Abrir menu principal

Status quo ante bellum

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2011)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

O termo status quo ante bellum (ou statu quo ante bellum), é uma expressão em Latim que significa literalmente, "o estado em que as coisas estavam antes da guerra".

Foi originalmente usado em tratados para se referir à retirada de tropas inimigas, e a restauração da liderança antes da guerra. Quando utilizado como tal, isso significa que ninguém ganha ou perde parcialmente seu território ou direitos econômicos e políticos.[1] Isto difere com uti possidetis, onde cada lado mantém qualquer território ou bens que detém no fim da guerra. O termo tem sido generalizado para formar a frase status quo (ou statu quo) e status quo ante (ou statu quo ante).

Fora desse contexto, o termo "antebellum" nos Estados Unidos está geralmente associado com o período anterior à Guerra Civil Americana, enquanto na Europa e em outros lugares, com o período anterior à Primeira Guerra Mundial.

ExemplosEditar

Um dos primeiros exemplos foi o tratado que pôs fim a grande guerra de 602 à 629 entre o oriente do Império Romano e Império Sassânida. Os persas ocuparam a Ásia Menor, Palestina e Egito. Depois de uma bem sucedida contra–ofensiva romana na Mesopotâmia, finalmente trouxe o fim da guerra e a restauração da integridade fronteiriça oriental de Roma como era antes de 602. Ambos os impérios estavam exaustos depois desta guerra e não estavam prontos para se defenderem quando os exércitos do Islã emergiram na Arábia em 632.

Outro exemplo foi a guerra de 1812 entre os Estados Unidos e a Grã Bretanha, que foi concluída com o Tratado de Ghent em 1814. Durante as negociações, diplomatas britânicos sugeriram o fim da guerra como uti possidetis, mas a resolução final, em grande parte foi à favor dos norte–americanos após a vitória na Batalha de Lake Champlain, que não deixou ganhos ou perdas de terra nem para os Estados Unidos nem para as colônias britânicas no Canadá. Além disso, a Guerra dos Sete Anos (1756–1763) entre a Prússia e a Áustria concluiu como status quo ante bellum. A Áustria tentou retomar a região da Silésia, perdida na Guerra de Sucessão Austríaca oito anos antes, mas o território permaneceu nas mãos dos prussianos.

A Guerra Irã-Iraque (setembro de 1980 a agosto de 1988), deixou as fronteiras inalteradas. Dois anos depois, como a guerra com as potências ocidentais se aproximava, Saddam Hussein reconheceu os direitos do Irã sobre a metade oriental de Chatt al-Arab, e a reversão do status quo ante bellum que havia repudiado uma década antes. A Guerra das Malvinas (1982), terminou com a vitória militar britânica, mas não resolveu a disputa de soberania sobre as ilhas.

A Guerra de Kargil foi um conflito armado entre a Índia e o Paquistão, que teve duração de maio a julho de 1999 no distrito de Kargil, na Caxemira além de outros lugares ao longo da Linha de Controle. A causa da guerra foi a infiltração de soldados paquistaneses e militantes da Caxemira em posições no lado indiano da Linha de Controle, que serve como fronteira de facto entre os dois Estados. Durante os estágios iniciais da guerra, o Paquistão condenou inteiramente a luta pela independência dos rebeldes da Caxemira, mas os documentos deixados pelas vítimas e declarações feitas mais tarde pelo primeiro–ministro do Paquistão e o chefe do Exército provaram o envolvimento de forças paramilitares do país, lideradas pelo general Ashraf Rashid. O Exército Indiano, mais tarde, apoiado pela Força Aérea, recapturaram as posições paramilitares do Paquistão no lado indiano da Linha de Controle. Com a oposição diplomática internacional, as forças paquistanesas foram forçadas a se retirar ao longo da Linha de Controle indiana.

Referências

Ver tambémEditar