Paragominas

município brasileiro localizado no estado do Pará

Paragominas é um município brasileiro do estado do Pará, pertencente à Região Geográfica Imediata de Paragominas localizado na Região Norte do país,[6][7] à uma latitude 02º59'45" Sul e longitude 47º21'10" Oeste.

Paragominas
  Município do Brasil  
Lago Verde, ponto turístico de Paragominas
Lago Verde, ponto turístico de Paragominas
Lago Verde, ponto turístico de Paragominas
Símbolos
Bandeira de Paragominas
Bandeira
Brasão de armas de Paragominas
Brasão de armas
Hino
Lema "Trabalho perseverante. Progresso com honra"
Gentílico paragominense
Localização
Localização de Paragominas no Pará
Localização de Paragominas no Pará
Localização de Paragominas no Pará
Paragominas está localizado em: Brasil
Paragominas
Localização de Paragominas no Brasil
Mapa
Mapa de Paragominas
Coordenadas 2° 59' 42" S 47° 21' 10" O
País Brasil
Unidade federativa Pará
Municípios limítrofes Ipixuna do Pará, Ulianópolis, Goianésia do Pará, Dom Eliseu, Nova Esperança do Piriá e Centro Novo do Maranhão.
Distância até a capital 300 km
História
Fundação 23 de janeiro de 1965 (59 anos)
Emancipação 23 de janeiro de 1965 (59 anos)
Administração
Prefeito(a) João Lucidio Lobato Paes (PSD, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [1] 19 342,254 km²
População total  [2] 105,538 hab.
Densidade 0 hab./km²
Clima Equatorial (Af)
Altitude 90 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,645 médio
PIB (IBGE/2020 [4]) R$ 3 777 292,01 mil
 • Posição PA: 11º
PIB per capita (IBGE/2015[5]) R$ 23 685,18
Sítio paragominas.pa.gov.br (Prefeitura)
c. (Câmara)

O município possui uma economia diversificada e destacada, um polo tradicional de produção de grãos e pecuária de corte no estado, atualmente se depara com a pecuária de leite e a piscicultura emergindo entre médios e pequenos produtores.[8] Sendo o campeão paraense de produção de pescado em cativeiro em 2023. Forneceu toneladas de pescado para municípios do estado e ainda realizou feiras de peixe vivo.[9]

Saúde

editar

Paragominas conta com 13 unidades de saúde, sendo 10 público-municipais e 2 particulares e 1 estadual, Uma dessas unidades é o hospital municipal, e 10 unidades são postos de saúde, 1 hospital regional, todos na zona urbana. O município ainda conta com diversas clínicas particulares e uma Base do SAMU no Bairro Uraim II.

História

editar

Na década de 1950, a colonização do município de Paragominas foi efetivada por camponeses, que chegaram à região, antes da construção da rodovia Belém-Brasília. Em 1958, precisamente com o desbravador Ariston Alves da Silva, quando atravessou a bacia do Capim e estabeleceu primeira plantação de arroz.[6] Seguidos pelas companhias colonizadoras: Colonizadora Belém Brasília, Colonizadora Marajoara e Cidade Marajoara, que não obtiveram êxito.

Mais tarde, o governo federal divulgou a instalação de uma colônia federal na região, que nunca chegou a se estabelecer, bem como os planos estaduais para a formação de duas colônias naquele território.

Registra-se, também, que antes mesmo da chegada dos camponeses, com autorização do Governo do Estado, empresários de Goiás haviam penetrado na floresta, ao longo do rio capim, com o objetivo de efetuar levantamentos e titular terras para compradores de Uberaba, em Minas Gerais, e Itumbiara, em Goiás.

Posteriormente, a proximidade da estrada Belém-Brasília provocou uma grande procura pela terra entre proprietários de Minas Gerais e Espírito Santo, além de companhias de especulação de terras de São Paulo, ao mesmo tempo em que camponeses penetravam em terras da região, com o objetivo de enfrentar a competição com os “grileiros”, que emitiam títulos falsos e os asseguravam, através do uso da força.

