Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a antiga paragem na Linha do Corgo. Se procura o antigo apeadeiro na Linha do Alentejo, veja Apeadeiro de Fonte.
Fonte Nova
Inauguração 28 de Agosto de 1921
Linha(s) Linha do Corgo
(PK 94,343)
Coordenadas 41° 44′ 10,77″ N, 7° 28′ 42,28″ O
Concelho Chaves
Serviços Ferroviários Abatida ao serviço
Horários em tempo real

A Paragem de Fonte Nova foi uma interface ferroviária da Linha do Corgo, situada no Concelho de Chaves, em Portugal.

HistóriaEditar

Em 28 de Agosto de 1921, a linha férrea chegou à Fonte Nova, nos arredores de Chaves, onde foi instalada uma gare provisória para servir aquela vila.[1] Este lanço vinha da Estação de Tâmega.[2]

Em 19 de Outubro de 1921, António Granjo foi morto durante a Noite sangrenta, tendo o corpo sido enviado de comboio para Chaves em 19 de Novembro; como a linha ainda terminava na Fonte Nova, foi aí que o corpo foi descarregado.[3]

A estação definitiva de Chaves foi instalada durante as festas da Vila de Chaves, entre 8 e 9 de Julho de 1922.[4]

Em 1935, a Companhia Nacional de Caminhos de Ferro, que estava a gerir a Linha do Corgo, instalou uma casa de guarda nesta interface, que nessa altura possuía a categoria de apeadeiro.[5]

O troço entre Chaves e Vila Real foi encerrado em 1990.[6]

Ver tambémEditar

Referências

  1. MACHADO, p. 360
  2. TORRES, Carlos Manitto (16 de Fevereiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1684). pp. 91–95. Consultado em 20 de Fevereiro de 2017 
  3. MACHADO, p. 409
  4. MACHADO, p. 409
  5. «Os nossos caminhos de ferro em 1935» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 48 (1155). 1 de Fevereiro de 1936. 96 páginas. Consultado em 29 de Março de 2013 
  6. CARDOSO, José António (27 de Dezembro de 2010). «Linha do Corgo parada e sem obras vítima da crise». Diário de Notícias. Consultado em 29 de Março de 2013 

BibliografiaEditar

  • MACHADO, Júlio (2000). Crónica da Vila Velha de Chaves. Chaves: Câmara Municipal de Chaves. 448 páginas 

Ligações externasEditar