Várzea Paulista

município brasileiro do estado de São Paulo

Várzea Paulista é um município brasileiro do estado de São Paulo, que integra a Região de Jundiaí, interior do estado. Sua população estimada em 2022 era de 115 771[3] habitantes.

Várzea Paulista
  Município do Brasil  
Várzea Paulista
Várzea Paulista
Várzea Paulista
Símbolos
Bandeira de Várzea Paulista
Bandeira
Brasão de armas de Várzea Paulista
Brasão de armas
Hino
Lema "Facti sunt mihi magna gratia apud Deum et homines in terra"
torno-me grande, com a graça de Deus e do povo desta terra
Gentílico varzino
Localização
Localização de Várzea Paulista em São Paulo
Localização de Várzea Paulista em São Paulo
Localização de Várzea Paulista em São Paulo
Várzea Paulista está localizado em: Brasil
Várzea Paulista
Localização de Várzea Paulista no Brasil
Mapa
Mapa de Várzea Paulista
Coordenadas 23° 12' 39" S 46° 49' 40" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Região metropolitana Jundiaí
Municípios limítrofes Campo Limpo Paulista , Jundiaí e Franco da Rocha
Distância até a capital 45 km[1]
História
Fundação 03 de julho de 1867 (157 anos)
Emancipação 21 de março de 1965 (59 anos)
Administração
Prefeito(a) Rodolfo Wilson Rodrigues Braga (PSDB, 2021–2024)
Características geográficas
Área total [2] 34,627 km²
População total (estimativa IBGE/2022[3]) 115 771 hab.
Densidade 3 343,4 hab./km²
Clima subtropical (Cfa)
Altitude 745 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2000[4]) 0,795 alto
PIB (IBGE/2013[5]) R$ 2,368,423,00 mil
PIB per capita (IBGE/2013[5]) R$ 23 585,08
Sítio Prefeitura de Várzea Paulista (Prefeitura)

História

editar

A história deVárzea Paulista começa em 1867, quando os ingleses construíram a estrada de ferro que liga Santos a Jundiaí. A estrada passava por uma várzea campesina, com um saliente acidente geográfico e as águas cristalinas do Rio Jundiaí. O local começou a ser povoado dezenove anos depois da inauguração desse trecho ferroviário, no final do século XIX, mais precisamente em 1886. O primeiro morador varzino foi Isaac de Souza Galvão, que montou a primeira olaria no local. Consta que a cidade também participou do ciclo do café, que acabou com intensa geada de 1878.

A empresa franco-ítalo-suíça Societé des Distilheiries Brasiliennes instalou uma destilaria de álcool em terras varzinas e viveu tempos prósperos até 1888, quando finalmente foi abolida a escravidão. Em 1891 foi inaugurada a Estação Ferroviária, com arquitetura e materiais ingleses.

Em agosto de 1956, o Cartório Civil teve seus livros liberados para assentamentos. O nome do distrito que até então pertencia à Jundiaí, era chamado de Secundino Veiga, em homenagem ao jornalista que morreu na época.

O primeiro registro de nascimento foi realizado em 14 de Agosto de 1956, e o primeiro casamento foi realizado em 5 de Setembro do mesmo ano.

O cartório substituiu a denominação de Secundo Veiga para Distrito de Várzea, em alusão ao terreno ribeirinho, baixo e plano, situado à margem de um rio. Várzea Paulista ainda era distrito de Jundiaí, quando Antenor Fonseca foi eleito vereador, representando-a na Câmara Municipal de Jundiaí, de 1960 a 1963.

Em 1964, um grupo de varzinos, formado por Francisco de Assis Andrade, João Aprillanti, Armando Pastre, Victorino Vieira Santana, Antenor Fonseca, Benjamin de Castro Fagundes, Milton Lebrão, Otávio Feliz, Luiz Mania e Farid Feres Sada se reuniu para requerer a emancipação político-administrativa do local. A Assembleia Legislativa de São Paulo deu início ao movimento de emancipação por meio da lei estadual 5.820.

