Chico Anysio

humorista brasileiro

Francisco Anysio de Oliveira Paula Filho, conhecido artisticamente como Chico Anysio (Maranguape, 12 de abril de 1931Rio de Janeiro, 23 de março de 2012) foi um humorista, ator, radioator, produtor, locutor, roteirista, escritor, dublador, apresentador, compositor e pintor brasileiro, notório por seus inúmeros quadros e programas humorísticos na Rede Globo, emissora onde trabalhou por mais de quarenta anos.

Chico Anysio
Nome completo Francisco Anysio de Oliveira Paula Filho
Conhecido(a) por O Mestre do Humor
Nascimento 12 de abril de 1931
Maranguape, CE
Morte 23 de março de 2012 (80 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileiro
Cônjuge Alcione Mazzeo
Zélia Cardoso de Mello
Filho(a)(s)
Ocupação
Período de atividade 1948 - 2012
Principais trabalhos
Religião católico[1]

Dirigiu e atuou ao lado de importantes nomes do humor brasileiro no rádio e na televisão, como Paulo Gracindo, Grande Otelo, Costinha, Walter D'Ávila, Jô Soares, Renato Corte Real, Agildo Ribeiro, Ivon Curi, José Vasconcellos e muitos outros. Com 63 anos de carreira, é considerado um dos mais geniais humoristas brasileiros.[2] Em 2009 recebeu a mais alta honraria da cultura no Brasil, a Ordem do Mérito Cultural.[3]

BiografiaEditar

Chico Anysio mudou-se com sua família para o Rio de Janeiro quando tinha sete anos de idade. Decidiu tentar fazer um teste para locutor de rádio quando a sua irmã também faria. Saiu-se excepcionalmente bem no teste, ficando em segundo lugar, somente atrás de outro jovem iniciante, por coincidência, o próprio Silvio Santos.[4] Na rádio na qual trabalhava, a Rádio Guanabara, exercia várias funções de radioator a comentarista de futebol. Participou do programa Papel Carbono de Renato Murce. Na década de 1950 trabalhou nas rádios Mayrink Veiga, Clube de Pernambuco e Clube do Brasil. Nas chanchadas da década de 1950 Chico passou a escrever diálogos e eventualmente atuava como ator em filmes da Atlântida Cinematográfica.[5]

Na TV Rio estreou em 1957 o Noite de Gala. Em 1959 estreou o programa Só Tem Tantã, lançado por Joaquim Silvério de Castro Barbosa, mais tarde chamado de Chico Total. Além de escrever e interpretar seus próprios textos no rádio, televisão e cinema, sempre com humor fino e inteligente, Chico se aventurou com relativo destaque pelo jornalismo esportivo, teatro, literatura e pintura, além de ter composto e gravado algumas canções.[5]

Chico Anysio foi um dos responsáveis pela intermediação referente ao exílio de Caetano Veloso em Londres. Quando completou dois anos de exílio, Chico enviou uma carta para Veloso, para que este retornasse ao Brasil. Caetano e Gilberto Gil haviam sido presos em São Paulo, duas semanas depois da decretação do AI-5, o ato que dava poderes absolutos ao Regime Militar. Trazidos ao Rio de carro, os dois passaram por três quartéis, até viajarem para Salvador, onde passaram seis meses sob regime de prisão domiciliar. Em seguida, em meados de 1969, receberam autorização para sair do Brasil, com destino a Londres, de onde só retornariam no início de 1972.[6]

Desde 1968 esteve ligado à Rede Globo, onde conseguiu o status de estrela num elenco que contava com os artistas mais famosos do Brasil, graças também à relação de mútua admiração e respeito que estabeleceu com o executivo Boni. Após a saída de Boni da Globo em 1996 Chico perdeu paulatinamente espaço na programação, situação agravada no mesmo ano por um acidente em que fraturou a mandíbula.

 
Chico Anysio em 2003.

