Urubu-de-cabeça-amarela

espécie de ave

O urubu-de-cabeça-amarela ou urubu-menor-de-cabeça-amarela (Cathartes burrovianus) é uma ave necrófaga da família Cathartidae, que pode ser encontrada no México, na Argentina e no Brasil.[2][3] É uma ave de porte médio, podendo chegar a até 69 cm de comprimento, podendo pesar entre 950g a 1550g.[4] Tem esse nome, em relação ao Urubu-da-mata que é chamado também de urubu-maior-de-cabeça-amarela, por causa de pequenas diferenças, como os lados do pescoço amarelados e plumagem negra com mancha branca na face inferior das asas, visível apenas em voo e uma envergadura de asas um pouco menor do que a do urubu-da-mata.[5] Também são conhecidos pelos nomes de urubupeba.[6]

Como ler uma infocaixa de taxonomiaUrubu-de-cabeça-amarela
Lesser Yellow-headed Vulture (Cathartes burrovianus) - 48139152782.jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Accipitriformes
Família: Cathartidae
Género: Cathartes
Espécie: C. burrovianus
Nome binomial
Cathartes burrovianus
Cassin, 1845
Distribuição geográfica
Amarelo = Reprodução
Amarelo = Reprodução

TaxonomiaEditar

O urubu-de-cabeça-amarela foi descrito pela primeira vez em 1845 por John Cassin.[7] Às vezes, é reconhecido como tendo duas subespécies. O primeiro, Cathartes burrovianus urubitinga, descrito pelo ornitólogo austríaco August von Pelzeln em 1851, é a maior, sendo encontrada da Argentina ao norte da Colômbia, enquanto a subespécie nomeada Cathartes burrovianus burrovianus é menor e encontrada do noroeste da América do Sul até América Central para o México.[8] Seu gênero Cathartes significa "purificador" e vem da forma latinizada do grego kathartēs / καθαρτης.[9] O nome comum, abutre, é derivado da palavra latina vulturus, que significa "rasgador" e é uma referência aos seus hábitos alimentares.[10]

A localização taxonômica exata do urubu-de-cabeça-amarela e das seis espécies restantes de abutres do Novo Mundo permanece obscura.[11] Embora sejam semelhantes na aparência e tenham papéis ecológicos semelhantes, os abutres do Novo e do Velho Mundo evoluíram de diferentes ancestrais em diferentes partes do mundo. O quão diferentes os dois são está atualmente em debate, com algumas autoridades sugerindo que os abutres do Novo Mundo são mais intimamente relacionados à espécie Ciconiidae.[12] Mais recentemente, estudiosos mantiveram sua posição geral na ordem Falconiformes, junto com os abutres do Velho Mundoref>Sibley, Charles G., and Jon E. Ahlquist. 1991. Phylogeny and Classification of Birds: A Study in Molecular Evolution. Yale University Press. ISBN 0-300-04085-7. Accessed 2007-04-11.</ref> ou os colocam em sua própria ordem, Cathartiformes.[13] O American Ornithologists' Union removeu os abutres do Novo Mundo de Ciconiiformes e os colocou em Incertae sedis, mas observou que uma mudança para Falconiformes ou Cathartiformes é possível.[11] Como outros abutres do Novo Mundo, o urubu-de-cabeça-amarela tem um número cromossômico diplóide de 80.[14]

DescriçãoEditar

 
Um urubu-de-cabeça-amarela no Natura Artis Magistra

A espécie tem 53–66 cm de comprimento, envergadura de 150–165 cm e cauda de 19–24 cm. Seu peso varia de 0,95 a 1,55 kg (2,1 a 3,4 lb).[15] Sua plumagem é preta com brilho verde. A garganta e os lados da cabeça não têm penas. A cabeça e o pescoço não têm penas e a pele é amarela, com testa e nuca avermelhadas e uma coroa azul-acinzentada. A íris dos olhos é vermelha, as pernas brancas e o bico da cor da pele.[16] O olho tem uma única fileira incompleta de cílios na pálpebra superior e duas fileiras na pálpebra inferior.[17] A cauda é arredondada e relativamente curta para um abutre; a ponta da asa fechada se estende além da cauda.[18] Os mais jovens têm plumagem mais marrom, cabeça escura e nuca branca.[19]

O bico é grosso, arredondado e adunco na ponta.[20] Os dedos do pé da frente são longos com pequenas teias em suas bases e não estão adaptados para agarrar. A abertura da narina é longitudinal e as narinas não têm septo. Como todos os abutres do Novo Mundo, não tem siringe e, portanto, é incapaz de fazer qualquer som além de um silvo baixo.[21]

Difere em aparência do urubu-da-mata de várias maneiras. É menor e menos forte do que o urubu-da-mata e tem uma cauda mais curta e fina. A plumagem é mais marrom do que a plumagem escura e brilhante. Suas pernas são de cor mais clara e sua cabeça é mais alaranjada do que a cabeça mais amarela do urbu-de-cabeça-amarela. Seu voo também é menos constante do que o do urubu-da-mata.[15]

