Abrir menu principal

Rolão

(Redirecionado de Rollo)
Rolão
Estátua de Rolão em Ruão por Arsene Letellier (jardins do Hôtel de Ville).
Duque da Normandia
Reinado 911 - 927
Antecessor(a) Novo título
Sucessor(a) Guilherme I da Normandia
 
Cônjuge Poppa de Bayeux
Gisela de França
Descendência Guilherme I da Normandia
Adela (Gerloc)
Casa Normanda
Nascimento 860
Morte 932
  Normandia
Enterro Catedral de Ruão, Normandia, França
Pai Ragnualdo I Eysteinsson
Mãe Ragnilda Hrólfsdóttir

Rolão,[1] Rolo[2] ou Rolfo (em nórdico antigo: Hrólfr; em norueguês: Rolf; em latim: Rollon; em latim: Rollo/Rolphus; 860-932), melhor conhecido com Rolão, o Caminhante e Rolão, o Andarilho (em nórdico antigo: Göngu-Hrólfr; em norueguês: Gange-Rolf; em sueco: Gångerolf)[3][4] e às vezes Rolão, filho de Ragnualdo (em nórdico antigo: Hrólfr Rögnvaldsson), foi um líder viquingue, fundador e primeiro governante do Ducado da Normandia no período de 911 a 927. Existem controvérsias entre os historiadores quanto à posição de Rolão no feudo da Normandia - se era a de um duque ou equivalente à de um conde carolíngio.[5] Era o tataravô de Guilherme, o Conquistador, o primeiro rei normando da Inglaterra.

Índice

NomeEditar

A denominação Rolão é a versão em latim do seu verdadeiro nome em nórdico antigo, Hrólfr,[6] cujo significado é "lobo famoso".[7] Nas fontes medievais islandesas, Rolão é referido como Göngu-Hrólfr ou Ganger-Hrolf, de tradução "Hrólfr, o Andarilho".[8] Teria recebido esse apelido por ser tão grande e nenhum cavalo conseguir carregá-lo, sendo forçado a andar a pé.[9] É também sugerido que esta alcunha deve-se ao fato de que ele não tinha residência fixa, ser sem terra. Em escandinavo antigo existe a expressão gongumadr onde o prefixo gongu significa errante e madr homem.[10] Em documentos normandos ducais, escritos em latim, o seu nome é encontrado também como Rollonem ou Rolphus.[11] Na crônica em verso Roman de Rou (Romance de Rou), escrita no século XII pelo poeta normando Wace e encomendada por um descendente de Rolão, o rei Henrique II de Inglaterra, foi usada a variante ortográfica Rou.[12][13] Esta designação influenciou o nome de regiões na Normandia tais como Roumare e Rouville (Seine-Maritime).[14] Segundo historiadores medievais, após converter-se a religião cristã Rolão adotou o nome Roberto devido ao seu padrinho de batismo ser Roberto I de França. [15]

Conquista da NormandiaEditar

A França, assim como outras regiões, sofria com constantes ataques dos povos viquingues que a saqueavam impondo-se pela força. Diferentemente de alguns outros viquingues, a verdadeira intenção de Rolão era encontrar um local para se fixar. Assim, diante da força invasora o Rei Francês Carlos, o Simples com a ajuda de Bernardo, o Dano[16][17] concordou em entregar uma ampla região costeira ao controle viquingue em troca da interrupção das invasões e saques. Esse acordo foi selado em 911, no Tratado de Saint-Clair-sur-Epte, que concedeu a Rolão a região em torno da cidade do Ruão, posteriormente denominada Normandia em referência à origem geográfica do povo que a ocupou.

Todos os Reis Franceses se ressentiam da "perda" da Normandia e a relação com os duques que a controlavam nunca foi totalmente pacífica, embora estes fossem vassalos daqueles.

