Abrir menu principal
Zé Trindade
Nascimento 18 de abril de 1915
Salvador
Morte 1 de maio de 1990 (75 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileiro

Zé Trindade, pseudônimo de Milton da Silva Bittencourt (Salvador, 18 de abril de 1915Rio de Janeiro, 1 de maio de 1990), foi um ator, músico, poeta e comediante brasileiro de rádio, teatro, cinema e TV, famoso por jargões como "Mulheres, Cheguei!" e "Meu Negócio é Mulher"[1].

Índice

BiografiaEditar

Nasceu em tradicional família baiana, porém, o seu pai, herdeiro de uma grande fortuna, é deserdado porque se casa com uma mulher pobre (a mãe de Milton). A sua infância, até os onze anos, foi muito sofrida. Nessa idade, se emprega como contínuo em um hotel da capital baiana e faz amizade com Jorge Amado e Dorival Caymmi, que, como os outros hóspedes do hotel, apreciam suas piadas, versos, poemas ou letras de músicas.

Em 1935, entrou para a Rádio Sociedade da Bahia, vivendo um bêbado no programa Teatro Pelos Ares e em 1937, chegou ao Rio de Janeiro, integrando o elenco de humoristas da Rádio Mayrink Veiga.

Fez sua estreia no cinema em 1947, no filme O Malandro e a Granfina e só parou em 1987, numa ponta em Um Trem para as Estrelas, perfazendo uma carreira de 38 filmes.

Participou pouco de televisão, mas chegou a atuar com Chico Anysio e na novela Feijão Maravilha (1980), do programa humorístico Balança Mas Não Cai (1982) e da minissérie Memórias de um Gigolô (1986).

Gravou 25 discos de música nordestina, com trovas e pensamentos. Foi casado com dona Cleusa e teve quatro filhos: Anayra, Regina, Ricardo e Christina.

Morreu de câncer, em 1 de maio de 1990, no Rio de Janeiro, aos 75 anos.[2]

TrabalhosEditar

 
Rose Rondelli e Zé Trindade em “Pintando o Seis”, 1961. Arquivo Nacional.
No Cinema
Ano Título Papel
1987 Um Trem para as Estrelas Oliveira
1976 Tem Folga na Direção Waldemar
1974 Assim era a Atlântida Ele mesmo
1971 Jesus Cristo Eu Estou Aqui Coronel Piragibe
1961 Bom Mesmo É Carnaval Polidoro
Mulheres, Cheguei! Zeferino
1960 Marido de Mulher Boa Anacleto
Viúvo Alegre Príncipe Danilo Secundino de Oliveira
1959 Entrei de Gaiato Januário Jabotão
Mulheres à Vista João Flores
Massagista de Madame Polidoro
Espírito de Porco Isidoro
1958 Aguenta o Rojão Mané Fogueteiro
O Batedor de Carteiras Mão Leve
O Camelô da Rua Larga Vicente
Na Corda Bamba
1957 Garotas e Samba pai de Sérgio Carlos
Maluco por Mulher
O Negócio Foi Assim Ator dos mambembes
Rico Ri à Toa
Tem Boi na Linha Zebedeu
Treze Cadeiras
1956 Depois Eu Conto Armindo Menezes "Tampinha"
Genival É de Morte
Tira a Mão Daí
1955 O Primo do Cangaceiro Juiz Gaudêncio, de Aroeira
Trabalhou Bem Genival
O Rei do Movimento
1952 O Rei do Samba
1951 Meu Dia Chegará
Tocaia
Aguenta Firme, Isidoro Vizinho
Anjo do Lodo Homem Mau
1949 Inocência Juque
1948 Fogo na Canjica
Prá Lá de Boa
O Cavalo 13
1947 O Malandro e a Granfina [3]
Na Televisão
Ano Título Papel
1986 Memórias de um Gigolô Buster Keaton[4]
1968 Balança Mas Não Cai Vários personagens

DiscografiaEditar

  • "Só mamãe votou em mim"/"Frichilin" (1954) Odeon 78
  • "Seu Gregório"/"Peixe de coco" (1955) Odeon 78
  • "Pega ladrão"/"Pro santo não" (1955) Polydor 78
  • "Quadrilha da roça"/"Taca fogo" (1956) Columbia 78
  • "Namoro de gato"/"Cara de cachorro" (1956) Columbia 78
  • "Marcha do capacho"/"Tô abilolado" (1957) Columbia 78
  • "Quadrilha no escuro"/"Festança boa" (1957) Columbia 78
  • "Meu tamanquinho"/"Eu sou Papai Noel" (1957) Columbia 78
  • "Quadrilha pra inglês ver"/"Bandinha do Mané" (1957) Columbia 78
  • "O Chevrolet do papai"/"O negócio é perguntar pela Maria" (1959) Columbia 78
  • "Leilão na roça"/"Quadrilha francesa" (1959) Columbia 78
  • "Cobra que não anda"/"Marido de mulher boa" (1959) Columbia 78
  • "Vem pro papai"/"Olhar de jacaré" (1960) Columbia 78
  • "Miquilina"/"No dia do batizado" (1960) Columbia 78
  • "Só não bebo leite"/"Eu quero é remeleixo" (1961) Columbia 78
  • "Dá para quebrar o galho"/"Alô, bicudo" (1962) CBS 78
  • "As filhas do Malaquias"/"Hoje à noite tem" (1963) CBS 78
  • "Marcha do divórcio"/"Tem que rebolar" (1963) CBS 78

Referências

  1. Zé Trindade Dicionário Cravo Albin - acessado em 5 de abril de 2015
  2. Zé Trindade Adoro Cinema Brasileiro - pesquisado em 26 de Outubro de 2007, às 16:20
  3. «O Malandro e a Granfina». Cinemateca Brasileira. Consultado em 25 de maio de 2019 
  4. «Memórias de um Gigolô». Memória Globo. Consultado em 25 de maio de 2019 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um ator ou atriz de cinema é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.