Além do urubu-da-mata, é semelhante ao urubu-de-cabeça-vermelha.[8]

Distribuição e habitatEditar

Pode ser encontrado na Argentina, Belize, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Ecuador, El Salvador, Guatemala, Guiana, Guiana Francesa, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela. Seus habitats naturais são subtropicais ou tropicais sazonalmente úmidos ou pastagens de planície inundadas, pântanos, manguezais antigas florestas fortemente degradadas.[1] Pode vagar por campos secos e clareiras.[19] Geralmente não é encontrado em regiões de alta altitude.[15][22]

Ecologia e comportamentoEditar

 
Urubu-de-cabeça-amarela no Pantanal

O urubu-de-cabeça-amarelavoa solitariamente, com as asas mantidas em posição diédrica. Desliza a baixa altitude sobre pântanos enquanto localiza alimentos e se empoleira em postes de cerca ou em outros poleiros baixos. Ao voar, viaja sozinho e raramente é encontrado em grupos.[19] Seu voo é um exemplo de voo estático, que usa térmicas para manter a altitude sem a necessidade de bater as asas.[20] Raramente voa alto, preferindo baixas altitudes. Acredita-se que esta ave seja um tanto migratória em resposta às mudanças no nível da água onde vive.[23] Assim como outros abutres do Novo Mundo, tem o hábito incomum de urinar e defecar nas patas para resfriá-las por evaporação.[24]

ReproduçãoEditar

 
No Zoologico Tennōji, em Osaka

Não constroi ninhos, mas coloca ovos no solo, nas saliências dos penhascos, no chão de cavernas ou no oco de uma árvore. Os ovos são de cor creme e fortemente manchados com manchas marrons e cinzas, principalmente em torno da extremidade maior.[19] Geralmente são postos dois ovos. Os filhotes são altriciais - são cegos, nus e relativamente imóveis após a eclosão. Os filhotes não desenvolvem suas penas de penugem até mais tarde. Os pais alimentam seus filhotes regurgitando comida pré-digerida em seu bico, onde os filhotes a bebem.[20] O filhote empluma-se após dois a três meses.[23]

DietaEditar

O urubu-de-cabeça-amarela é um necrófago e subsiste quase inteiramente de carniça.[16] Come animais atropelados ou a carcaça de qualquer animal, mas também é conhecido por caçar, especialmente pequenos animais aquáticos em pântanos.[23] Prefere carne fresca, mas muitas vezes não consegue fazer o primeiro corte na carcaça de um animal maior porque seu bico não é forte o suficiente para rasgar a pele dura. Não se alimentará mais de um pedaço de carniça, uma vez que a carne está em um estado de extrema decomposição, pois fica contaminada com toxinas microbianas.[25] Como outros abutres, desempenha um papel importante em seu ecossistema, eliminando carniça que, de outra forma, seria um terreno fértil para doenças.[26]

A espécie possui visão aguçada para localizar carniça no solo, mas também usa seu olfato, uma habilidade incomum no mundo das aves. Localiza carniça detectando o cheiro de etil mercaptano, um gás produzido no início da decomposição em animais mortos. O lobo olfativo de seu cérebro responsável pelo processamento de cheiros é particularmente grande em comparação com outros animais.[25] Esta característica dos abutres do Novo Mundo tem sido usada por humanos: o etil mercaptano é injetado em dutos, e os engenheiros que procuram vazamentos seguem os abutres forrageiros.[27]

O urubu-rei, que não consegue cheirar carniça, segue os urubus-de-cabeça-amarela até as carcaças, onde o urubu-rei rasga a pele do animal morto. Isso permite que o urubu-de-cabeça-amarela tenha acesso à comida, pois não tem um bico forte o suficiente para rasgar o couro de animais maiores. Este é um exemplo de dependência mútua entre espécies.[28] Geralmente é deslocado das carcaças por urubus-de-cabeça-vermelha e urubus-rei, devido ao seu tamanho maior.[26]

ConservaçãoEditar

A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) a classificou como "espécie pouco preocupante". Tal status foi aferido em decorrência de sua abrangência de 7 800 000 km2 (3 000 000 sq mi) e de sua população, estimada entre 100.000 e 1.000.000.[29] Sua tendência populacional parece ser estável.[1]