Houve uma rápida concentração de propriedade, nesse clima de violência, e as tentativas de colonização fracassaram.

O município obteve autonomia em 1965, durante o governo de Jarbas Passarinho, com a Lei nº 3.235, de 4 de janeiro, formado com área desmembrada de parte do distrito de São Domingos do Capim e parte do distrito de Camiranga, que pertencia ao Município de Viseu.

Em 10 de maio de 1988, através da Lei nº 5 450, no governo Hélio Gueiros, teve sua área desmembrada para criação do Município de Dom Eliseu, antigo povoado chamado Felinto Muller, que foi elevado à condição de distrito.

O primeiro prefeito de Paragominas foi Amílcar Batista Tocantins, nomeado pelo governo federal. O nome da cidade constitui a abreviação do nome de três Estados: Pará, Goiás e Minas Gerais.

O município também atraiu na década de 1990 e ainda no início do século XXI uma expressiva massa imigratória de sulistas, dos quais alguns eram empresários do setor de agricultura e muitos desempregados que tentavam uma vida melhor com emprego e custo de vida baixo

O maior acidente automobilístico do Brasil

editar

O Acidente da Belém-Brasília foi um maior trágico acidente automobilístico e pouco conhecido ocorrido na cidade no dia 28 de julho de 1974 na Rodovia Belém-Brasília ou BR-010 próximo a colônia Gurupizinho (atual Ulianópolis) sobre um caminhão carregado de madeiras de grandes quantidades que colidiu com um ônibus que levava pessoas de São Paulo até Belém, deixando 69 mortos e 11 feridos.[10]

No local do acidente foi erguido uma capela em homenagem às vítimas desta tragédia, e uma essas pessoas são consideradas santas e tanto que uma placa de agradecimento as graças alcançadas foi colocado no interior da capela, muitas pessoas acendem vela por lá para prestar respeito as vítimas ou em busca de uma graça com muita fé.

História recente

editar

No dia 12 de abril de 2018 ocorreu um temporal de proporções inéditas na cidade, em apenas uma hora choveu 110 mm, causando alagamentos em vários bairros da cidade e nas rodovias estaduais. O temporal ocasionou a morte de duas crianças que foram arrastadas pela força das águas e uma senhora veio a óbito dias depois, pois ingeriu muita água contaminada. Esse alagamento deixou várias pessoas desabrigadas.[11]

Geografia

editar

Localiza-se na Região Geográfica Imediata de Paragominas (uma das 5 regiões imediatas que compõem a Região Geográfica Intermediária de Castanhal)[12][13] em uma área de 19 352,254 km²,[6] à uma latitude 02º59'45" sul e à uma longitude 47º21'10" oeste, estando a uma altitude de 90 metros.[7] De acordo com os dados do Censo demográfico de 2022, disponibilizados pelo IBGE, sua população em 2023 é de 105.538 habitantes,[14] sendo uma proporção média de 78% residentes na área urbana e 22% na área rural.

A cidade tem um clima tropical de acordo com Köppen-Geiger. A temperatura média é de 26,6 °C. A precipitação média anual é de 1805 mm.[15]

Jan Fev Mar Apr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Temperatura (°C) 26,3 26,3 26,3 26,6 26,5 26,3 26,5 26,8 26,9 27,1 27,2 26,9 Ø 26,6
precipitação (mm) 240 316 391 304 149 66 29 36 37 56 60 121 Σ 1805

Demografia

editar

desenvolvimento populacional

editar

Fonte: IBGE (valor para 2020 é apenas uma estimativa).[16]

composição étnica

editar

Grupos étnicos de acordo com a classificação estatística do IBGE:[17][18]

Grupo 1991 2000 2010 2022 anotação
Pardos 48.521 49.139 66.928 71.824 Pardo
Brancos 15.167 20.051 20.215 21.410 Branco
Pretos 2.948 5.313 8.705 10.702 Preto
Amarelos 26 390 887 167 Asiatico
Indígenas 152 806 1.084 1328 indígena
de outros 262 752

Cultura

editar

Um dos eventos de maior importância cultural e econômica na cidade é a feira Agropecuária (Agropec), conhecida localmente como "exposição" ou "feira agropecuária'', acontece anualmente em agosto, e envolve além da exposição de gado, móveis, máquinas e automóveis para venda.

