Théâtre de Paris

O Teatro de Paris (em francês: Théâtre de Paris) é uma de espetáculos localizado na rua Blanche, nº 15, no 9º distrito de Paris. No qual inclui a sala Réjane, antigamente conhecido como Petit Théâtre de Paris.

Fachada

HistóriaEditar

Sob a tutela de Luis XV, o teatro foi construído em 1730 por Duque de Richelieu, inicialmente direcionado a exibição de seus próprios espetáculos, em 1779 foi vendido ao Barão de Ogny e rebatizado de Folie Richelieu. Foi dirigido por Fortunée Hamelin, diretora teatral conhecida por toda a Paris durante o primeiro império francês.

Em 1811 foi transformado em um parque de diversões, em 1851 foi demolido e o terreno utilizado para a construção da Igreja de Santíssima Trindade de Paris, que anos mais tarde, demolida, dando espaço para a construção de um ringue de patinação no período da Belle Époque.

Em 1880, a partir do projeto dos arquitetos Aimé Sauffroy e Ferdinand Grémailly, parte do rique transformou-se no Palace Théâtre e após passar por uma restauração em 1891, tornou-se Casino de Paris. O restante do rinque deu lugar ao Nouveau-Théâtre.

O primeiro dono do Noveau-Théatre foi o ator e diretor Lugné Poe, um associado de André Antoine, que apresentou o norueguês Henrik Ibsen e o sueco August Strindberg ao público francês, antes de sair em 1893 para fundar o Théâtre de l'Œuvre.

Em 1906, a atriz Gabrielle Réjane comprou o teatro, renovou-o e deu-lhe um novo nome: Teatro Réjane. Ela produziu diversos trabalhos, entre eles, a estreia francesa de O Pássaro Azul de Maurice Maeterlinck que foi muito bem sucedida na atuação da personagem Madame Sans-Gêne de Victorien Sardou em 1911.

O produtor Léon Volterra comprou o teatro em 1918 e, em 12 de agosto de 1919, inaugurou o Teatro de Paris , Réjane estipulou no contrato de venda que o teatro não poderia manter seu nome. Volterra dirigiu o teatro até 1948, quando Marcel Karsenty o assumiu junto com o comediante Pierre Dux. A atriz e diretora Elvira Popescu assumiu em 1955, juntamente com Hubert de Mallet, gerenciando-o por dez anos, antes de partir para o Teatro Marigny .

Sob a orientação Alain de Leseleuc (1965-1975) e Robert Hossein (1975-1990), o teatro especializou-se em obras musicais, particularmente em operetas de Offenbach e Ópera bouffe , como La Périchole dirigida por Maurice Lehmann, La belle Hélène dirigida por Jérôme Savary e Le pont des soupirs dirigido por Jean-Michel Ribes . Também produziu musicais como Starmania e Cats .

Stéphane Hillel tornou-se diretor artístico em janeiro de 2002 e diretor geral em 2012. O teatro, de propriedade de Alain Dumenil desde o início da década de 2000. Em janeiro de 2013 foi comprada pela empresa de comércio eletrônico vente-privee.com (Jacques-Antoine Granjon).

Principais EspetáculosEditar

No BrasilEditar

A atriz francesa Gabrielle Réjane apresentou-se no Brasil em duas ocasiões: 1902 e 1909[1]

Referências

  1. Gabrielle Réjane (16 de outubro de 2016). «Gabrielle Réjane». Wikipédia, a enciclopédia livre 
  • Fortune, Nigel; Whenham, John (1986). "Modern editions and performances" in Whenham, John (ed.): Claudio Monteverdi: Orfeo. Cambridge, England: Cambridge University Press. ISBN 0-521-24148-0 
  • Goetschel, Pascale and Yon, Jean-Claude: Directeurs de théâtre, XIXe–XXe siècles: Histoire d'une profession, Sorbonne, 2008
  • Hobson, Harold: French Theatre Today 1953, Arno Press
  • Labourdette, Jean-Paul: Le Petit Futé Paris Spectacles p 134
Este artigo é uma tradução parcial de Wikipedia Francesa equivalente.

Ligações externasEditar