ReferênciasEditar

  1. a b c «Cathartes burrovianus». BirdLife International. 2012. Consultado em 17 de julho de 2021 
  2. «Species account: Lesser Yellow-headed Vulture Cathartes burrovianus». Global Raptor Information Network. 8 de maio de 2014. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  3. Wetmore, Alexander (1964). «A revision of the American vultures of the genus Cathartes». Smithsonian Miscellaneous Collections. 146 (6). 15 páginas 
  4. «URUBU-DA-CABEÇA-AMARELA». Aves Catarinenses. 2021. Consultado em 17 de julho de 2021 
  5. «Urubu-de-cabeça-amarela Cathartes burrovianus (Cassin, 1845)». Aves de Rapina Brasil. 2021. Consultado em 17 de julho de 2021 
  6. «urubupeba». Michaelis. 2021. Consultado em 17 de julho de 2021 
  7. Cassin, John. «[untitled]». Proceedings of the Academy of Natural Sciences of Philadelphia. 2 (8). 212 páginas. Near Veracruz, Mexico 
  8. a b Amadon, Dean (1977). «Notes on the Taxonomy of Vultures» (PDF). Condor. 79 (4): 413–416. JSTOR 1367720. doi:10.2307/1367720 
  9. Liddell, Henry George; Robert Scott (1980). Greek-English Lexicon, Abridged Edition. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-910207-4 
  10. Holloway, Joel Ellis (2003). Dictionary of Birds of the United States: Scientific and Common Names. [S.l.]: Timber Press. p. 59. ISBN 0-88192-600-0 
  11. a b Remsen, J. V., Jr.; C. D. Cadena; A. Jaramillo; M. Nores; J. F. Pacheco; M. B. Robbins; T. S. Schulenberg; F. G. Stiles; D. F. Stotz & K. J. Zimmer. 2007. A classification of the bird species of South America. Arquivado em 2009-03-02 no Wayback Machine. South American Classification Committee. Retrieved on 2007-10-15
  12. Sibley, Charles G. and Burt L. Monroe. 1990. Distribution and Taxonomy of the Birds of the World. Yale University Press. ISBN 0-300-04969-2. Acessado em 2007.
  13. Ericson, Per G. P.; Anderson, Cajsa L.; Britton, Tom; Elżanowski, Andrzej; Johansson, Ulf S.; Kallersjö, Mari; Ohlson, Jan I.; Parsons, Thomas J.; Zuccon, Dario; Mayr, Gerald (2006). «Diversification of Neoaves: integration of molecular sequence data and fossils» (PDF). Biology Letters. 2 (4): 543–7. PMC 1834003 . PMID 17148284. doi:10.1098/rsbl.2006.0523 
  14. Tagliarini, Marcella Mergulhão; Pieczarka, Julio Cesar; Nagamachi, Cleusa Yoshiko; Rissino, Jorge; de Oliveira, Edivaldo Herculano C. (2009). «Chromosomal analysis in Cathartidae: distribution of heterochromatic blocks and rDNA, and phylogenetic considerations». Genetica. 135 (3): 299–304. PMID 18504528. doi:10.1007/s10709-008-9278-2 
  15. a b c Ferguson-Lees, James; David A. Christie (2001). Raptors of the World. [S.l.]: Houghton Mifflin Field Guides. pp. 309–310. ISBN 0-618-12762-3 
  16. a b Channing, Keith. «Lesser Yellow-headed Vulture». The Hawk Conservancy. Consultado em 25 de outubro de 2007 
  17. Fisher, Harvey I. (fevereiro de 1942). «The Pterylosis of the Andean Condor». Condor. 44 (1): 30–32. JSTOR 1364195. doi:10.2307/1364195 
  18. Blake, Emmett Reid (1977). Manual of Neotropical Birds. [S.l.]: University of Chicago Press. 262 páginas. ISBN 0-226-05641-4 
  19. a b c d Hilty, Stephen L. (1977). A Guide to the Birds of Colombia. [S.l.]: Princeton University Press. 88 páginas. ISBN 0-691-08372-X 
  20. a b c Terres, J. K. (1980). The Audubon Society Encyclopedia of North American Birds. New York, NY: Knopf. pp. 957. ISBN 0-394-46651-9 
  21. Feduccia, J. Alan (1999). The Origin and Evolution of Birds. [S.l.]: Yale University Press. 300 páginas. ISBN 0-226-05641-4 
  22. Quebrada de los Cuervos Arquivado em 2013-09-28 no Wayback Machine. Em Português
  23. a b c Howell, Steve N.G.; Webb, Sophie (1995). A Guide to the Birds of Mexico and Northern Central America. New York: Oxford University Press. pp. 175. ISBN 0-19-854012-4 
  24. Sibley, Charles G.; Jon E. Ahlquist (1991). Phylogeny and Classification of Birds: A Study in Molecular Evolution. [S.l.]: Yale University Press. ISBN 0-300-04085-7 
  25. a b Snyder, Noel F. R.; Helen Snyder (2006). Raptors of North America: Natural History and Conservation. [S.l.]: Voyageur Press. p. 40. ISBN 0-7603-2582-0 
  26. a b Gomez, LG; Houston, DC; Cotton, P; Tye, A (1994). «The role of greater yellow-headed vultures Cathartes melambrotus as scavengers in neotropical forest». Ibis. 136 (2): 193–196. doi:10.1111/j.1474-919X.1994.tb01084.x 
  27. «Avian Olfaction». Cornell University. Consultado em 25 de outubro de 2007 
  28. Muller-Schwarze, Dietland (2006). Chemical Ecology of Vertebrates. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 350. ISBN 0-521-36377-2 
  29. BirdLife International (2007) Lesser Yellow-headed Vulture Cathartes burrovianus