Abrir menu principal

Planalto (Rio Grande do Sul)

município brasileiro do Rio Grande do Sul
Disambig grey.svg Nota: Para outras acepções, veja Planalto (desambiguação).
Planalto
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Planalto
[[1]]
Brasão de armas de Planalto
[de armas]
Hino
Lema Nosso maior patrimônio é a nossa gente e nosso maior orgulho é fazer parte dessa história
Gentílico planaltense
Localização
Localização de Planalto no/em Rio Grande do Sul
Localização de Planalto no/em Rio Grande do Sul
Planalto está localizado em: Brasil
Planalto
Localização de Planalto no Brasil
Mapa de Planalto
Coordenadas 27° 19' 44" S 53° 03' 32" O
País Brasil
Unidade federativa {{{1}}}
Municípios limítrofes Alpestre, Ametista do Sul, Nonoai, Iraí, Rodeio Bonito
Distância até a capital 406 km
História
Fundação 26 de dezembro de 1963 (55 anos)
Administração
Prefeito(a) Antonio Carlos Damin (PDT)
Características geográficas
Área total [1] 230,421 km²
População total (Censo IBGE/2010[2]) 10 524 hab.
Densidade 45,67 hab./km²
Clima subtropical
Altitude 568 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 98470-000
Indicadores
IDH (PNUD/2000 [3]) 0,741 alto
PIB (IBGE/2008[4]) R$ 187 042,362 mil
PIB per capita (IBGE/2008[4]) R$ 18 062,46
www.planalto.rs.gov.br (Prefeitura)

Planalto é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.

HistóriaEditar

Início da colonizaçãoEditar

Desde tempos anteriores à colonização, a região pertencente ao município foi povoada por tribos indígenas Kaingangs e Guaranis. No início do século XX os primeiros aventureiros vinham de Nonoai, apenas à procura de uma suposta igreja de jesuítas onde estariam enterrados valiosos tesouros.

Em 1911 Bernardo Tavares de Miranda e seu irmão Severo fixaram residência no local, onde mais tarde passaria a se chamar Vila Pinhalzinho (atualmente pertencente ao município). Pela ordem, os primeiros colonizadores eram de origem portuguesa, depois os de origem polonesa. Os italianos e alemães chegaram por último (década de 1950) e são quase todos posteriores ao período da demarcação das terras.

Formação do municípioEditar

 
Representação gráfica do município

Em 1948, por determinação estadual, teve início o levantamento topográfico para o plano de urbanização e os trabalhos de demarcação de lotes rurais. Em 1 de março do mesmo ano, o distrito de Planalto(*) foi fundado, subordinado ao município de Iraí (Lei Municipal n° 15/1948 Iraí/RS).

Quinze anos depois, em 26 de dezembro, pela Lei Estadual n° 4.692/1963, o distrito é elevado à categoria de município mantendo a mesma denominação.

Atualmente, o município é composto por quatro distritos (Planalto, Santa Cruz, São José e São Luiz) e a reserva indígena.

(*)O nome deve-se a localização do povoado que se situa num ponto elevado do divisor de águas da região.

GeografiaEditar

Localiza-se a uma latitude 27°19'44" sul e a uma longitude 53°03'31" oeste, estando a uma altitude média de 568 metros.

Possui área de 230,42 km². O município conta com as águas do Rio do Mel, afluente do Rio Uruguai que tem fronteira fluvial com a Argentina e Uruguai.

Faz parte da Região das Hidrominerais, está localizado dentro do perímetro do Aquífero Guarani, Microrregião de Frederico Westphalen.

EconomiaEditar

A base econômica do município se concentra, fundamentalmente, na agropecuária e no comércio. Conta também com a presença do setor industrial moveleiro e de laticínios.

Dados GeraisEditar

  • População Total (2010): 10.524 habitantes
  • Área (2010): 230,4 km²
  • Densidade Demográfica (2010): 45,7 hab/km²
  • Taxa de analfabetismo (2010): 11,29 %
  • Expectativa de Vida ao Nascer (2000): 67,45 anos
  • Coeficiente de Mortalidade Infantil (2010): 7,25 por mil nascidos vivos
  • PIBpm(2008): R$ mil 187.042
  • PIB per capita (2008): R$ 18.062
  • Exportações Totais (2010): U$ FOB 490
  • Data de criação: 26 de dezembro de 1963 - (Lei nº. 4692)
  • Município de origem: Iraí e Nonoai

Seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0.741, segundo o Atlas de Desenvolvimento Humano/PNUD (2000)

ClimaEditar

Apresenta um clima do tipo subtropical úmido. A temperatura média anual é 19,5 °C, com máximas em torno de 38°C em janeiro e 20°C em julho e mínimas de 17 °C em janeiro e -3°C em julho.

Os verões são moderadamente quentes, com temperaturas máximas que podem ultrapassar os 36 °C em certos dias. Os invernos tendem a ser úmidos e amenos, e não raramente durante os picos de frio observam-se temperaturas máximas de apenas um dígito e mínimas abaixo de 0 °C. Nos meses mais frios é comum a formação de geada e, mais ocasionalmente, a ocorrência de neve.

Dados climatológicos para Planalto (Rio Grande do Sul)
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 39 32 26,7 23,7 20,7 18,4 19 19,9 21,2 23,8 26 27,8 24,8
Temperatura mínima média (°C) 17,5 17,5 16,3 13,5 10,9 7,9 3,2 9,9 11 12,9 14,8 16,5 12,6
Precipitação (mm) 121,6 114,9 121,3 118,2 131,3 129,4 153,4 165,7 206,8 167,1 141,4 161,5 1 732,6
Fonte: Atlas Socio Econômico do Rio Grande do Sul (2000-2004)[5]

RodoviasEditar

Principais acessos ao município:

  • RS 324 : Iraí - Nova Bassano
  • RS 504 : Planalto - Alpestre
  • RS 591 : RS 324/Santa Cruz - Castelinho/Frederico Westphalen

Pontos turísticosEditar

Planalto possui uma fração do Parque Estadual Florestal de Nonoai. No total, são quase 18 mil hectares de mata virgem no qual está presente a Reserva Indígena Kaingang e Guarani.

 
Vista panorâmica da Reserva Florestal.

Outros pontos que se destacam são a Igreja Matriz, as furnas (garimpo de pedra ametista), o Museu do Índio e o Rio do Mel.

Estações de rádioEditar

O município conta com três estações de rádio, sendo elas:

  • Rádio Ametista FM 88.5
  • Rádio Florestal FM 91.7
  • Rádio Planalto FM (Comunitária) 87.7

Ver tambémEditar

Referências

  1. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. «Temperatura e Precipitação de Chuvas no Rio Grande do Sul». Consultado em 4 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 14 de novembro de 2012 

Ligações externasEditar