Em 927, Rolão passou o feudo da Normandia para seu filho Guilherme Espada-Longa[18]. O seu tataraneto Guilherme da Normandia tornou-se rei de Inglaterra ao conquistá-la em 1066, fazendo de Rolão o ascendente indireto de todos os monarcas Ingleses da dinastia plantageneta.

Após alguns séculos, o Rei João sem Terra da Inglaterra, irmão de Ricardo Coração de Leão, que como seus ascendentes também era conde da Normandia acabou por perder o controle daquela região para Filipe III de França, filho de São Luís.

OrigensEditar

Existem divergências entre os historiadores sobre a origem do fundador da Normandia, pois as fontes medievais se contradizem quanto à sua nacionalidade e família. O cronista franco Riquero em sua obra Histórias (Histoires), composta entre 992 e 998, escreveu que Rolão era filho de Ketill.[19] [20] Esta filiação é aceita pelo historiador David Crouch[21], enquanto o biógrafo do Rolão, Pierre Bouet, afirma que Riquero confundiu a paternidade de Rolão com a de outro chefe viquingue, Bjorn, o qual era filho de Ketil Flatnef.[22]

No final do século X, o monge Dudo de Saint Quentin relatou na História dos Normandos (Historia Normannorum) que Rolão era oriundo da Dinamarca.[23] A obra foi encomendada pelo neto de Rolão, Ricardo I da Normandia, e o cronista teve acesso a informações através da esposa de Ricardo, Gunora [24] e, principalmente, o irmão do duque, Rodúlfo de Ivry.[25] Segundo Dudo, Rolão era filho de um nobre e tinha por irmão Gurim. Após a morte do pai, eles foram ameaçados de expulsão e confisco de propriedades pelo rei. Os irmãos deram início a uma revolta a qual desencadeou uma guerra que durou cinco anos. Ao ser derrotado numa emboscada, na qual Gurim morreu, Rolão foi forçado a exilar-se na ilha de Escanza com seus seguidores.[26]

O especialista em Escandinávia medieval Regis Boyer considerou esta origem como provável e classificou a Normandia como uma conquista dinamarquesa, uma vez que a arqueologia e toponímia indicam que os homens que integravam o exército do Rolão e ajudaram a colonizar o ducado eram, em sua maioria, da Dinamarca.[27] David Crouch afirma que quando a tradição histórica normanda foi escrita, o termo dinamarquês era muito abrangente em seu significado e uso. Os dinamarqueses exerciam supremacia sobre grande parte dos reinos nórdicos, sendo provável que os cronistas não faziam distinção entre aqueles, os suecos, e os noruegueses. [28]

Em 1090, o monge beneditino Godofredo Malaterra afirmou que Rolão saiu da Noruega com sua grande frota para pilhar os reinos cristãos.[29] No século XII, o historiador inglês Guilherme de Malmesbury declarou que Rolão pertencia a uma linhagem nobre e decadente norueguesa.[30] Na mesma época, o cronista Benoît de Sainte-Maure na Crônica dos Duques da Normandia (Chronique des ducs de Normandie) relatou que Rolão nasceu em Fasge. Este lugar tem sido interpretado como sendo Faxe, na ilha Zelândia (Dinamarca) ou Fauske, localizada no distrito de Hologalândia (Noruega).[31]As sagas islandesas Heimskringla e Orkneyinga, compostas no século XIII, foram as primeiras a se referir a ele como "o Andarilho". As mesmas fontes afirmam que Rolão nasceu em Møre, oeste da Noruega, no final do século IX e que seus pais eram o jarl Rognvald Eysteinsson e sua esposa Ragnilda Hrólfsdóttir. As sagas relatam que tinha três irmãos: Hallad, Einar e Hrollaug. Ele teria sido banido da Noruega pelo rei Haroldo I da Noruega após roubar gado e praticar saques no reino. [32][33] Outro manuscrito deste período, História da Noruega (Historia Norwegiæ) descreveu o papel importante de seu pai Rognualdo e familiares na colonização das ilhas Órcades, no norte da Escócia.[34]

