Anna Mascolo

bailarina, coreografa, professora

Anna Mascolo ( Nápoles, 19302019), foi uma bailarina, coreógrafa, pedagoga e professora de dança que foi responsável pela criação Grupo Experimental de Ballet mais tarde conhecido como Ballet Gulbenkian, presidiu ao Centro Português de Bailado a primeira entidade portuguesa dedicada ao bailado. Foi distinguida pelo Presidente da República Portuguesa com a Ordem do Infante D. Henrique e a Ordem da Instrução Pública.[1]

Anna Mascolo
Nascimento 18 de dezembro de 1930
Nápoles
Morte 29 de março de 2019
Cidadania Itália
Ocupação bailarina, coreógrafa, educadora
Prêmios

BiografiaEditar

Anna Maria Matilde Olimpia Rosário Mascolo, nasceu em Nápoles (Itália), no dia 18 de dezembro de 1930 e faleceu a 30 de março de 2019 em Lisboa. Abandona Itália devido à segunda guerra mundial e chega a Portugal em 1940, onde estuda no Instituto Italiano de Cultura em Lisboa. Lá interessa-se pela dança mas o pai não permite que ela se dedique a ela.[2][3][4][5]

Casou-se com arquitecto Vittorio Ferreira-David, de quem teve dois filhos: a pianista Alexandra Mascolo-David e o bailarino Bruno Mascolo.[2][5]

PercursoEditar

Aos treze anos matricula-se no Conservatório Nacional de Dança sem a autorização dos pais e obtém o diploma em Dança clássica em 1947. Ainda aluna faz parte do grupo que criou o Círculo de Iniciação Coreográfica.[2][6][7]

Aproveita a passagem de grandes companhias de ballet por Lisboa para estudar com artistas como George Balanchine, Nina Verchinina, Paul Szilard, entre outros.[2][3][7]

Entre 1948 a 1952, vai para Paris e Nápoles estudar com outros mestres da dança, entre eles Bianca Gallizia, Olga Preobrajenska e Lubov Egorova.[2][3]

Em 1953, entra para a companhia “Le Grand Ballet du Marquis de Cuevas”, onde trabalha com a coreografa Bronislava Nijinska.[2]

Parte para Milão em 1955, onde frequentou a Escola de Dança do Teatro alla Scala, de Milão, que tinha como directora Esmée Bulnes, onde se interessa pelo ensino da dança e o que a leva a desenvolver o seu próprio método de ensino. Entretanto candidata-se ao lugar de Primeira Bailarina no “American Ballet Theatre” mas não é aceite por ser casada.[2]

Em 1958, consegue uma bolsa do Instituto de Alta Cultura e vai para Londres estudar com Stanislas Idzikowsky, Anna Northcote e Melusine Wood.[5]

Regressa a Portugal e fundou ainda em 1958, o Estúdio-Escola de Dança Clássica de Anna Mascolo (EEDC-AM), em Lisboa, com o objectivo de dar uma formação de nível internacional aos bailarinos portugueses e cuja inauguração conta com a presença de personalidades como  o Rei Humberto II de Itália, a  Marquesa Olga do Cadaval, Frederico de Freitas e Almada Negreiros.[2][3]

Em 1964, assume o cargo de Directora Artística do Grupo Experimental de Ballet , do Centro Português de Bailado e consegue que a Fundação Calouste Gulbenkian assuma a gestão do grupo transformando-o no Grupo Gulbenkian de Bailado que ficou conhecido como  Ballet Gulbenkian.[2][8]

O Grupo de Bailado de Anna Mascolo, é fundado por ela e por alunos seus em 1968, o que lhes permite preparar repertório e a integrarem temporadas de bailado e ópera de forma regular, nomeadamente no Teatro da Trindade e no Teatro Maria Matos. A série de espectáculos Contos e Fantasias Coreográficas, coreografados e comentados por Anna Mascolo e promovidos por Igrejas Caeiro, no Teatro Maria Matos, foi gravado pela RTP devido ao seu conteúdo pedagógico.[2]

