Abrir menu principal

Ticodendraceae

Família monotípica de plantas com flor, da ordem Fagales, cuja única espécie é ''Ticodendron incognitum'', uma árvore das montanhas da América Central.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaTicodendraceae
Ticodendron
Ticodendron incognitum
Taxocaixa sem imagem
Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável [1]
Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: angiospérmicas
Clado: eudicotiledóneas
Clado: rosídeas
Ordem: Fagales
Família: Ticodendraceae
Gómez-Laur. & L.D.Gómez[2]
Género: Ticodendron
Gómez-Laur. & L.D.Gómez
Espécie: T. incognitum
Nome binomial
Ticodendron incognitum
Gómez-Laur. & L.D.Gómez

Ticodendraceae é uma família monotípica de plantas com flor da ordem Fagales cujo único género é Ticodendron, por sua vez também um táxon monotípico tendo como única espécie Ticodendron incognitum, uma árvore de grande porte, que atinge entre 20 a 30 metros de altura, natural das florestas tropicais de grande altitude da América Central. A espécie foi descrita pela primeira vez apenas em 1989, num habitat remoto, por ter aspecto semelhante a várias espécies de betuláceas.

DescriçãoEditar

Ticodendron incognitum é a única espécie extante conhecida do género Ticodendron, o qual por sua vez é o único género da família monotípica Ticodendraceae. A família está filogeneticamente próxima das Betulaceae, das quais é o grupo irmão.

A espécie foi apenas descoberta em 1989, nas montanhas da Costa Rica, tendo sido negligenciada anteriormente devido ao seu habitat em florestas ainda pouco pesquisadas e por aparência muito comum, semelhante a um amieiro. Investigação adicional demonstrou que o seu alcance se estende desde o sul do México (Veracruz, Oaxaca e Chiapas) para sul através da América Central até ao Panamá.[3][4][5][6]

MorfologiaEditar

Ticodendron incognitum é uma árvore perenifólia com altura que varia dos 7 aos 20–30 m de altura, superficialmente semelhante a um amieiro em aparência, com folhagem de filotaxia alternada, folhas simples com 5–12 cm de comprimento, com margem serrada. A espécie atinge um perímetro à altura do peito (PAP) de 40 a 80 cm. A madeira é amarelada.

As folhas estão inseridas nos ramos segundo uma filotaxia alternada. São folhas divididas em pecíolo e lâmina foliar, com o pecíolo sulcado na parte superior com 10 a 15 milímetros de comprimento. A lâmina foliar é simples e quase coriácea, de forma elíptica-ovada, com um comprimento de 8 a 13 centímetros e uma largura de 4 a 8 centímetros. As folhas são penatinérveas, com 8 a 13 nervuras laterais em cada lado da nervura principal. A margem da folha é duplamente serrada. O lado de baixo da folha é inicialmente pilosa, depois coberto em graus variados com tricomas simples. A página superior da folha é glabra. As brácteas são longas, com cerca de 15 milímetros de comprimento, e cobrem inicialmente o broto, mas caem cedo, deixando uma cicatriz foliar distinta.[7]

Ticodendron incognitum é uma espécie dioica, com sexos separados, ou poligamodioica. As flores ocorrem em inflorescências simples ou compostas, pêndulas, com 1,5 a 4,0 centímetros de comprimento, com brácteas. Cada inflorescência é composta por grupos de uma a três flores masculinas juntas formando um amentilho composto. As flores femininas ocorrem isoladas em amentilhos simples.[7]

As flores são unissexuais, pequenas e reduzidas nas peças florais. As flores femininas apresentam brácteas rudimentares. As flores masculinas não apresentam brácteas. Nas flores masculinas existem oito a dez estames livres, férteis, com 2 a 3 mm de comprimento, cada um com uma antera alongada com cerca de 2 mm de comprimento. Cada flor feminina tem mais de três brácteas transitórias, dois carpelos fundidos a um ovário ínfero. Os dois, raramente três, estiletes são livres, com estigmas alongados. A polinização ocorre através do vento (anemofilia).[7]

O fruto é uma drupa com um comprimento de cerca de 7 centímetros e um diâmetro de cerca de 4 centímetros, assimétrico e um pouco carnudo. Contém apenas uma semente. O endocarpo é longitudinalmente sulcado e muito duro. O número cromossómico básico é 2n = 26.[7]

DistribuiçãoEditar

A distribuição natural é exclusivamente neotropical, estendendo-se do centro do México pelA Guatemala, Costa rica, Nicarágua e Honduras até ao sul do Panamá.