Em 2005 fez uma participação no Sítio do Pica-pau Amarelo, onde interpretava o "Dr. Saraiva" e, mais tarde, participou da novela Sinhá Moça, na Rede Globo.[7] Em 2009, participou da dublagem brasileira de Up - Altas Aventuras, como o protagonista Carl Fredericksen.[8] O elenco também incluía seu filho Nizo Neto.[9]

Vida pessoalEditar

Família

Era filho de Francisco Anysio de Oliveira Paula, que possuía uma empresa de ônibus. A mãe chamava-se Haydeé Vianna de Oliveira Paula, que sofria de um problema no coração, o que a levou a ser internada várias vezes até sua morte aos 89 anos. É pai do ator Lug de Paula (famoso por interpretar o personagem Seu Boneco na Escolinha do Professor Raimundo), do casamento com a atriz e comediante Nancy Wanderley;[10] do ator, comediante e dublador Nizo Neto (Seu Ptolomeu da Escolinha, filho da atriz Rose Rondelli);[11] e do diretor de imagem Rico Rondelli, também filho da atriz e vedete Rose Rondelli;[12] do DJ Cícero Chaves, da união com a ex-frenética Regina Chaves; e do ator/escritor Bruno Mazzeo, do casamento com a ex-modelo e atriz Alcione Mazzeo;[13] e Rodrigo e Vitória com a ex-ministra Zélia Cardoso de Mello, e de André Lucas, filho adotivo.

É irmão da falecida atriz Lupe Gigliotti, com quem contracenou em vários trabalhos na televisão; do cineasta Zelito Viana; e do industrial, compositor e ex-produtor de rádio Elano de Paula. Também é tio do ator Marcos Palmeira, da atriz e diretora Cininha de Paula e é tio-avô da atriz Maria Maya, filha de Cininha com o ator e diretor Wolf Maya. Era casado com a empresária Malga Di Paula.[5]

Problemas de saúde e morte

O humorista foi internado em 2 de dezembro de 2010, quando deu entrada no hospital devido a falta de ar. Na avaliação inicial, detectou-se obstrução da artéria coronariana, sendo submetido à angioplastia. Chico Anysio ficou 109 dias internado, recebendo alta apenas em 21 de março de 2011. Nesse período, permaneceu a maior parte do tempo na UTI.[14]

Em 23 de abril de 2011, Chico Anysio retornou ao programa "Zorra Total" interpretando a personagem Salomé. No quadro, Salomé conversava "de mulher para mulher" com a presidente Dilma Rousseff.[15]

O humorista também se preparava para gravar sua participação em alguns filmes, entre eles A Hora e a Vez de Augusto Matraga, dirigido por Vicente Coimbra, Desde o Princípio, dirigido por Cesar Nero, Os sonhos de um Sonhador - A História de Frank Aguiar, dirigido por Caco Milano, entre outros, porém, em 30 de novembro de 2011, foi internado novamente, devido a uma infecção urinária. Recebeu alta 22 dias depois, em 21 de dezembro,[16] mas já no dia seguinte voltou a ser internado, com hemorragia digestiva.[17] Em fevereiro de 2012 foi diagnosticado com uma infecção pulmonar. Apresentou uma piora nas funções respiratória e renal em 21 de março daquele ano.

Chico Anysio morreu em 23 de março de 2012, aos oitenta anos, no Hospital Samaritano do Rio de Janeiro, por falência múltipla de órgãos.[18] O velório aconteceu no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, que foi aberto ao público ao meio dia, onde se reuniram milhares de fãs, amigos e colegas de trabalho como Maurício Sherman, Glória Pires, André Lucas, Orlando Drummond e José Santa Cruz. Seu último pedido foi o de ser cremado; parte de suas cinzas foi enviada para Maranguape, sua cidade natal, e o resto para os estúdios do Globo.[19][20][21]

