Abrir menu principal

Ofensiva final da Guerra Civil Espanhola

Ofensiva final
Parte da Guerra Civil Espanhola
España Marzo 1939.PNG
Mapa da Espanha março 1939. Território republicano está em vermelho, e território Nacionalista é em azul.
Data Golpe de Casado: 5 Março - 13 de março de 1939
Ofensiva final: 26 de março - 1 de abril de 1939
Local Sudeste da Espanha
Desfecho
  • Vitória decisiva nacionalista. Fim da guerra.
  • Dissolução da Segunda República
Beligerantes
Espanha Segunda República Espanhola Espanha Nacionalistas
Alemanha NaziLegião Condor[1]
*Corpo Truppe Volontarie Italia
Comandantes
Espanha Segunda República Espanhola:

Governo de Negrin:
EspanhaLuis Barceló
Espanha Francisco GalanRendeu-se
Espanha Antonio OrtegaRendeu-se

Conselho de Defesa Nacional:
Espanha Segismundo Casado
EspanhaManuel MatallanaRendeu-se
Espanha Jose Miaja
Espanha Cipriano Mera
Bandera del bando nacional 1936-1938.svg Francisco Franco
Bandera del bando nacional 1936-1938.svg Juan Yague
Bandera del bando nacional 1936-1938.svg José Solchaga
Bandera del bando nacional 1936-1938.svg Rafael García Valiño
*Gastone Gambara
Forças
250.000[2] – 500.000 combatentes[3]
40 aeroplanos
1.000.000 combatentes[4]
600 aeroplanos
Baixas
Golpe de Casado: 230 mortos[5] – 2.000 mortos[6]

Ofensiva final: 150.000 capturados[7]
1.223 mortos (afundamento do Castillo de Olite) [8]

A ofensiva final da guerra civil espanhola teve lugar entre 26 de março e 1 de abril de 1939, no final da Guerra Civil Espanhola. Em 5 de março de 1939, o Exército Republicano liderado pelo coronel Segismundo Casado e o político Julián Besteiro revoltaram-se contra o primeiro-ministro socialista Juan Negrín e formaram uma junta militar, o Conselho de Defesa Nacional ( Consejo Nacional de Defensa), a fim de negociar um acordo de paz. Negrín fugiu para a França, mas as tropas comunistas nos arredores de Madrid não aceitaram a tentativa de um acordo de paz, iniciando uma guerra civil dentro da guerra civil. A junta militar derrotou-os e começou as negociações de paz com os nacionalistas, porém Francisco Franco só aceitou a rendição incondicional. Em 26 de março os nacionalistas começaram a ofensiva geral e em 31 de Março controlavam todo o território espanhol.[9] Centenas de milhares de republicanos foram presos e internados em campos de concentração.[10]

Índice

AntecedentesEditar

Queda da CatalunhaEditar

Após a queda da Catalunha, em fevereiro de 1939, a situação militar da República era catastrófica, ela ainda mantinhas a capital e 30 por cento do território espanhol, mas tinha perdido 220 mil soldados, a segunda cidade do país, e os recursos industriais da Catalunha.[11] Além disso, os reconhecimentos do governo nacionalista pelo Reino Unido e França levou, em 28 de Fevereiro, o presidente da República, Manuel Azaña, a apresentar sua renuncia à presidência da República.[12]

Situação militarEditar

O Exército Republicano ainda tinha entre 250 mil[2] e 500 mil homens,[3] mas só tinha 40 aviões, (três esquadrões de bombardeiros Natasha e dois de Katiuska e 25 caças Chatos e Moscas),[13] pouco artilharia e poucas armas automáticas.[3] Muitos soldados estavam desarmados (em dezembro de 1938, o exército republicano tinha apenas 225 mil rifles),[14] e não tinha sapatos e casacos.[15] Em Madrid, só havia comida por dois meses, faltava água, aquecimento, medicamentos ou curativos cirúrgicos.[16] Por outro lado, no final de 1938, o exército nacionalista tinha mais de um milhão de homens, entre eles 35 mil marroquinos, 32 000 italianos, 5 000 alemães,[4] além de 600 aeronaves.[15]

A oposição à contínua resistênciaEditar

No dia 8 de fevereiro em uma reunião em Paris, os principais líderes anarquistas concordaram que não havia outra alternativa a não ser um acordo de paz com os nacionalistas e que precisavam de um novo governo para negociar ele. Eduardo Val, secretário da defesa do comitê da região central, concordou com isto, citando que Negrín estava telegrafando em código para os seus mais chegados partidários advertindo-os para evacuarem a zona republicana. A todos pareceu que Negrín estivesse jogando sujo,[17] também pelo fato de ele não instalar seu governo em Madrid ou Valencia mas em uma villa perto do porto de Alicante protegida por 300 comandos comunistas do XIV Corpo.[18]