Enquanto coreógrafa e primeira bailarina do seu grupo, 1968 a 1975, marca presença em vários espectáculos ópera do Teatro da Trindade, nomeadamente: As bodas de Fígaro, Rigoletto, La Traviata, Carmen, Fausto, O Elixir do Amor e A Flauta Mágica.[5]

Após o 25 de Abril, integra a comitiva que em 1976, viaja até à ex-URSS em representação da dança nacional e durante a qual é lhe dedicado em exclusivo um espectáculo de dança em Baku.[2]

Em 1978, o Ministério da Educação e Cultura nomeia-a para a comissão da reestruturação do Ensino Artístico em Portugal.[2][5]

Em 1983, foi nomeada Delegada Nacional do Conselho Internacional da Dança (CIDD – UNESCO) que a encarregou de fundar o Conselho Português da Dança, do qual será presidente. Foi membro da Federação Internacional da Dança (FID), do Conselho Nacional Italiano da Dança (CNID/UNESCO), do Conselho Brasileiro da Dança (CBDD/UNESCO).[2][4]

Em 1995, contacta com a Organisation Internationale pour la Reconversion des Danseurs Professionnels, enquanto defensora da definição do Estatuto Jurídico da Dança em Portugal que só será aprovado e promulgado em 2019.[5] Acabou por se tornar na representante de Portugal nesse organismo.[2][7][9]

Foi docente na Escola Superior de Dança de Lisboa, no Conservatório Nacional e na Universidade Técnica de Lisboa (Faculdade de Motricidade Humana).[4][6][10]

Para além de ter sido bailarina, coreografa, professora, dirigente e fundadora de várias entidades relacionadas com a dança, ela também realizou investigações na área da dança tendo reunido um dos maiores espólios sobre a área em Portugal, que organizado por ela e deu origem ao livro “Celebrar a dança”.[3][11]

Foram seus alunos os coreógrafos e bailarinos: Jorge Salaviza, Olga Roriz e Vera Mantero, Manuela Valadas, Palmira Camargo, Paula Massano, Vítor Castelo-Branco, Ana Rita Palmeirim, Guilherme Dias, Bruno Mascolo, entre outros.[5][6][8][12][13]

Faleceu a 30 de março de 2019 em Lisboa com 88 anos.[12][14]

PrémiosEditar

1948 - Recebeu o Prémio Nova Geração da Dança [2]

1969 - Prémio Especial de Imprensa, pela os seus esforços em prol da cultura, pedagogia e artísticos [2]

1974 - Recebeu um “Diploma de Excelência” do Ministério da Educação, num concurso de qualificação de professores de bailado por ele promovido [5]

1990 - O Conselho Brasileiro da Dança (CBDD/UNESCO), deu-lhe a Medalha de Mérito Artístico pelos serviços prestados à Dança [2]

1997 - Recebeu o Prémio Vingnaledanza em Turim [5]

2002 - Foi a primeira pessoa a receber o Doutoramento Honoris Causa em Dança em Portugal, pela Faculdade de Motricidade Humana [4][6][7][15]

2013 - Recebeu o Prémio Mulheres Criadoras de Cultura [16]

ReconhecimentoEditar

Em sua homenagem foi criado o prémio de dança Anna Mascolo que é atribuído pela Fundação Mirpuri, em 2018, foi com ele distinguido, o bailarino e coreografo Fernando Duarte.[17][18] 1997 - Aquando dos 50 anos de carreira, é homenageada no Salão Nobre da Faculdade de Motricidade Humana, onde foi professora [2]

2004 (4 de outubro) - Distinguida pelo Presidente da República Portuguesa Jorge Sampaio com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique [1][4][15]

2015 - O seu estúdio foi evocado pelo o Museu Nacional do Teatro e da Dança (Portugal), na exposição temporária Tempos de Dança: Evocação do Estúdio - Escola de Dança Clássica de Anna Mascolo [19]

