Abrir menu principal

Rede Adventista de Educação

organização educacional mantida pela Igreja Adventista do Sétimo Dia
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Rede Adventista de Educação
Logotipo da Educação Adventista no Brasil
Informação
Localização 165 países
Abertura 1875
Número de estudantes >4.000.000
Página oficial educacaoadventista.org.br

A Rede Adventista de Educação, comumente conhecida por Educação Adventista é uma rede de escolas, colégios e faculdades mantida e orientada pela Igreja Adventista do Sétimo Dia. Está presente em mais de 165 países, representada por 7.883 instituições da educação infantil ao ensino superior, com aproximadamente 90 mil professores comprometidos na formação de aproximadamente 1,8 milhão de alunos.[1] Dentre estes países está o Brasil, que tem aproximadamente 450 sedes, em todas as regiões do Brasil. A rede abrange, no Brasil, aulas desde o Ensino Básico até o Ensino Superior. Por ser administrada pela Igreja Adventista, oferecem aulas de ensino religioso baseadas no texto da Bíblia, enfatizando os valores e princípios comuns às igrejas cristãs. No Brasil, a primeira sede foi fundada em 1896 na cidade de Curitiba, no Paraná. Tem cerca de 4 milhões de alunos em todo o mundo e 220 mil no Brasil.

HistóriaEditar

Os adventistas do sétimo dia começaram sua busca por uma educação integral e de qualidade, com o propósito de oportunizar aos seus filhos o preparo acadêmico em conformidade com os princípios cristãos. Em 1875, a Educação Adventista teve seu início com a abertura do Battle Creek School, Michigan, que se destinava a atender os níveis elementares e secundários do Ensino Básico. Desde que surgiu, a rede ampliou sua atuação em todos os continentes, expandindo sua clientela a todos aqueles que simpatizam com sua filosofia e seus métodos. [2]

A Igreja Adventista do Sétimo Dia, na América do Sul, possui mais de 950 instituições de ensino com aproximadamente 230 mil alunos distribuídos em Ensino Fundamental, Médio e Superior. Cerca de 140 mil no Brasil e 90 mil no Equador, Peru, Bolívia, Chile, Argentina, Paraguai e Uruguai. Um grupo de cerca de 15 mil professores é responsável pela formação desses indivíduos que muitas vezes são atraídos pela bandeira da educação integral, que foca a pessoa no seu todo – físico, mental e espiritual.

BrasilEditar

 
Colégio Adventista na cidade de Curitiba no Paraná.

No Brasil começou em 1º de Julho de 1896, na cidade de Curitiba, Paraná. A primeira escola estava situada na rua Paula Gomes, 290, em uma casa de janelas grandes, próxima ao parque Passeio Público, de residências da elite e da biblioteca municipal, no centro de Curitiba. Quem fundou o colégio e foi o primeiro diretor foi Guilherme Stein Júnior, o primeiro adventista batizado no Brasil. A principio a escola chamava-se Colégio Internacional de Curitiba, pois oferecia ensino bilíngue, o português e alemão, devido a grande migração européia para o sul do Brasil no século XIX. Stein Júnior, que se mudou de Piracicaba, no interior paulista, para Curitiba com o objetivo de dirigir a instituição, havia estudado em um colégio que também possuía o título “internacional”. Esse pode ter sido o motivo para a primeira escola adventista carregar esse nome durante os anos iniciais. Nessa época destacou-se pela nova metodologia empregada na alfabetização das crianças que era a metodologia do professor Felisberto de Carvalho, método fonético revolucionário que em poucos meses ajudava a criança a ler. A escola, que prezava por uma exímia educação, era, também, pautada pela confessionalidade adventista do sétimo dia. Posicionamento filosófico que lhe rendeu alguns desafios. Para se adequar à legislação educacional do período, por exemplo, que exigia que as escolas funcionassem aos sábados, o Colégio Internacional ministrava apenas as aulas de religião nesse dia, no formato do funcionamento da Escola Sabatina das igrejas adventistas. Desse modo, não apenas os alunos participavam, mas as famílias deles também.E outro fato curioso sobre esse período de pioneirismo é que as escolas nasceram com as congregações. A mensagem adventista chegou à capital paranaense em janeiro de 1896 e seis meses depois a primeira escola dessa confissão estava sendo aberta. Diferentemente dos Estados Unidos, em que a primeira escola foi fundada cerca de dez anos após a organização da denominação, em 1863, no Brasil, e até meados da década de 1940, os registros apontam que já existiam 16% mais escolas do que igrejas adventistas no país.

 
Colégio Adventista na cidade de Telêmaco Borba no Paraná.