Em 16 de Fevereiro, o alto comando do exército republicano disse ao primeiro-ministro, Juan Negrín, que continuar a resistência militar era impossível.[19] A maioria dos membros do Exército Republicano, do Partido Socialista (PSOE), a Unión General de Trabajadores (UGT) e os anarquistas da (CNT), acreditavam que era necessário iniciar as negociações de paz.[20] No entanto, Negrín, apoiado pelos comunista do PCE, queria continuar lutando, devido o fato de Franco rejeitar dar qualquer garantia contra possíveis represálias e por acreditar que uma guerra continental contra o fascismo era iminente.[20] Além disso, ele queriam organizar a evacuação das pessoas em maior risco,[21] especificamente havia um forte receio que os comunistas poderiam usar sua superioridade militar para garantir que seus membros escapassem, enquanto aqueles pertencentes aos outros partidos ou organizações seriam deixados a mercê dos nacionalista.[17]

O planoEditar

Desde o final de fevereiro de 1939, o coronel Segismundo Casado vinha preparando um golpe contra o governo de Negrín, a fim de iniciar negociações de paz com os nacionalistas, acreditando que Negrín estava muito subordinado aos comunistas e conduzindo cada vez mais estes aos postos de comando. O Coronel José Centaño, um agente quinta coluna dentro do exército republicano, prometeu-lhe que Franco iria garantir a vida dos oficiais republicanos que não haviam cometido crimes.[22]

A maioria dos elementos não comunistas da Frente Popular em Madrid apoiaram o golpe, entre eles um dos líderes do PSOE, Julian Besteiro, porque eles acreditavam que a continuação da guerra era inútil.[3] Além disso, após a rendição de Minorca, muitos oficiais republicanos na zona central acreditavam que poderiam negociar um acordo com os nacionalistas.[23] Porém os mais fortes sustentáculos de Casado eram três anarquistas: Cipriano Mera, Eduardo Val e Melchor Rodríguez. Não haviam esquecido a derrota de julho de 1937 e almejavam uma vingança contra os comunistas.[24]

Em 3 de março, Negrín anunciou uma série de novas nomeações na Zona Central.[25] O Coronel Casado e os comunistas Juan Modesto e Antonio Cordón García foram promovidos a generais,[26] e oficiais comunistas foram nomeados para comandar os portos de Murcia ( Manuel Tagüeña ), Alicante ( Etelvino Vega) e Cartagena (Francisco Galán).[27] (De acordo com Beevor, Francisco Galan foi nomeado governador militar de Cartagena; Etelvino Vega governador de Alicante; Leocadio Mendiola comandante de Murcia, e Inocencio Curto comandante do Albacete).[28]

Com as modificações no comando, dando o controle dos portos de evacuação aos comunistas e garantindo-lhes o próprio escape[25] confirmou a suspeita dos elementos não comunistas no governo de que eles seriam deixados para trás, e assim se juntaram à conspiração contra Negrín.[17][29]

O golpe de CasadoEditar

PreparativosEditar

Em 5 de março de 1939, o coronel Segismundo Casado, apoiado pelo general Matallana, os anarquistas da CNT[30] (Cipriano Mera), o serviço secreto da República (Servicio de Investigación Militar),[31] uma seção de o PSOE ( Julián Besteiro ) e uma seção da UGT ( Wenceslao Carrillo ), depuseram Negrín e formaram uma junta militar, o Conselho Nacional de Defesa (Consejo Nacional de Defensa), a fim de negociar um acordo de paz com Franco.[32] Em 6 de Março Miaja uniu-se a rebelião e foi nomeado presidente da junta.[33] Os outros membros da junta eram Casado, Julian Besteiro, Wenceslao Carrillo, González Marín e Eduardo Val (CNT), Antonio Perez (UGT), e os republicanos Miguel San Andrés e Jose del Río.[34]

 
Julian Besteiro, um dos líderes do PSOE, que apoiou o golpe de Casado

O coronel Adolfo Prada foi nomeado comandante do Exército do Centro, e os comandantes comunistas do I, II e III Corpo do exército foram destituídos, o jornal Mundo Obrero do PCE foi fechado e Casado ordenou prisões em massa de militantes e comissários políticos comunistas.[35] Depois de uma tentativa fracassada de negociar com Casado, em 6 de março Negrín fugiu para a França a partir do aeródromo de Monovar, perto Elda, com Hidalgo de Cisneros, os líderes do PCE (La Pasionaria e Vicente Uribe), e o ministro das Relações Exteriores Julio Álvarez del Vayo a fim de evitar de ser capturado pelos partidários de Casado[36] (Casado queriam prender o governo e os líderes do PCE, a fim de entregá-los para os nacionalistas).[37]

A luta em MadridEditar

O golpe de Casado foi apoiado pelos comandantes dos outros três Corpos de Exército, (Leopoldo Menéndez López, comandante do Exército Levante; Antonio Escobar, comandante do Exército Estremadura e Domingo Moriones, comandante do Exército Andaluzia).[38] No entanto, as unidades do exército em torno de Madrid e controladas pelo PCE (o I Corpo do Exército do Centro liderada por Luis Barceló, o II Corpo de Emilio Bueno e o III Corpo liderado por Antonio Ortega), levantaram-se contra a junta em 7 de março, iniciando uma breve guerra civil dentro da República. Barceló designou a si mesmo como comandante do Exército do Centro e suas tropas fecharam todas as entradas para Madrid, ocupando a maior parte do centro da cidade e executando três coronéis seguidores de Casado. Os partidários da junda só held alguns prédios do governo e a parte sudeste da cidade.[39] No entanto, IV Corpo de Mera contra-atacou e ocupou Torrejon e Alcalá de Henares.[5] Em 10 de Março, as tropas de Barcelo tinha sido cercadas e um cessar-fogo foi combinado. Em 11 de março, depois de dias de sangrentos combates, Casado, apoiado pelo IV Corpo de Cipriano Mera, derrotaram as tropas de Barceló. Ele e seu comissário político José Conesa foram presos e executados.[5] Houve centenas de mortos (Thomas: 230,[5] Jackson: 1000[40] e Beevor: 2.000 mortos [ 49 ] ).[6]

CartagenaEditar

Houve também combater em Ciudad Real e Cartagena. Em Ciudad Real o Exército da Extremadura sob o comando de Escobar esmagou a resistência comunista liderada por Martínez Cárton.[5] No entanto, em Cartagena (a principal base da Marinha espanhola republicana), onde os partidários do Casado, apoiados por elementos da quinta coluna, tinham começado a revolta contra o governo de Negrín em 4 de março, foram derrotados após um breve combate pela 206 Brigada da IV Divisão do PCE, liderada pelo coronel Joaquin Rodriguez, no dia 7 de março. No entanto, em 5 de março, a Marinha Republicana (três cruzadores e oito destróieres), liderado pelo almirante Buiza, tinha fugido para a Argélia depois de um bombardeio aéreo nacionalista na zona portuária.[41]

Um navio de transporte, o "Castillo de Olite", enviado pelos nacionalistas a fim para apoiar a revolta, foi afundado pelas baterias costeiras de Cartagena, morrendo 1.200 soldados nacionalistas.[8]

Negociações de paz com FrancoEditar

Após a derrota das tropas de Barceló, o Conselho tentou iniciar negociações de paz com Franco, na esperança de conseguir uma garantia contra represálias políticas. No dia 12 de Março, o Conselho propôs um acordo de paz, pedindo uma garantia contra represálias e um período de 25 dias para permitir que qualquer pessoa que quisesse deixar a Espanha pudesse faze-lo. Em 16 de Março, Franco respondeu que só aceitaria uma rendição incondicional.[42]

Em 23 de março, o Conselho enviou dois negociadores para Burgos (Coronel Antonio Garijo e o Major Leopoldo Ortega), e os nacionalistas disseram-lhes que no dia 25 de março, a Força Aérea republicana tinha que ser entregue e pelo 27 as tropas republicanas tinham que levantar a bandeira branca[1] No entanto, em 25 de março, os republicanos não renderam a sua Força Aérea devido ao mau tempo e Franco interrompeu as negociações com a junta.[1][43]

A ofensiva finalEditar

Em 26 de março, as tropas de Yague avançaram na Sierra Morena. Não houve resistência e, em um dia capturaram dois mil quilômetros quadrados de terra e 30 mil prisioneiros.[44] A Junta ordenou a seus soldados de não resistir ao avanço nacionalista, estes vendo que tudo estava perdido jogaram fora suas armas e abandonaram a frente.[45]