Nos últimos anos, um novo evento voltado para o setor agrícola começou a ganhar destaque na Região, a Show Agro, feira de negócios realizada de 2016, pela COOPERNORTE - Cooperativa Agroindustrial Paragominense, o evento, que ocorre anualmente no final de mês de Maio, teve, em 2022, um volume de negócios na casa de R$ 932 Milhões e em 2023 chegou a marca de R$ 1,3 Bilhão, se consolidando como uma das maiores feira do Agronegócio do Norte e Nordeste.[1]

Em setembro de 2022, nos dias 01, 02 e 03, foi criado e realizado um novo evento importante na cidade além da Agropec e Show Agro, chamado de PARAGOMINAS MOTO FEST [19], agora é oficialmente realizado anualmente por motociclistas, começando a ser popular na cidade rapidamente, esse festival é um maior encontro de motociclistas do norte do Brasil. O festival se tornou especial pelo marco de ser o primeiro grande evento motociclístico da região norte após o período pandêmico, com convidados de todas as regiões do Brasil, com grandes atrações e programações que marcam os 3 dias de evento. O evento conta com 05 super shows de bandas renomadas, passeio motociclístico pelas principais ruas da cidade, corrida da tartaruga (piloto que cruzar a linha de chegada por último, sem tocar o pé no chão vence) e premiação para diversas categorias.[20] Com o apoio de expositores de grandes marcas, apresentações de renome, amantes do mundo duas rodas, O Paragominas Moto Fest crescerá a cada edição e já se tornou um dos encontros de motociclistas mais importantes do Brasil, carimbando o seu nome na agenda nacional de eventos. [21]

Agora, já os eventos religiosos no município como: Festividade de Santa Teresinha do Menino Jesus, ocorre anualmente no dia 02 de outubro, festa do Sagrado Coração de Jesus, que acontece anualmente em no mês de Junho e o tão conhecido e importante Círio de Nossa Senhora de Nazaré e acontece em todo o domingo de Novembro e é esperado pelos fiéis católicos do município de Paragominas.

Anualmente nos dias 11 à 20 de Janeiro acontece a Festividade de São Sebastião [22], que é da religião de Umbanda, cada noite tem uma atração diferente com DJ'S, show de cantores locais e rituais litúrgicos. A procissão de São Sebastião em sincretismo ao orixá Oxóssi é realizada no dia 19 de Janeiro caminhando nas ruas do Bairro Jardim Bela Vista até o Terreiro de São Sebastião pertencente ao Babalorixá, Pai Salazar de Oxóssi no Bairro Laércio Cabeline com ritos, shows e queima de fogos.[23][24]

Economia

editar

A cidade vem recebendo uma significativa quantidade de migrantes de outras regiões brasileiras impulsionados pela presença na cidade da mineradora Hydro. A notícia sobre a presença dessa empresa na cidade atraiu milhares de pessoas que buscavam oportunidades de emprego. Além desta, várias outras empresas de grande porte começaram a se instalar no município. Instalou-se também a empresa de alimentos naturais e cosméticos, VOE Superfoods, com filial na Oceania, a fim de englobar a agricultura familiar ao contexto urbano Nacional, uma empresa inteiramente Brasileira, que vide conciliar o contexto Brasileiro aos demais países através de seu projeto.

Em 2008, o então prefeito Adnan Demachki lançou o projeto Paragominas Município Verde que revolucionou o município e tornou-a modelo para toda a Amazônia como cidade sustentável, sendo construídos três cartões postais na cidade, o Parque Ambiental Adhemar Monteiro, o Lago Verde e, o Estádio Municipal.

No final de 2010, instalou-se em Paragominas a primeira fábrica de MDF das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil, com o produto feito a partir de madeira reflorestada, garantindo o desenvolvimento sustentável da região. Está em fase de implantação no município uma termoelétrica que funcionará a partir da queima do pó de serra; a previsão é que esta entre em operação em junho de 2012.