Relação com futebolEditar

Em 1950, Chico Anysio comentou jogos da Copa do Mundo para a Rádio Guanabara. Em 1990, após a grande popularidade de seu personagem Coalhada, um estereótipo do jogador de futebol da época, Anysio foi convidado pela Globo para ser um dos comentaristas do Mundial da Itália.[22] Em 2006, foi colunista convidado do jornal esportivo Lance. Em um de seus artigos, denominado "Cabelos em pé, galera!", Chico teceu críticas a alguns jogadores, como Cafu e Ronaldo. No mesmo artigo, ele teceu críticas de cunho racista à Dida, dizendo "Não tenho confiança em goleiro negro. O último foi o Barbosa, de triste memória na Seleção."[23][24] Na época, o artigo foi minimizado por Anysio, no qual disse que "Meu pensamento sobre goleiros negros não tem nada a ver com discriminação, porque eu adoro atacantes negros, zagueiros negros, jogadores negros e meio-campistas; Eu não vejo como um branco ou amarelo ou vermelho pode ser melhor do que um preto nos 100 metros, longo ou triplo salto e eventos de longa distância. "No basquete, os negros são deuses de verdade, e dominam o futebol americano. Eu só não gosto deles no gol."[25]

De dezembro de 2007 a outubro de 2010, Chico escrevia um blog pessoal no portal Bloglog, mantido pela Globo.com[26]. Em 27 de fevereiro de 2009, Anysio voltou a criticar Ronaldo, em artigo denominado "Multa covarde", após ele ser multado pelo Corinthians por chegar atrasado à concentração, em um hotel de Presidente Prudente.[27] No texto, Anysio ironiza o clube cobrar apenas R$ 2 mil de multa ao atleta.[28] Em 10 de março, após Derby contra o Palmeiras, Chico disse, em uma postagem chamada "Falta de Ídolos"[29], que existia um entusiasmo exagerado com o Fenômeno, após ele marcar o primeiro gol em seu retorno ao Brasil.[30]

FilmografiaEditar

 
Em 1970.

TelevisãoEditar

Ano Título Papel Nota
1960–63 Chico Anysio Show Vários personagens Também redator e supervisor de criação
1971 Você Tem Tempo? Vários personagens[31]
1971-1972 Linguinha x Mr. Yes Linguinha / Lingote Também redator e supervisor de criação
1973–80 Chico City Vários personagens
1973–90 Fantástico Apresentador
1975 Azambuja & Cia Azambuja Também redator e supervisor de criação
1979 Feijão Maravilha Salomé de Passo Fundo Episódio: "4 de agosto"
1981 Chico Total Vários personagens Também redator
1982–90 Chico Anysio Show Vários personagens Também redator e supervisor de criação
1984 Os Trapalhões Apresentador Episódio: "25 de março"
1989 Que Rei Sou Eu? Taji Namas Episódios: "16–20 de maio"
1990–95 Escolinha do Professor Raimundo Professor Raimundo Nonato Também redator Redação Final e Supervisão de Criação
1990–92 Som Brasil Apresentador
1991 Estados Anysios de Chico City Vários personagens Também redator e supervisor de criação
1992 Fantástico Vários personagens Quadro: "Secretária Eletrônica"
1994 Delegacia de Mulheres Otoniel Episódio: "Raios e Trovões"
1995 Engraçadinha, Seus Amores e Seus Pecados Vendedor de caixões Episódio: "2 de maio"
1996 Chico Total Vários personagens Também redator e supervisão de criação
1999–04 Zorra Total Alberto Roberto / Professor Raimundo / Dr. Rosseti / Frota
1999 Terra Nostra Barão Josué Medeiros Episódio: "13–16 de dezembro"
O Belo e as Feras Vários personagens
2002 Brava Gente Detetive Brito / Cego Episódio: "Loucos de Pedra"
2003 Cartão de Visitas Vários personagens
2004 A Diarista Rúbio Episódio: "Aquele do Dinheiro"
2005 Sítio do Picapau Amarelo Dr. Saraiva Temporada 5
2006 Sinhá Moça Everaldo Batista
2007 Pé na Jaca Ezequiel Evangelista de Jesus (Cigano)
2008 Cilada Deputado Sandoval Episódio: "Eleições"
Guerra e Paz Padre Santo
2009 Caminho das Índias Namit Batra Episódios: "24 de julho–7 de setembro"
Chico e Amigos Vários personagens Especial de fim de ano
2009–12 Zorra Total Alberto Roberto / Justo Veríssimo / Bento Carneiro / Salomé
2010 Malhação ID Ele mesmo Episódio: "20 de dezembro"

