Rossini Pinto

Rossini Pinto (Mimoso do Sul, 24 de janeiro de 1937Rio de Janeiro, 25 de junho de 1985) foi um cantor, compositor, jornalista e produtor musical brasileiro.[1]

Rossini Pinto
Informação geral
Nome completo Rossini Pinto
Nascimento 24 de janeiro de 1937
Local de nascimento Mimoso do Sul, ES
Morte 25 de junho de 1985 (48 anos)
Local de morte Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileiro
Ocupação(ões) Cantor e compositor
Progenitores Mãe: Iracema Pinto
Pai: Norberto Pinto
Período em atividade 1960—1983
Outras ocupações Produtor musical, jornalista e engenheiro agrônomo
Gravadora(s) Copacabana, CBS, Odeon
Afiliação(ões) Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Renato e Seus Blue Caps, The Fevers, Emilinha Borba, Wanderléa, Golden Boys, Diana

BiografiaEditar

Um dos mais importantes nomes da Jovem Guarda, ajudou a consagrar vários dos artistas do movimento, entre os quais Roberto Carlos e Erasmo Carlos, com composições próprias e versões em português do rock britânico e americano. É de sua autoria, por exemplo, a versão do sucesso de Pat Woodell, “Somehow It Got to Be Tomorrow Today” (1965), que em português se tornou "Ternura", interpretada, dentre outros, por Wanderléa, um dos ícones das "jovens tardes de domingo" na TV Record, balançadas pelo programa Jovem Guarda, por isso até hoje a musa do movimento é conhecida por seu apelido que vem da época: "Ternurinha". A canção foi regravada no álbum de 1977 de Roberto Carlos, alcançando novamente enorme sucesso, com produção e arranjos especiais do pianista, arranjador, compositor e produtor americano Jimmy Wisner, artista exclusivo da CBS (Columbia Broadcasting System), cujos fonogramas atualmente pertencem à Sony Music.[1]

Filho de Norberto Pinto e Iracema Pinto, e nascido em Ponte de Itabapoana (distrito de Mimoso do Sul), no Espírito Santo, mudou-se para o Rio de Janeiro em meados da década de 1950. Em 1955, aos 18 anos, trabalhava como repórter do diário esportivo Jornal dos Sports e do matutino Correio da Manhã. Começou sua carreira musical por acaso, em 1960, ao musicar o poema Convite de Amor, do então candidato a Presidente da República, Jânio Quadros. Desde então, passou a ser solicitado por gravadoras.[1]

Rossini acabou assinando contrato com a Copacabana Discos em 1961, lançando seu primeiro disco com as canções Rock Presidencial, de sua autoria, e Vamos Brincar de Amor?, de Vadico e Herberto Sales. Em 1967, assinou com a Odeon, onde iniciou uma bem-sucedida trajetória como produtor musical.[1]

Como intérprete, seus maiores sucessos foram Voa, Passarinho, Viu no que Deu? (ambas de sua autoria e de Fernando Costa), Ford de Bigode (Ivanildo Teixeira e Paulo Brunner), gravada com Renato e Seus Blue Caps e Carruagem, gravada pelo The Fevers em 1976. "Amor e Desprezo", também de sua autoria, gravada no disco As 14 Mais de 1963, é uma de suas músicas mais tocadas até hoje. Rossini Pinto tornou-se um autor requisitado no movimento da Jovem Guarda quando Roberto Carlos gravou algumas das suas composições, como "O leão está solto nas ruas" (em 1964), "Eu te adoro, meu amor" (LP "Jovem Guarda", de 1965), "Parei, olhei" ("RC Canta para a Juventude", também de 1965) e "Só vou gostar de quem gosta de mim", em "RC em Ritmo de Aventura" (1967).[1]

Vários artistas que gravaram suas composições, entre eles Emilinha Borba ("Me leva pro céu", em 1962), Wanderléa ("Sem amor ninguém vive", em 1964), Golden Boys ("Se eu fosse você", em 1966) e Diana ("Por que Brigamos"). Dentre as suas canções de maior sucesso, destacam-se Erva Venenosa (versão da canção 'Poison Ivy"), gravada pelo Golden Boys em 1965 e regravada pelo grupo Herva Doce em 1982 e por Rita Lee em 2000, sendo inclusive tema de várias telenovelas globais e de programas de televisão. Fora do cenário musical, trabalhou ainda como engenheiro agrônomo.[1]

Rossini Pinto, que durante sua carreira gravou 17 discos (8 LP's, 8 compactos simples e 1 compacto duplo), morreu em consequência de insuficiência renal aguda[2] aos 48 anos. Foi sepultado no Cemitério Parque Jardim da Saudade, no Rio de Janeiro, porém seus restos mortais foram retirados por falta de pagamento na taxa de manutenção.[1]

DiscografiaEditar

  • 1961 — Rock Presidencial/Vamos Brincar de amor, 78 rotações (Copacabana)
  • 1962 — Voa, Passarinho/Viu no que foi que deu?, 78 rotações (CBS)
  • 1962 — Maninha, Maninha/Dançando o Twist, 78 rotações (CBS)
  • 1963 — Shalalá-Por Causa de Você/Amor e Desprezo, 78 rotações (CBS)
  • 1964 — Rossini Pinto (com o grupo Renato e Seus Blue Caps), LP (CBS)
  • 1964 — Rossini Pinto, LP (CBS)
  • 1965 — Rossini Pinto (com o grupo Renato e Seus Blue Caps), LP (CBS)
  • 1966 — Rossini Pinto, compacto (Odeon)
  • 1966 — Rossini Pinto, compacto (CBS)
  • 1967 — Rossini Pinto, compacto (Odeon)
  • 1967 — Montanha do Amor, LP (Odeon)
  • 1968 — Rossini Pinto, compacto (Odeon)
  • 1969 — Rossini Pinto, compacto (CBS)
  • 1969 — Rossini Pinto, compacto (Odeon)
  • 1969 — Por Onde Anda Ela/Ou Crê nos Amigos ou Crê em Mim/Amor de Verdade/Onde você Estiver - compacto duplo (Odeon)
  • 1970 — Rossini Pinto, compacto (CBS)
  • 1971 — Rossini Pinto, compacto (CBS)

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b c d e f g «Rossini Pinto». Dicionário Cravo Albin. Consultado em 31 de julho de 2022 
  2. Veja, edição 878, de 3 de julho de 1985
  Este artigo sobre um cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.