Abrir menu principal
Vespasiano Martins
Retrato de Vespasiano Martins
Senador por  Mato Grosso
Período 1946 até 1955
1935 até 1937
33º Prefeito de Campo Grande Bandeira cg ed.jpg
Período 1 de setembro de 1941
até 12 de setembro de 1942
Antecessor Eduardo Olímpio Machado
Sucessor Demóstenes Martins
28º Prefeito de Campo Grande Bandeira cg ed.jpg
Período 1 de novembro de 1934
até 17 de outubro de 1935
Antecessor Pacífico Lopes de Siqueira
Sucessor Antônio Luís Almeida Boaventura
Governador do Estado de Maracaju
Período 10 de julho até 2 de outubro de 1932
24º Prefeito de Campo Grande Bandeira cg ed.jpg
Período 25 de junho de 1931
até 11 de julho de 1932
Antecessor Valdomiro Siqueira
Sucessor Arthur Jorge Mendes Sobrinho
11º Intendente de Campo Grande Bandeira cg ed.jpg
Período 20 de março
até 5 de setembro de 1918
Antecessor Leonel Velasco
Sucessor Rosário Congro
Dados pessoais
Nascimento 4 de agosto de 1889
Campo Grande, Flag of Brazil (1870–1889).svg Império do Brasil
Morte 14 de janeiro de 1965 (75 anos)
Campo Grande, Flag of Brazil (1960–1968).svg Brasil
Progenitores Mãe: Marcelina Barbosa Martins
Pai: Henrique José Pires Martins
Esposa Celina Martins
Partido UDN
Profissão Médico

Vespasiano Barbosa Martins (Campo Grande, 4 de agosto de 1889Campo Grande, 14 de janeiro de 1965) foi um médico e político brasileiro. Foi intendente uma vez e prefeito de Campo Grande por três vezes, governador e foi senador por Mato Grosso em dois mandatos.

Índice

BiografiaEditar

Vespasiano Barbosa Martins nasceu em 29 de junho de 1860 na Fazenda Campeiro, na localidade de Sidrolândia, nos arredores da atual cidade de Campo Grande, atual capital de Mato Grosso do Sul. Era filho do casal Henrique José Pires Martins e de Marcelina Barbosa Martins.[1]

Os seus familiares por parte de mãe foram pioneiros da região sul de Mato Grosso e tiveram influencia no povoamento da localidade então conhecida por "Campo Grande da Vacaria", que recebeu muitas famílias vindas do Rio Grande do Sul. A família era dedicada à pecuária e atuava na política local, contribuindo para o desenvolvimento econômico daquela região.[1]

Vespasiano Martins fez os estudos primários em Uberaba e o secundário no Ginásio Diocesano de Cuiabá. Ingressou na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, na então capital do Brasil, diplomando-se no ano de 1915 e se especializando em ginecologia e cirurgias.[1]

Em 1916, retornou a Campo Grande e lá passou a clinicar, acumulando dois anos mais tarde a intendência municipal. Em meados da década de 1920, viajou pela Europa, visitando países como Alemanha e França com o intuito de acumular experiências e aprendizado na sua profissão. Em 1926, mudou-se para a cidade de São Paulo, onde clinicou por cinco anos, chefiando o serviço de cirurgia do Hospital Alemão.[1]

Em 1924, candidatou-se a prefeitura de Campo Grande, pelo partido Centro Cívico, porém, perdeu o pleito para Antero Pais de Barros, um tradicional político da região, em uma eleição considerada fraudulenta.[1]

Apoiou a Revolução de 1930, ocorrida em outubro daquele ano, e em 1931 foi nomeado em prefeito de Campo Grande, graças ao apoio do Partido União Liberal de Mato Grosso, legenda recém criada e que defendia os ideais da revolução.[1]

 
Vespasiano Martins e Bertoldo Klinger em 1932

Participou da Revolução Constitucionalista de 1932, deflagrada em 9 de julho daquele ano em São Paulo, tendo atuado também nas conspirações que precederam o início do levante ao lado do general Bertoldo Klinger que comandava a Circunscrição Militar de Mato Grosso, sediada em Campo Grande. Porém, com a súbita exoneração do general Klinger daquele cargo, em 8 de julho, ficou comprometida as conspirações em curso no Mato Grosso e a adesão total ao levante das unidades do Exército sediadas naquele estado, em especial, aquelas situadas em Cuiabá, que estavam alheias a situação e acabaram posteriormente a permanecerem leais ao governo federal. Em substituição ao general Klinger, o coronel de engenharia Oscar Saturnino de Paiva foi nomeado interinamente ao comando daquela Circunscrição Militar. No entanto, Saturnino de Paiva veio a também aderir ao levante deflagrado em São Paulo, o que em muito facilitou a aliança entre os paulistas e as unidades do Exército situadas na região sul do Mato Grosso, garantindo o apoio daquela região a causa revolucionária.[2][3][4]

Vespasiano Martins, na qualidade de representante político daquela região, declarou apoio a Revolução Constitucionalista, fazendo coro pela Reconstitucionalização do Brasil e, somando a essa causa, também a defesa pela autonomia estadual da região sul do então estado do Mato Grosso, atualmente contemplada pelo Mato Grosso do Sul. Assim, em 11 de julho daquele ano, em cerimônia solene ocorrida na tarde daquele dia em Campo Grande, foi declarada a emancipação daquela região e criado do Estado de Maracaju, cuja capital passou a ser a cidade de Campo Grande, tendo sido na mesma cerimônia empossado no cargo de chefe estadual Vespasiano Martins, sob aclamação popular. A sede daquele governo foi instalada na atual loja Maçônica da Avenida Calógeras daquela cidade.[3][4]

