Abrir menu principal
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2011)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Lanceiros da PE prestam guarda de honra aos ministros da defesa de Portugal e dos EUA.

A Polícia do Exército (PE) constitui a polícia militar do Exército Português.

As unidades de PE são compostas por militares da Arma de Cavalaria, habilitados com a especialidade de Polícia do Exército. Em serviço, estes militares distinguem-se dos restantes militares do Exército pelo uso de capacetes brancos e braçais azuis com as letras "PE" inscritas. Em cerimónias militares, os praças usam lanças com flâmulas vermelhas, mantendo a tradição das antigas tropas de lanceiros, nas quais têm origem.

Índice

HistóriaEditar

Pela carta régia de 5 de janeiro de 1797 da Rainha D. Maria I, foi criada a Intendência-Geral da Polícia do Exército, encarregue de garantir a lei e justiça no interior do Exército Português.

Depois disso e até meados do século XX, a Polícia do Exército continuou a existir sob diversas organizações.

Sob a forma atual, surgiu em 1953, como Polícia Militar (PM). Em 1976, passou a designar-se "Polícia do Exército".

FunçõesEditar

 
Viatura da PE.

A Polícia do Exército Português desempenha as seguintes funções:

  • Controlo da circulação rodoviária, incluindo o levantamento de acidentes, escoltas e fiscalização;
  • Controlo de refugiados e transviados;
  • Guarda e segurança de prisioneiros de guerra;
  • Constituição como força de intervalo em operações de segurança na área de retaguarda;
  • Manutenção da disciplina, lei e ordem, incluindo rondas e fiscalização de movimentos individuais;
  • Assegurar missões de guarnição e honoríficas, incluindo guardas de honra em cerimónias, protecção de altas individualidades e segurança de instalações;
  • Realizar operações de combate;
  • Participar no Programa de Combate à Droga e ao Alcoolismo nas Forças Armadas;
  • Manter a capacidade de controlo de tumultos e manutenção da ordem pública;
  • Apoio às autoridades civis no âmbito da protecção civil e ordem pública.

PessoalEditar

As unidades e outros orgãos de Polícia do Exército são guarnecidos por militares com as seguintes especializações:

  1. Oficiais e sargentos do quadro permanente (QP), da Arma de Cavalaria;
  2. Oficiais e sargentos em regimes de voluntariado ou contrato (RV/RC), da Área Funcional AF 06 PE / Especialidade 263 - Polícia do Exército;
  3. Praças em regimes de voluntariado ou contrato (RV/RC), da Especialidade 16 - Polícia do Exército.

UnidadesEditar

 
Batedor motociclista da PE.

O orgão de base do Exército responsável pela instrução e organização das forças de Polícia do Exército é o Regimento de Lanceiros Nº 2, aquartelado na Ajuda, em Lisboa. A especialidade PE era ministrada no já extinto, Centro de Instrução de Polícia do Exército, em Portalegre, na já extinta Escola Prática de Cavalaria, em Santarém e depois Abrantes. Atualmente é ministrada na Escola das Armas, em Mafra, para graduados e no Regimento de Lanceiros nº 2, na Amadora, para Praças.

Como unidades operacionais de PE existem:

  1. 2 Esquadrões de Polícia do Exército das Força de Apoio Geral, situados no Regimento de Lanceiros nº 2;
  2. Pelotão de PE da Brigada Mecanizada;
  3. Pelotão de PE da Brigada de Reacção Rápida;
  4. Pelotão de PE da Brigada de Intervenção;
  5. Pelotão de PE da Zona Militar dos Açores;
  6. Pelotão de PE da Zona Militar da Madeira;
  7. Pelotão de PE do Presídio Militar;
  8. Secção Guarnição e Segurança do Estado-Maior do Exército.

A PE mantém guarda permanente Forte de S. Julião da Barra (residência oficial do Ministro da Defesa Nacional) e guarda rotativa com as Polícias dos outros Ramos das FA, no Estado-Maior-General das Forças Armadas e no Comando-Chefe da Área do Atlântico Sul da NATO.

Subunidades especializadasEditar

 
Viatura das equipas cinotécnicas da PE.

A Polícia do Exército mantém no seu seio diversas subunidades especializadas para o cumprimento de funções especiais. De entre estas destacam-se:

  • Módulo de Segurança do Elemento de Defesa NBQ (Nuclear, Biológica e Química) - subunidade vocacionada para a segurança de área e das equipas de reconhecimento NBQ;
  • Pelotões de Controlo de Tumultos - forças destinadas à manutenção da ordem pública em apoio das autoridades militares ou civis (CRC - Crowd and Riot Control);
  • Equipas de Proteção Pessoal - subunidade vocacionada para a segurança pessoal de altas entidades e pessoas ameaçadas, em proveito das forças nacionais destacadas (FND) no exterior, das forças de resposta da OTAN (NRF, NATO Response Forces) e dos agrupamentos de combate da União Europeia;
  • Secções moto - Força de batedores motociclistas, de grande flexibilidade, especialmente vocacionadas para a escolta de colunas militares e para o controlo de tráfego;
  • Módulo Cinotécnico - Emprego de Binómios de Uso da Força, Detecção de Estupefacientes, Detecção de Explosivos.

ReferênciasEditar

Ver tambémEditar