Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Fevereiro de 2011). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ptolemeu V Epifânio
Faraó do Egito
Reinado 205 a.C. a 180 a.C.
Predecessores Ptolemeu IV Filópator
Arsínoe III
Sucessores Ptolemeu VI Filómetor
Cleópatra I
Co-monarca Cleópatra I (193 a.C.–180 a.C.)
Regentes
 
Esposa Cleópatra I
Descendência Ptolemeu VI Filómetor
Ptolemeu VIII Fiscão
Cleópatra II
Dinastia Ptolemaica
Nascimento c. 210 a.c.
Reino Ptolemaico
Morte 180 a.C. (30 anos)
Reino Ptolemaico
Pai Ptolemeu IV Filópator
Mãe Arsínoe III

Ptolemeu V Epifânio (c. 210 a.C.180 a.C.) foi rei do Egito ptolemaico de 205 a.C. a 180 a.C..[1]

Era filho do seu antecessor, Ptolemeu IV Filopátor, e da rainha Arsínoe III.[2] Ptolemeu IV era filho de Ptolemeu III Evérgeta I,[3] com Berenice II.[4] Arsínoe III era filha de Berenice II[4] e, possivelmente, de Ptolemeu III.[5]

Tornou-se rei aos cinco anos de idade,[carece de fontes?] tendo dois ministros do seu pai, Sosíbio e Agátocles, através de um testamento falsificado, tornado-se seus guardiões.[6] Sosíbio desapareceu por volta de 202 a.C. e Agátocles, tornou-se o seu único protector. Deve ser referido que a protecção concedida por estas duas personalidades nada tinha de descomprometido: ambos utilizavam a criança como forma de acederem ao poder e foram responsáveis pela morte da rainha Arsínoe III. Segundo Políbio, Sosíbio foi quem mandou assassinar Arsínoe,[7] mas Agátocles premiou o assassino, Filamão, com o governo da Cirenaica.[8] Ptolemeu ficou aos cuidados de Enante e Agatocleia, respectivamente mãe e irmã de Agátocles.[8]

Agátocles acabaria por se envolver em conflitos com Tlepólemo,[9] o governador da cidade de Pelúsio,[10] que mobilizou a população de Alexandria contra Agátocles.[11] Este foi morto por seus amigos para não cair nas mãos do povo[12] e Tlepómeno tornou-se o novo regente,[13] embora tenha sido removido do cargo em pouco tempo.

Esta situação confusa foi aproveitada pelo rei selêucida Antíoco III Magno para atacar cidades da Celessíria. Os romanos decidiram intervir e em 194 a.C. estabeleceu-se a paz, tendo Ptolemeu V casado com Cleópatra,[carece de fontes?] uma filha de Antíoco III e Laódice.[14]

Durante o reinado do seu pai, tinha nascido no sul do Egito um movimento secessionista liderado por um rei núbio. Ptolemeu V consegue terminar com este movimento, tendo vencido Ankhuennefer.

Ptolemeu V Epifânio tem o seu nome ligado à Pedra de Roseta, um decreto por si promulgado e graças ao qual foi possível a Jean-François Champollion decifrar os hieróglifos.

Ptolemeu VI Filómetor, seu sucessor, foi seu filho com Cleópatra I.[15] Ptolemeu VIII Evérgeta II, irmão de Ptolemeu VI, também reinou no Egito, e ambos foram casados com Cleópatra II, irmã de ambos.[16]

TitulaturaEditar

Nome de Nesut-bity
Hieroglifo
 
 
     
   
 
 
 
 
        
 
Transliteração Jwˁ-n-nṯr.wy-mr-jt Stp-n-Ptḥ Wsr-kȝ-Rˁ Sḫm-ˁnḫ-n-Jmn
Transliteração (ASCII) Jwa-n-ntchr.wy-mnkh.wy stpn-ptah wsr-ka-ra skhm-ankh-n-jmn[17]
Transcrição Iwan-entcher wymenkhwy setepen-ptah waser-ka-ra sekheme-ankhnamun
Tradução "O herdeiro do deus Filopátor. O eleito de Ptá. O ka de é poderoso. A imagem viva de Amon."
Nome de Sa-Rá
Hieroglifo
  
 
 
 
 
  
 
     
 
 
 
 
  
 
Transliteração Ptwlmys ˁnḫ-ḏ.t Mr(y)-Ptḥ
Transliteração (ASCII) Ptwlmys ankh-djt Mry-ptah
Transcrição Ptwlemys Ankh-djet mery-ptah
Tradução "Ptolomeu, que tenha vida eterna. O amado de Ptá."

Ver tambémEditar

Referências

  1. Cláudio Ptolomeu (compilador), Cânone de Ptolomeu, Os reis dos macedônios [em linha]
  2. Pedra de Roseta, 3
  3. Justino, Epítome das Histórias de Pompeu Trogo, 29.1 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  4. a b Políbio, Histórias, Livro XV, 25.2
  5. E. R. Bevan, The House of Ptolemy, Chapter VI: Ptolemy III, Euergetes I (247-221 b.C.) [em linha]
  6. Políbio, Histórias, Livro XV, 25.4
  7. Políbio, Histórias, Livro XV, 25.2
  8. a b Políbio, Histórias, Livro XV, 25.12
  9. Políbio, Histórias, Livro XV, 25.34
  10. Políbio, Histórias, Livro XV, 25.26
  11. Políbio, Histórias, Livro XV, 25.36
  12. Políbio, Histórias, Livro XV, 33.6
  13. Políbio, Histórias, Livro XVI, 21.1
  14. William Smith, Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology, Anti'ochus III [em linha] Arquivado em 6 de setembro de 2007, no Wayback Machine.
  15. Políbio, Histórias, Livro XXVIII, 20.9
  16. Justino, Epítome das Histórias de Pompeu Trogo, 38.8 [em linha]
  17. Pedra de Roseta, 2