O relato das sagas de que Rolão era norueguês é aceito pelos historiadores David Charles Douglas e Torgrim Titlestad. Eles argumentam que resta pouca dúvida quanto à ascendência norueguesa do líder normando, devido a abundância de detalhes sobre sua vida e família na literatura norueguesa e islandesa medieval, enquanto que nas fontes dinamarquesas do mesmo período, tais como as de Saxão Gramático, não existem quaisquer menções a ele.[35][36]David Crouch considera estas sagas como tradições históricas muito tardias e pouco confiáveis no tocante à eventos do século IX.[37] De acordo com a arqueóloga Marika Mägi, a autenticidade histórica das narrativas nórdico-islandesas é muito debatida. As informações contidas nas sagas devem ser tratadas com cautela, pois são registros de eventos transmitidos através de gerações pela tradição oral, mas provavelmente baseiam-se em fatos históricos. [38]

Na opinião de Pierre Bouet, a questão de suas origens do fundador da Normandia é complexa, dadas as realidades políticas, culturais e territoriais da Europa do norte no século IX. A Dinamarca, a Noruega e a Suécia ainda não eram diferenciadas enquanto unidades políticas, pois não havia ainda um governo centralizado nem fronteiras bem estabelecidas. Além disso, os povos escandinavos da época falavam a mesma língua e o nome nórdico de Rolão, Hrólfr, era bastante comum por toda a Escandinávia bem como nas colônias viquingues.[39]

Relações FamiliaresEditar

Casou-se com a nobre franca Poppa de Bayeux, filha de Berengário II da Nêustria, com quem teve Guilherme I da Normandia e Adela (nome nórdico: Gerloc ou Gerlaug) a qual casou com Guilherme III da Aquitânia "o Cabeça de Estopa".[40] De acordo com cronistas medievais, Rolão casou-se em 912, após a sua conversão ao cristianismo, com Gisela de França, filha de Carlos III de França "o Simples".[41] O casamento e a existência da princesa suscitam debates entre os historiadores. [42] A união não gerou filhos. [43]

