Rita Lee

cantora e compositora brasileira (1947–2023)

Rita Lee Jones de Carvalho OMCORB (São Paulo, 31 de dezembro de 1947[3][4] – São Paulo, 8 de maio de 2023)[5][6] foi uma cantora, compositora, multi-instrumentista, apresentadora, atriz, escritora e ativista brasileira. Conhecida como a "Rainha do rock brasileiro",[7][8] ultrapassou a marca de 55 milhões de discos vendidos, sendo assim a artista feminina mais bem-sucedida em vendas no Brasil e a quarta no geral, atrás de Tonico & Tinoco, Roberto Carlos e Nelson Gonçalves.[9] Construiu uma carreira que começou com o rock, mas que ao longo dos anos flertou com diversos gêneros, como a psicodelia, durante a era do tropicalismo, o pop rock, disco, new wave, o pop, bossa nova e eletrônica, criando um hibridismo pioneiro entre gêneros internacionais e nacionais.[10]

Rita Lee
Rita Lee
Rita Lee em 2010.
Nome completo Rita Lee Jones de Carvalho
Pseudônimo(s) Rainha do rock brasileiro
Nascimento 31 de dezembro de 1947
Vila Mariana, São Paulo, SP
Morte 8 de maio de 2023 (75 anos)
São Paulo, SP
Causa da morte complicações de câncer de pulmão
Nacionalidade brasileira
Cônjuge Arnaldo Baptista (c. 1968; div. 1977)
Roberto de Carvalho (c. 1996; m. 2023)
Filho(a)(s)
Ocupação
Carreira musical
Período musical 1963–2023[nota 1]
Gênero(s)
Instrumento(s)
Gravadora(s)
Afiliações
Assinatura
Página oficial
ritalee.com.br

Rita foi considerada uma das musicistas mais influentes do Brasil, sendo referência para aqueles que vieram a usar guitarra a partir de meados dos anos 1970.[11] Ex-integrante do grupo Os Mutantes (1966–1972) e do Tutti Frutti (1973–1978), participou de importantes revoluções no mundo da música e da sociedade. Suas canções, em geral regadas com uma ironia ácida ou com uma reivindicação da independência feminina,[12] tornaram-se onipresentes nas paradas de sucesso, entre as mais populares estão "Ovelha Negra", "Mania de Você", "Lança Perfume", "Agora Só Falta Você", "Baila Comigo", "Banho de Espuma", "Desculpe o Auê", "Erva Venenosa", "Amor e Sexo", "Flagra" e "Doce Vampiro". O álbum Fruto Proibido (1975), lançado com a banda Tutti Frutti, é comumente visto como um marco fundamental na história do rock brasileiro, considerado por alguns como sua obra-prima.[13]

Em 1976 iniciou um relacionamento amoroso com o multi-instrumentista e compositor Roberto de Carvalho, que foi o parceiro da maioria das composições de Rita. Tiveram três filhos, entre eles o guitarrista Beto Lee, que acompanhava os pais nos shows. Rita era vegana e defensora dos direitos dos animais. Com uma carreira de sessenta anos, a artista passou da inovação e do gueto musical dos anos 1960 e 1970, para as baladas românticas de muito sucesso nos anos 1980 e uma revolução musical,[14] apresentando-se com inúmeros artistas, entre eles Elis Regina, João Gilberto e a banda Titãs. Em outubro de 2008, a revista Rolling Stone promoveu a lista dos cem maiores artistas da música brasileira, onde ela ocupa o 15° lugar.[15] Em 2023, Rita, que havia sido diagnosticada com câncer de pulmão dois anos antes, morreu aos 75 anos, em 8 de maio.[16]

Infância e início na música editar

 
Rita ainda criança, em foto familiar.

Nascida na véspera de Ano-Novo, em uma família de classe média paulistana, Rita é a filha mais nova do dentista Charles Fenley Jones (1904–1983), paulista descendente de imigrantes norte-americanos confederados do Alabama e do Tennessee estabelecidos em Santa Bárbara d'Oeste,[17] e de Romilda Padula, apelidada Chesa (1904–1986), também paulista, filha de imigrantes italianos da região do Molise, no sul da Itália.[18] Seus pais tinham outras duas filhas: Mary Lee Jones e Virgínia Lee Jones. Lee é um nome composto com que o pai quis registrar todas as filhas, em homenagem ao general Robert E. Lee, do exército confederado norte-americano.[19] Originalmente, seu primeiro nome era planejado para ser Bárbara, em homenagem à santa, mas na hora do batizado resolveram homenagear a avó materna, que se chamava Clorinda, mas tinha o apelido de Rita.[20]

Ela nasceu e cresceu no bairro da Vila Mariana, onde viveu até o nascimento de seu primeiro filho. Em entrevistas, revelou que esse bairro lhe era especial, já que lá tem uma grande parte de todas as melhores lembranças de sua vida.[21] A artista foi educada no colégio franco-brasileiro Liceu Pasteur; era poliglota e falava fluentemente português, inglês, francês, castelhano e italiano. Chegou a ingressar no curso de Comunicação Social na Universidade de São Paulo, em 1968, na mesma turma da atriz Regina Duarte.[22] Assim como Regina, abandonou o curso no ano seguinte.[23]

Durante a infância teve aulas de piano com a musicista clássica Magdalena Tagliaferro. Não pensava em ser cantora de rock, mas em ser atriz de cinema, veterinária ou a profissão que seu pai queria, dentista.[24] Suas primeiras influências musicais foram Elvis Presley, Neil Sedaka, Paul Anka, Peter, Paul and Mary, Beatles, Rolling Stones, mas também escutava música brasileira como Cauby Peixoto, Angela Maria, Tito Madi, João Gilberto, Emilinha Borba, Carmen Miranda, Dalva de Oliveira e Maysa por influência dos pais.[25]

Na adolescência passou a se interessar por música e compôs suas primeiras canções. Junto de alguns amigos começou a se apresentar em clubes da região como componente do "Tulio's Trio".[26] Em 1963 formou um conjunto musical com mais duas garotas, as Teenage Singers, que faziam pequenos shows em festas colegiais. No ano seguinte elas conheceram o trio masculino Wooden Faces. Nesse mesmo ano, fez sua primeira gravação nos vocais para um álbum de Prini Lorez.[27] Teenage Singers e Wooden Faces juntaram-se, formando o Six Sided Rockers, banda que depois passou a se chamar "Os Seis" e que chegou a gravar um disco compacto, com duas músicas.[25]

Depois da saída de três componentes, sobraram Rita e os irmãos Arnaldo e Sérgio Dias Baptista. O trio passou a se chamar Os Bruxos. Entretanto, o trio não estava satisfeito com esse nome e queriam mudá-lo, antes da apresentação do grupo, na estreia do programa O Pequeno Mundo de Ronnie Von, da TV Record (1966). Segundo Carlos Calado,[28] a ideia do nome "Os Mutantes" veio de uma brincadeira irônica de Alberto Helena Júnior, produtor do programa, com Ronnie Von, que, na época, estava lendo O Império dos Mutantes, de Stefan Wul e não falava de outro assunto. "Vocês ainda estão procurando um nome para o conjunto dos meninos? Por que não Os Mutantes?" Ronnie Von gostou da ideia de Alberto Helena e levou-a ao grupo, que a aprovou imediatamente.[29]

Biografia e carreira editar

Os Mutantes e primeiros álbuns solo (1966–72) editar

 Ver artigo principal: Os Mutantes
 
Os Mutantes em 1969; da esquerda para a direita: Arnaldo Baptista, Rita Lee e Sérgio Dias.
 