Tem instalada uma Vara do Trabalho, um Fórum do Tribunal de Justiça do Estado do Pará com três varas, Superintendência de Polícia Civil, o 19º Batalhão de Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. O município é sede de uma Subseção da OAB, onde o atual Presidente da subsecção é Diego Sampaio Sousa (2016 a 2018). Conta ainda com a presença da Justiça Federal, instalada em 23 de março de 2012.

Deste 2013, município também está incluído no projeto da Ferrovia Norte-Sul.[25] Que para se concretizar necessitava da construção de um ramal ferroviário com extensão de 60 km, estabelecendo a conexão do seu trecho que vai de Açailândia, no Maranhão, ào porto de Vila do Conde, em Barcarena, próximo a capital paraense.[25] A proposta foi feita em conjunto pela Federação das Associações de Municípios do Estado do Pará (Famep), o então governador Helder Barbalho, a liderança do PT paraense Paulo Rocha (ex-deputado federal) e, a Empresa de Planejamento e Logística (EPL).[25] A inclusão de Paragominas na Ferrovia Norte-Sul, beneficiará Rondon do Pará, municípío paraense onde o Grupo Votorantim implanta um grande complexo industrial de mina e refinaria para produção de bauxita e alumina.[25]

É sede da 1ª Cooperativa de Energia Renovável do Brasil, a Cooperativa Brasileira de Energia Renovável - COOBER, fundada no dia 24 de fevereiro de 2016, por 23 cooperados e presidida por seu idealizador e cooperado Raphael Sampaio Vale.

O município aposta na diversificação da economia, sendo destaque em várias áreas no cenário econômico regional: na mineração, na produção e verticalização da cadeia da Soja, contando com uma extrusora pertecente ao Grupo BBF[26], na pecuária, na agroindústria e, também na piscicultura, e esse fato se refletiu diretamente no criscimento do PIB do município, passando de R$ 2.64 bi em 2018[27] para 4,28 bi em 2021[28] , um aumento de 61,83% no período.[9] Em 2023 o município foi campeão paraense de produção de pescado em cativeiro,[9][13] com os resultados exibidos durante a Semana Santa, quando tradicionalmente cresce o consumo de pescado no pais, fornecendo toneladas de pescado para diversos municípios do Estado e, realização de feiras de peixe vivo, que garantiram oportunidade de comercialização aos produtores.[9]

A atividade de pesca, que iniciou como simples atividade extrativista para atender a demanda dos moradores ribeirinhos, recebeu investimentos e tecnologia através de dois grandes produtores pioneiros e transformou-se em uma lucrativa atividade econômica. Da comercialização dentro do município, para apenas atender a peixarias locais, à necessidade de expansão das vendas para outros municípios e estados, devido o grande crescimento da produção do pescado.[9] Paragominas detém atualmente a liderança, com cerca de 40% da produção em cativeiro em todo o estado, distribuido em cerca de mil hectares de lâmina d’água dedicados, além de possuir fábrica de ração artesanal própria,[9] em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) através do posto avançado em Paragominas, o Napt Belém-Brasília.[8] Em 2023 a prefeitura de Paragominas ofereceu incentivos aos pequenos produtores residentes na área rural, para ampliar ainda mais a capacidade de produção no município. Foi garantida a escavação de tanques, realizada a doação de tanques de geomembrana, e oferecimento de cursos de capacitação na área.[9]

Em 2023, na comercialização de pescado durante a Semana Santa, os produtores conseguiram faturar mais de R$ 40 mil na Feira do Peixe Vivo. Atualmente, Paragominas conta com o seguinte contigente de produtores: sendo cinco de grande porte, dez de tamanho médio e cerca de setenta pequenos produtores, produzindo espécies como pirarucu, lambari, carpa, pintado, além de tambaqui e tilápia, que são os dois destaques na comercialização.[9]

