Abrir menu principal

Verônica Costa

política brasileira
Verônica Costa
Vereadora do Bandeira do Município do Rio de Janeiro.png Rio de Janeiro
Período 1º de janeiro de 2001
até 31 de dezembro de 2008
1º de janeiro de 2013
até atualidade
Dados pessoais
Nascimento 21 de abril de 1974 (45 anos)
Rio de Janeiro
Partido MDB

Verônica Chaves de Carvalho Costa (Rio de Janeiro, 21 de abril de 1974) é uma empresária,[1] radialista, cantora,apresentadora de televisão e política brasileira, sendo considerada uma das principais responsáveis pela popularização do funk no Brasil e no mundo.

Ficou conhecida como a Mãe Loira do Funk.[2]

Criou a equipe de som "Furacão 2000", juntamente com seu então marido Rômulo Costa. Após a separação, montou sua própria equipe "A Glamourosa".

Tem sua carreira na política marcada pela luta dos direitos dos jovens, do empoderamento das mulheres e garantias para a comunidade LGBT junto ao parlamento carioca.[carece de fontes?] Na Câmara de Vereadores é autora de mais de 70 projetos de lei.[carece de fontes?]

BiografiaEditar

Verônica se casou com apenas 15 anos com Rômulo Costa e juntos montaram a equipe de som Furacão 2000, com a qual ambos apresentaram programas de televisão e de rádio sobre o funk carioca. Também consagrou-se como cantora de Funk impulsionando a carreira de funkeiros como o Naldo Benny e MC Sapão.[carece de fontes?]

Foi eleita vereadora da cidade do Rio de Janeiro em 2000 e se candidatou a deputada estadual em 2002, não conseguindo se eleger. Foi reeleita vereadora nas eleições subsequentes. Recentemente[quando?], foi assunto da coluna política Não é bem assim, do jornal O Globo, que contestou seu principal projeto como legisladora[3]

Em 2008, quando tentava se reeleger para um terceiro mandato, teve seu registro de candidatura inicialmente negado,[4] mas posteriormente deferido.

Em 2010 se candidatou novamente a Deputada Estadual pelo Partido da República, sendo eleita suplente com 25.594 votos.[5]

Em Outubro de 2012, foi eleita pela quarta vez vez vereadora do município do Rio de Janeiro com 31.515 votos.[6] Embora pudesse entrar na Assembleia Legislativa, substituindo o prefeito eleito de Araruama Miguel Jeovani, ela assumiu o mandato na Câmara dos Vereadores, cedendo a vaga para Geraldo Pudim.

Foi reeleita para o quinto mandato em 2016. no dia 9 de abril de 2019, foi condenada em primeira instância a 5 anos de prisão e a perda de seu cargo de vereadora, por tortura contra seu ex-marido Márcio Costa. Da decisão ainda cabe recurso.[7]

Referências

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.