Philippe Sarde

Philippe Sarde (Hauts-de-Seine, 21 de junho de 1948) é um compositor francês.[1][2] Sua especialidade é a trilha sonora de filmes. Estreou em 1970 no filme As Coisas da Vida, dirigido por Claude Sautet. Foi um grande sucesso de bilheteria e ficou marcado pela trilha sonora, em que uma das canções era interpretada pela atriz Romy Schneider, estrela do filme ao lado de Michel Piccoli. Na sequência Sarde teve mais duas colaborações com Sautet em César et Rosalie e Vincent, François, Paul et les autres. Colaborou com Roman Polanski na trilha sonora de O inquilino, Tess e Piratas. Algumas de suas trilhas se tornaram muito populares, independente dos filmes. É o caso das músicas que compôs para os filmes A Comilança, de Marco Ferreri, e O gato, dirigido por Pierre Granier-Defferre, adaptação de um livro de Georges Simenon, com Simone Signoret. Compôs mais de duzentas trilhas sonoras para filmes longas e curtas, além de produções para a TV. Foi indicado ao Oscar pela trilha de Tess. Foi indicado doze vezes ao César e recebeu o prêmio pelos filmes Barocco, de André Techiné e O juiz e o Assassino, de Bertrand Tavernier.

Philippe Sarde
Nascimento 21 de junho de 1948 (73 anos)
Neuilly-sur-Seine
Cidadania França
Progenitores
  • Andrée Gabriel
Irmão(s) Alain Sarde
Alma mater
Ocupação compositor, compositor de bandas sonoras,
Prêmios
Página oficial
http://www.philippe-sarde.com

Referências

  1. German, Yuri. «Philippe Sarde». Allmusic. Consultado em 10 de novembro de 2012 
  2. «Phillippe Sarde». Film Reference. Consultado em 10 de novembro de 2012 

Vida e carreira

Philippe Sarde nasceu em 21 de junho de 1948 em Neuilly-sur-Seine, Altos do Sena, Ilha de França, França. Sua mãe, Andrée Gabriel, era cantora na Ópera de Paris. Com o incentivo de sua mãe, se interessou por música desde os três anos de idade. Quando tinha quatro anos conduziu uma breve seção de Carmen na Ópera de Paris. Aos cinco anos de idade começou a experimentar gravação de som e fez seus primeiros curtas-metragens. Sarde amava tanto a música quanto o cinema, e teve problemas para decidir a direção de sua carreira.

Sarde entrou no Conservatório de Paris, onde estudou harmonia, contraponto, fuga e composição sob Noël Gallon. Aos dezessete anos, dirigiu um curta de 35 mm em preto e branco, para o qual compôs a música, pedindo a Vladimir Cosma para ajudá-lo na orquestração. Aos dezoito anos, depois de escrever músicas para Régine, Sarde conheceu Claude Sautet, que lhe pediu que escrevesse a música para seu filme The Things of Life (1969). A experiência estabeleceu sua direção de carreira e iniciou uma longa parceria com Sautet, que durou 25 anos e 11 filmes.

Sarde também estabeleceu associações próximas com os diretores Bertrand Tavernier, Pierre Granier-Deferre, Georges Lautner, André Téchiné e Jacques Doillon. Sarde também colaborou com Bertrand Blier em Beau-Père, Alain Corneau em Fort Saganne e Marshall Brickman em Lovesick, The Manhattan Project e Sister Mary Explains It All. Em 1988, Sarde foi membro do júri no Festival de Cannes.

O diretor de cinema Georges Lautner observou uma vez que estava constantemente impressionado com a capacidade do compositor de encontrar uma abordagem única para cada filme que ele pontuou. De acordo com Yuri German, escrevendo no All Music Guide, as trilhas sonoras de Sarde são "organizadas de maneira magistral e não convencional" e geralmente são tocadas por músicos de classe mundial como Chet Baker, Stan Getz, Stéphane Grappelli e Maurice Vander.

Em abril de 1990, Sarde se casou com Nave Florence, mas eles se divorciaram no ano seguinte. Em 1994, ele se casou com Clotilde Burre. Eles têm duas filhas, Ponette (nascida em 1998) e Liza (nascida em 1999). Ambos estão matriculados no décimo sétimo arrondissement de Paris. Sarde é Irmão do produtor Alain Sarde, responsável por filmes como O pianista, de Roman Polanski e Cidade dos Sonhos, de David Lynch.

  Este artigo sobre um(a) compositor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.