Em 27 de março, os nacionalistas continuavam avançando em todas as frentes sem encontrar resistência. No dia seguinte, o coronel Prada, comandante do Exército do Centro, rendeu-se aos nacionalistas e estes ocuparam Madrid.[46][47] Casado e os outros membros da junta, exceto Besteiro, fugiram para o Valencia.[48] Em 29 de março, os nacionalistas ocuparam Jaén, Ciudad Real, Cuenca, Albacete e Sagunto.[49] 50 mil refugiados republicanos concentraram-se nos portos de Valencia, Alicante, Cartagena e Gandia,[50] mas sem a marinha republicana a evacuação era impossível e os governos francês e britânico recusaram-se a organizar uma evacuação.[51] Apenas uma minoria foram evacuados por navios britânicos (entre 650[49] a mais de 3500[51]), entre eles Casado.[52]

Em 30 de março, os nacionalistas ocuparam Valencia e as tropas do general italiano Gambara entraram Alicante, onde encontrou 15.000 refugiados republicanos.[51] Gambara estava disposto em permitir a evacuação dos refugiados políticos, mas em 31 de março, as tropas nacionalistas espanholas chegaram e assumiram a jurisdição de Gambara.[53] Como resultado, muitos refugiados se suicidaram para evitar a captura pelos nacionalistas.[49][51][54]

 
Comunicado emitido pelo quartel general dos nacionalistas anunciando o fim da guerra

Em 31 de março, os nacionalistas ocuparam Almeria, Murcia e Cartagena, controlando todo o território espanhol. Em 1 de Abril de 1939, a guerra foi efetivamente terminada.[55]

ConclusãoEditar

Em 1 º de abril, o Estados Unidos reconheceram o governo nacionalista, deixando a União Soviética como a única grande potência a não reconhecê-lo.[56] O novo regime assinou um pacto de não agressão com Portugal e um tratado de amizade com a Alemanha nazista em 31 de março,[57] e em 6 de abril, Franco anunciou a adesão da Espanha ao Pacto Anticomintern.[58] Em 20 de abril, o Comité de Não Intervenção foi dissolvido e em junho as tropas italianas e alemãs deixaram a Espanha.[59] A ditadura franquista permaneceu até a morte de Franco, em 1975.[60]

Casado permaneceu no exílio na Venezuela até seu retorno para a Espanha em 1961.[61] Cipriano Mera fugiu para Orã e Casablanca, mas foi extraditado para a Espanha, em fevereiro de 1942.[62] Em 1943, ele foi condenado à morte, pena que foi trocada por 30 anos de prisão, mas foi libertado em 1946 emigrando para a França.[62] Miaja fugiu para a França e depois no México, onde morreu em 1958. Matallana foi detido e preso pelos nacionalistas morrendo em Madrid em 1956.[61] Besterio foi preso pelos nacionalistas, onde enfrentou uma corte marcial e foi condenado a 30 anos de prisão.[48] Ele morreu na prisão em 1940.[63]

Os nacionalistas prenderam centenas de milhares de soldados e civis republicanos, com 150.000 soldados capturados só na ofensiva final, sendo conduzidos em campos de concentração improvisados. Havia entre 367 mil e 500 mil prisioneiros em 1939.[7] Nos primeiros anos após a guerra, 50 mil prisioneiros republicanos foram executados,[64][65]