2017 (4 de abril) - O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, nomeia-a Grande-Oficial da Ordem da Instrução Pública [1][15]

2019 - Após a sua morte o Presidente da República Portuguesa Marcelo Rebelo de Sousa e a Ministra da Cultura Graça Fonseca emitiram comunicados em que lamentam a sua morte, reconhecendo o seu trabalho enquanto pedagoga e impulsionadora da dança em Portugal.[8][15]

ReferênciasEditar

  1. a b c «Entidades Nacionais Agraciadas com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Anna Maria Matilde Olimpia Rosário Mascolo". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 29 de setembro de 2020 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r «Anna Mascolo – Meloteca – Sítio de Músicas e Artes». Consultado em 25 de setembro de 2020 
  3. a b c d e «Celebrar a Dança em Dias do Meu Tempo - Livro - WOOK». www.wook.pt. Consultado em 25 de setembro de 2020 
  4. a b c d e Molina, Hernan Porras (30 de março de 2019). «Olga Roriz sobre Anna Mascolo: "A dança era a sua missão na vida e cumpriu-a bem"». EntornoInteligente (em espanhol). Consultado em 25 de setembro de 2020 
  5. a b c d e f g h i Kitano, Sam. «ANNA MASCOLO (1930-2019) APAGOU-SE UMA INCANSÁVEL LUTADORA DA DANÇA PORTUGUESA | Revista da Dança». Consultado em 25 de setembro de 2020 
  6. a b c d «Olga Roriz sobre Anna Mascolo: "A dança era a sua missão na vida e cumpriu-a bem"». Jornal Expresso. Consultado em 25 de setembro de 2020 
  7. a b c d «Parlamento homenageia bailarina Anna Mascolo por iniciativa do PS». Grupo Parlamentar do Partido Socialista. Consultado em 25 de setembro de 2020 
  8. a b c «Ministra da Cultura lamenta morte da impulsionadora da dança portuguesa Anna Mascolo». www.portugal.gov.pt. Consultado em 25 de setembro de 2020 
  9. SAPO. «Anna Mascolo: Uma vida dedicada à dança e à defesa do seu estatuto». SAPO Mag. Consultado em 25 de setembro de 2020 
  10. ligia.bata (5 de junho de 2017). «Anna Mascolo». www.ulisboa.pt. Consultado em 25 de setembro de 2020 
  11. «Livro Celebrar a Dança». catalogo.bnportugal.pt. Biblioteca Nacional de Portugal. Consultado em 25 de setembro de 2020 
  12. a b Cardoso, Joana Amaral. «Morreu a bailarina e professora Anna Mascolo, cuja vida se confundiu com a da história da dança em Portugal». PÚBLICO. Consultado em 25 de setembro de 2020 
  13. Salavisa, Jorge (10 de abril de 2012). Dançar a Vida. [S.l.]: Leya 
  14. «Anna Mascolo (1930-2019)». Fundação Calouste Gulbenkian. 3 de abril de 2019. Consultado em 25 de setembro de 2020 
  15. a b c d «Presidente da República lamenta a morte de Anna Mascolo». www.presidencia.pt. Consultado em 25 de setembro de 2020 
  16. www.cig.gov.pt https://www.cig.gov.pt/acoes-no-terreno/premios-e-concursos/distincao-mulheres-criadoras-de-cultura/. Consultado em 25 de setembro de 2020  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  17. burocratik.com. «Anna Mascolo Dance Award 2018». Mirpuri Foundation (em inglês). Consultado em 25 de setembro de 2020 
  18. «Candidaturas aos Prémios Dança Música e Teatro Fundação Mirpuri encerram hoje - DN». www.dn.pt. Consultado em 25 de setembro de 2020 
  19. «(2015) TEMPOS DE DANÇA - Evocação do Estúdio-Escola de Dança Clássica de Anna Mascolo». www.museudoteatroedanca.gov.pt. Museu Nacional do Teatro e da Dança (Portugal). Consultado em 25 de setembro de 2020 

Ligações ExternasEditar