Essa atividade tão lucrativa, em 2021 passou por um momento difícil.[29] Após surgir no estado do Amazonas um caso confirmado da síndrome de Haff, popularmente chamada "doença da urina preta", o comércio do peixe viveu um período de crise, muito mais pela desinformação e 'fake news' que abasteceram as redes sociais.[29] Então a Associação dos Piscicultores e Peixeiros de Paragominas, em parceria com a Prefeitura de Paragominas, objetivando mostrar para população que o consumo de peixes criados em cativeiro era saudável, serviu no mês de novembro 1500 quilos de peixe assado na brasa à população, no estacionamento do Lago Verde.[29]

Ocupação

editar

Segundo o Censo Agropecuário de 2017, Paragominas conta com 1.446 Estabelecimentos Agropecuários que, somados equivalem a uma área de 856.018,569 hectares[30]

Segundo o documento PPA 2018 A 2021 - Anexos I e II elaborados pela Prefeitura Municipal, o solo do município de Paragominas é Ocupado da Seguinte forma:[31] *exceto onde indicado.

Os dados do Campo "Agricultura", são da "Produção Agrícola Municipal-2020", disponibilizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Os dados do Campo "Psicultura" , é de matéria publicada no portal dol.com.br[32]

Os dados do Campo "Área Urbana'', é do portal do IBGE- Referente a 2022

CLASSE ÁREA (Hectares) %
Floresta 871.488 45,02
Pastagem 390.602 20,18
Agricultura 223.163 11,5
Vegetação Secundária 192.781 9,96
Projetos de Assentamento 110.600[33] 5,71
Terras Indigenas 98.362[33] 5,08
Outros 45.868 2,37
Água 5.178 0,27
Área Urbana 2907 0,15
Psicultura 1.000[34] 0,05
Mineração 16 0,01
Total 1.935.372 100

Educação

editar

Estão instaladas no município diversas instituições de ensino superior, entre elas a Universidade do Estado do Pará - UEPA, o Instituto Federal do Pará - IFPA, a Universidade Paulista - UNIP (polo EaD), Universidade Internacional (UNINTER) EaD e a Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA. A UFRA destaca-se pela oferta de vários cursos que contribuem para o desenvolvimento regional, como Administração, Engenharia Florestal, Zootecnia, Agronomia e Sistemas de Informação (a partir de 2018). A UFRA fica localizada a 4,5 km da entrada da cidade, na Rodovia PA 256.

Bairros e Estatísticas de Saneamento Básico

editar

Centrais:

• Promissão I, II ,III , IV

• Guanabara

• Morada do Sol

• Morada dos Ventos

• Morada Verde

• Novo Horizonte

• Nova Esperança

• Jardim América

• Parque Paricá

• Setor Industrial

• Jardim Bela Vista

• Jardim Atlântico

• Laércio Cabeline

• Jardim Camboatã I, II e Novo Camboatã

• Paraíso e Novo Paraíso

• Residencial Selectas

• Independência

• Vila Rica

• Jaderlândia

• Nova Conquista

• Sidney Rosa I e II

• JK I e II (Bairro Presidente Juscelino Kubitschek)

• Flamboyant

• Res. Helena Coutinho (Bairro Flamboyant)

• Buriti (Juparanã)

• Angelim

• Loteamento Canaã

• Res. Parque das Américas (Bairro Angelim)

• Sidilandia I e II

• Loteamento Açaizal

• Residencial José Alberto (ou Peti), (Bairro Jardim Bela Vista)

• Centro (ou Módulo I)

• Cidade Nova (ou Módulo II)

• Jardim Amazônico (ou Laércio Cabeline II)

• Residencial Maria de Lourdes Sobrinho

• Uraim I, II e III

• Ouro Preto

• Valle do Uraim

• Jardim Europa

• Condomínio Rural

• Colônia do Uraim


As Margens da Rodovia Belém Brasília:

Andradina, Residencial Inocêncio Oliveira, Residencial Pandolfi, Residencial Santa Rosa, Rosa Madeireira, Residencial Zeno Azeredo e Nagibão I, II e III (Bairro Nagib Demachki).

