Abrir menu principal

Praça do Marquês de Pombal (Lisboa)

Praça do Marquês de Pombal
Freguesia(s): Santo António
Antiga(s) freguesia(s): Coração de Jesus
Lugar, Bairro: Marquês de Pombal
Ruas Afluentes: Avenida da Liberdade, Avenida Fontes Pereira de Melo, Avenida Joaquim António de Aguiar, Avenida Duque de Loulé, Alameda Edgar Cardoso, Parque Eduardo VII de Inglaterra, Rua Rodrigues Sampaio e Rua Braamcamp.
Área: 30 000 m2
Abertura: 1882
Nomeação: 6 de maio de 1882
Homenageado(s): Sebastião José de Carvalho e Melo, Marquês de Pombal
Designação anterior: Rotunda
Lisboa, Praça do Marquês de Pombal (7).jpg
Vista da Praça do Marquês de Pombal.
Toponímia de Lisboa
Praça do Marquês de Pombal está localizado em: Lisboa
Praça do Marquês de Pombal
Localização da Praça do Marquês de Pombal em Lisboa

A Praça do Marquês de Pombal, também conhecida por Rotunda do Marquês de Pombal, é uma importante praça da cidade de Lisboa, Portugal. Situa-se entre a Avenida da Liberdade e o Parque Eduardo VII. No centro ergue-se o monumento a Marquês de Pombal, inaugurado em 1934.

Sob a praça passa o Túnel do Marquês, extenso túnel rodoviário que liga o eixo da Avenida Fontes Pereira de Melo com a auto-estrada A5 e que se destina a servir os automobilistas dos concelhos a oeste de Lisboa.

Índice

HistóriaEditar

Outrora chamada de Rotunda, foi aqui que tiveram lugar os acontecimentos decisivos que levaram à Proclamação da República Portuguesa em 5 de outubro de 1910.

HomenageadoEditar

A praça presta homenagem a Sebastião José de Carvalho e Melo, estadista, que conduziu o país para a era do iluminismo, tendo governado entre 1750-77. A sua imagem, está no alto da coluna, com a mão pousada num leão (símbolo de poder), com os olhos virados para a Baixa, o centro da cidade de Lisboa que Pombal reconstruiu depois do Terramoto de 1755.

Monumento ao Marquês de PombalEditar

O concurso para o monumento (1915), foi ganho por uma equipa constituída pelos arquitetos Adães Bermudes e António do Couto (1874-1946) e escultor Francisco dos Santos (este último falecido 4 anos antes da inauguração). O monumento teve ainda a intervenção dos escultores Simões de Almeida (sobrinho), Leopoldo de Almeida e Eduardo Ribeiro Leitão.

Inaugurado a 13 de Maio de 1934, o Monumento ao Marquês de Pombal é constituído por um pedestal em pedra trabalhada, com 40 metros de altura, onde assenta a estátua, em bronze. Este pedestal ostenta, na parte superior, quatro medalhões onde figuram os principais colaboradores do Marquês de Pombal. A parte inferior da base encontra-se rodeada por diversas figuras alegóricas, "nomeadamente a figura feminina simbolizando «Lisboa reedificada» e três grupos escultóricos evocando as reformas levadas a cabo por Sebastião Carvalho e Melo. No cimo, a estátua do Marquês de Pombal, de corpo inteiro, assenta o braço sobre o dorso de um leão, que simboliza a força, a determinação e a própria realeza".[1] A calçada em volta da rotunda está decorada com as armas de Lisboa.

Placa IntermodalEditar

A praça é um importante nó da rede do metropolitano de Lisboa, com o cruzamento das linhas azul e amarela. Neste nó estabelece-se, ao longo de várias paragens situadas nas artérias afluentes à praça, uma importante placa intermodal dos vários transportes que servem a região de Lisboa, com os serviços regulares da Carris, da Vimeca e da TST. que permitem a ligação directa desta praça com a maior parte dos locais da cidade de Lisboa, assim como aos concelhos de Oeiras, Amadora, Sintra, Odivelas, Loures e Almada.

Sistema de circulação automóvelEditar

Desde Setembro de 2012 que a circulação nesta praça se faz, não apenas pela rotunda principal, mas sim também por uma rotunda secundária que, se destina aos automobilistas que pretendem entrar e sair das avenidas Duque de Loulé e, Alexandre Herculano. Isto ocorre porque estes arruamentos estão demasiadamente próximos a outros que confluem na mesma praça, facilitando e tornando mais seguro o acesso aos mesmos, pois a distância a percorrer é substancialmente menor. A rotunda secundária é concêntrica à principal e, foi criada a partir de zonas de paragem de autocarros que, foram unidas entre si, suprimindo ilhéus de passeio, substituindo-os por alcatrão.

CarrisEditar

No Marquês de Pombal fazem terminal as seguintes carreiras da Carris:

Carreira Destino
702 Bairro da Serafina
732 Caselas, via Cais do Sodré
744 Moscavide, via Aeroporto
746 Santa Cruz-Damaia, via Sete Rios
748 Linda-a-Velha

Marquês de Pombal é ponto de passagem das seguintes carreiras da Carris:

Carreira Percurso
91 Cais do Sodré ⇄ Aeroporto
207 Cais do Sodré ⇄ Fetais
711 Sul e Sueste ⇄ Alto da Damaia
712 Santa Apolónia ⇄ Alcântara Mar
720 Alcântara ⇄ Picheleira
723 Campo dos Mártires da Pátria ⇄ Algés
727 Estação Roma Areeiro ⇄ Restelo
736 Cais do Sodré ⇄ Odivelas
738 Alto de Santo Amaro ⇄ Quinta dos Barros
753 Praça José Fontana ⇄ Centro Sul
783 Amoreiras ⇄ Portela/Prior Velho

A Rua Alexandre Herculano, com ligação à Praça do Marquês de Pombal é ponto de passagem das seguintes carreiras da Carris:

Carreira Percurso
706 Cais do Sodré ⇄ Santa Apolónia
709 Restauradores ⇄ Campo de Ourique
774 Gomes Freire ⇄ Campo de Ourique

VimecaEditar

No Marquês de Pombal fazem terminal as seguintes carreiras da Vimeca:

Carreira Destino
7 Carnaxide
11 Linda-a-Velha
13 Queijas, via Carnaxide
13D Queijas
15 São Marcos via Taguspark
107 Idanha - Campinas, via Amadora e Belas
185 Hospital Fernando da Fonseca, via Alfragide e Damaia

TSTEditar

No Marquês de Pombal fazem terminal as seguintes carreiras da TST:

Carreira Destino
151 Charneca de Caparica
155 Costa de Caparica (brevemente)
169 Corroios (Santa Marta do Pinhal)

MetropolitanoEditar

Esta placa intermodal conta com acesso ao Metropolitano de Lisboa desde 1959, desde o primeiro dia deste meio de transporte.

No Marquês de Pombal há ligação com as seguintes linhas do Metropolitano de Lisboa:

Linha Estação Percurso
 

Girassol

Marquês de Pombal RatoOdivelas
 

Gaivota

Marquês de Pombal Santa ApolóniaReboleira

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

Toponímia de Lisboa (consultado em 29 de Outubro de 200)

Referências

  1. «Monumento ao Marquês de Pombal». REVELAR LX. Consultado em 29 de junho de 2014.