Paragem de Fonte Nova

Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a antiga paragem na Linha do Corgo. Se procura o antigo apeadeiro na Linha do Alentejo, veja Apeadeiro de Fonte.

A Paragem de Fonte Nova foi uma interface da Linha do Corgo, situada no Concelho de Chaves, em Portugal.

Fonte Nova
Linha(s): Linha do Corgo
(PK 94,343)
Coordenadas: 41° 44′ 10,77″ N, 7° 28′ 42,28″ O
Concelho: Chaves
Serviços: Encerrada
Inauguração: 28 de Agosto de 1921
Website:
Paragem de Fonte Nova
Localização da paragem

HistóriaEditar

 Ver artigo principal: História da Linha do Corgo

Em 28 de Agosto de 1921, entrou ao serviço o lanço da Linha do Corgo até Tâmega e Chaves,[1] Porém, nessa altura a linha chegou apenas até aos arredores de Chaves, num local denominado de Fonte Nova, onde foi instalada uma gare provisória para servir aquela vila.[2] Em 19 de Outubro de 1921, António Granjo foi morto durante a Noite sangrenta, tendo o corpo sido enviado de comboio para Chaves em 19 de Novembro; como a linha ainda terminava na Fonte Nova, foi aí que o corpo foi desembarcado.[3] A estação definitiva de Chaves foi instalada durante as festas da Vila de Chaves, entre 8 e 9 de Julho de 1922.[3]

Em 1935, a Companhia Nacional de Caminhos de Ferro, que estava a gerir a Linha do Corgo, instalou uma casa de guarda em Fonte Nova, que nessa altura possuía a categoria de apeadeiro.[4]

Em 2 de Janeiro de 1990, a empresa Caminhos de Ferro Portugueses encerrou o lanço entre Chaves e Vila Real.[5][6]

Ver tambémEditar

Referências

  1. TORRES, Carlos Manitto (16 de Fevereiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 70 (1684). p. 91-95. Consultado em 20 de Fevereiro de 2017 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  2. MACHADO, 2000:360
  3. a b MACHADO, 2000:409
  4. «Os nossos caminhos de ferro em 1935» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 48 (1155). 1 de Fevereiro de 1936. p. 96. Consultado em 29 de Março de 2013 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  5. «CP encerra nove troços ferroviários». Diário de Lisboa. Ano 69 (23150). Lisboa: Renascença Gráfica. 3 de Janeiro de 1990. p. 17. Consultado em 28 de Novembro de 2020 – via Casa Comum / Fundação Mário Soares 
  6. CARDOSO, José António (27 de Dezembro de 2010). «Linha do Corgo parada e sem obras vítima da crise». Diário de Notícias. Consultado em 17 de Maio de 2020. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015 

BibliografiaEditar

  • MACHADO, Júlio (2000). Crónica da Vila Velha de Chaves. Chaves: Câmara Municipal de Chaves. 448 páginas 

Ligações externasEditar



  Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.