Na cultura popularEditar

Referências

  1. Mattoso 1952, p. 55.
  2. GEPB 1950s, p. 288.
  3. Velasco, Manuel (2008) Breve Historia de los Vikingos, ISBN 84-9763-198-6 p. 180
  4. (em inglês) Généalogie de Rollon sur le site Medieval Lands
  5. Duques da Normandia (em inglês)
  6. Neveux, François & Ruelle,Claire. A brief history of the Normans: the conquests that changed the face of Europe. Robinson, 2008. p 58
  7. Bouet, Pierre. Rollon: Le chef viking qui fonda la Normandie.Tallandier. 2016.p 67
  8. Merrony, Mark. The Vikings Conquerors, Traders and Pirates. Periplus, 2004. p 46
  9. Ferguson, Robert. The Hammer and the Cross: A New History of the Vikings. Penguin UK, 2009. Capítulo 9.
  10. Boyer, Regis. Les Vikings. Plon,1992. p 205
  11. Bouet, Pierre. Rollon: Le chef viking qui fonda la Normandie. Tallandier. 2016. p 67
  12. Harper-Bill, Christopher & Vincent, Nicholas. Henry II: New Interpretations. Boydell Press, 2007. p 77.
  13. Burgess, Glyn Sheridan & Van Houts, Elisabeth M. C. Roman de Rou. Boydell Press: 2004. p 11 (Introdução)
  14. Bouet, Pierre. Rollon: Le chef viking qui fonda la Normandie.Tallandier. 2016.p 67
  15. Crouch, David. The Normans: The History of a Dynasty. A&C Black, 2006. p 8
  16. Dudo von Saint-Quentin, De gestis Normanniae ducum seu de moribus et actis primorum Normanniae ducum, J. Lair (Hg.), Mémoire de la Société des Antiquaires de Normandie, Band XXIII, 1865, S. 189–190. Die Liste der Begleiter Rollos ist umstritten, aber seine Erwähnung durch Dudo fügt Bernhards Erscheinen auf dieser Liste eine gewissen Glaubwürdigkeit zu.
  17. Wilhelm von Jumièges, ibid, S. 88. Flodoard von Reims stellt ihn hier als einen normannischen Anführer aus der Region von Bayeux dar
  18. Chamado Viljâlmr Langaspjôt nas sagas escandinavas.
  19. Bouet, Pierre. Rollon: Le chef viking qui fonda la Normandie.Tallandier. 2016.pp 68
  20. Crouch, David. The Normans: The History of a Dynasty. A&C Black, 2006. p 4
  21. Crouch, David. The Normans: The History of a Dynasty. A&C Black, 2006. p 5
  22. Bouet, Pierre. Rollon: Le chef viking qui fonda la Normandie.Tallandier. 2016.p 68
  23. Hagger, Mark S.Norman Rule in Normandy, 911-1144. Boydell & Brewer, 2017. p 45
  24. Van Houts, Elizabeth.The Normans in Europe. Manchester University Press, 2000. p 59
  25. Van Houts, Elizabeth. Scandinavian Influence in Norman Literature of the Eleventh Century. In: Anglo-Norman Studies VI: Proceedings of the Battle Conference 1983. Editado por Reginald Allen Brown. Boydell & Brewer, 1984. p 109
  26. Bouet, Pierre. Rollon: Le chef viking qui fonda la Normandie.Tallandier. 2016.pp 65-66
  27. Boyer, Regis. Les Vikings. Plon,1992. p 67; p 205
  28. Crouch, David. The Normans: The History of a Dynasty. A&C Black, 2006. p 257
  29. Van Houts, Elizabeth.The Normans in Europe. Manchester University Press, 2000. p 52
  30. Sønnesyn, Sigbjørn Olsen. William of Malmesbury and the Ethics of History. Boydell Press, 2012. p 113
  31. Melberg, Hȧkon. Origin of the Scandinavian Nations and Languages: An Introduction. Livro 1, Parte 1. Norway, 1951.pp 538-9; 590
  32. Douglas, David Charles. Time and the hour: some collected papers of David C. Douglas. Eyre Methuen, 1977. pp 121-125
  33. Bouet, Pierre. Rollon: Le chef viking qui fonda la Normandie.Tallandier. 2016. pp 68-72
  34. Bouet, Pierre. Rollon: Le chef viking qui fonda la Normandie.Tallandier. 2016. p 68
  35. Titlestad, Torgrim. Viking Legacy. Saga Bok AS, 2018. Capítulo III
  36. Douglas, David Charles. Time and the hour: some collected papers of David C. Douglas. Eyre Methuen, 1977. pp 124-125
  37. Crouch, David. The Normans: The History of a Dynasty. A&C Black, 2006. p 1
  38. Mägi, Marika. The Role of the Eastern Baltic in Viking Age Communication across the Baltic Sea. BRILL, 2018. p 142
  39. Bouet, Pierre. Rollon: Le chef viking qui fonda la Normandie.Tallandier. 2016. pp 63-67
  40. Crouch, David. The Normans: The History of a Dynasty. A&C Black, 2006. p 9
  41. Crouch, David. The Normans: The History of a Dynasty. A&C Black, 2006. p 25
  42. Bouet, Pierre.Rollon: Le chef viking qui fonda la Normandie.Paris: Tallandier. 2016. p 120
  43. Neveux, François & Ruelle,Claire. A brief history of the Normans: the conquests that changed the face of Europe. Robinson, 2008. p 90

BibliografiaEditar

  • Mattoso, António Gonçalves. História da civilização: Idade média, moderna e contemporânea. 5. ed. Lisboa: Livraria Sá da Costa 
  • Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira Vol. 36. Lisboa: Editorial Enciclopédia. 1950s 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rolão