Abrir menu principal

Antônio Eusébio da Costa Rodrigues

Costa Rodrigues
Replace this image male.png
Costa Rodrigues
Deputado estadual pelo Maranhão
Período 1947-1951
Prefeito de São Luís
Período 1948-1951
Antecessor Antônio Pires Ferreira
Sucessor Edson Brandão
Deputado federal pelo Maranhão
Período 1951-1959
Dados pessoais
Nascimento 29 de maio de 1915
São Luís, MA
Morte 19 de setembro de 1989 (74 anos)
São Luís, MA
Alma mater Universidade Federal do Pará
Cônjuge Maria José Rodrigues (1ª esposa)
Elzuita Heluy Rodrigues (2ª esposa)
Partido PPB (1947-1950)
PST (1950-1954)
PSD (1954-1965)
PDC (1965)
Profissão médico

Antônio Eusébio da Costa Rodrigues (São Luís, MA, 29 de maio de 1915São Luís, MA, 19 de setembro de 1989) é um médico e político brasileiro que foi deputado federal pelo Maranhão.[1][2]

Dados biográficosEditar

Filho de José Fernandes Rodrigues e Maria Pereira da Costa Rodrigues. Graduou-se médico pela Faculdade de Medicina e Cirurgia da Universidade Federal do Pará em 1938. Especialista em leprologia e psiquiatria, fez parte da Sociedade de Medicina do Maranhão e trabalhou para o serviço de saúde do referido estado. Eleito deputado estadual via PPB em 1947, cargo do qual se afastou para ocupar o cargo de secretário de Educação e Saúde a convite do governador Sebastião Archer, que nomeou Costa Rodrigues para prefeito de São Luís em 1948.[2][3][nota 1][nota 2]

Após migrar para o PST foi candidato a deputado federal em 1950, mas amargou uma suplência. Nomeado diretor do Instituto de Previdência do Estado do Maranhão (IPEM) pelo governador Eugênio Barros, elegeu-se à Câmara dos Deputados no pleito suplementar de setembro de 1951. Reeleito deputado federal via PSD em 1954, foi realocado como suplente quando a Justiça Eleitoral acolheu um recurso e impugnou as urnas da 41ª Zona Eleitoral determinando a recontagem dos votos, decisão confirmada pelo Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão à 1º de março de 1955.[2] Por este motivo Cid Carvalho ficou no lugar de Costa Rodrigues, mas este foi efetivado após a morte de Lima Campos.[4][nota 3]

Filiado ao PDC, disputou o governo do Maranhão em 1965, mas foi derrotado por José Sarney.[5][6] Afastado da política, foi vice-diretor da Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária (1965-1975) e diretor administrativo da Companhia de Produtos Agropecuários do Maranhão (1975-1981).[2]

Notas

  1. Conforme o Diário de S. Luiz havia no organograma da Secretaria de Educação uma repartição específica chamada "Departamento de Saúde", daí o nome da pasta em questão.
  2. O Centro de Pesquisa e Documentação da Fundação Getúlio Vargas aponta que o Partido Proletário do Brasil (PPB) surgiu em 1946 a partir de uma dissidência no PTB.
  3. Outros parlamentares atingidos pela sentença foram Benedito Diniz e Afonso Matos, substituídos por Pedro Braga e Neiva Moreira, respectivamente.

Referências