Domicílios Particulares Permanentes = 33.006 ( 2023, Censo IBGE)[35]

Malha Urbana Municipal= Aproximadamente 290 km (2014)[2]

Abastecimento de Água = 80,77% Coleta de Esgoto= 21,34%* (2024,Censo IBGE)[36]

*Rede Geral, Pluvial ou Fossa Ligada à Rede.

O Município conta com 01 Aterro Sanitário que recebe diariamente 200,614 kg/ 299,152 Metros Cúbicos de Resíduos/ Dia[37]

Comunidades Rurais

editar

Colônia do Uraim, Condomínio Rural,Nova Piedade, São Sebastião, Santa Rosa, Progresso, Vila Nova, Campinense, Mandacaru , Nova União, Macedônia,São Benedito ,Assentamento Paragonorte: Colônia Nova Jerusalém, Colônia da Paz, Colônia Ribeirinho, Gleba 28, Colônia Esperança Viva, Ribeirão, Cajueiro I, Cajueiro II, Cacimbão, Bom Jesus do Onça, Formosa , Auto Coracy.,Colônias Oriente, Cachoeira, Independência, Beira Rio , Fé em Deus.Água Suja, Novo Horizonte,Nazaré, São Lucas, São Sebastião,Nova Formosa,água Suja,Gleba 22, Gleba 28,Vila União, Vila São João, Vila Conceição, Baixo Uraim, Alto Coracy,CAIP.

Comunicações[38]

editar

Segundo a Agência Nacional de Telecomunicações, Paragominas é atendida pelos Seguintes canais.

Rádios:

Frequência Prefixo Nome Fantasia Razão Social
FM 89,1 MHZ ZYR 532 Rádio Clube de Paragominas Rede de Emissoras Unidas de Paragominas LTDA
FM 90,9 MHZ *
FM 93,3 MHZ ZYD 213 Rádio Cidade FM Rádio Difusora de Paragominas LTDA.
FM 101,1 MHZ ZYD 211 Rádio Jarana FM Rádio e Televisão Jarana LTDA
  • * Canal Destinado ao Serviço de RTRFM na Amazônia.
  • Retransmissoras de TV
Razão Social Afiliação de Rede Canal Analógico Canal Dgital
Televisão Independente de S. José do Rio Preto Rede Vida 5 16
Televisão Liberal LTDA Rede Globo 8.1
Prefeitura Municipal de Paragominas TV Educativa do Pará 8.2
Rede de Televisão Paraense REDETV 12 29
Fundação Nazaré de Comunicação TV Nazaré ( Arquidiocese de Belém) 43 31
Sistema Clube do Párá de Comunicação Ltda Bandeirantes 30
Fieldss Comunicação ? 15
Sistema Vale do Tocantins de Comunicações Ltda Rocordtv 22
Ouro Verde Comunicações Ltda SBT 25

Atrações

editar

As atrações da cidade incluem o parque de recreação Parque Ambiental Adhemar Monteiro, o lago artificial chamado de "Lago Verde" e o Parque de Exposições Amílcar Tocantins, nesse local todo mês de agosto é realizado a Feira Agropecuária ou conhecida localmente como "Exposição", é um dos mais esperados esse evento de uma semana no município. Os feriados são 23 de janeiro (dia da fundação) e 15 de junho para o santo padroeiro.

Esportes

editar

Paragominas conta com o Estádio Arena do Município Verde, com capacidade para cerca de 10 mil espectadores e sede do Paragominas Futebol Clube, que disputa a série B1 do campeonato estadual do Pará.

Sustentabilidade

editar

O governo do estado do Pará, através da Diretoria de Pesquisas e Estudos Ambientais (DIPEA), da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (FAPESPA), apresenta a série de Barômetros da Sustentabilidade (BS) – Ano 2021. A ferramenta de mensuração da sustentabilidade é publicada pela Fundação desde 2015.

