Abrir menu principal
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde maio de 2013).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Prata Palomares
Prata Palomares (BRA)
 Brasil
1971 •  

Prata Palomares é um filme brasileiro de 1971, dirigido por André Faria. Dois revolucionários se escondem em uma igreja de Porto Seguro e conhecem uma mulher desejosa de engravidar.

Prata Palomares, proibido pela censura, retoma o tema da guerrilha, presente em outros filmes realizados entre a segunda metade dos anos de 60 e o início da década seguinte, tais como Terra em Transe (Glauber Rocha, 1967), Blá, blá, blá (Andrea Tonacci, 1968), Dezesperato (Sérgio Bernardes Filho, 1968) e República da Traição (Carlos Alberto Ebert, 1970).

A trama gira em torno de dois guerrilheiros que, cercados pelos inimigos, se escondem numa igreja da fictícia Porto Seguro, aguardando uma oportunidade para escapar em direção à área ocupada pelos seus companheiros. Um dos guerrilheiros (Renato Borghi), se faz passar pelo padre que os poderosos do lugarejo esperam, enquanto o outro (Carlos Gregório) permanece escondido fabricando um barco para a fuga. Inesperadamente o falso padre começa a acreditar na nova identidade e procura se transformar em líder messiânico do lugar, envolvendo-se com os poderosos que torturam e matam um líder popular dentro da igreja. O falso padre entra em conflito com o colega guerrilheiro e morre após acreditar-se com poderes miraculosos. Uma diferença marcante entre a película de André Faria Jr. e outras do mesmo período com temática claramente politizada é que em Prata Palomares há uma abordagem da religião através do guerrilheiro que trai a revolução, acreditando afinal no fanatismo religioso como solução para os impasses sociais e políticos, dimensão esta inexistente ou presente de forma tênue nos demais filmes.

Também chama a atenção no filme o imbricamento entre situações de cunho verossímil e oníricas.Após algum tempo escondidos, em meio a discussões e muita tensão, os guerrilheiros encontram a personagem de Ítala Nandi na igreja e ela anuncia que quer ter um filho de ambos, e faz amor com eles num clima fortemente simbólico. A mesma personagem aparecerá depois como seguidora de um líder popular local, assumindo um caráter verossímil.Torturada barbaramente pelos agentes do poder, ela ressurge no final do filme para reencontrar o guerrilheiro que construiu o barco. A própria relação entre os dois guerrilheiros sofre esse tipo de mudança radical, que se estende também à interpretação dos atores. O ritmo temporal distendido e a sofisticada fotografia contribuem para a criação da atmosfera ao mesmo tempo mágica e sufocante do filme, como o da missa na praia ou da tortura do líder popular na igreja, realizada com o auxílio de objetos do templo religioso.

Dois guerrilheiros estão cercados pelas forças da repressão e decidem esconder-se na igreja de um pequeno vilarejo. Ali, um deles se faz passar pelo padre que estava sendo aguardado, enquanto o outro permanece escondido construindo um barco para a fuga de ambos.

Em 1972 participou do Festival de Cannes na Semana da Crítica. O filme foi selecionado mas não pode ser projetado por exigência da censura do governo brasileiro.

ElencoEditar

Referências

  • Vídeos - Guias Práticos Nova Cultural, 1988.
  Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.