No dia 21 de Março de 1965 o bairro foi elevado a município de Várzea Paulista. O Paulista no nome da cidade surgiu como identificador de mais uma conquista dos bandeirantes.

A boa localização junto à estrada de ferro e o pioneirismo econômico renderam à Várzea Paulista uma situação privilegiada em relação à quantidade de indústrias instaladas. A partir da emancipação e até aproximadamente 1972, ocorre a organização da estrutura administrativa da Prefeitura recém instalada, cadastrando as propriedades imobiliárias, as fábricas e casas comerciais para o lançamento de impostos.

Também tem início o alargamento de ruas e assentamentos de guias e sarjetas. Com o passar do tempo, começa o serviço de saúde e a construção do primeiro conjunto habitacional, edificando dezenas de unidades no bairro da Promeca. Foram também adquiridos, através de desapropriação, os galpões do atual Paço Municipal. Criaram-se mecanismos para aumentar o parque industrial, atraindo as primeiras fábricas para a cidade emancipada, como a Elekeiroz, que em 1923, adquiriu um terreno para a construção de sua fábrica.

Em 1948, foi inaugurada a Via Anhanguera, que passa a contribuir ainda mais para o avanço industrial da região, incentivando a instalação de novas fábricas e atraindo um forte contingente de operários, que iriam dar condições de mão de obra a instalação de novos empreendimentos. Várzea, neste processo, cooperava com cerca de 60 olarias, uma das que mais se destacavam era a olaria do Sr Pedro Bifani que contribuia suprindo o mercado consumidor de Campinas e São Paulo, com uma produção diária de 650 mil tijolos.

A vocação para o crescimento econômico de Várzea Paulista é a tônica de sua história, a exemplo da rápida expansão da olaria, indústria pioneira que conquistou grande desenvolvimento. A iniciativa não demandava grandes investimentos, tampouco recursos técnicos, aproveitando ainda a matéria-prima abundante e barata na região, como o barro, processado e cozido, foi convertido na primeira fonte de receita do então pequeno povoado.

No entanto, os fornos e caldeiras, sejam das olarias, fábricas ou ainda para uso da estrada de ferro, eram abastecidos com madeira de eucaliptos. Para tanto, as empresas iniciaram um gigantesco processo de derrubada de madeira de lei e árvores nativas para a plantação de eucaliptos e, consequentemente, a obtenção da madeira propícia para o uso nos fornos. A ação, que ocorreu não somente em Várzea Paulista, mas em toda a região, provocou uma intensa degradação ambiental que até hoje traz reflexos negativos. O ciclo do café e da mandioca também contribuíram muito para o desmatamento local.

Com tanta matéria-prima retirada do meio ambiente, Várzea Paulista já produzia tijolos numa escala que supria as necessidades da região, chegando a abastecer a capital paulista com seus produtos, imprescindíveis para a construção civil da época.

Durante todo século XX a indústria teve sua posição de destaque na formação da cidade. Depois da Elekeiroz, chegou na cidade a Alfred Teves, depois ITT Automotive, hoje Continental Automotive do Brasil Ltda., a KSB bombas hidráulicas S/A e a Foton Indústria Chinesa de Caminhões.

Demografia

editar

População

editar
Crescimento populacional
Ano População Total
19709 894
198033 818241,8%
199168 921103,8%
200092 80034,6%
2010107 08915,4%
2022115 7718,1%
Fontes:[6][7][8]
Censos Demográficos IBGE e Estimativas SEADE

Geografia

editar

Localiza-se a uma latitude 23º12'41" Sul e a uma longitude 46º49'42" Oeste, estando a uma altitude de 745 metros. O município tem sua área urbana conurbada com Jundiaí.

