Rogier van der Weyden

Rogier van der Weyden ou Roger de la Pasture (1399 ou 140018 de junho de 1464) foi um dos primeiros pintores holandeses cujas obras sobreviventes consistem principalmente em trípticos religiosos, retábulos e singles encomendados e retratos dípticos. Ele teve muito sucesso durante sua vida; suas pinturas foram exportadas para Itália e Espanha, e ele recebeu encomendas de, entre outros, Filipe, o Bom, da nobreza holandesa e de príncipes estrangeiros.[1] Na segunda metade do século XV, ele ofuscou Jan van Eyck em popularidade. No entanto, a sua fama durou apenas até ao século XVII e, em grande parte devido à mudança de gosto, foi quase totalmente esquecido em meados do século XVIII. Sua reputação foi lentamente reconstruída durante os duzentos anos seguintes; hoje ele é conhecido, com Robert Campin e van Eyck, como o terceiro (por data de nascimento) dos três grandes primeiros artistas flamengos (Vlaamse Primitieven ou "Primitivos Flamengos"), e amplamente como o pintor do Norte mais influente do século XV.[2]

Rogier van der Weyden
Rogier van der Weyden
Rogier van der Weyden, retrato efectuado por Cornelis Cort, 1572
Nascimento Roger de le Pasture
1400
Tournai
Morte 18 de junho de 1464 (64 anos)
Bruxelas
Sepultamento Catedral de São Miguel e Santa Gudula
Cidadania Países Baixos Burgúndios
Ocupação Pintor, iluminador
Obras destacadas Tríptico de Braque, São Lucas desenhando a Virgem, Retábulo de Miraflores, A Deposição da Cruz
Movimento estético Pintura flamenga (séculos XV e XVI)

Muito poucos detalhes da vida de van der Weyden são conhecidos.[3][4] Os poucos fatos que conhecemos vêm de registros cívicos fragmentados. No entanto, a atribuição de pinturas agora associadas a ele é amplamente aceita, em parte com base em evidências circunstanciais, mas principalmente na evidência estilística de uma série de pinturas de um mestre inovador.

Van der Weyden trabalhou a partir de modelos de vida e suas observações foram observadas de perto. No entanto, ele muitas vezes idealizava certos elementos dos traços faciais de seus modelos, que eram tipicamente esculturais, especialmente em seus trípticos. Todas as suas formas são representadas com cores ricas e quentes e uma expressão simpática, enquanto ele é conhecido por seu pathos expressivo e naturalismo. Seus retratos tendem a ter metade do comprimento e metade do perfil, e ele é tão simpático aqui quanto em seus trípticos religiosos. Van der Weyden usou uma gama incomumente ampla de cores e tons variados; em seus melhores trabalhos o mesmo tom não se repete em nenhuma outra área da tela, por isso até os brancos são variados.[5]

Influência editar

 
Deposição – Seguidor de Rogier van der Weyden

A sua pintura vigorosa, subtil e expressiva e as suas concepções religiosas populares tiveram uma influência considerável na pintura europeia, não só em França e na Alemanha,[6] mas também em Itália e em Espanha. Panofsky escreve como Rogier van der Weyden introduziu uma nova iconografia religiosa em sua pintura; ele retratou patronos participando de eventos sagrados e combinou meios-retratos de Nossa Senhora com retratos de pessoas em oração para formar dípticos. Ele também reformulou e popularizou o tema de São Jerônimo retirando o espinho da pata do leão.[7]

Hans Memling foi seu maior seguidor, embora não esteja comprovado que tenha estudado com Rogier. Van der Weyden teve também grande influência sobre o pintor e gravurador alemão Martin Schongauer, cujas gravuras foram distribuídas por toda a Europa a partir das últimas décadas do século XV. Indiretamente, as gravuras de Schongauer ajudaram a divulgar o estilo de van der Weyden. Delenda escreve que, com exceção de Petrus Christus, que foi discípulo de Jan van Eyck, vestígios da arte de Rogier van der Weyden podem ser encontrados em graus variados em todos os artistas do século XV.[8]