Os Mutantes em 1971.

Por um período de seis anos, Rita foi, com Arnaldo Baptista e Sérgio Dias, integrante da banda Os Mutantes, cantando, tocando flauta e percussão, além de performances bissextas no sintetizador, no banjo e manipulando bizarrices como um gravador portátil (como na música "Caminhante Noturno"), uma bomba de dedetização (em "Le Premier Bonheur du Jour") e sendo letrista. Em 1967, a banda acompanhou Gilberto Gil no III Festival de Música Popular Brasileira, da TV Record, na apresentação da canção "Domingo no Parque".

Foram gravados seis álbuns, tendo o primeiro, de 1968, como uns dos mais importantes da história da música brasileira e que deram origem a hits como "A Minha Menina", "Dom Quixote", "Balada do Louco", "2001 (Dois Mil e Um)" e "Ando Meio Desligado". De 1968 e 1972 foi casada com o companheiro de banda, Arnaldo. O divórcio foi assinado somente em 1977.[30]

Acompanhada dos componentes dos Mutantes, gravou dois discos solo. O primeiro foi Build Up (1970) — contendo algumas canções em parceria com Arnaldo — que, originalmente, era o repertório de um show feito exclusivamente para um evento empresarial (a Fenit), em São Paulo). Desse disco saiu seu primeiro single solo, "José" (uma versão de Nara Leão para a canção francesa "Joseph", de Georges Moustaki). O segundo disco, Hoje é o Primeiro Dia do Resto da Sua Vida (1972), foi gravado com o seu nome, pois a banda já havia lançado um álbum naquele ano e, nos termos do contrato com a gravadora, não lhe era permitido outro lançamento. Com isso, Os Mutantes gravaram, mas só Rita aparece nos créditos.[30]

Em decorrência do fim de seu casamento e de discordâncias com os rumos que a banda estava tomando, a cantora foi expulsa dos Mutantes pelo próprio Arnaldo. Dentre distintas histórias e controvérsias, ela alega que seus companheiros achavam que ela não tinha o virtuosismo requerido pelo rock progressivo, novo interesse da banda. A informação de Rita acabou por se gerar uma grande discussão. Alguns diziam que ela teria saído do grupo. Entretanto, em 2007, Arnaldo admitiu, em entrevista: "Mandei a Rita embora dos Mutantes".[31] No livro Rita Lee: uma autobiografia, de 2016, ela contou em detalhes como se deu a notícia de sua saída:[32]

"Minha saída do grupo aconteceu bem nos moldes de 'o noivo é o último a saber', no caso, a noiva. Depois de passar o dia fora, chego ao ensaio e me deparo com um clima tenso/denso. Era um tal de um desviar a cara pra lá, o outro olhar para o teto, firular instrumento e coisa e tal. Até que Arnaldo quebra o gelo, toma a palavra e me comunica, não nessas palavras, mas o sentido era o mesmo, que naquele velório o defunto era eu. 'A gente resolveu que a partir de agora você está fora dos Mutantes porque nós resolvemos seguir na linha progressiva-virtuose e você não tem calibre como instrumentista.' Uma escarrada na cara seria menos humilhante. Em vez de me atirar de joelhos chorando e pedindo perdão por ter nascido mulher, fiz a silenciosa elegante. Me retirei da sala em clima dramático, fiz a mala, peguei Danny (a cachorra) e adiós."

Tutti Frutti e consagração nacional (1973–78) editar

 Ver artigo principal: Tutti Frutti (banda)
 
Rita Lee em 1971.

Formou com a amiga Lúcia Turnbull uma dupla no estilo folk rock, Cilibrinas do Éden,[33][34] cuja única gravação, ao vivo, no festival Phono 73, foi lançada mais de 35 anos depois. Rita e Lúcia desistiram da dupla e formaram a banda Tutti Frutti, com Luis Sérgio Carlini e Lee Marcucci. Rita, além de cantar, tocou piano, sintetizador, gaita e violão. Um contrato com a gravadora Philips foi assinado, mas essa exigiu que o grupo assinasse como "Rita Lee & Tutti-Frutti". O que seria o primeiro disco do grupo não foi lançado pela gravadora por problemas com a censura e com os executivos, que o consideraram "alternativo demais".[35]

Eles voltam ao estúdio e Atrás do Porto Tem uma Cidade foi gravado e lançado em 1974.[30] O disco, lançado em junho, foi muito influenciado pelo blues rock dos Rolling Stones e pelo glam rock de David Bowie, e teve como sucesso os singles “Mamãe Natureza”, primeira composição de Rita pós-Mutantes, “Pé de Meia” e “Menino Bonito”.[36] Porém, como o resultado final do álbum acabou não agradando a gravadora, foram convocados os bateristas Paulinho Braga e Ivan Conti para fazer novas bases. Além disso, sem o conhecimento da banda, foi contratado o produtor Marco Mazzola, que alterou demasiadamente os arranjos do disco, em especial da música “Menino Bonito”, o que acabou gerando vários descontentamentos.

Insatisfeita com as interferências excessivas e sentindo-se desprezada pela Phonogram, que concentrava seus esforços no lançamento do primeiro disco solo de João Ricardo, Rita decide sair da gravadora. Em janeiro de 1975, a banda se apresentou no primeiro dia do festival Hollywood Rock; o show marcaria a despedida de Lúcia Turnbull.[37] Em junho de 1975 foi lançado aquele que é considerado a obra-prima de Rita, o álbum Fruto Proibido, pela Som Livre. O disco, que contém os sucessos "Agora Só Falta Você", "Esse Tal de Roque Enrow" e "Ovelha Negra", tornou-se um clássico do rock brasileiro, vendendo mais de 200 mil cópias na época e dando a Rita o título de "Rainha do rock brasileiro".[38]

Com as principais faixas do disco tocando nas rádios, a banda saiu em turnê pelas principais capitais do Brasil, de norte a sul, algo inédito para os padrões do rock nacional de então.[39] A turnê acabou no Festival de Saquarema de 1976, quando a banda tocou no último dia como atração principal.[40]

O terceiro disco, Entradas e Bandeiras, foi lançado em 1976, com os singles "Coisas da Vida", "Corista de Rock" e "Com a Boca no Mundo". O disco também contava com a faixa "Bruxa Amarela", que foi composta por Raul Seixas e Paulo Coelho. Devido a uma crise de estresse, Rita ficou afastada do processo de mixagem deste disco, fato que ocasionou um som mais pesado, com a nítida predominância da guitarra de Carlini. No mesmo ano, conheceu o músico carioca Roberto de Carvalho, iniciando uma relação amorosa que posteriormente se tornaria uma parceria profissional.[41]

 
Rita Lee em 1972.

