Adolfo Prada

Adolfo Prada Vaquero (1883-1962) foi um oficial profissional do Exército Espanhol. Ele permaneceu fiel ao governo Republicano durante a Guerra Civil Espanhola. Em Dezembro de 1936, ele liderou uma divisão na Segunda Batalha da Via Corunha.[1] Em Agosto de 1937 ele liderou um corpo de exército na Cantábria,[2] e em 29 de Agosto ele foi nomeado comandante supremo do Exército Republicano do Norte (60.000 homens), substituindo o General Gámir.[3] Ele tentou reorganizar as forças Republicanas e atirou em três comandantes de brigada para manter a disciplina. No entanto, ele não poude parar a ofensiva Nacionalista contra as Astúrias e em 18 de Outubro ele fugiu das Astúrias, a fim de evitar a captura pelos Nacionalistas.[4] Em 7 de Novembro de 1937, ele foi nomeado comandante do recém-criado Exército da Andaluzia, cargo que ocupou até 14 de Março de 1938.[5] Após o desastre da Batalha de Mérida, foi nomeado comandante do Exército da Estremadura em 31 de Julho de 1938, substituindo o Coronel Ricardo Burillo, que havia sido abruptamente demitido.[6]

Adolfo PradaCombatente Militar
Nome completo Adolfo Prada Vaquero
Nascimento 1883
Espanha
Morte 1962 (79 anos)
Madrid, Espanha
Ocupação Oficial
Serviço militar
Serviço Exército
País Segunda República Espanhola República Espanhola
Comando Divisão (1936), Exército do Norte (1937), Exército da Andaluzia (1937), Exército da Estremadura (1938), Exército do Centro (1939)
Conflitos Guerra Civil Espanhola

Em Março de 1939, apoiou o golpe de Casado e foi nomeado comandante do Exército do Centro. Em 28 de Março, ele rendeu-se aos Nacionalistas. Ele foi condenado à prisão. Ele foi libertado anos depois e morreu em Madrid em 1962.

Referências

  1. Thomas, The Spanish Civil War, pág.477.
  2. Thomas, The Spanish Civil War, pág.697.
  3. Beevor, Antony (2006). The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939. Londres: Penguin Books. p. 301. ISBN 978-0-14-303765-1 
  4. Thomas, The Spanish Civil War, pp.708-710
  5. Rafael Gil Bracero (ed.). La guerra civil en Andalucía Oriental (1936-1939). Granada, Diario Ideal. 1987 pág. 184
  6. Francisco Moreno Gómez. La Guerra civil en Córdoba (1936-1939). Alpuerto. 1985, pág. 616

Trabalhos citadosEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.