Ver também editar

Referências

  1. Campbell, 9
  2. Campbell, 7
  3. Campbell (1998), 392
  4. Kemperdick, Stephan, Jochen Sander, Bastian Eclercy, Maître de Flémalle, and Rogier van der Weyden. 2008. The Master of Flémalle and Rogier van der Weyden. Frankfurt am Main: Städel Museum. p. 67. ISBN 978-3-7757-2259-9.
  5. Campbell, 11
  6. Este artigo incorpora texto (em inglês) da Encyclopædia Britannica (11.ª edição), publicação em domínio público.
  7. Panofsky, Erwin (2007). Los primitivos flamencos. [S.l.: s.n.] 247 páginas 
  8. Delenda, Odile (1987). Rogier van der Weyden. [S.l.: s.n.] 18 páginas 

Bibliografia editar

  • Campbell, Lorne. Van der Weyden. London: Chaucer Press, 2004. ISBN 1-904449-24-7
  • Campbell, Lorne. The Fifteenth Century Netherlandish Schools. London: National Gallery Publications, 1998. ISBN 1-85709-171-X
  • Campbell, Lorne & Van der Stock, Jan. Rogier van der Weyden: 1400–1464. Master of Passions. Davidsfonds, Leuven, 2009. ISBN 978-90-8526-105-6
  • Châtelet, Albert Van der Weyden. Paris: Gallimard, 1999. ISBN 2-07-011613-1
  • Clark, Kenneth. Looking at Pictures. New York: Holt Rinehart and Winston, 1960
  • Davies, Martin. Rogier van der Weyden: An Essay with a Critical Catalogue of Paintings Assigned to him and to Robert Campin, London: Phaidon, 1972. ISBN 0-7148-1516-0
  • Delenda, Odile. Rogier van der Weyden. Cerf/Tricorne, 1987. ISBN 2-204-02537-2
  • De Vos, Dirk. Rogier van der Weyden: The Complete Works. Harry N Abrams, 2000. ISBN 0-8109-6390-6
  • De Vos, Dirk. The Flemish Primitives. Amsterdam University Press, 2002.
  • Dhanens, Elisabeth. Rogier van der Weyden. Revisie van de documenten. Brussels: Royal Academy of Belgium, 1995.
  • Dillenberger, Jane. Style and Content in Christian Art. 2nd Ed. New York: Crossroad Publishing Company, 1986.
  • Kemperdick, Stephan. Rogier van der Weyden. Könemann, 2000. ISBN 3-8290-2571-8
  • Liess, Reinhard. Zum Logos der Kunst Rogier van der Weydens. Die "Beweinungen Christi" in den Königlichen Museen in Brüssel und in der Nationalgalerie in London, 2 tomes. Munster-Hamburg-London: Lit, 2000. ISBN 3-8258-4158-8.
  • Mander, Karel van. Vidas de los pintores flamencos. Madrid: Casimiro, translation by Agustín Temes, 2012; original edition Schilder-Boeck, 1604. ISBN 978-84-15715-02-3
  • Marzio, Peter C. A Permanent Legacy: 150 works from the Collection of the Museum of Fine Arts, Houston. New York: Hudson Hills Press, 1989.
  • Panofsky, Erwin. Los primitivos flamencos [Early Netherlandish Painting]. Madrid: Cátedra, 2007. ISBN 84-376-1617-4
  • Porras, Stephanie. Art of the Northern Renaissance: Courts, Commerce and Devotion. London: Laurence King Publishing, 2018. ISBN 978-1-7862-7165-5
  • Silver, Larry. "Early Northern European Paintings". The St. Louis Art Museum Bulletin, Summer 1982. OCLC 716268497
  • Snyder, James. Northern Renaissance Art: Painting, Sculpture, The Graphic Arts from 1350 to 1575. 2nd ed. New Jersey: Prentice Hall Inc. and Pearson Education, 2005.

Ligações externas editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Rogier van der Weyden
  Mídia externa
Imagens
   
Vídeos
  van der Weyden's Crucifixion Triptych, Smarthistory