuvante
por Eros, o Deus do Amor
(com Renée de Vielmond e Norma Bengell)

1981
Sucedida por:
Cida Moreira
por O Olho Mágico do Amor
Precedida por:
Helena Ignez
por A Mulher de Todos
Troféu Candango de Melhor Atriz
por Os Deuses e os Mortos [64]

1970
Sucedida por:
Adriana Prieto
por Um Anjo Mau
Precedida por:
Conceição Senna
por Iracema - Uma Transa Amazônica
Troféu Candango de Melhor Atriz Coadjuvante
por O Homem do Pau-Brasil

1981
Sucedida por:
Tamara Taxman
por Aventuras de um Paraíba


Referências

  1. «Luiz Carlos Merten». Observatório da Imprensa. 23 de março de 2004. Consultado em 10 de agosto de 2020 
  2. «Nas Cores da Saudade». Folha de Londrina. 22 de março de 1998. Consultado em 10 de agosto de 2020 
  3. «Dina Sfat». Memória Globo. 2020. Consultado em 10 de agosto de 2020 
  4. «Dina Sfat». Itaú Cultural. Consultado em 5 de julho de 2016 
  5. Amilton Farias (5 de setembro de 2019). «Biografia – Dina Sfat». Portal NFL. Consultado em 10 de agosto de 2020 
  6. «Arena Conta Zumbi». Enciclopédia Itaú Cultural. 23 de fevereiro de 2017. Consultado em 10 de agosto de 2020 
  7. «Mini Biografia de Dina Sfat». Obituário da Fama!acessodata=1.º de setembro de 2020 
  8. Xavier, Nilson. «Ciúmes». Teledramaturgia. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  9. Xavier, Nilson. «O Amor Tem Cara de Mulher». Teledramaturgia. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  10. Xavier, Nilson. «A Intrusa». Teledramaturgia. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  11. Xavier, Nilson. «Os Fantoches». Teledramaturgia. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  12. Xavier, Nilson. «Os Acorrentados». Teledramaturgia. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  13. «Assim na Terra Como no Céu». Memória Globo. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  14. a b «Troféu Imprensa 1980». Chance de Gol. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  15. «Galeria dos personagens - Verão Vermelho». Memória Globo. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  16. «Galeria de Personagens - O Homem que Deve Morrer». Memória Globo. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  17. a b c d e «Principais trabalhos - Dina Sfat». Memória Globo. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  18. Xavier, Nilson (12 de abril de 2017). «45 anos de Selva de Pedra, 10 curiosidades sobre a novela 100% de audiência». UOL. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  19. a b Xavier, Nilson. «APCA». Teledramaturgia. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  20. «Os Ossos do Barão». Memória Globo. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  21. Xavier, Nilson. «Fogo Sobre Terra». Teledramaturgia. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  22. a b «Troféu Imprensa 1974». Chance de Gol. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  23. «Globo não encontra atriz para viver Zarolha em "Gabriela"». Folha de S.Paulo. 14 de março de 2012. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  24. a b «Troféu Imprensa 1975». Chance de Gol. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  25. Xavier, Nilson. «Saramandaia (1976)». Teledramaturgia. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  26. a b «Troféu Imprensa 1976». Chance de Gol. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  27. Cimino, James (12 de agosto de 2011). «Remake de "O Astro" exibe cenas de 1978 entre Dina Sfat e Fransciso Cuoco». UOL Televisão. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  28. «Os Gigantes». Memória Globo. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  29. a b «Troféu Imprensa 1980». Chance de Gol. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  30. «Avenida Paulista». Memória Globo. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  31. Xavier, Nilson. «Eu Prometo». Teledramaturgia. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  32. Xavier, Nilson. «Rabo de Saia». Teledramaturgia. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  33. «Bebê a Bordo». Memória Globo. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  34. «Filmografia - O Corpo Ardente». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  35. «Filmografia - Três Histórias de Amor». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  36. «Filmografia - Edu, Coração de Ouro». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  37. «Filmografia - Anuska, Manequim e Mulher». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  38. «Filmografia - A Vida Provisória». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  39. «Filmografia - Macunaíma». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  40. a b «Filmografia - Os Deuses e os Mortos». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  41. «Filmografia - Perdidos e Malditos». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  42. «Filmografia - O Barão Otelo no Barato dos Bilhões». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  43. «Filmografia - O Capitão Bandeira contra o Doutor Moura Brasil». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  44. a b «Filmografia - A Culpa». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  45. «Filmografia - Jardim de Guerra». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  46. «Filmografia - Tati». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  47. «Filmografia - Aukê». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  48. «Filmografia - Mulheres de Cinema». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  49. «Filmografia - Álbum de Família - Uma História Devassa». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  50. «Filmografia - Eros». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  51. «Filmografia - Das Tripas Coração». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  52. a b «Filmografia - O Homem do Pau Brasil». Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  53. «Filmografia - Tensão no Rio». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  54. «Filmografia - A Fábula da Bela Palomera». Cinemateca brasileira. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  55. a b c Rezende, Marcelo (13 de setembro de 1996). «"O Judeu" luta contra os enganos do mundo». Folha de S.Paulo. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  56. «DINA SFAT». Museu da TV. 2020. Consultado em 10 de agosto de 2020 
  57. Villas Boas, Luciana (14 de novembro de 1985). «Quanto elas valem?». Jornal do Brasil. Consultado em 1.º de setembro de 2020 
  58. «Vinte e cinco anos de saudade: relembre a trajetória de Dina Sfat». Rede Globo. 20 de março de 2014. Consultado em 10 de agosto de 2020 
  59. «Dina Sfat na União Soviética». Centro de Divulgação Científica e Cultural. 2020. Consultado em 10 de agosto de 2020 
  60. «Trinta anos depois, 25% dos atores da novela Bebê a Bordo já morreram». Uol. 15 de janeiro de 2018. Consultado em 10 de agosto de 2020 
  61. Dina Sfat (1938 - 1989) - A guerrilheira das artes. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 21 de março de 1989. Caderno B, p. 1
  62. Cinemateca Brasileira, O Corpo Ardente [em linha]
  63. Cinemateca Brasileira, Edu, Coração de Ouro [em linha]
  64. a b Cinemateca Brasileira, Os Deuses e os Mortos [em linha]
  65. «Das Tripas Coração». Cinemateca Brasileira. Consultado em 14 de abril de 2018 
  66. «O Homem do Pau-Brasil». Cinemateca Brasileira. Consultado em 14 de abril de 2018 

Ligações externasEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Dina Sfat