O Barômetro da Sustentabilidade (BS) é um instrumento de base estatística desenvolvido pelas organizações World Conservation Union (IUCN) e International Development Research Center (IDRC) para acompanhar o progresso territorial rumo à sustentabilidade (PRESCOTT-ALLEN, 2001). O BS pode ser construído para diversas unidades territoriais, como bairros, biomas ou continentes, possibilitando a comparação entre diferentes locais na mesma escala geográfica e ao longo de um horizonte temporal determinado (VAN-BELLEN, 2004).

Bem-estar humano em Paragominas

O município de Paragominas apresenta nível de sustentabilidade intermediário. O BEH e o BEE pontuaram 43 e 56, respectivamente (ver Figura Acima). Dos indicadores disponíveis, 25% encontram-se no nível sustentável ou potencialmente sustentável, 25% encontram-se no nível intermediário e 50% estão no nível potencialmente insustentável ou insustentável. Foram usados indicadores para todas as temáticas.

O município está localizado no nível intermediário para as temáticas Saúde e População, Riqueza, Conhecimento e Cultura e Comunidade; e no nível potencialmente insustentável para a temática Equidade. Nenhuma temática do BEH encontra-se no nível sustentável ou potencialmente sustentável em Paragominas.

Bem-estar do Ecossistema em Paragominas

Paragominas encontra-se no nível intermediário para o BEE. Dos indicadores disponíveis, 66% encontram-se no nível sustentável ou potencialmente sustentável e 34% encontram-se no nível insustentável.

Dados do Censo Demográfico de 2010, realizado pelo IBGE, mostra que, dos 24.945 domicilios de Paragominas,73,9%, tinha[39] m rendimento nominal per capta de até 1 Salário Minimo

As temáticas Terra e Utilização de Recursos Naturais estão no nível sustentável, enquanto Água e Ar encontram-se no nível intermediário e insustentável, respectivamente.

O conhecimento sobre a biodiversidade local é fundamental para a construção de indicadores de acompanhamento de metas e para a elaboração de estratégias de conservação e preservação da fauna e flora municipais.

Assim como ocorrido em BEH, BEE possui temáticas com apenas um indicador. É necessário um esforço do poder público para a coleta de dados, visando à construção de indicadores em nível local.