CinemaEditar

Ano Título Papel
1955 O Primo do Cangaceiro Cincinato
1958 Pé na Tábua Roterista
1959 Entrei de Gaiato Concreto
Garota Enxuta Roteirista
Eu Sou O Tal Dr. Republicano Nepomuceno
1960 Carareco Vem Aí Entrevistador
Pequeno Por Fora
1971 O Doce Esporte do Sexo Vários personagens
1981 O Mundo Mágico dos Trapalhões Narrador
1996 Tieta Zé Esteves
2001 Trepa nas Estrelas Jumbo Culano
2009 O Auto da camisinha Padrinho
Se Eu Fosse Você 2 Olavo
Up - Altas Aventuras Carl Fredricksen (voz)
Simonal - Ninguém Sabe o Duro que Dei Ele mesmo
2010 Uma Professora Muito Maluquinha Monsenhor Aristides / Padre Velho
2011 Os Sonhos de um Sonhador: A História de Frank Aguiar Alemão
A Hora e a Vez de Augusto Matraga Major Consilva[32]

DiscografiaEditar

 
Em 1957.

PublicaçõesEditar

 
Em 1972.

Chico Anysio escreveu várias obras literárias, na maioria contos.[33]

  • O Batizado da Vaca (1972)
  • O Enterro do Anão (1973)
  • É Mentira Terta (1973)
  • A Curva do Calombo (1974)
  • Teje Preso (1975)
  • Feijoada no Copa (1976)
  • O Tocador de Tuba (1977)
  • Carapau (1978)
  • Tem aquela do… (1978)
  • O Telefone Amarelo (1979)
  • O Tiete do Agreste (1984)
  • Negro Leo (1985)
  • A borboleta cinzenta (1988)
  • Sou Francisco (1991)
  • Jesuíno, o Profeta (1993)
  • O analista (1996)
  • Como Segurar seu Casamento (2000)
  • O Canalha (2001)
  • Salão de Sinuca (2004)
  • Armazém do Chico (2005)
  • Mesa de Boteco (2005)
  • 3 Casos de Polícia (2008)
  • Fazedores de Histórias (2010)
  • O Fim do Mundo é Ali (2011)