Em agosto de 1976, durante sua primeira gravidez e morando com Roberto, foi presa por porte e uso de maconha.[42] Na verdade, tal episódio, considerado um dos mais truculentos da ditadura militar, foi um ato do regime com a finalidade de servir de exemplo à juventude da época, já que a cantora alegou que tinha deixado de usar drogas por causa da gravidez e que o que foi encontrado na época seriam restos usados por amigos e frequentadores da casa.[43] Mesmo assim, ela foi condenada e ficou um ano em prisão domiciliar, precisando de permissões especiais do juiz para sair de casa e fazer shows.

Abalada e sem dinheiro, lançou em março de 1977 a polêmica "Arrombou a Festa" — música composta em parceria com Paulo Coelho que criticava o cenário da MPB na época — cujo compacto vendeu mais de 250 mil cópias.[44] Em março de 1977 nasce Beto Lee, primeiro filho da artista, seguido por João, em 1979, e Antônio, em 1981.[45] Após ficar livre da prisão domiciliar, Rita saiu em turnê com Gilberto Gil no show denominado Refestança, que passou por oito capitais brasileiras entre outubro e novembro de 1977.[46] O show foi registrado em disco, lançado pela Som Livre.[46] No entanto, segundo a própria cantora, o álbum resgatou apenas 30% da atmosfera da apresentação.

Em 1978, a banda lançou o disco Babilônia, que produziu os singles bem-sucedidos "Jardins da Babilônia", "Agora é Moda" e "Eu e Meu Gato". Outro destaque foi a futurista "Miss Brasil 2000". Apesar de já conter influências da música disco e do pop, fruto da participação de Roberto de Carvalho, Babilônia tem sido considerado por muitos como o último disco verdadeiramente de rock de Rita.

Depois do lançamento deste, a banda se desfez. Carlini, insatisfeito com sua posição secundária, resolveu deixar o grupo e levar consigo o nome Tutti Frutti, que havia sido registrado por ele. Assim, Rita reformulou a banda e colocou na estrada o show Rita Lee & Cães e Gatos, nome dado devido às brigas internas durante os ensaios. Essa apresentação deu origem a um dos primeiros álbuns piratas do Brasil, hoje, artigo de colecionador.[30]

Início da parceria com Roberto de Carvalho (1979–90) editar

 
Letra da música "Papai Me Empresta o Carro", de 1979, vetada pela Censura Federal.

Em 1977, Rita já havia manifestado desgosto pelos radicais do rock e da MPB, dizendo que não se considerava uma roqueira radical.[44] A partir de 1979, ela e Roberto começaram a fazer discos e shows juntos — num formato "dupla dinâmica" — e inauguram uma fase superpop, de enorme empatia popular.[47] Aconteceram então espetáculos e diversos especiais para a TV Globo. O primeiro trabalho em disco da dupla foi o álbum Rita Lee, de 1979, com os sucessos "Mania de Você", "Chega Mais" e "Doce Vampiro".[48] O álbum se tornou um divisor de águas na carreira da artista, trazendo uma notável mudança de sonoridade, saindo do rock para uma linguagem pop e vendendo na época 500 mil cópias.[41][49]

Quando muito se especulava se Rita conseguiria repetir o sucesso alcançado no disco anterior, é lançado em 1980 o álbum Rita Lee, mais conhecido pelo seu hit "Lança Perfume". Do repertório, também fazem parte canções como "Baila Comigo", "Nem Luxo, Nem Lixo", "Ôrra Meu", "Shangrilá" e "Bem-Me-Quer". O disco foi um enorme sucesso, vendendo 750 mil cópias no Brasil e 200 mil cópias na Argentina, e aparecendo em paradas de sucesso da França e dos Estados Unidos, como a Billboard.[50] O então príncipe Charles da Inglaterra passa-se por excêntrico ao dizer que sua cantora favorita seria Rita Lee.[51]

Em 1981, gravam o álbum Saúde, com a faixa-título, "Atlântida", "Banho de Espuma", e "Mutante",[30] disco que já saiu com 400 mil cópias antecipadas vendidas.[50] Participou do especial Mulher 80 (TV Globo, 1979). O programa, dirigido por Daniel Filho, exibiu uma série de entrevistas e musicais cujo tema era a mulher e a discussão do papel feminino na sociedade de então, abordando esta temática no contexto da música nacional.[30]

Em 1982 lançou Rita Lee e Roberto de Carvalho, com "Flagra", "Só de Você", "Vote em Mim", "Barata Tonta" e "Cor de Rosa Choque".[30] Bombom (1983) teve os hits "Desculpe o Auê" e "On the Rocks" e ainda como temas de novela "Raio X" e "Bobos da Corte". Rita e Roberto (1985) trouxe "Vírus do Amor", "Yê Yê Yê", "Noviças do Vício" e "Vítima".[30] Neste mesmo ano, apresenta-se na primeira edição do Rock in Rio, que marcou sua volta aos palcos após dois anos.[52] Ainda em 1985, Rita participou como uma das juradas do Festival dos Festivais, em que foi júri ao lado de personalidades como Marcelo Tas e Malu Mader.[53]

Flerte Fatal chega em 1987 com "Bwana", "Xuxuzinho", "Brazix Muamba" e "Pega Rapaz".[30] O álbum precedeu uma turnê onde Rita se despediu de shows em grandes ginásios, percorreu todo o país, finalizando com apresentações na Europa e Estados Unidos, em 1988. Zona Zen veio no mesmo ano, com "Livre Outra Vez", "Independência e Vida", "Zona Zen" e "Nunca Fui Santa". Ela ainda passou por intervenções cirúrgicas na época: uma devido a calos nas cordas vocais e outra na face, devido a um acidente de carro.[54]

Em 1990 lançou o álbum Rita Lee e Roberto de Carvalho, que teve entre suas faixas a música "Perto do Fogo" (composição de Rita e Cazuza) e também La Miranda — uma ode à Carmen Miranda, que foi tema de abertura da telenovela Lua Cheia de Amor — e "Esfinge".[54]

Carreira solo e retorno de Roberto (1991–03) editar

Em 1991, Rita separou-se profissionalmente de Roberto, iniciando a bem-sucedida turnê voz e violão Bossa 'n' Roll. No mesmo ano, estreou o TVleezão, seu programa na MTV Brasil.[55] Em seguida, lança o disco Rita Lee em 1993, dedicado a um rock'n'roll mais purista. O casal só viria a dividir o palco novamente em 1995, durante a turnê do álbum A Marca da Zorra.[30]

Ainda em 1995, a música "Vítima" foi tema de abertura da novela A Próxima Vítima. Em dezembro de 1996, Rita realizou seu casamento civil com Roberto de Carvalho, passando a assinar Rita Lee Jones de Carvalho. Em 1997, lança o álbum Santa Rita de Sampa, com "Dona Doida", que foi tema de abertura da novela Zazá. O álbum possui ainda "Homem Vinho", uma homenagem para Caetano Veloso. Em 1998, lança seu Acústico MTV, com a participação de Cássia Eller em "Luz del Fuego", Paula Toller na canção "Desculpe o Auê", Titãs em "Papai, Me Empresta o Carro" e Milton Nascimento em "Mania de Você".[30]

 
Rita Lee no Vivo Rio, em 2009.