Referências

  1. «Área territorial oficial». IBGE. Consultado em 25 de dezembro de 2016 
  2. «Diário Oficial da União». 29 de agosto de 2018. Consultado em 10 de fevereiro de 2020 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de agosto de 2013 
  4. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome IBGE_PIB_2020
  5. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome PIB2015
  6. a b c «Estado Pará, Município de Paragominas». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2016. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  7. a b «Paragominas, Pará - PA.». Geografos. 2015. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  8. a b Brandão, Izabel Drulla. «Tecnologias para piscicultura e pecuária leiteira são destaque em Paragominas (PA)». Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Enbrapa). Consultado em 17 de maio de 2023 
  9. a b c d e f g h «Paragominas aposta na diversificação da economia e se destaca também na piscicultura». Editora Círios. Revista Pará Mais (253). Abril de 2023. ISSN 1677-6968. Consultado em 17 de maio de 2023. Resumo divulgativoCalameo 
  10. Costa, Roberto Khalil (28 de julho de 2014). «Há 40 anos». Folha de Londrina. Consultado em 21 de junho de 2023. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2022 
  11. «Paragominas declara calamidade pública e enxurrada mata duas crianças». G1 
  12. «Divisão Regional do Brasil». IBGE. 2017. Consultado em 1 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2017 
  13. a b Souza, Elson Pacheco de; Cintra, Israel Hidenburgo Aniceto; Brabo, Marcos Ferreira; Rodrigues, Renato Pinheiro; Galvão, Jessivaldo Rodrigues; Viana, Thiago Costa (28 de fevereiro de 2023). «A Piscicultura enquanto Atividade Econômica no Estado do Pará: uma Abordagem com Foco nas Particularidades Regionais». Biodiversidade Brasileira (BioBrasil) (1). ISSN 2236-2886. doi:10.37002/biobrasil.v13i1.2231. Consultado em 17 de maio de 2023 
  14. IBGE. «IBGE ESTIMATIVA POPULAÇÃO RESIDENTE 2021» 
  15. Dados climáticos recuperados em 31 de março de 2018.
  16. «Tabela 200: População residente, por sexo, situação e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». gov.br. sidra.ibge.gov.br. Consultado em 1 de abril de 2018 
  17. «Tabela 136: População residente, por cor ou raça». gov.br. sidra.ibge.gov.br. Consultado em 1 de abril de 2018 
  18. «Tabela 9605: População residente, por cor ou raça, nos Censos Demográficos». sidra.ibge.gov.br. Consultado em 26 de janeiro de 2024 
  19. PMP, ASCOM (13 de setembro de 2022). «Primeiro Paragominas Moto Fest é realizado em Paragominas». Prefeitura Municipal de Paragominas | Gestão 2021-2024. Consultado em 2 de setembro de 2023 
  20. «1º Paragominas Moto Fest acontece em setembro». Notícias diárias. 24 de agosto de 2022. Consultado em 2 de setembro de 2023 
  21. «1º PARAGOMINAS MOTO FEST - O MAIOR FESTIVAL MOTOCICLÍSTICO DO NORTE DO BRASIL». The Riders Histories. 6 de setembro de 2022. Consultado em 2 de setembro de 2023 
  22. «Entre ou cadastre-se para visualizar». m.facebook.com. Consultado em 11 de janeiro de 2024 
  23. Pará, Jornal (17 de janeiro de 2023). «Paragominas completa 58 anos nesta segunda-feira (23), veja programação». Jornal Pará. Consultado em 11 de janeiro de 2024 
  24. «Raqs Fahala». dx.doi.org. Consultado em 11 de janeiro de 2024 
  25. a b c d «Ferrovia deve chegar a Paragominas». Folha do Bico. 2 de setembro de 2013. Consultado em 17 de maio de 2023 
  26. base.digital. «Extrusora de Soja». Grupo BBF. Consultado em 30 de abril de 2024 
  27. cidades.ibge.gov.br https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/paragominas/pesquisa/38/46996?ano=2018. Consultado em 29 de fevereiro de 2024  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  28. cidades.ibge.gov.br https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/paragominas/pesquisa/38/46996?ano=2021. Consultado em 29 de fevereiro de 2024  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  29. a b c Gillet, Ronaldo (19 de setembro de 2021). «Quase duas toneladas de pescado foram servidos gratuitamente à população de Paragominas». Rede Pará. Consultado em 17 de maio de 2023 
  30. cidades.ibge.gov.br https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/paragominas/pesquisa/24/27745. Consultado em 27 de agosto de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  31. «ANEXO I DIAGNÓSTICO SOCIO ECONÔMICO E ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DE GOVERNO» (PDF). "Prefeitura Municipal de Paragominas. p. 12. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  32. Online, DOL-Diário (20 de abril de 2023). «Paragominas é destaque na economia também com piscicultura». DOL - Diário Online. Consultado em 9 de junho de 2023 
  33. a b (PDF). p. 20 https://paragominas.pa.gov.br/wp-content/uploads/2020/04/PPA-2018-2021.pdf  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  34. Online, DOL-Diário (20 de abril de 2023). «Paragominas é destaque na economia também com piscicultura». DOL - Diário Online. Consultado em 9 de junho de 2023 
  35. «Censo 2022- Domicílios Particulares Permanentes Ocupados, por tipo de Esgotamento Sanitário». dx.doi.org. Consultado em 28 de junho de 2023 
  36. «Tabela 6805: Domicílios particulares permanentes ocupados, por tipo de esgotamento sanitário». sidra.ibge.gov.br. Consultado em 23 de fevereiro de 2024 
  37. «PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS» (PDF). Fonte: Prefeitura de Paragominas/SEMUR, 2019. p. 31. Consultado em 25 de setembro de 2020 
  38. «Spectrum-E: Canais». sistemas.anatel.gov.br. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  39. cidades.ibge.gov.br https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/paragominas/pesquisa/23/26170. Consultado em 22 de julho de 2022  Em falta ou vazio |título= (ajuda)

Ligações externas

editar
 
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Paragominas