Abrir menu principal

Alessandro Siciliano

Industrial ítalo-brasileiro
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Alessandro Siciliano
Nascimento 17 de maio de 1860
San Nicola Arcella
Morte 19 de fevereiro de 1923 (62 anos)
Rio de Janeiro
Cidadania Reino de Itália
Ocupação empresário, banqueiro

Alessandro Vincenzo Siciliano (San Nicola Arcella, 17 de maio de 1860Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 1923) foi um industrial ítalo-brasileiro. Em 5 de agosto de 1916, foi agraciado com o título de conde pelo Papa Bento XV, título que foi transmitido a seu filho Alexandre (Alessandro) Siciliano, em 25 de junho de 1924, com confirmação do Papa Pio XI.[1]

BiografiaEditar

Foi um dos donos da Companhia Mecânica e Importadora, e banqueiro. Propôs, em 1903, um consórcio de exportadores de café que levantariam fundos com banqueiros europeus para financiar a retenção de estoques, conter a queda nos preços e promover a valorização do produto. Adotada pelo governo de São Paulo, essa proposta se materializaria no chamado Convênio de Taubaté, em 1906, um acordo entre os governos de São Paulo, Minas e Rio de Janeiro, os três maiores produtores.

Alessandro Siciliano desposou Laura de Mello Coelho, mais tarde condessa Siciliano, com tem teve quatro filhos: Anna Theresa Siciliano (avó-materna Marta Suplicy), Violeta Siciliano, Alexandre Siciliano e Paulo Siciliano.

Referências

  1. Carlos Eduardo de Almeida Barata. «Subsídios para um Catálogo dos Títulos de Nobreza concedidos pela Santa Sé aos Brasileiros». Colégio Brasileiro de Genealogia - Arquivos Genealógicos _Tabela I, Nºs 4 e 5. Consultado em 21 de junho de 2010. Arquivado do original em 11 de outubro de 2010