No entanto, com a rendição dos rebeldes em São Paulo, em 2 de outubro de 1932, os líderes políticos e militares de Maracaju também foram obrigados a se renderem e com isso o novo estado bem como o seu governo foram dissolvidos. Não obstante, o Estado de Maracaju serviria de embrião para a criação do atual Estado do Mato Grosso do Sul, criado pela Lei Complementar nº 31 de 11 de outubro de 1977, sancionada pelo Presidente da República Ernesto Geisel, tendo sido efetivamente consumada a divisão territorial em 1º de janeiro de 1979, uma divisão desejada naquela região desde a época da Guerra do Paraguai. Após a Revolução, Vespasiano Martins foi obrigado a passar cerca de seis meses exilado na Argentina e depois no Paraguai, onde se dedicou à medicina, chegando a instalar um consultório.[1][4]

Em abril de 1933, retornou ao Brasil e se tornou um dos fundadores do Partido Progressista no estado do Mato Grosso. Em 31 de outubro de 1934, com grande popularidade na época, foi nomeado novamente prefeito de Campo Grande, onde permaneceu até 17 de setembro de 1935, quando foi eleito prefeito de Campo Grande. Naquele ano ajudou a fundar o Partido Evolucionista de Mato Grosso, somou as forças de oposição ao então interventor Leônidas Antero de Matos. Ainda em 1935, foi eleito indiretamente pela Assembléia Constituinte de Mato Grosso a senador.[1]

Em 1936, junto com o senador João Vilas Boas, liderou a formação da Aliança Mato-Grossense, constituída por dissidentes do Partido Liberal Mato-Grossense e do Partido Evolucionista, em oposição ao governo de Mário Correia da Costa. Porém, no fim daquele ano, ao lado de Vilas Boas, sofreu um atentado encomendado por Mário Correia da Costa, então governador do Mato Grosso, incomodado pela crescente oposição da Aliança Mato-Grossense, grupo de políticos de oposição que tinha entre seus líderes justamente os senadores Vespasiano e Vilas Boas. Embora alvejado por três tiros em seus membros e gravemente ferido, sobreviveu sem sequelas.[1]

Exerceu o seu mandato de senador até 10 de novembro de 1937, data em que ocorreu um golpe de estado liderado por Getúlio Vargas e o general Góis Monteiro que resultou no regime do Estado Novo que, entre outros medidas, dissolveu o Congresso Nacional. Na sequência desse evento, Vespasiano Martins voltou a clinicar em Campo Grande, assumindo a prefeitura de Campo Grande em 12 de agosto de 1941, por nomeação federal, a convite de Júlio Müller, então interventor do Mato Grosso.[1]

Após o fim da ditadura do Estado Novo, em outubro de 1945, funda no estado a União Democrática Nacional (UDN), partido pelo qual se elegeu novamente senador da República.[1]

Em 1952, sofreu um infarte, o que comprometeu em grande parte de seu coração.[1]

Em 1955, após concluir o seu último mandato como senador e com a saúde frágil, retira-se da vida pública.[1]

Faleceu em Campo Grande no dia 14 de janeiro de 1965. Era casado com Celina Martins, com quem teve quatro filhos.[1]

Paralelamente à política e à medicina, foi também fazendeiro em seu estado, tendo pertencido à Sociedade Rural Brasileira.[1]

Vespasiano Martins é patrono da cadeira nº 22 da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras.[5]

Um de seus genros, Wilson Barbosa Martins, foi governador do Mato Grosso do Sul por dois mandatos.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o De Abreu, Alzira Alves (2015). Dicionário histórico-biográfico da Primeira República (1889-1930). Rio de Janeiro: CPDOC. ISBN 978-85-225-1658-2 
  2. «A posse do dr Vespasiano Martins na Interventoria do Estado». UFMS. 2013 
  3. a b Parreira, Luiz Eduardo S. (9 de julho de 2010). «E o sul do Mato Grosso foi às armas!». Correio do Estado. Consultado em 31 de maio de 2018 
  4. a b c Campestrini, Hildebrando; Guimarães, Acyr V. (2002). História de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: IHGB. 287 páginas 
  5. Academia Sul-Matogrossense de Letras

BibliografiaEditar

  • Martins, Nelly (1989). Vespasiano, meu pai. Brasília: Centro Gráfico do Senado 
  • Rodrigues, J. Barbosa (1980). História de Campo Grande. São Paulo: Editora Resenha Tributária 

Ligações externasEditar

Precedido por
João Pedro de Sousa
Prefeito de Campo Grande
29 de Abril de 19186 de Julho de 1918
Sucedido por
João Pedro de Sousa
Precedido por
Leonel Velasco
Intendente de Campo Grande
20 de Março de 19185 de Setembro de 1918
Sucedido por
Rosário Congro
Precedido por
Valdomiro Siqueira
Prefeito de Campo Grande
25 de Junho de 193111 de Julho de 1932
Sucedido por
Arthur Jorge Mendes Sobrinho
Precedido por
Pacífico Lopes de Siqueira
Prefeito de Campo Grande
1º de Novembro de 193417 de Outubro de 1935
Sucedido por
Antônio Luís Almeida Boaventura
Precedido por
Eduardo Olímpio Machado
Prefeito de Campo Grande
1º de Setembro de 194112 de Setembro de 1942
Sucedido por
Demóstenes Martins