Em 2000, lança o álbum 3001, que teve faixas escritas com Tom Zé e Itamar Assumpção, além dos sucessos "Erva Venenosa", "Pagu", "O Amor em Pedaços" e sua faixa-título (uma continuação da canção "2001", dos Mutantes). A turnê internacional que durou de 2000 a 2001 ganhou um especial de fim de ano na Rede Bandeirantes, contando com as participações de Caetano Veloso, Zélia Duncan, Paula Toller e Pato Fu.[56][57]

Logo após, Rita grava um CD com releituras de clássicos dos Beatles. O álbum é lançado como Aqui, Ali, Em Qualquer Lugar no exterior, Bossa'n Beatles — misturando bossa nova, rock e inspirações no forró. A roqueira então inicia a turnê internacional Yê Yê Yê de Bamba que durou de 2001 a 2002, percorrendo Brasil, Estados Unidos e alguns países da América Latina, como a capital argentina Buenos Aires, onde fez apresentações como na casa de shows Luna Park, no que foi considerada a consagração de sua carreira na Argentina.

Em 2001 e 2002, lança dois álbuns de compilação, Para Sempre e Novelas, sendo este último somente faixas suas que ficaram famosas como aberturas de telenovelas.[58] Ainda em 2002, torna-se parte do elenco principal do programa da GNT Saia Justa, ao lado de Fernanda Young e Marisa Orth. Em 2003, lança o álbum Balacobaco, com a famosa faixa "Amor e Sexo".[30]

Reza e aposentadoria (2010–14) editar

Em 2010, iniciou sua nova turnê, que estreou em Belo Horizonte, na qual cantou sucessos que estavam fora de seu repertório. O show percorreu várias cidades do Brasil como São Paulo, Porto Alegre e Rio de Janeiro, além de ter passado por Buenos Aires, com apresentação no teatro Gran Rex. Em 2012, Rita anuncia sua aposentadoria dos palcos em seu show de estreia no Circo Voador no Rio de Janeiro, devido à sua fragilidade física: "Me aposento dos shows, mas da música nunca", explicou a cantora no seu Twitter.[59]

 
Rita Lee em 2011.

Em janeiro de 2012, durante o que seria a última apresentação, no Projeto Verão em Sergipe, Rita expressou sua indignação com a ação da polícia militar, que agiu de modo agressivo com seu público.[60] Acusada de desacato à autoridade, a cantora foi encaminhada a uma delegacia após o show para prestar depoimento, porém liberada em seguida.[61][62] A cantora alegou ter falado pelo "calor das emoções", e por ter achado a ação dos policiais "truculenta e desnecessária".[63]

No Carnaval de 2012, desfilou pela escola de samba paulista Águia de Ouro, cujo tema foi a Tropicália. Desfilaram também outros cantores do movimento, como Caetano Veloso e Gilberto Gil, além de cantores como Wanderléa, Cauby Peixoto e Angela Maria. Rita homenageou a atriz Leila Diniz no desfile.[30]

Após alguns anos sem gravar músicas inéditas, tendo seu último álbum sido Balacobaco, em 2003, Rita anuncia o lançamento de seu então novo álbum, Reza. Em fevereiro de 2012, lançou o primeiro single promocional do álbum. Pouco tempo depois a canção ultrapassou o sucesso "Ai, Se Eu Te Pego", de Michel Teló, no número de downloads do iTunes Brasil.[64] No mês seguinte, a música entrou para a trilha sonora da telenovela Avenida Brasil, da TV Globo.[65]

Em novembro de 2012, fez um show que marcou sua volta aos palcos, com apresentação no Green Move Festival, no qual também se apresentaram as bandas Titãs e Jota Quest. Na apresentação, a cantora causou nova polêmica ao abaixar a calça e virar-se para o público.[66] Em janeiro de 2013, participou do show que fez parte da comemoração dos 459 anos da cidade de São Paulo, no Vale do Anhangabaú. "Daqui eu não saio", disse Rita, sobre a cidade em que nasceu.[67]

Em abril de 2013, concedeu uma rara e franca entrevista à revista Marie Claire, em que disse que o grande tabu da mulher atual é o envelhecimento. "Para envelhecer com dignidade, a mulher tem de ter desapego. É muito complexo!".[68] Em março de 2014 decidiu deixar de pintar os icônicos cabelos vermelhos e assumir os fios grisalhos. "Quero ficar anônima", disse ela.[69]

Outros projetos (2014–23) editar

Em 2014, foi homenageada com o musical de teatro Rita Lee Mora ao Lado, baseado no livro homônimo de Henrique Bartsch e estrelando Mel Lisboa.[70][71] Rita assistiu ao musical e elogiou a performance de Mel, que caiu no choro ao ver a cantora na plateia.[72] A atriz ainda ganhou o Prêmio Quem, na categoria "Melhor Atriz de Teatro". Emocionada, ela fez o discurso chorando ao assistir a um vídeo de Rita durante a premiação, a parabenizando pela conquista.[73]

Em 2015, chegou às lojas uma caixa com vinte álbuns de sua discografia e um CD com raridades.[74] Em 2016, foi lançada sua autobiografia Rita Lee: uma autobiografia, pela Globo Livros.[75] O lançamento foi em São Paulo.[76] Rita concedeu uma entrevista sobre o livro e sobre sua vida mais reclusa: "O maior luxo da vida é dar amor aos bichos e ter uma horta”.[77] Além de tornar-se um dos títulos mais vendidos do país, o livro colecionou críticas elogiosas. A artista foi agraciada pela APCA como melhor autora de 2016 e também pelo Grande Prêmio da Critica, por seus serviços prestados à música.[78]

Em 2021, foi lançada "Change", canção com parceria de Roberto de Carvalho e Gui Boratto, sua primeira música inédita em oito anos. A faixa integrou a trilha sonora da telenovela Um Lugar ao Sol.[79] Em 2022, na 23ª edição do Grammy Latino, Rita foi laureada com um Lifetime Achievement Award, que homenageia "artistas que fizeram contribuições significativas à indústria fonográfica". A cerimônia, ocorrida no mês de novembro, contou com a participação de nomes como Luísa Sonza, Giulia Be, Paula Lima e Manu Gavassi.[80]

Em 2023, a artista anunciou o lançamento do livro Rita Lee: outra autobiografia, também pela Globo Livros. No livro, ela narra detalhes de seu tratamento contra um câncer de pulmão, diagnosticado em 2021.[81]

Vida pessoal editar

Família editar

 
Beto Lee, primeiro filho de Rita Lee, em 2009.