Região Metropolitana

editar

A cidade faz parte da região de Jundiaí. Várzea Paulista deixa de ser uma cidade dormitório e passa a ser uma cidade industrial, o município é um dos que mais vem gerando vagas de emprego (segundo ibge), superando a média de outras cidades da região.

A cidade hoje é conhecida em âmbito nacional e internacional como a Cidade das Orquídeas, possuindo um dos maiores orquidários da América Latina e outros diversos espalhados pela cidade, sem contar os produtores locais e independentes.[9][10] Desde 2005, é realiza-se no município o evento Orquivárzea, uma das maiores exposições de Orquídeas do Brasil e interior, atraindo visitantes de diversos locais do país e expositores nacionais e internacionais.[11][12]

Hidrografia

editar

Várzea Paulista teve no ano de 2013 inaugurada a estação de tratamento de esgoto, tratando 92% de todo o esgoto produzido na cidade tornando o Rio Jundiaí mais limpo, os trabalhos sendo feitos em Itupeva, Salto e Indaiatuba, além do trabalho feito por Jundiaí, permitirá à bacia do Rio Jundiaí tornar-se em alguns anos a primeira bacia hidrográfica despoluída do país.

Rodovias

editar

Ferrovias

editar

Aeroportos

editar

A cidade de Várzea Paulista está a 9 km do Aeroporto de Jundiaí, fica a 55 km do Aeroporto de São Paulo, a 67 km do Aeroporto de Guarulhos e a 43 km do Aeroporto de Campinas no interior do estado, tornando a cidade um atrativo para que empresas se instalem na cidade. Além da malha rodoviária e ferroviária que servem toda a Região de Jundiaí.

Esportes

editar

Várzea Paulista conta com um time de Futebol Americano desde 2015. Blacksmiths com uma equipe de mais de 50 jogadores, no qual fazem parte de projetos sociais na cidade, conta ainda com uma equipe de Karatecas, com mais de 100 alunos do Projeto Social Escolar Karatê Várzea Paulista da Secretaria adj. de Esporte, hoje é reconhecida como uma das melhores do estado de São Paulo e com atletas com títulos a nível nacional, transformando em uns dos polo do karatê do estado.

Comunicações

editar

Telefonia

editar

A cidade era atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[13], que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[14], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[15] para suas operações de telefonia fixa.

Televisão e rádio

editar

Várzea Paulista, recebe às emissoras de rádio e televisão da região metropolitana de São Paulo, no sistema analógico e digital de transmissão.

Administração

editar

Ônibus Coletivos

editar

Economia

editar

É a cidade que mais exporta orquídeas do Brasil. Possui o maior orquidário da América Latina, que se encontra ao pé da Serra dos Cristais.

Referências

  1. «Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista». Consultado em 28 de janeiro de 2011 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. a b «Estimativa populacional 2020 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 28 de junho de 2023. Consultado em 28 de junho de 2023 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. «Censos Demográficos (1991-2022) | IBGE». www.ibge.gov.br 
  7. «Censos Demográficos (1872-1980) | IBGE». biblioteca.ibge.gov.br 
  8. «Biblioteca Digital Seade | Fundação Seade». bibliotecadigital.seade.gov.br 
  9. Mônica Nunes; Adriana Luna (23 de julho de 2010). «Várzea Paulista ajuda a salvar orquídeas da extinção». Planeta Sustentável. Consultado em 11 de fevereiro de 2017 
  10. Revista de Sábado (17 de janeiro de 2015). «Várzea Paulista foi declarada a "Cidade das Orquídeas"». Gshow. Consultado em 11 de fevereiro de 2017 
  11. «Várzea Paulista: Cidade das Orquídeas». Prefeitura Municipal de Várzea Paulista. 8 de abril de 2010. Consultado em 11 de fevereiro de 2017 
  12. Bom Dia Cidade (31 de agosto de 2012). «Orquivárzea começa nesta sexta-feira». G1. Consultado em 11 de fevereiro de 2017 
  13. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  14. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  15. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externas

editar