Também diferenciava-se por não seguir o padrão das unidades seguintes, que nasceram anexas às igrejas, num modelo paroquial. Num prédio independente, a escola em pouco tempo cresce tanto que logo precisa ser transferida da rua Paula Gomes. O colégio chegou a ter cerca de 400 alunos, sendo que nem meia dúzia deles eram adventistas. Depois daquele primeiro endereço, a escola funcionou em mais duas instalações: um sobrado na Avenida Cândido de Abreu, e no mais imponente prédio de Curitiba daquela época: o palacete Wolf, onde hoje funciona o shopping Mueller, no centro da cidade. Nesse período, o professor Guilherme Stein Júnior se mudou para Gaspar Alto (SC), berço da primeira congregação adventista do Brasil, para ali fundar uma escola de formação de missionários. Diretamente da Alemanha foi para Curitiba o professor Paulo Kramer, farmacêutico de formação. Ele traria grandes inovações para o Colégio Internacional. A escola possuía microscópios, pranchas, mapas, sólidos geométricos destacando que eram recursos pedagógicos dos mais modernos do país, levando em conta que estavam na virada do século XIX, em uma capital de apenas 50 mil habitantes. No entanto, apesar do sucesso, de forma súbita, a escola foi fechada em 1904, e só voltou a abrir as portas em 1928, já no cruzamento das avenidas Saldanha Marinho e Brigadeiro, enquanto outras unidades foram abertas e continuaram funcionando normalmente.

Instituições Adventistas de Ensino SuperiorEditar

As instituições de Ensino Superior da Educação Adventista estão presentes em vários continentes: África, Europa, Ásia e América. Proporcionam uma educação cristã e qualificam o estudante para as necessidades profissionais requeridas pelo mercado de trabalho. Nos países que pertencem à Divisão Sul-Americana da Igreja Adventista do Sétimo Dia, há 14 instituições com aproximadamente 20 mil alunos, formando profissionais nas mais diversas áreas do conhecimento. Em 1915 surgiu o atual UNASP, sendo que o casal Pantaleão e Benedita Teisen, recém-convertidos ao Adventismo, vendem uma propriedade de 58 alqueires localizada no Capão Redondo, na então cidade de Santo Amaro, para o estabelecimento do Colégio da União Conferência Brasileira dos Adventistas do Sétimo Dia (Brazilian Training School). Os missionários fundadores John e Augusta Boehm com mais seis alunos, tomam posse do terreno. A primeira aula é realizada numa casa já existente na propriedade para 12 alunos. Ao final do ano o Colégio já contava com 18 estudantes. No dia 2 de agosto é lançada Pedra Fundamental do primeiro edifício.

InternatosEditar

Os colégios em regime de internato da rede educacional adventista oferecem educação integral pautada em princípios cristãos. No Brasil são 15 estabelecimentos que funcionam em lugares rodeados das melhores paisagens e longe dos grandes centros urbanos.

Os internatos possibilitam um estilo de vida que permite a cada estudante crescer em seu domínio próprio, adquirir em sua convivência valores de ordem, respeito, responsabilidade, integridade, amizade, bondade, paciência e fé em Deus.

Além de assistência regular às aulas, os estudantes podem contar com atividades práticas, culturais, sociais, esportivas, reuniões espirituais e atividades de serviço voluntário nas comunidades próximas – tudo em ambiente no qual a segurança é fator prioritário.

Aspectos GeraisEditar

Há a concessão de bolsas de estudos nos termos da lei. Para isso as escolas, colégios e universidades adventistas realizam uma avaliação sócio-econômica da família do aluno que solicita a bolsa de estudos. Essa avaliação define se o solicitante tem direito à bolsa ou, no caso de ter o direito, qual o percentual de ajuda que receberá. Os critérios para essa concessão são, portanto, em função das condições sociais e financeiras de quem solicita. Há uma cota específica do número de bolsas que podem ser concedidas durante o ano letivo. Todo o encaminhamento de pedido deve ser feito diretamente à direção da escola, colégio ou universidades nos prazos estipulados pela unidade escolar. Conforme a Lei 12.101/2009, toda a instituição filantrópica concede um percentual de gratuidade para alunos carentes. Sobre o ensino do criacionismo nas escolas adventistas é baseado na interpretação legal de estado laico, sem uma religião oficial. A lei faculta o direito de, nessas unidades, o ensino também os princípios e as doutrinas que é considerado verdadeiras e importantes para uma vida mais plena. Por isso mesmo a educação adventista prioriza o desenvolvimento pessoal em três níveis: físico, mental e espiritual, o que chamam de “educação integral”. O criacionismo faz parte do currículo, o que não significa que é negligenciado o ensino do evolucionismo. A nota satisfatória recebida no Enade no curso de Biologia do Unasp, campus São Paulo, por exemplo, testifica que o ensino é de qualidade. Entendemos como educadores que o ensino das diversas teorias que estimula o aluno a pensar e a desenvolver o senso critico. No que concerne as regras, como qualquer rede educacional privada e confessional, a Rede de Educação Adventista mantém um contrato entre o aluno e seus responsáveis e a instituição, confirmado no ato de matrícula. Nesse contrato, estão estabelecidas regras de conduta, de comportamento e de vestimenta conforme a filosofia adotada pelas escolas, colégios e universidades adventistas. No momento em que os pais e/ou os alunos assinam esse contrato eles passam a concordar inteiramente com essas normas e reconhecem que precisam respeitá-las para a boa convivência de todos no ambiente escolar. O desrespeito a algumas dessas normas implicará as punições previstas no próprio regimento escolar.

Referências

  1. «No Mundo > Conheça mais | Educação Adventista». www.educacaoadventista.org.br. Consultado em 30 de julho de 2015 
  2. «História». Educação. Consultado em 30 de julho de 2015 

Ligações externasEditar