Ticodendron incognitum tem como habitat as florestas tropicais de montanha, em especial a floresta nublada. Geralmente ocorre em altitudes entre os 900 e 2300 metros. A espécie ocorre apenas em pequenas populações isoladas ou como um único espécime isolado.

Os nomes comunas nas terras onde é nativo são "jaúl macho", "jaúl nazareno", "duraznillo" e "candelillo morado".

Filogenia e sistemáticaEditar

FilogeniaEditar

A aplicação das técnicas da filogenética molecular sugere as seguintes relações da família monotípica Ticodendraceae com as restantes famílias que integram a ordem Fagales:[8]



Cucurbitales (grupo externo)


 Fagales  

Nothofagaceae




Fagaceae





Myricaceae



Juglandaceae






Ticodendraceae



Betulaceae




Casuarinaceae







Como se deduz do cladograma acima, a família Ticodendraceae é o grupo irmão da família Betulaceae.

Registo fóssilEditar

O registo fóssil conhecido de espécies desta família inclui frutos fósseis de †Ferrignocarpus bivalvis, do Eoceno médio do Oregon e do Eoceno inferior da flora da formação London Clay do sul da Inglaterra, os quais correspondem de muito perto à morfolgia e anatomia dos frutos da espécie extante de Ticodendron.[9]

SistemáticaEditar

O género Ticodendron foi descrito em 1989 por Jorge Gómez Laurito e Luis Diego Gómez em Annals of the Missouri Botanical Garden, 76 (4), p. 1148-1151, f. 1-6 com a descrição científica da espécie Ticodendron incognitum. [10] A família Ticodendraceae foi originalmente proposta em 1991 por Jorge Gómez Laurito e Luis Diego Gómez em Annals of the Missouri Botanical Garden, 78, 1, p. 87. Esta espécie é filogeneticamente próxima da família Betulaceae.

O nome genérico Ticodendron deriva de Tico, que na Costa Rica é um diminutivo e de dendron, o vocábulo do grego clássico para «árvore», sendo assim directamente traduzível como «arvorezinha».

A família Ticodendraceae Gómez-Laur. & L.D.Gómez inclui apenas um género monotípico:

ReferênciasEditar

  1. {{{assessores}}} ({{{ano}}}). {{{título}}} (em Inglês). IUCN 2006. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2006 . . Página visitada em {{{data}}}. Listed as Vulnerable (VU A1c v2.3)
  2. Angiosperm Phylogeny Group (2009). «An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III». Botanical Journal of the Linnean Society. 161 (2): 105–121. doi:10.1111/j.1095-8339.2009.00996.x. Consultado em 6 de julho de 2013. Arquivado do original (PDF) em 25 de maio de 2017 
  3. Kew Checklist of Selected Plant Families
  4. Nelson Sutherland, C.H. (2008). Catálogo de las plantes vasculares de Honduras. Espermatofitas: 1-1576. SERNA/Guaymuras, Tegucigalpa, Honduras.
  5. Gómez-Laurito, Jorge & Gómez P., Luis Diego 1989. Ticodendron: A new tree from Central America. Annals of Missouri Botanical Garden 76(4): 1148–1151
  6. Ulloa Ulloa, C. 2001. Ticodendraceae. En: Stevens, W.D., C. Ulloa, A. Pool & O.M. Montiel (eds.). Flora de Nicaragua. Monographs in systematic botany from the Missouri Botanical Garden 85(3): 2452
  7. a b c d «Ticodendron incognitum». Tropicos. Missouri Botanical Garden. 32100001  Parâmetro desconhecido |ProjektID= ignorado (ajuda)
  8. Angiosperm Phylogeny Group (2009). «An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III». Botanical Journal of the Linnean Society. 161 (2): 105–121. doi:10.1111/j.1095-8339.2009.00996.x. Consultado em 26 de junho de 2013. Arquivado do original (PDF) em 25 de maio de 2017 
  9. Fruits of Ticodendraceae (Fagales) from the Eocene of Europe and North America by Steven R Manchester - International Journal of Plant Sciences 172(9):1179-1187 · November 2011
  10. Erstbeschreibung eingescannt bei biodiversitylibrary.org.

BibliografiaEditar

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar