Sílvio Heck

militar brasileiro

Sílvio de Azevedo Heck (Rio de Janeiro, 30 de outubro de 1905 — Rio de Janeiro, 5 de julho de 1988) foi um militar brasileiro.[1]

Sílvio Heck
Nascimento 30 de outubro de 1905
Rio de Janeiro
Morte 5 de julho de 1988 (82 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileiro
Ocupação militar

Foi Ministro da Marinha do Brasil, de 31 de janeiro a 8 de setembro de 1961. Ocupou a pasta durante o governo de Jânio Quadros e no primeiro governo interino de Ranieri Mazzilli. Juntamente com os outros comandantes militares, Odílio Denys e Gabriel Grün Moss, integrou uma junta militar e foi contrário à posse de João Goulart no episódio conhecido como Campanha da Legalidade.

Segundo informações contidas no livro "O Soldado Absoluto", do jornalista e pesquisador Wagner William, página 383, em 1961 o então Coronel Carlos Ramos de Alencar, que assumira a Chefia do Scifi, descobriu um contrabando de armas no qual Sílvio Heck estava envolvido. A fonte original dessa informação está contida no livro "Ministério do Silêncio", página 113, de autoria do jornalista Lucas Figueiredo, que pesquisou a história do serviço secreto no Brasil.

Referências

Ver tambémEditar


Precedido por
Jorge do Paço Matoso Maia
Ministro da Marinha do Brasil
1961
Sucedido por
Ângelo Nolasco de Almeida


  Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.