Em 1976, começou um relacionamento amoroso com o multi-instrumentista e compositor Roberto de Carvalho, que até o fim da carreira de Rita foi o parceiro da maioria de suas canções. Tiveram três filhos. Beto Lee, primeiro filho da artista, nascido em 1977, seguido por João em 1979, e Antônio em 1981.[45] Rita era vegana e defensora dos direitos dos animais.[82]

Saúde editar

Em 1996, sofreu uma queda da varanda no segundo andar de seu sítio, esfacelando o côndilo maxilar, o que levou a uma cirurgia para colocação de pinos de titânio.[83][84] Depois da cirurgia bem-sucedida e diante da possibilidade de retomar sua carreira, Rita ter-se-ia comprometido a largar as drogas e as bebidas alcoólicas, o que, segundo uma declaração da cantora ao programa Fantástico, da TV Globo, só o fez totalmente em janeiro de 2006, depois de procurar ajuda numa clínica de reabilitação, a qual ela chama de "hospício", conseguindo frequentar palestras e fazer tratamento, obtendo êxito.[85] Em maio de 2012, Rita declarou sofrer de transtorno bipolar.[86]

Morte editar

Em maio de 2021, quando tinha 73 anos de idade, realizou um exame de saúde de rotina e foi diagnosticada com um tumor primário no pulmão esquerdo.[87][88] Os médicos que a diagnosticaram previram uma sobrevida de três a quatro meses.[88][89] Ao longo do tratamento, o câncer entrou em processo de metástase e a cantora teve de iniciar uma quimioterapia.[90] Em abril de 2022, novos exames indicaram a ausência de um dos tumores, apelidado por ela de "Jair", em referência ao então presidente Jair Bolsonaro.[16][91][92] Ainda assim, a doença continuou a se espalhar pelos órgãos de Rita.[90]

Em fevereiro de 2023, Rita foi internada no hospital Albert Einstein, em São Paulo, em estado "extremamente delicado".[93] Algumas horas após a informação ser divulgada, o marido da cantora, Roberto, disse em suas redes sociais que a internação seria "para exames e avaliações" e pediu privacidade.[94] Rita obteve alta no mês seguinte.[95] Desde então, ela entrou em cuidados paliativos, sendo acompanhada por duas enfermeiras.[96] Nesse ponto, havia perdido a capacidade de andar, estando instalada em um quarto de hospital.[89][97]

Em 8 de maio de 2023, seu estado de saúde piorou novamente e ela morreu cercada de sua família, em seu apartamento em São Paulo.[98] Sua família anunciou que seu velório ocorreria no Planetário do Ibirapuera em 10 de maio, sendo aberto ao público.[99][100][101] O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, decretou luto oficial de três dias em pesar pelo seu falecimento. "Uma artista a frente do seu tempo. Julgava inapropriado o título de rainha do rock, mas o apelido faz jus a sua trajetória", afirmou em nota.[102]

Outros trabalhos editar

Rádio editar

Após o rompimento de seu contrato com a Som Livre, em 1986, Rita dedicou-se — com a parceria do amigo escritor Antonio Bivar — a um programa de rádio chamado Rádioamador, na 89 FM A Rádio Rock, que escreveu e apresentou adotando o nome Lita Ree e interpretando vários personagens.[103]

Literatura editar

Entre 1986 a 1992 escreveu quatro livros infantis, tendo como protagonista o rato cientista Dr. Alex.[104][105] Em 2013 publicou o livro Storynhas, ilustrado por Laerte.[106][107] Em 2017 lançou um livro de contos chamado Dropz[108] e em 2019 a obra infantil Amiga Ursa: uma história triste, mas com final feliz.[109]

A cantora também lançou a sua primeira autobiografia, em 2016, chamada Rita Lee: uma autobiografia,[110] o livro de fotos FavoRita em 2018[111] e em 2023 sua segunda obra autobiográfica, intitulada Rita Lee: outra autobiografia.[112]

Televisão editar

Em Os Trapalhões (1977) interpretou uma fotógrafa num concurso de miss. Em Top Model (1989), escrita por Walther Negrão e Antônio Calmon, interpretou Maria Regina, a esotérica Belatrix, uma das ex-mulheres do surfista Gaspar, interpretado por Nuno Leal Maia. Em Vamp (1991), também escrita por Calmon, Rita era a roqueira-vampira Lita Ree, amiga da protagonista Natasha, interpretada por Cláudia Ohana. Ainda no ano de 1991, Rita ganhou um programa na MTV Brasil intitulado TVleezão.[113]

Em 1997 participou do sitcom Sai de Baixo, no episódio "Presepada de Natal", como Scarlet Antibes, uma prima do personagem Caco Antibes, interpretado por Miguel Falabella. Em 2002 passou a co-apresentar o programa de televisão Saia Justa, no canal pago GNT (Globosat), ao lado de Mônica Waldvogel, Marisa Orth e Fernanda Young, Rita se despediu do programa em 2004. Em Celebridade (2003), fez uma participação especial como ela mesma e contracenou com Maria Clara, interpretada por Malu Mader.[113]

Em 2005 comandou, ao lado do marido Roberto de Carvalho, o talk show Madame Lee, também transmitido pela GNT. Em 2010 foi convidada pelo diretor Jorge Fernando para regravar seu sucesso de 1985, Ti Ti Ti. A música foi usada na abertura do remake da novela no horário das 19 horas. Rita fez uma participação no último capítulo fazendo um show, cantando esta música.[113] Em 2017 participou do documentário Laerte-se, da Netflix.[114]

Discografia editar

 Ver artigo principal: Discografia de Rita Lee
 
Rita Lee durante apresentação em Araçatuba, em 2009.

Filmografia editar

Televisão

Ano Título Personagem Notas
1980 Rita Lee Jones Ela mesma Série "Grandes Nomes"
1981 Saúde Especial de fim de ano
1982 O Circo
1985 Rita e Roberto
1986 Cida, a Gata Roqueira Sunda Morgana
1990 Top Model Belatrix Kundera Episódio: "7–10 de janeiro"
1991 Vamp Lita Ree Episódio: "17 de setembro"
1991–92 TVLeezão Apresentadora
1995 A Marca da Zorra Ela mesma Especial de fim de ano
1997 Sai de Baixo Scarlet Antibes Episódio: "Presepada de Natal"
2002–04 Saia Justa Apresentadora Temporadas 1—3
2004 Celebridade Ela mesma Episódios: "19–22 de janeiro"
2005 Madame Lee Apresentadora
2011 Ti Ti Ti Ela mesma Episódio: "18 de março"
2017 Manual para se Defender de Aliens, Ninjas e Zumbis Grão Mestre Episódio: "13"

Cinema

Ano Título Personagem Nota
1968 As Amorosas Cantora do clube
1988 Fogo e Paixão Namorada no piquenique
1989 Dias Melhores Virão Mary Shadow
1994 Tanta Estrela Por Aí... Raul Seixas
2002 Durval Discos Julieta
2006 Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock'n'Roll Rê Bordosa (voz) Dublagem
2010 Uma Noite em 67 Ela mesma Documentário
2012 Tropicália
2013 Minhocas Martha (voz) Dublagem
2014 A Primeira Missa ou Tristes Tropeços, Enganos e Urucum Pirata[115]

