Rudolf Virchow

Rudolf Ludwig Karl Virchow (Schievelbein/ Świdwin, 13 de outubro de 1821Berlim, 5 de setembro de 1902) foi um médico, antropólogo, patologista, pré-historiador, biólogo, escritor, editor e político alemão. É considerado o pai da patologia moderna e da medicina social, além de antropólogo e político liberal (Partido Progressista Alemão e Partido Livre-Pensador Alemão).

Rudolf Virchow
Nascimento 13 de outubro de 1821
Świdwin
Morte 5 de setembro de 1902 (80 anos)
Berlim
Nacionalidade Alemão
Prêmios Medalha Helmholtz (1898), Medalha Cothenius (1902)
Campo(s) Medicina, política

VidaEditar

Sua cidade natal Schievelbein, no leste da Pomerânia, Prússia, hoje está situada na Polônia, com o nome Świdwin. Ele era o filho único de Carl Christian Siegfried Virchow (1785-1865) e Johanna Maria - nascida Hesse (1785-1857). Seu pai era fazendeiro e tesoureiro da cidade.[1][2] Academicamente brilhante, ele se tornou fluente em alemão, latim, grego, hebraico, inglês, árabe, francês, italiano e holandês. Ele ingressou num ginásio em Köslin (atualmente, Koszalin na Polônia) em 1835, com o objetivo ter a formacao de pastor protestante. Ele se formou em 1839 com uma tese intitulada "Uma vida cheia de trabalho e labuta não é um fardo, mas uma bênção".

No entanto, ele escolheu a medicina, porque considerava sua voz fraca demais para pregar [3]

Graduou-se em 1843 em medicina em Berlim, pela Academia Militar da Prússia. Tornou-se professor em 1847. Por participação ativa na Revolução de Março (1848-1849), mudou-se para Würzburg, onde trabalhou como anatomista. Casou em 1850 com Rose Mayer, com quem teve 3 filhos e 3 filhas. Em 1856 retornou a Berlim, para assumir a cátedra de anatomia patológica da Universidade de Berlim.

Durante a Guerra Franco-Prussiana, liderou pessoalmente o primeiro hospital móvel para atender os soldados no front. Também envolveu-se em atividades sociais, como saneamento básico, arquitetura de construção hospitalar, melhoramento de técnicas de inspeção de carne e higiene escolar. Foi membro ativo na vida política do II Reich alemão, como ferrenho opositor ao Chanceler Otto von Bismarck.

 
Sepultura

Sua sepultura está localizada no Alter St.-Matthäus-Kirchhof Berlin, no endereço Feld H, H-S-012/013, G2.

TrabalhosEditar

Um escritor prolífico, ele produziu mais de 2 000 escritos científicos.[4] Cellular Pathology (1858), considerada a raiz da patologia moderna, introduziu o terceiro ditado na teoria celular: Omnis cellula e cellula ("Todas as células vêm das células").[5] Ele foi cofundador da Physikalisch-Medizinische Gesellschaft em 1849 e da Deutsche Gesellschaft für Pathologie em 1897. Ele fundou periódicos como Archiv für Pathologische Anatomie und Physiologie und für Klinische Medicin (com Benno Reinhardt em 1847, de 1947, a partir de 1947 title Virchows Archiv), e Zeitschrift für Ethnologie (Journal of Ethnology).[6] Este último é publicado pela Associação Antropológica Alemã e pela Sociedade de Antropologia, Etnologia e Pré-história de Berlim, sociedades que ele também fundou.[7]

Virchow foi o primeiro a descrever e nomear doenças como leucemia, cordoma, ocronose, embolia e trombose. Ele cunhou termos biológicos como "cromatina", "neuroglia", "agenesia", "parênquima", "osteóide", "degeneração amilóide" e "espinha bífida"; termos como nó de Virchow, espaços de Virchow-Robin, síndrome de Virchow-Seckel, e tríade de Virchow são nomeados após ele.Trichinella spiralis influenciou a prática de inspeção de carnes. Ele desenvolveu o primeiro método sistemático de autópsia,[8] e introduziu a análise do cabelo na investigação forense.[9] Virchow criticou Ignaz Semmelweis e sua ideia de desinfecção, que disse dele, "Exploradores da natureza não reconhecem bicho-papão além de indivíduos que especulam". Ele criticou o que descreveu como "misticismo nórdico" em relação à raça ariana.[10] Como um anti-evolucionista, ele chamou Charles Darwin de "ignorante" e seu próprio aluno Ernst Haeckel de "tolo". Ele descreveu o espécime original do homem de Neandertal como nada além de um ser humano deformado.[11]

PublicaçõesEditar

Virchow foi um escritor prolífico. Algumas de suas obras são:[12]

Ver tambémEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Rudolf Virchow

ReferênciasEditar

  1. Die grossen Ärzte Geschichte der Medizin in Lebensbildern. Peter Wiench Vollst. Taschenbuchausg ed. München: [s.n.] 1992. OCLC 231285725 
  2. Koelbing, M.H. (24 de outubro de 1959). «Die Begründung der Zellularpathologie durch Rudolf Virchow und die Augenheilkunde». Gesnerus (3-4): 124–138. ISSN 0016-9161. doi:10.1163/22977953-0160304004. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  3. «Virchow, Prof. Rudolf, (1821–5 Sept. 1902), pathologist; director of Pathological Institute, Berlin, from 1856». Oxford University Press. Who Was Who. 1 de dezembro de 2007. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  4. Buikstra, Jane E.; Roberts, Charlotte A. (2012). The Global History of Paleopathology: Pioneers and Prospects. Oxford: Oxford University Press. pp. 388–390. ISBN 978-0-1953-8980-7 
  5. Kuiper, Kathleen (2010). The Britannica Guide to Theories and Ideas That Changed the Modern World. New York, NY: Britannica Educational Pub. in association with Rosen Educational Services. p. 28. ISBN 978-1-61530-029-7 
  6. Skoczylas, M; Pierzak-Sominka, J; Rudnicki, J (2013). «O formach aktywności dydaktycznej Rudolfa Virchowa w zakresie medycyny». Problems of Applied Sciences. 1: 197–200 
  7. «Zeitschrift für Ethnologie». Consultado em 29 de novembro de 2014 
  8. «Rudolf Virchow». Encyclopædia Britannica. Consultado em 29 de novembro de 2014 
  9. Oien, Cary T (2009). «Forensic Hair Comparison: Background Information for Interpretation». Forensic Science Communications. 11 (2): Online 
  10. Silberstein, Laurence J.; Cohn, Robert L. (1994). The Other in Jewish Thought and History: Constructions of Jewish Culture and Identity. New York: New York University Press. pp. 375–376. ISBN 978-0-8147-7990-3 
  11. Glick, Thomas F. (1988). The Comparative reception of Darwinism. Chicago: University of Chicago Press. pp. 86–87. ISBN 978-0-226-29977-8 
  12. Harsch, Ulrich. «Rudolf Virchow». Bibliotecha Augustana (em alemão). Augsburg University of Applied Sciences. Consultado em 10 de outubro de 2019 

Precedido por
Stanislao Cannizzaro
Medalha Copley
1892
Sucedido por
George Gabriel Stokes
  Este artigo sobre um político alemão é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.