Abrir menu principal
S Tamoio (S-31)
S Tamoio navegando na Baía de Guanabara com o Pão de Açucar ao fundo.
Carreira   Bandeira da marinha que serviu
Operador  Marinha do Brasil
Fabricante Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ)
Homônimo Povos indígenas do Brasil Tamoios
Batimento de quilha 15 de julho de 1986 [1]
Lançamento 18 de novembro de 1993
Comissionamento 17 de julho de 1995
Estado em operação
Características gerais
Classe Classe "Tupi" (IKL 209 1400)
Deslocamento 1 150 t (padrão), 1 440 t (imerso)
Comprimento 61,2 m
Boca 6,2 m
Calado 5,5 m
Propulsão um motor elétrico de propulsão, quatro MCPs MTU396, 480 elementos de bateria Saturnia 31DD16
Velocidade 11 kn (20,4 km/h) na superfície, 21,5 kn (39,9 km/h) imerso.
Autonomia 10 000 milhas náuticas e 50 dias de autonomia
Profundidade 250 m (máximo)
Armamento 8 tubos lançadores de torpedos, capacidade para 16 torpedos Mark 24 Tigerfish.
Tripulação 36 homens

O S Tamoio (S-31) é um submarino da Classe Tupi da Marinha do Brasil.

Foi construído no estaleiro Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, Ilha das Cobras, tendo sido lançado ao mar em 18 de novembro de 1993. Foi incorporado à Armada em 17 de julho de 1995.

ProjetoEditar

 
S Tamoio (S-31) em 2009.

Foi o primeiro submarino da Marinha brasileira construído dentro da estratégia de aquisição do domínio completo do ciclo "Projeto, Construção e Reparação" desses meios, sendo o primeiro a ser construido no Brasil.

O seu projeto é baseado no projeto alemão do IKL-209 que originou no Brasil a Classe Tupi.

Origem do nomeEditar

O submarino Tamoio foi o terceiro navio e o segundo submarino a ostentar esse nome na Marinha do Brasil em homenagem ao povo indígena Tamoios. Este povo, hoje extinto, habitava as margens dos rios São Francisco em Minas Gerais e Paraíba do Sul no Rio de Janeiro.

Os outros barcos com o mesmo nome foram o cruzador torpedeiro Tamoyo (1895) e o submarino S Tamoyo (S-13) (1936).[1]

OperaçãoEditar

O S Tamoio (S-31) integra a Força de Submarinos da Marinha do Brasil, juntamente com outros 3 submarinos da classe Tupi e 1 da classe Tikuna.[2]

O último Período de Manutenção Geral (PMG) do navio ocorreu no final de 2014 no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro , procedimento que é repetido a cada seis anos.[2][3]

Em 1996 o Tamoio em um exercício de tiro afundou o casco do contratorpedeiro Marcilio Dias com um torpedo Mark 24 Tigerfish.[1]

Referências

  1. a b c «S Tamoio - S 31 Classe Tupi/IKL 209.». Navios de Guerra Brasileiros. Consultado em 22 de março de 2015 
  2. a b «Submarino Tamoio entra em novo período de manutenção». Ministério da Defesa, Governo do Brasil. Consultado em 21 de março de 2015 
  3. Luiz Padilha. «AMRJ realiza manobra de "Load-In" com o Submarino 'Tamoio' (S-31)». Sindicato Nacios das Indústrias de Material de Defesa. Consultado em 21 de março de 2015 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre S Tamoio (S-31)


  Este artigo sobre Submarinos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.