Prêmios e indicações editar

Lista de prêmios e indicações de Rita Lee
Premiação Vencidos Indicações
Prêmio Multishow
- 1
Grammy Latino
2 7
Prêmio Sharp de Música
12 12
Top 100 Brasil
1 5
MTV Video Music Brasil
- 3
Troféu Universo Musical
- 2
Revista Pop
1 1
Revista Fatos e Fotos
1 1
Troféu APCA
3 1
Prêmio Shell
1 1
Prêmio Contigo de Música Brasileira
- 1
Prêmio Quem
- 1
Total
Prêmios vencidos 23
Indicações 40

Ordens honoríficas brasileiras editar

Ano Ordem Grau
2003 Ordem do Mérito Cultural   Comendador[116]
2023 Ordem de Rio Branco   Comendador (póstumo)[117]

Ver também editar

Notas e referências

Notas

  1. Apesar de ter se aposentado dos palcos em 2012,[1] Rita seguiu fazendo novos lançamentos, como livros e o single "Change", de 2021.[2]

Referências

  1. «Rita Lee diz que vai se aposentar dos shows, alegando 'fragilidade física'». Correio Braziliense. 23 de janeiro de 2012. Consultado em 15 de abril de 2023 
  2. «Change: primeira música inédita de Rita Lee em nove anos». Correio Braziliense. 28 de setembro de 2021. Consultado em 21 de abril de 2023 
  3. Dip, Andrea (16 de abril de 2011). «Rita Lee encerra show na Virada Cultural com discurso sério e grandes sucessos». R7. Consultado em 22 de julho de 2012 
  4. «Comunicado do falecimento de Rita Lee em sua conta oficial no Instagram». Instagram. 9 de maio de 2023. Consultado em 10 de maio de 2023. Cópia arquivada em 10 de maio de 2023 
  5. «Longe dos palcos, Rita Lee viveu na Granja Viana e compartilhava a vida com a natureza». Cotia e Cia | Aqui a notícia chega primeiro. Consultado em 11 de maio de 2023 
  6. «Filho de Rita Lee desabafa após voltar para a casa em que a mãe morava: "Travei"». Folha Vitória. 19 de maio de 2023. Consultado em 2 de junho de 2023 
  7. Alves, Luciano. O melhor do rock Brasil: melodias cifradas para guitarra, violão e teclados, p. 5. São Paulo: Irmãos Vitale, 2001. ISBN 8574071331
  8. Oliveira, Marcio Castro. Um amor de verão. [S.l.]: Biblioteca 24 Horas. ISBN 9788578936006 
  9. Barcinski 2014, p. 137.
  10. Süssekind, Flora; Dias, Tânia; Azevedo, Carlito (2003). Vozes femininas: gêneros, mediações e práticas da escrita. 2003: 7Letras. pp. 421–422. ISBN 9788575770269 
  11. Preto, Marcus. "Não nasci para casar e lavar cuecas", revela Rita Lee. Rolling Stone Brasil. Consultado em 15 de julho de 2019.
  12. Gláucia Costa de Castro Pimentel, "Mutações em cena: Rita Lee e a Resistência Contracultural". Publ. UEPG Ci. Hum., Ci. Soc. Apl., Ling., Letras e Artes, Ponta Grossa, 11 (2): 7-20, dez. 2003. Disponível aqui.
  13. Roberto Nascimento, "Esse tal de Rock... ACERTOU". Estadão (18 de dezembro de 2010). Acesso: 28 de julho, 2011.
  14. Almir Chediak, Rita Lee Songbook, p.10. Irmãos Vitale, 1990.
  15. Rolling Stone Brasil, ed. (16 de outubro de 2008). «Os 100 Maiores Artistas da Música Brasileira». Consultado em 10 de maio de 2023 
  16. a b Felipe Branco Cruz (12 de abril de 2022). Revista Veja, ed. «Rita Lee chama câncer no pulmão de "Jair" após anúncio da cura». Consultado em 10 de maio de 2023 
  17. No aniversário de Rita Lee, veja 70 fatos sobre a Rainha do Rock. Por Aurora Aguiar. R7, 30/12/2017
  18. 'Volta pra casa, Padilha', pede amiga a Rita, por Armando Antenore. Folha de S. Paulo, 18 de julho de 1996.
  19. Rita Lee: Lady Roque
  20. «Rita Lee, entrevista». Geraldo Mayrink. 8 de novembro de 2020. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  21. «Rita Lee morou ao lado – Pedaço da Vila». Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  22. Há 50 anos, Regina Duarte falou à Folha sobre noivado e aprovação na USP. Folha de S. Paulo, 26 de fevereiro de 2018
  23. «35 lugares da biografia da Rita Lee para visitar em São Paulo | Chicken or Pasta?». chickenorpasta.com.br. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  24. Brasil Online (18 de maio de 2010). «Globo faz homenagem a Rita Lee; Livraria da Folha dá desconto de 20% em biografia». Universo Online 
  25. a b Rita Lee, Almir Chediak (1990). Rita Lee, Volume 2. [S.l.]: Irmãos Vitale. ISBN 9788585426620 
  26. Marcelo Fróes (2005). Jovem guarda: em rítmo de aventura. [S.l.]: Editora 34. 247 páginas. ISBN 9788573261875 
  27. Ferreira, Mauro. «Com leveza, Rita Lee narra as coisas boas e más da vida em autobiografia». G1. Consultado em 7 de dezembro de 2019 
  28. CALADO, Carlos. A Divina Comédia dos Mutantes. São Paulo: Editora 34, 1995, p. 85.
  29. WUL, Stefan. O Império dos Mutantes. Coleção Argonauta, nº 107. Lisboa: Livros do Brasil, 1966.
  30. a b c d e f g h i j k l m Lucas Brandão (21 de março de 2023). Comunidade Cultura e Arte, ed. «Rita Lee, a rainha do rock brasileiro». Consultado em 10 de maio de 2023 
  31. «Mutantes - depois de 30 anos, as mutações voltaram». 10 de março de 2007 
  32. uol.com.br/ Suruba com Yes e furto da cobra de Alice Cooper: 7 casos da bio de Rita Lee
  33. Carlos Calado (1996). A divina comédia dos Mutantes. [S.l.]: Editora 34. 310 páginas. 9788573260090 
  34. Kid Vinil (2008). ALMANAQUE DO ROCK. [S.l.]: Ediouro Publicações. 142 páginas. ISBN 8500021454 
  35. «Disco raro mostra transição entre carreira solo de Rita Lee e os tempos de Mutantes - O Globo - Por Guilherme Samora» 
  36. Pereira, Thiago (12 de agosto de 2013). «Um pequeno baú sonoro das maravilhas de Rita Lee | O TEMPO». www.otempo.com.br. Consultado em 5 de agosto de 2023 
  37. «Folha Online - Ilustrada - Documento revela que o festival de rock de 1975 foi vigiado 02/06/2000 10h36». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 5 de agosto de 2023 
  38. «Esse tal de Rock... ACERTOU - Cultura». Estadão. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  39. «Há 45 anos, "Fruto Proibido", de Rita Lee e Tutti Frutti, apontava novos caminhos para o rock nacional». GZH. 18 de dezembro de 2020. Consultado em 5 de agosto de 2023 
  40. Continente, Revista. «"Nelson Motta idealizou o festival no modelo de Woodstock"». Revista Continente. Consultado em 5 de agosto de 2023 