Na literaturaEditar

O golpe de Casado e os últimos dias da guerra são o enredo dos romances Campo del Moro[66] e Campo de los Almendros[67] de Max Aub.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c Beevor, Antony 2006. p.395
  2. a b Jackson, Gabriel 1967. p. 475
  3. a b c d Thomas, Hugh 2001. p.861
  4. a b Thomas, Hugh 2001. p.838
  5. a b c d e Thomas, Hugh 2001. p.884
  6. a b Beevor, Antony 2006. p.394
  7. a b Beevor, Antony 2006. p.404
  8. a b Beevor, Antony 2006. p.391
  9. Hellmuth Gunther Dahms; A guerra civil espanhola; (1968); capítulo: O fim da guerra; página:172-178
  10. Hellmuth Gunther Dahms; A guerra civil espanhola; (1968); capítulo: O destino dos sobreviventes; página:179
  11. Thomas, Hugh 2001. p.854
  12. Graham, Helen 2005. p. 165
  13. Thomas, Hugh 2001. p.868
  14. Thomas, Hugh 2001. p.488
  15. a b Thomas, Hugh 2001. p.866
  16. Thomas, Hugh 2001. p.869
  17. a b c Antony Beevor (2006). «34». "The Battle for Spain". London: Phoenix Paperback-Orion Books Ltd. p. 426, 432 e 434. ISBN 978-0-7538-2165-7. Verifique |isbn= (ajuda) 
  18. Palmiro Togliatti; "Escritos sobre la guerra de Espana"; pag.279; Barcelona; (1980)
  19. Thomas, Hugh 2001. pp.867–868
  20. a b Preston, Paul 2006. p.296
  21. Graham, Helen 2005. p.111
  22. Thomas, Hugh 2001. pp.870–871
  23. Thomas, Hugh 2006. p. 861.
  24. Hellmuth Gunther Dahms (1968). «O fim da guerra». "A guerra civil espanhola". Rio de Janeiro: Editorial Ibis Lta. p. 173 
  25. a b Jackson, Gabriel 1967. p.468
  26. Thomas, Hugh 2001. p.874
  27. Thomas, Hugh 2001. pp.875–876
  28. Beevor, Antony 2006. p.390
  29. Jackson, Gabriel 1967. pp.468–469
  30. Thomas, Hugh 2001. p.873
  31. Thomas, Hugh 2001. p.875
  32. Thomas, Hugh 2001. p.876-878
  33. Thomas, Hugh 2001. p.878
  34. Beevor, Antony 2006. pp.392
  35. Beevor, Antony 2006. pp.393–394
  36. Beevor, Antony 2006. pp.392–393
  37. Thomas, Hugh 2001. p.881
  38. Thomas, Hugh 2001. p.883
  39. Thomas, Hugh 2001. p.882
  40. Jackson, Gabriel 1967. p.433
  41. Thomas, Hugh 2001. pp.876–877
  42. Beevor, Antony 2006. pp.394–395
  43. Thomas, Hugh 2001. pp.885–888
  44. Thomas, Hugh 2001. p.867
  45. Thomas, Hugh 2001. p.887
  46. Jackson, Gabriel 1967. p.509
  47. Thomas, Hugh 2001. pp.888–889
  48. a b Thomas, Hugh 2001. p.888
  49. a b c Thomas, Hugh 2001. p.890
  50. Thomas, Hugh 2001. p.889
  51. a b c d Beevor, Antony 2006. p.396
  52. Aftermath, TIME, 10 April 1939  Verifique data em: |data= (ajuda)
  53. Jackson, Gabriel 1967. p.477
  54. Graham, Helen 2005. p.113
  55. Thomas, Hugh 2001. pp.886–890
  56. Thomas, Hugh 2001. p.894
  57. Thomas, Hugh 2001. p.893
  58. Graham Helen 2005. p.166
  59. Thomas, Hugh 2001. p.894
  60. Preston, Paul. 1995. pp. 786–787
  61. a b Thomas, Hugh 2001. p.923
  62. a b Beevor, Antony 2006. p. 410
  63. Preston, Paul 2006. p.319
  64. Beevor, Antony 2006.
  65. Hellmuth Gunther Dahms; A guerra civil espanhola; (1968); capítulo: O destino dos sobreviventes; p.188
  66. Aub, Max. 1979.
  67. Aub, Max. 1981.

Notas

  • Aub, Max (1979) (in Spanish). Campo del moro. Madrid. Alfaguara. ISBN 9788420420226.
  • Aub, Max (1981) (in Spanish). Campo de los almendros. Madrid. Alfaguara. ISBN 9788420420240.
  • Beevor, Antony. (2006). The battle for Spain. The Spanish Civil war, 1936–1939. Penguin Books. London. ISBN 978-0-14-303765-1.
  • Beevor, Antony; (2006); The battle for Spain. The Spanish Civil war, 1936–1939; Phoenix Paperback – Orion Books Ltd.; London; ISBN 978-0-7538-2165-7.
  • Graham, Helen. (2005). The Spanish Civil War. A Very Short introduction. Oxford University Press. ISBN 978-0-19-280377-1.
  • Jackson, Gabriel. (1967) The Spanish Republic and the Civil War, 1931–1939. Princeton University Press. Princeton. ISBN 978-0-691-00757-1.
  • Preston, Paul. (1995). Franco. Fontana Press. London. ISBN 978-0-00-686210-9.
  • Preston, Paul. (2006). The Spanish Civil War. Reaction, Revolution & Revenge. Harper Perennial. London. ISBN 978-0-00-723207-9. ISBN 0-00-723207-1.
  • Thomas, Hugh. (2001). The Spanish Civil War. Penguin Books. London. ISBN 978-0-14-101161-5.

Ligações externasEditar

Leituras adicionaisEditar

  • Viñas, Ángel; and Hernández Sánchez, Fernando. (2009). El Desplome de la República.Editorial Crítica. Barcelona. ISBN 978-84-9892-031-4.
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Ofensiva final da Guerra Civil Espanhola