Abrir menu principal

Sérgio Spada

político brasileiro
Sérgio Spada
Nascimento 14 de dezembro de 1954 (64 anos)
Planalto
Cidadania Brasil
Ocupação político

Sérgio Spada (Planalto, 14 de dezembro de 1954) é um político brasileiro. Exerceu o mandato de vereador, deputado estadual do Paraná e deputado federal constituinte pelo PMDB e pelo PST [1], filiando-se também aos partidos MDB, PP, PPB, PSDB e PPS ao longo de suas atividades políticas. Filho de Ludovino Domingos Spada e Vitória Spada, atuou também como taxista, advogado e comerciante. Casou-se com Iralda Vitorassi Spada, com quem teve três filhos, sendo que um deles, Eduardo Spada, foi nomeado, em 2008, Secretário Municipal de Agricultura de Foz do Iguaçu. [2]

CarreiraEditar

Após ter sido motorista de táxi durante um ano, conseguiu eleger-se como vereador do município de Foz do Iguaçu, no ano de 1976, pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB) - em oposição ao regime militar que havia sido instaurado no Brasil desde 1964 - assumindo o cargo em 1977. [2]

Durante o mandato, atuou também como comerciante até 1983, quando deixou a Câmara dos Vereadores de Foz do Iguaçu e assumiu o cargo de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Paraná, pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Entre suas atividades, destacam-se as funções das comissões de Recursos Humanos, Turismo, Educação, presidente da Comissão de Terras, Imigração e Colonização. No ano de 1985, bacharelou-se em Direito pela Universidade Federal do Paraná (UFP). [1][2]

No ano de 1986, foi eleito deputado federal constituinte, vinculado aos interesses da Frente Ampla Parlamentarista. Além de ter integrado inúmeros cargos de diferentes comissões, votou a favor de temas como o rompimento de relações com países que seguissem políticas de discriminação racial, jornada de trabalho de 40 horas com turno ininterrupto de seis horas, unidade sindical, voto aos 16 anos e da criação de um fundo para a reforma agrária; sendo esta uma das questões principais de seu mandato, pois defendeu a reforma agrária, não permitindo imóveis com área superior a 60 módulos inexplorados, por três anos consecutivos. Em contrapartida, foi contra a pena de morte, a estatização do sistema financeiro e a legalização do jogo do bicho. Tentou se reeleger nas eleições de 1990, obtendo apenas uma terceira suplência e deixando a Câmara no final após o final de sua legislatura, no ano seguinte. [2]

Em 1994, voltou à vida política, agora pelo Partido Progressista (PP), tentando a eleição para o cargo de deputado estadual. Poucos meses depois de assumir o mandato, ingressou no Partido Progressista Brasileiro (PPB), tornando-se líder deste partido na Assembleia Legislativa do Paraná. Em 1996, último ano de suas atividades na Assembleia, filiou-se ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). [2]

No ano de 1998, reelegeu-se deputado estadual pelo PSDB, mas assumiu esta função apenas em março de 2000, atuando neste meio tempo como secretário de Defesa do Consumidor no governo de Jaime Lerner. Durante o exercício como deputado estadual, votou a favor da emenda de iniciativa popular que impedia a privatização da Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel). Este projeto gerou grande repercussão para conseguir as assinaturas necessárias da população para ser enviado ao legislativo. Entretanto, com a invasão dos membros deste movimento na Assembleia durante a votação, o projeto acabou sendo derrotado no dia 20 de agosto de 2001, por 27 votos contra 26. [2]

Nas eleições de outubro de 2002, entrou na disputa pela reeleição a deputado estadual, pelo PSDB, mas acabou obtendo uma suplência. [2]

Associou-se ao Partido Popular Socialista (PPS) em 2007, tornando-se o presidente do partido no ano seguinte. [2]

Referências

  1. a b «Conheça os Deputados». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  2. a b c d e f g h «Sérgio Spada - CPDOC». CPDOC. Consultado em 2 de janeiro de 2018 
  Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.