Voo VASP 168


Voo VASP 168
Acidente aéreo
Boeing 727-2A1-Adv, VASP AN0486410.jpg
Um Boeing 727 da VASP, similar ao envolvido no acidente.
Sumário
Data 8 de junho de 1982 (38 anos)
Causa Colisão com o solo em voo controlado e erro do piloto
Local Brasil Serra da Aratanha próximo a Pacatuba (Região Metropolitana de Fortaleza), CE, Brasil
Coordenadas 3°58'41"S 38°38'0"W
Origem Aeroporto Internacional de Congonhas, SP
Escala Aeroporto Internacional do Galeão, RJ
Destino Aeroporto Pinto Martins, CE
Passageiros 128
Tripulantes 9
Mortos 137
Feridos nenhum
Sobreviventes nenhum
Aeronave
Modelo Boeing 727-212
Operador Brasil VASP
Prefixo PP-SRK[1]
Primeiro voo 1977

O Voo VASP 168 foi um acidente aéreo ocorrido em 8 de junho de 1982, quando um Boeing 727-200 com destino a Fortaleza se chocou contra a Serra da Aratanha, na cidade de Pacatuba (na Região Metropolitana de Fortaleza), Ceará.[1] Todos os 137 ocupantes do Boeing morreram na colisão, sendo esse o 4º mais grave acidente da aviação comercial brasileira[2], superado em 29 de setembro de 2006 pelo acidente com o Voo Gol 1907, que matou todos os 154 ocupantes, pelo acidente em 17 de julho de 2007 com o Voo TAM 3054 que matou ao todo 199 pessoas inclusive algumas em terra e, por fim, pelo Voo Air France 447, que caiu próximo ao arquipélago de São Pedro e São Paulo, na madrugada de 1 de Junho de 2009, matando ao todo 228 pessoas. Na lista de passageiros havia duas pessoas que não embarcaram naquele voo por chegarem atrasados. São eles Ivan Dionízio da Cruz e Adão Borges Ferreira.

O comandante pediu para deixar o nível de cruzeiro a aproximadamente 253 km de Fortaleza, quando pelas cartas de navegação utilizadas para a aproximação ao Aeroporto Pinto Martins deveria fazê-lo a 159 km. Tanto o controle de tráfego quanto o seu auxiliar não questionaram o motivo de descer tão longe. Ao estabilizar na altitude autorizada pelo tráfego, já dava para ver as luzes da capital cearense. Foi quando o co-piloto disse: "Não tem uns morrotes aí na frente?". Nesse momento, o Boeing da Vasp sobrevoava a região de Pacatuba. Seis alarmes soaram na cabine, mas o piloto os ignorou, às 02h53, o Boeing se chocou contra a Serra de Aratanha sem deixar sobreviventes.

Entre as vítimas conhecidas estava Edson Queiroz, empresário cearense proprietário de um grupo empresarial com atuação em vários estados brasileiros (Grupo Edson Queiroz), e do Sistema Verdes Mares, que detem a TV Verdes Mares, afiliada da Rede Globo na capital cearense, além de emissoras de rádio no Ceará e em outros estados.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Elias, Denise (1 de novembro de 1996). «Acidente no Ceará que matou 142 foi o maior». www1.folha.uol.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de outubro de 2020 
  2. «Veja os maiores desastres aéreos dos últimos dez anos». Consultado em 29 de julho de 2015 

Ligações externasEditar