Amor de Perdição (1921)

filme português de 1921

Amor de Perdição foi uma adaptação para cinema da obra homónima de Camilo Castelo Branco, realizada por Georges Pallu, em 1921. Foi a primeira vez que a obra de Camilo Castelo Branco foi adaptada ao cinema.[1]

Amor de Perdição
Portugal Portugal
1921 •  p&b •  184 min 
Realização Georges Pallu
Produção executiva Alfredo Nunes de Mattos
Argumento Guedes de Oliveira
Baseado em Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco
Elenco Pato Moniz
António Pinheiro
Brunilde Júdice
Género drama
Música Armando Leça
Cinematografia André Lecointe
Direção de fotografia Maurice Laumann
Direção de arte Henrique Alegria
Companhia(s) produtora(s) Invicta Film
Distribuição Castello Lopes
Lançamento Portugal 9 de Novembro de 1921
Idioma mudo (intertítulos em português)
Orçamento 95 000 de escudos[1]
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados, veja Amor de Perdição (desambiguação).

Foi o primeiro filme português a ser distribuído comercialmente nos Estados Unidos,[2] em 1922 como um filme de 4 partes, das 15 originais.[3]

ElencoEditar

ProduçãoEditar

Naquela que foi a primeira adaptação cinematográfica da obra clássica de Camilo Castelo Branco, Amor de Perdição foi adaptada para o cinema com argumento do jornalista Guedes de Oliveira.[1]

Com um orçamento de cerca de 95 contos de réis, o filme constituiu um esforço de produção, não só devido à precária dimensão da indústria cinematográfica portuguesa de então, como também aos cuidados postos pela Invicta Film, em manter fidelidade ao espírito romanesco do Século XIX, com o realizador Georges Pallu a prodigalizar todas as qualidades de espectáculo e realismo da expressão por imagens.[1]

A rodagem do filme deu-se entre Março e Junho de 1921,[2] dividindo-se entre os Solares da Portela e dos Condes da Regaleira, Casa do Engenho Novo em Porto Brandão, e Universidade de Coimbra, respeitando a indumentária estudantil de então.[1]

Restauro e ReexibiçãoEditar

Para assinalar os cem anos da estreia do filme nos cinemas portugueses, Amor de Perdição foi exibido em formato de filme-concerto nos coliseus de Lisboa e do Porto, com a banda sonora original composta por Armando Leça, reconstruida e adaptada pelo pianista e compositor Nicholas McNair, com a colaboração dos musicólogos Manuel Deniz Silva e Bárbara Carvalho, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, numa iniciativa conjunta com a Cinemateca Portuguesa.[4][5][6]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e «Cinema Português». cvc.instituto-camoes.pt. Consultado em 5 de setembro de 2020 
  2. a b Nascimento, Frederico Lopes / Marco Oliveira / Guilherme. «Amor de Perdição». CinePT-Cinema Portugues. Consultado em 5 de setembro de 2020 
  3. «Love of Perdition (1921) - IMDb». Consultado em 5 de setembro de 2020 
  4. Gaudêncio, Mário Lopes, Rui. «"Amor de Perdição", 1921: a história de um filme e sua banda-sonora». PÚBLICO. Consultado em 26 de março de 2022 
  5. Arte351, Equipa (13 de novembro de 2021). «AMOR DE PERDIÇÃO faz cem anos e regressa ao ecrã com música ao vivo». Arte351 - Art Magazine Portugal. Consultado em 26 de março de 2022 
  6. «Cem anos de ″Amor de perdição″ no Coliseu». www.jn.pt. Consultado em 26 de março de 2022 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um filme português é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre um filme mudo é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.