  41. a b Rodrigues, Julli (18 de outubro de 2019). «A segunda vez que Rita Lee arrombou a festa». Ouvindo Coisas (em inglês). Consultado em 5 de agosto de 2023 
  42. Barcinski 2014, p. 134.
  43. «Entrevista Rita Lee - Por Guilherme Samora» 
  44. a b Rodrigues, Julli (18 de outubro de 2019). «A segunda vez que Rita Lee arrombou a festa». Ouvindo Coisas (em inglês). Consultado em 29 de novembro de 2021 
  45. a b UOL, ed. (9 de maio de 2023). «Rita Lee: quem é quem entre os filhos da Rainha do Rock». Consultado em 10 de maio de 2023 
  46. a b «Refestança: show que uniu Rita Lee e Gil em 1977 virará documentário». Metrópoles. 1 de abril de 2022. Consultado em 5 de agosto de 2023 
  47. Barcinski 2014, p. 135.
  48. Barcinski 2014, p. 136.
  49. «Rita Lee: 'Quem comprou o sistema pop fui eu'». Terra. Consultado em 5 de agosto de 2023 
  50. a b «Rita Lee, um fenômeno que a crise dos discos não ofuscou: relembre a capa da Exame com a cantora». Exame. 9 de maio de 2023. Consultado em 5 de agosto de 2023 
  51. CHEDIAK, Almir (1990). Songbook Rita Lee, volume 1 2ª ed. Rio de Janeiro: Lumiar Editora. p. 16. ISBN 8585426616 
  52. Chico Regueiro (10 de maio de 2023). G1, ed. «Abertura para Rolling Stones, Rock in Rio e 'aposentadoria' no Circo: relembre momentos de Rita Lee no Rio, onde virou cidadã honorária». Consultado em 10 de maio de 2023 
  53. TV Globo, ed. (29 de outubro de 2021). «Festival dos Festivais». Consultado em 10 de maio de 2023 
  54. a b Marina Lourenço (9 de maio de 2023). Folha de S.Paulo, ed. «Relembre os principais discos da carreira de Rita Lee, como 'Build Up' e 'Reza'». Consultado em 10 de maio de 2023 
  55. Ribeiro, Teresa (2 de junho de 1991). «As mutações de Rita Lee chegam à tela da MTV». Folha de S. Paulo. Consultado em 2 de setembro de 2013. Arquivado do original em 2 de setembro de 2013 
  56. «3001 - Discos do Brasil». discografia.discosdobrasil.com.br. Consultado em 21 de janeiro de 2023 
  57. «Folha de S.Paulo - Música: Semi-reclusa, Rita Lee quer fazer disco new age - 17/07/2000». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 21 de janeiro de 2023 
  58. Rita Lee - Novelas, consultado em 21 de janeiro de 2023 
  59. «Rita Lee anuncia aposentadoria dos palcos durante show no Rio de Janeiro». UOL. 22 de janeiro de 2012. Consultado em 14 de setembro de 2012 
  60. «Último show em turnês de Rita Lee terminou em detenção em Sergipe». G1. Consultado em 9 de maio de 2023. A artista se mostrou revoltada com a ação policial e disparou: “Seus cachorros! Coitados dos cachorros. Cafajestes! Vocês estão fazendo de propósito. Eu sou do tempo da ditadura, se pensa que eu tenho medo, p..! Venha aqui! Eu sou mulher. Mulher, queridos!”ntinuam tendo que guardar as pessoas e não tendo que agredir”, disse. 
  61. «Rita Lee xinga PMs e é detida em Aracaju após seu show de despedida». Correio Braziliense. 30 de janeiro de 2012. Consultado em 25 de abril de 2023 
  62. «Rita Lee é absolvida em processo movido por PMs em Sergipe». G1. 26 de fevereiro de 2013. Consultado em 25 de abril de 2023 
  63. Gonçalves, Joelma (31 de janeiro de 2012). «Confira trechos da fala de Rita Lee durante show em SE». G1. Consultado em 25 de abril de 2023. [Rita Lee]: "Olha eles aí outra vez, é sexo meus filhos. Por que essa invasão de polícia? É desagradável para mim. É invasão. Só que não é invasão legal. Por que esses passinhos? Posso saber esse passinho? O que vocês estão procurando, queridos policiais? Baseado? Vão achar. Alegria? Vão achar. O lazer, a felicidade, só isso. Um passinho à frente. Pô. Eu não quero ficar reclamando porque quebra a unidade do show." 
  64. Ancelmo Gois (10 de maio de 2023). «Ai, Rita te pega». Consultado em 16 de março de 2012 
  65. «Rita Lee canta música-tema de Cadinho e torce para que 'harém' seja feliz». 11 de abril de 2012. Consultado em 10 de maio de 2023 
  66. Samara Schwingel (9 de maio de 2023). Metrópoles, ed. «No último show em Brasília, em 2012, Rita Lee tirou a calça e perdeu patrocínio». Consultado em 10 de maio de 2023 
  67. Guilherme Samora (26 de janeiro de 2023). Revista Quem, ed. «Rita Lee faz show no aniversário de São Paulo». Consultado em 10 de maio de 2023 
  68. Guilherme Samora (2 de abril de 2013). Revista Marie Claire, ed. «Rita Lee: "Mostrar a bunda é normal. Envelhecer é que é tabu"». Consultado em 10 de maio de 2023 
  69. Guilherme Samora (26 de fevereiro de 2014). Revista Quem, ed. «Com novo visual, Rita Lee lança livro em SP. 'Quero ficar anônima'». Consultado em 10 de maio de 2023 
  70. «Mel Lisboa estreia em musical interpretando a roqueira Rita Lee». uol.com.br 
  71. «Mel Lisboa posa com figurinos históricos de Rita Lee na revista QUEM, Por Guilherme Samora». 7 de julho de 2014 
  72. «Rita Lee aparece de surpresa em musical sobre sua vida, Por Guilherme Samora». 14 de abril de 2014 
  73. «Mel Lisboa se emociona ao ganhar homenagem de Rita Lee no Prêmio QUEM» 
  74. Fernando Branco (20 de novembro de 2015). «Obra de Rita Lee será lançada em caixa de luxo». Tenho Mais Discos Que Amigos!. Consultado em 21 de abril de 2023 
  75. «Rita Lee lança autobiografia em outubro: veja a capa criada por ela - Por Guilherme Samora». revistaquem.globo.com 
  76. «Famosos prestigiam lançamento de autobiografia de Rita Lee em SP». revistaquem.globo.com 
  77. «Rita Lee - Deusa pés no chão - Por Guilherme Samora». revistaquem.globo.com 
  78. «Rita Lee ganha dois prêmios APCA: um pela biografia, outro pela música». revistaquem.globo.com 
  79. «Um Lugar ao Sol: Ouça a música de abertura e conheça a trilha sonora da novela». Notícias da TV. 9 de novembro de 2021. Consultado em 13 de junho de 2022 
  80. Franzão, Luana (26 de julho de 2022). «Rita Lee será homenageada no Grammy Latino por contribuição à música». CNN Brasil. Consultado em 21 de abril de 2023 
