Savoia-Marchetti SM.79

SM.79 Sparviero (Gavião)
Descrição
Tipo / Missão Bombardeiro médio, Bombardeiro-torpedeiro
País de origem  Reino da Itália
Fabricante Savoia-Marchetti
Projetado por: Alessandro Marchetti
Período de produção 1936-1945
Quantidade produzida 1240
Primeiro voo em 28 de setembro de 1934 (86 anos)
Introduzido em 1936
Aposentado em 1952 (Itália)
1959 (Líbano)
Variantes
Tripulação 6 - piloto, co-piloto, engenheiro de voo/artilheiro, operador de rádio, bombardeador e artilheiro traseiro
Especificações (Modelo: SM.79-III)
Dimensões
Comprimento 16,2 m (53,1 ft)
Envergadura 20,2 m (66,3 ft)
Altura 4,1 m (13,5 ft)
Área das asas 61,7  (664 ft²)
Alongamento 6.6
Peso(s)
Peso vazio 7 700 kg (17 000 lb)
Peso carregado 10 050 kg (22 200 lb)
Propulsão
Motor(es) 3 x motores a pistão radiais Alfa Romeo 128-RC18
Potência (por motor) 860 hp (641 kW)
Performance
Velocidade máxima 460 km/h (248 kn)
Alcance (MTOW) 2 600 km (1 620 mi)
Teto máximo 7 500 m (24 600 ft)
Razão de subida 5.3 m/s
Armamentos
Metralhadoras / Canhões 2 x metralhadoras laterais de 7,7 mm (0,303 in)
2 x metralhadoras Breda-SAFAT de 12,7 mm (0,500 in)
1 x canhão MG 151 de 20 mm (0,787 in)
Bombas 1 200 kg (2 650 lb) na baia interna ou
2 x torpedos de 450 mm (17,7 in)

O Savoia-Marchetti SM.79 foi um bombardeiro trimotor italiano, utilizado durante a Guerra Civil Espanhola e na Segunda Guerra Mundial.

Devido a metralhadora instalada em seu topo, era grande a dificuldade em abatê-lo. Por isso, ganhou dos pilotos da RAF o apelido de "Damned Hunchback", em italiano: "Gobbo Maledetto" ("Corcunda Maldito"). Também era conhecido como Sparviero (gavião) em italiano.

Quando entrou em serviço em 1936 era, sem dúvida, o bombardeiro médio mais moderno do mundo, superior as primeiras versões do Heinkel He 111 e Dornier Do 17 alemão em velocidade, armas defensivas e resistência, assim como superior ao Tupolev SB soviético nesses mesmos quesitos.

Seu ponto forte, e, ironicamente, também seu ponto fraco era possuir 3 motores, que era um ponto forte por dar mais segurança caso um motor parasse, mas, ao mesmo tempo, impedia do artilheiro de bombas instruir o piloto com facilidade (diferente do que acontecia com as aeronaves citadas), além de impedir a instalação de uma metralhadora frontal para proteção.

Tecnicamente, a aeronave estava indefesa de qualquer ataque frontal. Mesmo assim, continuou em serviço na Itália até 1948, além de outros países, como a Espanha Franquista, que foi suprida com dezenas desse modelo durante a Guerra Civil Espanhola, até provavelmente o fim da década de 1950.

UsuáriosEditar

Durante a guerraEditar

  Alemanha Nazista
  Brasil
  Estado Independente da Croácia
  Iraque
  Itália
  República Social Italiana
  Roménia
  • Forţele Aeriene Regale ale României
  Espanha
  Reino da Iugoslávia
  • Jugoslovensko Kraljevsko Ratno Vazduhoplovstvo i Pomorska Aviacija
  Reino Unido

Pós-GuerraEditar

  Itália
  Líbano

Ver tambémEditar