PersonagensEditar

Prêmios e indicaçõesEditar

Troféu Roquette PintoEditar

Ano Categoria Indicação Resultado
1963 Melhor Humorista[34] Chico Anysio Venceu

Homenagens póstumasEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. Raquel Pinheiro. «Quem - NOTÍCIAS - Leia a última entrevista de Chico Anysio à QUEM». Revista Quem. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  2. «Morre Chico Anysio, um dos gênios do humor brasileiro». Veja. veja.abril.com.br. 23 de março de 2012. Consultado em 23 de março de 2012 
  3. «Chico Anysio morre aos 80 anos». G1. g1.globo.com. 23 de março de 2012. Consultado em 23 de março de 2012 
  4. «Chico Anysio». Consultado em 12 de janeiro de 2011 
  5. a b c «Perfis / Chico Anysio». Consultado em 12 de janeiro de 2011 
  6. Geneton Moraes Neto (8 de fevereiro de 2011). «Caetano revela: militares gravaram interrogatório a que foi submetido no Rio de Janeiro e pergunta: "Onde estarão estas fitas ?" E mais: o dia em que Chico Anysio se ofereceu para ajudar Caetano a voltar do exílio». G1. Dossiê Geral. Consultado em 12 de janeiro de 2011 
  7. «"Estou feliz", diz Chico Anysio sobre atuar em novela». Terra. Consultado em 12 de janeiro de 2011 [ligação inativa]
  8. Erika Azevedo (2 de setembro de 2009). «Dedicado ao cinema, Chico Anysio estreia como dublador em 'Up - Altas aventuras'». O Globo. Consultado em 12 de janeiro de 2011 
  9. Chico Anysio conta história para turma da neta no Rio
  10. «Morre a atriz Nancy Wanderley aos 81 anos». Folha de S. Paulo. Consultado em 12 de janeiro de 2011 
  11. «'Dercy de Verdade': Nizo Neto interpreta o pai, Chico Anysio». Veja. Consultado em 12 de janeiro de 2011 
  12. «Rose Rondeli». Consultado em 12 de janeiro de 2011 
  13. «Bruno Mazzeo - Ator Leva Humor ao Teatro, à TV e às Telas de Cinema». www.globoteatro.com.br. Consultado em 12 de janeiro de 2011 [ligação inativa]
  14. «Chico Anysio recebe alta e deixa hospital». UOL. Consultado em 12 de janeiro de 2011 
  15. «Chico Anysio volta ao Zorra Total». zorratotal.globo.com. Consultado em 12 de janeiro de 2011 
  16. «Chico Anysio recebe alta após 22 dias internado». G1. Consultado em 12 de janeiro de 2011 
  17. «Humorista Chico Anysio morre aos 80 anos no Rio». Folha de S. Paulo. 23 de março de 2012. Consultado em 23 de março de 2012 
  18. «Morre aos 80 anos Chico Anysio». UOL. 23 de março de 2012. Consultado em 23 de março de 2012 
  19. «Chico Anysio morre aos 80 anos». Pop & Arte. 23 de março de 2012 
  20. «Morre aos 80 anos Chico Anysio - Últimas Notícias - UOL TV e Famosos». UOL TV e Famosos 
  21. «Corpo de Chico Anysio é cremado no Rio». Pop & Arte. 25 de março de 2012 
  22. «Chico Anysio no futebol: comentarista, caricatura Coalhada e polêmica do goleiro negro | Entretenimento». A Crítica (em inglês). Consultado em 12 de setembro de 2021 
  23. «Opinião racista de Chico Anysio no LANCE | CASACA!». web.archive.org. 16 de setembro de 2016. Consultado em 11 de setembro de 2021 
  24. «Estigma racista do goleiro negro persiste 70 anos após Maracanazo». Folha de S.Paulo. 15 de julho de 2020. Consultado em 11 de setembro de 2021 
  25. «Tim Vickery column» (em inglês). 6 de novembro de 2007. Consultado em 11 de setembro de 2021 
  26. «Chico Anysio». web.archive.org. 21 de julho de 2015. Consultado em 11 de setembro de 2021 
  27. «Chico Anysio ironiza multa cobrada a Ronaldo». CidadeVerde.com (em inglês). Consultado em 12 de setembro de 2021 
  28. «Chico Anysio». web.archive.org. 26 de janeiro de 2012. Consultado em 12 de setembro de 2021 
  29. «Chico Anysio». web.archive.org. 26 de janeiro de 2012. Consultado em 12 de setembro de 2021 
  30. «EGO - NOTÍCIAS - Chico Anysio diz que entusiasmo com Ronaldo Fenômeno é exagerado». ego.globo.com. Consultado em 12 de setembro de 2021 
  31. «Você Tem Tempo?». Globo.com. Consultado em 26 de outubro de 2017 
  32. «Último filme de Chico Anysio estreia nos cinemas depois de anos de atraso». GlamuramaUOL. 23 de setembro de 2015. Consultado em 6 de outubro de 2016 
  33. Escritor
  34. Folha de S.Paulo (26 de fevereiro de 1963). «Eles foram os melhores de 62!». Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  35. Que Horas Ela Volta leva 7 troféus no 15º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Livros e manuais no Wikilivros
  Citações no Wikiquote
  Imagens e media no Commons
  Categoria no Commons