  81. «Rita Lee anuncia 'Outra Autobiografia'; novo livro da cantora está em pré-venda e será lançado em maio». G1. 7 de março de 2023. Consultado em 25 de abril de 2023 
  82. Giulia Roriz (9 de maio de 2023). Metrópoles, ed. «Vegana, Rita Lee dedicou últimos anos de vida à causa animal». Consultado em 10 de maio de 2023 
  83. Gil, Marisa Adán (4 de outubro de 1996). «Rita Lee vota em São Paulo com bandagem na cabeça». Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de abril de 2023 
  84. «Problema na mandíbula teria motivado aposentadoria de Rita Lee, diz jornal». Ego. 23 de janeiro de 2012. Consultado em 25 de abril de 2023 
  85. «"Fui parar num hospício. Decidi deixar (as drogas). Vi que a caretice é que é a maior loucura" - Rita Lee, cantora e compositora,». Acervo O Globo. 27 de outubro de 2006. Consultado em 25 de abril de 2023 
  86. «Rita Lee: "Me aliviou saber que sou bipolar"». OFuxico. 7 de maio de 2012. Consultado em 25 de abril de 2023 
  87. «Rita Lee é diagnosticada com tumor no pulmão esquerdo». G1. Consultado em 21 de maio de 2021 
  88. a b «Fãs se emocionam com Roberto de Carvalho relembrando história de amor com Rita Lee». Gshow. 14 de maio de 2023. Consultado em 15 de maio de 2023 
  89. a b «Roberto de Carvalho revela últimos momentos de Rita Lee». OFuxico. 15 de maio de 2023. Consultado em 15 de maio de 2023 
  90. a b Andrade, Ranyelle (22 de maio de 2023). «Rita Lee: autobiografia revela que câncer de pulmão se espalhou pelo corpo». Metrópoles. Consultado em 23 de maio de 2023 
  91. «Rita Lee está curada do câncer, segundo filho Beto Lee: 'Melhor notícia de todos os tempos'». G1. Consultado em 13 de junho de 2022 
  92. «Depois da tempestade, a bonança: Rita Lee está curada de câncer no pulmão | VEJA Gente». VEJA. Consultado em 12 de abril de 2022 
  93. «Rita Lee é internada em São Paulo em estado 'extremamente delicado'». R7. 24 de fevereiro de 2023. Consultado em 25 de fevereiro de 2023 
  94. «Marido de Rita Lee pede privacidade após internação da cantora». Uol. 24 de fevereiro de 2023. Consultado em 25 de fevereiro de 2023 
  95. «Rita Lee tem alta e está em casa, afirma marido da cantora». G1. 4 de março de 2023. Consultado em 8 de março de 2023 
  96. Miyashiro, Kelly (9 de maio de 2023). «Como foram os últimos momentos de Rita Lee — em paz, como ela merecia». Veja. Consultado em 13 de maio de 2023 
  97. «Rita Lee: 'Sou feliz por ter estado sempre perto de pessoa tão iluminada', diz Roberto de Carvalho». Estadão. 15 de maio de 2023. Consultado em 15 de maio de 2023 
  98. «Rita Lee: câncer de pulmão que levou à morte da cantora é o 2º mais mortal entre mulheres; entenda a doença». O Globo. 9 de maio de 2023. Consultado em 9 de maio de 2023 
  99. «Rita Lee Jones no Instagram». Instagram. Consultado em 9 de maio de 2023 
  100. «Rita Lee, rainha do rock brasileiro, morre aos 75 anos». G1. 9 de maio de 2023. Consultado em 9 de maio de 2023 
  101. «Rita Lee (1947 - 2023) - Morre Rita Lee, maior estrela do rock brasileiro e ícone dos Mutantes, aos 75 anos» . Folha de S.Paulo. 9 de maio de 2023. Consultado em 9 de maio de 2023 
  102. «Lula decreta luto oficial de três dias pela morte de Rita Lee» . G1. 9 de maio de 2023. Consultado em 9 de maio de 2023 
  103. 89 FM A Rádio Rock, ed. (9 de maio de 2023). «Rita Lee teve programa na 89 FM e tocou de Maria Bethânia a Ratos de Porão». Consultado em 10 de maio de 2023 
  104. Essinger, Silvio (23 de junho de 2019). «'Estamos numa espécie de Idade Média, mas com perigos nucleares', diz Rita Lee». O Globo. Consultado em 15 de julho de 2019 
  105. Grutter, Felipe (9 de maio de 2023). «Quantos livros Rita Lee escreveu?». Rolling Stone Brasil. UOL. Consultado em 3 de julho de 2023 
  106. Nobile, Lucas (11 de dezembro de 2013). «Rita Lee e Laerte se juntam para lançar 'Storynhas'». O Estado de São Paulo. Consultado em 27 de agosto de 2017 
  107. «Storynhas- - Grupo Companhia das Letras». Grupo Companhia das Letras. Consultado em 27 de agosto de 2017 
  108. «Rita Lee lança 'Dropz' e compara livro a uma caixinha de bombom». Folha de S.Paulo 
  109. «'Amiga ursa' é o título do novo livro da cantora e escritora Rita Lee». Correio Braziliense. 20 de maio de 2019. Consultado em 15 de julho de 2019 
  110. Marco Aurélio Canônico (3 de novembro de 2016). «Em autobiografia 'terapêutica', Rita Lee faz as pazes com seus traumas». Folha de S.Paulo. Consultado em 3 de março de 2017 
  111. Essinger, Silvio (10 de junho de 2018). «Rita Lee reúne fotos e fichas da Censura em novo livro: 'Tenho calafrios só de lembrar'». O Globo. Consultado em 15 de julho de 2019 
  112. G1, ed. (9 de maio de 2023). «Livro 'Outra Autobiografia' de Rita Lee será lançado em 22 de maio; obra tem capa pintada pela cantora». Consultado em 10 de maio de 2023 
  113. a b c Natália Barão (9 de maio de 2023). CNN Brasil, ed. «Rita Lee teve programa próprio na TV, participou de novelas e até interpretou Raul Seixas». Consultado em 10 de maio de 2023 
  114. Fernanda Guerra (19 de maio de 2017). Diário de Pernambuco, ed. «Primeiro documentário da Netflix no Brasil invade com delicadeza a intimidade de Laerte». Consultado em 10 de maio de 2023 
  115. «A Primeira Missa ou Tristes Tropeços, Enganos e Urucum». AdoroCinema. Consultado em 6 de outubro de 2019 
  116. «DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO - Seção 1 | Nº 247, sexta-feira, 19 de dezembro de 2003». Imprensa Nacional. 19 de dezembro de 2003. p. 5. Consultado em 20 de janeiro de 2024 
  117. «DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO - Seção 1 | Nº 220, terça-feira, 21 de novembro de 2023». Imprensa Nacional. 21 de novembro de 2023. p. 9. Consultado em 20 de janeiro de 2024 

Bibliografia editar

Ligações externas editar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Rita Lee:
  Citações no Wikiquote
  Categoria no Commons
  Categoria no Wikinotícias
  Base de dados no Wikidata